Tópicos do dia – 27/01/2012

09:44:35
Cuba com Dona Dilma atravessada na garganta.
Ótimo sinal para Dona Dilma. Os genocidas decrépitos, Fidel e Raul Castro, não engoliram o fato do Itamaraty, a mando da presidente brasileira, ter concedido, com urgência máxima, o visto diplomático para ingresso no Brasil da censuradíssima blogueira cubana Yoani Sánchez.
A paleolítica e mofada ditadura que inferniza o povo cubano há mais de 50 anos, pretende retaliar retardando o visto a alguns jornalistas brasileiros que acompanharão Dilma Rousseff na visita que fará, na próxima terça feira, 31 – pra fazer o quê? – ao “paraíso” da censura e do “paredon”.
Fico com a impressão que os carniceiros Castro querem que seja mínimo a permanência de jornalistas “bisbilhotando” a mazelas do ‘Éden’ caribenho.

12:34:58
Pizza no CNJ
Em reunião “secreta” na tarde desta quinta-feira (26), o Conselho Nacional de Justiça rejeitou o parecer do promotor Gilberto Valente Martins, integrante do CNJ, determinando o cancelamento de licitação que gerou contrato de R$ 68,6 milhões com o consórcio de empresas de informática CDS/NTC, ligadas à multinacional Oracle.

Segundo nota divulgada há pouco pelo CNJ, os membros do Conselho “declaram não ter dúvidas em relação à legalidade e/ou regularidade do processo licitatório”, que foi colocado sob suspeita desde que o diretor de Informática do CNJ, Declieux Dantas, foi demitido por discordar da compra, que considerou desnecessária. A licitação foi realizada e concluída em apenas nove dias, um recorde. O CNJ só não explicou por que, se tudo foi correto, os vencedores da licitação tentaram subornar jornalistas da rádio BandNews FM para cessarem as críticas ao negócio. O assédio foi gravado. A diretora-geral Helena Azuma também teria sido afastada do CNJ pelo mesmo motivo.

Um projeto da diretoria de Dantas para ampliar a base de dados do CNJ foi estimado em R$ 5 milhões, mas, com a licitação, acabou custando R$ 68,6 milhões. Quando esta coluna e a rádio BandNews FM começaram a divulgar informações questionando a licitação, um “consultor” procurou um repórter da emissora com proposta de suborno para calar as críticas, inclusive desta coluna. Após ser denunciado publicamente, Geraldo Tavares Jr, o “consultor”, foi desautorizado pelo escritório de advocacia e pela empresa NTC, vencedora da licitação.
Mas é pouco provável que a proposta obscena fosse apresentada sem que o portador estivesse autorizado.
Coluna Claudio Humberto


[ad#Retangulo – Anuncios – Duplo]