Lula continua fugindo da imprensa. “Até quando Catilina?”

Sempre fugindo da imprensa, Lula faz visita ‘de surpresa’ ao Maracanã, e Cabral distribui o release, o vídeo e as fotos.Política Eleições Lula Blog do Mesquita

O ex-presidente Lula está fugindo da imprensa desde 23 de novembro, quando irrompeu o escândalo da Operação Porto Seguro, com o envolvimento de Rosemary Noronha, chefe de Gabinete da Presidência da República em São Paulo e companheira de Lula em viagens oficiais a 32 países (sempre na ausência de Dona Marisa Letícia, por coincidência, é claro).

Imprensa foi barrada

Ontem, mais um capítulo dessa novela. Para escapar dos jornalistas, Lula fez uma “visita- surpresa” à obra do Maracanã.

Chegou por volta das 7h15 ao estádio, junto com o governador do Rio Sérgio Cabral e do vice-governador Luiz Fernando Pezão, pré-candidato do PMDB ao governo do Rio em 2014.

[ad#Retangulo – Anuncios – Esquerda]Cabral, que nunca acorda cedo, fez o sacrifício para poupar Lula da possibilidade de um encontro com os repórteres. Sua assessoria também acordou cedo e providenciou a cobertura completa da visita, com textos, vídeos e fotos, tudo produzido pelos jornalistas que trabalham no Palácio Guanabara.

O material foi distribuído no início da tarde, para ganhar o máximo de exibição nos sites da imprensa, que publicou as fotos assinalando que se trata de “divulgação”.

A visita de Lula ao Rio acontece na mesma semana em que o PMDB fluminense divulgou nota em que condiciona o apoio à reeleição de Dilma à desistência de candidatura própria do PT ao governo do estado em 2014.

O presidente nacional do PMDB, Valdir Raupp, disse concordar com a posição do diretório estadual do Rio.

Mas o presidente do PT, Rui Falcão, afirmou que a candidatura do senador Lindbergh Farias é para valer.

Voltando ao que realmente interessa, agora já faz mais de três meses que Lula não dá uma entrevista à imprensa.

Ao saber dessa fuga permanente do político brasileiro, o filósofo Cícero certamente perguntaria: “Até quando, Catilina?” E ninguém responderia.
Carlos Newton/Tribuna da Imprensa