Juiz DeSanctis menospreza a Constituição Federal

A operação Satiagraha, não para de surpreender. Agora, o jornalista Elio Gaspari, revela, e comenta aterradora declarações Fausto De Sanctis, que invoca o nazismo para justificar medidas inconstitucionais.

Esse caminho tomado pelo juiz, quando assumido pelos maluquetes de plantão, sempre produziu ditaduras e regimes inacreditáveis.

O guru do juiz De Sanctis acabou em cana

De Elio Gaspari:

Coube ao juiz Fausto De Sanctis, sócio-atleta da Operação Satiagraha, oferecer uma explicação erudita e audaciosa para exorbitâncias de alguns delegados, juízes e promotores.

Referindo-se às garantias dos direitos individuais assegurados pela Constituição, o doutor disse: “A Constituição não é mais importante que o povo. (…) Não é possível inverter e transformar o povo em modelo e a Constituição em representado. (…) Nós somos a Constituição, como dizia Carl Schmitt”.

Luís 14 era o Estado. Para De Sanctis, “nós” somos a Lei. “Nós” quem, cara pálida? Segundo Schmitt, “nós” chegou a ser Adolf Hitler. Ele escreveu: “O Fuhrer protege a lei”.

O alemão Carl Schmitt (1888-1985) foi um grande constitucionalista, crítico brilhante da democracia liberal, fascinado pela “exceção”, teólogo da ditadura. Na teoria, foi um expoente do pensamento radical no início dos anos 30.

Na prática, em 1933 inscreveu-se como sócio-atleta do partido nazista e justificou um massacre como uma “forma superior da lei administrativa”.

Pediu também que se expurgasse “o espírito judeu” da jurisprudência alemã. Patrulhado por nazistas da academia, que viam nele um oportunista, foi afastado do poder em 1936, mas, ainda assim, durante a guerra, conseguia convites para fazer palestras em Paris. Capturado em 1945, passou um ano num campo de prisioneiros americano.

De Sanctis pode ter lido alguma coisa de Schmitt, mas leu pouco sobre a história da Europa.

do O Globo