Fatos & Fotos – 28/07/2021

Fikri Amanda Abubakar. St Sd.


Portas e Janelas – Marrocos


Rosalie Caron
Jeune femme sortant du bain,1822


No dia de hoje, mas em 1794, era guilhotinado Maximilien Robespierre, uma das principais figuras da Revolução Francesa. Advogado e político francês nascido em 6 de maio de 1758 em Arras, França. Foi executado em Paris, na “Place de la Révolution – atual place de Concord.


Leopold Schmutzler st sd


Na trilha sonora da manhã desta quarta-feira Patricia JANEČKOVÁ: “Frühlingsstimmen”


Claude Monet,La grande allée à Giverny



Foto do dia

Foto do dia – Autor não identificado
Royalty free. A imagem é liberada livre de copyrights Wallhere


Nicholas Sparks st sd

Diário do Apocalipse – O olhar de fora da bolha – 28/07/2021

Diário do Apocalipse

  1. Bolsonaro concede medalha de Oswaldo Cruz a Michelle Bolsonaro
  2. Até porque “inteligência” e “Pazuello” são categorias mutuamente exclusivas.
  3. Bolsonaro, o desalmado, anuncia a entrega da alma de seu governo ao Centrão, vale dizer, Ciro Nogueira na Casa Civil. Ciro é bom articulador, pode somar com Lyra para segurar o impeachment mas não impedirá a derrocada eleitoral: Bolsonaro continuará desgovernando e destruindo.
  4. CHARLATANISMO LUCRATIVO: Kit Covid de Bolsonaro explode em vendas, cloroquina tem alta de 47% e azitromicina 105%.
  5. QUE VERGONHA! Partido alemão que se encontrou com Bolsonaro só é recebido por párias. Considerado como tóxico, o partido Alternativa pela Alemanha (Afd) passou a ser monitorado em seu país de origem sob a suspeita de tentar desestabilizar a democracia.
  6. Fabricante da proxalutamida, a “nova cloroquina”, afirma que estudo de médicos bolsonaristas é fraudado
  7. Ciro Nojeira vai mandar no governo Bozo, e tem credenciais para tanto: é réu no STF por organização criminosa, corrupção, lavagem de dinheiro e obstrução da justiça. Foi acusado receber R$ 2,5 milhões de propina da JBS. É diplomado em falcatruas e pós-graduado em imoralidades!

Amazônia: Como El Niño ajudou a devastar 2,5 bilhões de árvores e cipós em meio a seca e incêndios

Queimada de floresta amazônica ao lado da BR 163 no Pará deixou grande número de árvores mortas (na imagem, sem folhas e esbranquiçadas) – MARIZILDA CRUPPE/REDE AMAZÔNIA SUSTENTÁVEL

A intensa seca e os incêndios florestais que atingiram a Amazônia em 2015 e 2016 mataram ao menos 2,5 bilhões de árvores e cipós em apenas uma pequena parte da floresta, descobriram pesquisadores.

Cientistas das Universidades de Oxford e Lancaster, no Reino Unido, e da Embrapa, ao lado de pesquisadores de outras instituições brasileiras e estrangeiras, examinaram a região que foi epicentro dos efeitos do El Niño na Amazônia: o Baixo Tapajós.

O El Niño é um fenômeno climático que envolve um aquecimento incomum do Oceano Pacífico. Em 2015 e no início de 2016, provocou efeitos devastadores em diferentes regiões do mundo—- na Amazônia, houve redução de chuvas e intensa seca em uma mata que normalmente é úmida, além de favorecer a disseminação de fogos causados por humanos.

A área analisada pelos pesquisadores fica na região da cidade de Santarém, no Pará, e tem 6,5 milhões de hectares — maior que os Estados de Alagoas e Sergipe juntos. Essa “pequena” parte onde morreram bilhões de árvores representa apenas 1,2% da Amazônia brasileira.

Os pesquisadores também calcularam quanto carbono foi liberado na atmosfera em consequência da morte dessas bilhões de árvores: 495 milhões de toneladas de CO² — valor maior que o liberado pela floresta em um ano inteiro de desmatamento.

E descobriram ainda que as árvores continuaram a morrer e a liberar mais carbono na atmosfera por causa da seca provocada pelo El Niño anos depois do fenômeno climático.

Fatos & Fotos – 27/07/2021

David Gaberle. st sd


Na trilha sonora desta noite de terça-feira – Take a Picture of the Moon – Tatiana Eva-Marie & Terry Waldo


Boa noite
Adeus
Judith Teixeira

Sim, vou partir.
E não levo saudade
De ninguém
Nem em ti penso agora!
Julgavas que a tristeza desta hora
Fosse maior que a firme vontade
Que eu pus em destruir
O luminoso fio de ternura
Que me prendia ao teu olhar?
Julgaste mal:
Eu sei amar,
Mas meu amor
O que eu não sei
É ser banal!

Mas por que vim eu escrever-te ainda?
Nem eu sei!
Talvez somente
O hábito cortês da despedida
– e o hábito faz lei!

Choro?! Oh, sim , perdidamente!
Mas sabes tu, por que este pranto
Assim amargo e soluçado vem?
É que na hora da partida
Eu nunca pude sem chorar
Dizer adeus a ninguém!

Arte Digital – José Mesquita


Christine Webb
Memory of YSL Garden Morocco” sd


Arthur Hacker 1858-1919
Portrait of a Girl,1896


Louis Tresseras st sd


Como Copa, Olimpíada e Bolsonaro implodiram imagem do Brasil no exterior

Cerimônia de abertura da Olimpiada do Rio de Janeiro foi muito elogiada e o evento, no geral, foi um ‘sucesso’. Mesmo assim, a ampla publicidade dada ao Brasil atrapalhou a imagem do país, em vez de ajudar

Quando o Rio de Janeiro foi escolhido em 2009 para sediar a Olímpiada de 2016, o clima era de grande entusiasmo. Seria, aparentemente, uma grande oportunidade de divulgar o Brasil, atrair investimentos e turismo internacional.

Imagens do ex-presidente Lula e do ex-jogador de futebol Pelé pulando de alegria e até chorando circularam nos meios de comunicação. Três anos antes, em 2006, o Brasil já havia sido escolhido para ser sede da Copa do Mundo em 2014.

Com esses dois megaeventos internacionais, o país seria notícia no mundo todo. E foi. Mas, contrariamente ao senso comum, essa “ampla divulgação” provocou efeito inverso do esperado: marcou o início da derrocada da imagem do Brasil no exterior.

Pelo menos é o que revelam dados obtidos pela BBC News Brasil da pesquisa Anholt-Ipsos Nation Brands, que mede a percepção das pessoas sobre os países em áreas como governança, exportação, cultura e população.

Anholt, que já atuou como conselheiro de governantes de 56 países, disse à BBC News Brasil que a Olimpíada e a Copa do Mundo serviram de publicidade negativa ao Brasil porque o mundo passou a conhecer mais sobre a pobreza, a desigualdade social, a violência e a corrupção existentes no país.
Por quase dez anos, o Brasil vivenciou “estabilidade” na sua marca externa, ou seja, na forma como era visto pelo mundo. No entanto, justamente nos anos em que o país sediou os dois grandes eventos esportivos internacionais, houve uma piora acentuada na percepção externa em relação ao país, conforme os dados da pesquisa Nation Brands.

Queda ainda maior com o governo Bolsonaro

Desde a última queda acentuada na sua imagem internacional em 2016, o Brasil iniciou uma recuperação. Mas, de 2019 em diante, após o início do governo Jair Bolsonaro, a “marca” ou imagem externa do país parece ter entrado em queda livre, conforme os dados do Nation Brands.
“A derrocada na imagem partir de 2019 é a mais significativamente negativa já registrada pelo Nation Brands Index. Isso tem correlação com o governo Bolsonaro, reação do governo à pandemia e ao furor internacional diante das queimadas na Amazônia”, explica Anholt.
O pior desempenho do Brasil é no quesito governança, que mede a percepção sobre a competência do governo — o Brasil figura em 44º no ranking nesse tópico. O melhor desempenho é em “cultura”, que mede a apreciação do mundo à música, filme, esporte, arte e literatura de um país. Nessa área, o Brasil aparece na décima posição no ranking.


William De Leftwich Dodge (American,1867-1935)
Dolphin Bay, 1915


O Sax Tenor de Joe Henderson brilha na manhã desta terça-feira – Canyon Lady


Rembrandt
Bethsabée au bain tenant
la lettre de David,1654



Entidades judaicas no Brasil se mostram chocadas com reunião entre presidente da República e Beatrix von Storch e afirmam que a legenda dela, a AfD, é um partido de “extrema direita que minimiza as atrocidades nazistas”

Instituições judaicas no Brasil criticaram nesta segunda-feira (26/07) o encontro do presidente Jair Bolsonaro com a deputada da ultradireita alemã Beatrix von Storch, ocorrido na semana passada.

Von Storch é vice-presidente do partido populista de direita Alternativa para a Alemanha (AFD) e foi recebida pelo presidente em Brasília. Ela também se reuniu, separadamente, com os deputados federais Eduardo Bolsonaro (PSL-SP), filho do presidente, e Bia Kicis (PSL-DF) e com o ministro da Ciência, Tecnologia e Inovações, Marcos Pontes. As fotos do encontro de Von Storch com Pontes foram mais tarde excluídas da conta do ministério na plataforma Flickr.

A Confederação Israelita do Brasil (Conib) lamentou a recepção dada à deputada da AfD em Brasília. “Trata-se de partido extremista, xenófobo, cujos líderes minimizam as atrocidades nazistas e o Holocausto. O Brasil é um país diverso, pluralista, que tem tradição de acolhimento a imigrantes.”

Outra entidade, o Instituto Brasil Israel (IBI), afirmou que a AfD tem características xenófobas e supremacistas e que a viagem mostra que a AfD apenas busca, de forma desesperada, legitimação internacional.

“O fato de Beatrix von Storch se ausentar da Alemanha quando se contam as vítimas das enchentes e viajar por um país isolado internacionalmente a esta altura, como o Brasil, mostra a irrelevância de seu partido e a busca desesperada por qualquer legitimação internacional. Ao contrário de uma união dos conservadores do mundo para defender os valores cristãos e a família, como sugeriu Bia Kicis, esses encontros estão mais para união de políticos de extrema direita irrelevantes no cenário global: um abraço de náufragos”, afirma a nota assinada pelo coordenador-executivo do IBI, Rafael Kruchin.

Já o grupo Judeus pela Democracia se declarou chocado com o encontro do presidente com a líder de um partido que chamou de “extrema direita, xenófobo e nazista”. “O presidente do Brasil, seu filho e a presidente da CCJ encontrarem uma deputada líder do partido de extrema direita, xenófobo e nazista é algo que nos assusta, não apenas como judeus, mas também como brasileiros.”

“Pela terceira vez em dias a VP do partido de extrema direita alemão aparece com governistas brasileiros: presidente da CCJ, filho do presidente e agora o PRESIDENTE DO BRASIL posam sorrindo e citando semelhanças com o partido xenófobo alemão. Sem rodeios: nazistas”, afirmou o Judeus pela Democracia em sua conta no Twitter.

Já na semana passada o Museu do Holocausto de Curitiba havia expressado preocupação e inquietude com os encontros da parlamentar alemã com autoridades brasileiras. “A Alternative für Deutschland (Alternativa para a Alemanha) é um partido político alemão de extrema direita, fundado em 2013, com tendências racistas, sexistas, islamofóbicas, antissemitas, xenófobas e forte discurso anti-imigração“, afirmou o museu.


Foto do dia – Autor não identificado

Royalty free. A imagem é liberada livre de copyrights Wallhere


Adriaan Van Esveld – sd st


Compra de sistema de espionagem teve confronto entre Carlos Bolsonaro e Santos Cruz

A tentativa de compra do sistema de espionagem israelense Pegasus pela Lava Jato também revelou os bastidores do confronto entre integrantes da ala militar, como o então ministro da Secretaria de Governo, general Carlos dos Santos Cruz, o ministro da Justiça Sergio Moro e o vereador Carlos Bolsonaro (Republicanos-RJ). O foco da discórdia foi a montagem de uma licitação, ainda no primeiro ano do mandato do ex-capitão, para a compra do software para o Centro Integrado de Operações de Fronteira, aponta reportagem do jornalista Jamil Chade, no UOL.

Batizado de “Fusion Center”, o modelo integrado de  forças de segurança era inspirado nos moldes adotados pelos Estados Unidos e seria implantado em Foz do Iguaçu, na tríplice fronteira, no Paraná. A instalação, contudo, ainda não foi viabilizada. “A intenção era concluir ambas as licitações, para a criação do centro de controle e para a aquisição de uma ferramenta de inteligência, até 2020, mas diversos atrasos impediram que Moro concluísse o objetivo até a data de sua exoneração em 24 de abril de 2020”, ressalta Chade no texto da reportagem.

A compra do sistema  Pegasus, porém, não era bem vista por membros da ala militar, como o então ministro da Secretaria de Governo. O edital de licitação contou com dois processos distintos, um em 2020 e outro em 2021. O primeiro aconteceu ainda quando Moro chefiava a pasta da Justiça. A empresa fornecedora do Pegasus desistiu de participar do pregão após reportagens revelarem a participação do vereador Carlos Bolsonaro na negociação.


Peder Mørk Mønsted st sd


Angiolo Volpe,Dove l’anima è leggera – sd

Poesia – Judith Teixeira – 27/07/2021

Boa noite
Adeus
Judith Teixeira

Sim, vou partir.
E não levo saudade
De ninguém
Nem em ti penso agora!
Julgavas que a tristeza desta hora
Fosse maior que a firme vontade
Que eu pus em destruir
O luminoso fio de ternura
Que me prendia ao teu olhar?
Julgaste mal:
Eu sei amar,
Mas meu amor
O que eu não sei
É ser banal!

Mas por que vim eu escrever-te ainda?
Nem eu sei!
Talvez somente
O hábito cortês da despedida
– e o hábito faz lei!

Choro?! Oh, sim , perdidamente!
Mas sabes tu, por que este pranto
Assim amargo e soluçado vem?
É que na hora da partida
Eu nunca pude sem chorar
Dizer adeus a ninguém!

Diário do Apocalipse – O olhar de fora da bolha – 27/07/2021

Diário do Apocalipse

  1. Operação LavaJato pensou em comprar o sistema israelense espião Pegasus. Com que dinheiro? Não tinha. Então se propôs que um delator comprasse os kits como parte do acordo.
  2. Não esquecer que Eduardo Bolsonaro tem íntima ligação com os invasores do Capitólio, parte de uma conexão com casal de nazistas alemães recebido com honra pelos herdeiros do holocausto aqui no Brasil. Não existe coincidência em História.
  3. Sem conseguir esconder a ignorância do seu ministério e os títulos mentirosos de seus ministros, Bolsonaro derruba o servidor e apaga o Lattes de todos os pesquisadores brasileiros.
  4. Anvisa suspende autorização de importação da Covaxin.P
  5. residente Jair Bolsonaro volta atrás e diz que não vai vetar aumento do fundo eleitoral aprovado no Congresso. Chefe do Executivo alega problemas de ordem jurídica e diz que fundo poderá ser fixado em R$ 4 bilhões.
  6. Os irmãos Weintraub estão criando uma confusão no rebanho. Ao acusar Bozo pai de vender a alma pro centrão pra salvar a pele dos Bozos filhos, eles escancaram a lógica do fisiologismo corrupto que domina o Planalto. Esses conhecem as entranhas putrefadas do pântano bolsonarista.
  7. O grupo de militares que hoje manda e desmanda no país está perdendo a batalha para os senadores da CPI da Covid, que estão mais sintonizados com a opinião pública
  8. Arroz quebrado, pé de frango e ossos de boi. O churrasco da Era Bolsonaro.
  9. Promessa de Queiroga de testar 26,6 mi por mês contra Covid não sai do papel dois meses após anúncio Miistério da Saúde diz que reavalia meta de de teste em massa.Queiroga disse que vacinará toda a população até o fim do ano, mas recusa 30 milhões de vacina da Coronavac