#ExposeBillGates – hashtag explode no Twitter enquanto teóricos da conspiração prometem evitar a vacina Covid-19 conectada ao bilionário

“O público está finalmente acordando. Eu nunca gostei desse cara e se você realmente o ouvir falar e assistir às entrevistas dele, saberá que ele não tem nosso melhor interesse em mente “, twittou o autor Peter Vooogd no sábado. Foi um dos muitos tweets vinculados à hashtag #ExposeBillGates, que surgiu de um “dia de ação” planejado – anunciado pelo autor Derrick Broze no mês passado – para expor o bilionário.

Bill Gates fala durante a reunião anual do Fórum Econômico Mundial (WEF) em Davos, Suíça © REUTERS / Arnd Wiegmann

A onipresença de Bill Gates na mídia durante a pandemia de Covid-19 se transformou em uma obsessão em massa com muitos, e os teóricos da conspiração colocaram #ExposeBillGates no Twitter em um “dia de ação” planejado.
A pandemia de coronavírus criou várias especulações em torno do Microsoft Founder sobre seu apoio a medidas estendidas de bloqueio, suas grandes contribuições à Organização Mundial da Saúde e comentários anteriores sobre vacinas.

Outros tweets incluíam um vídeo que denunciava Gates por sua franqueza no Covid-19, apesar de não ser um funcionário eleito, além de seu apoio à extensão de medidas de bloqueio em todo o mundo. Acusações de “controle populacional” também foram distribuídas com base no trabalho de Gates em fornecer vacinas para países mais pobres por meio de sua fundação.

Outros prometeram nunca tomar nenhuma vacina com a qual Gates tenha envolvimento, incluindo a autora conservadora Michelle Malkin.

Alguns usuários de mídia social, no entanto, não levaram a sério as teorias da conspiração e, em vez disso, usaram a hashtag para zombar de Gates.

Embora as teorias da conspiração sobre Gates sejam baseadas mais em conjecturas do que em evidências concretas, elas captaram o público. A empresa de análise de mídia Zignal Labs relatou a teoria da conspiração de que Gates quer implantar microchips de rastreamento nos cidadãos sob o pretexto de parar o Covid-19 foi mencionado nas mídias sociais mais de um milhão de vezes antes de maio.

Uma pesquisa do Yahoo News / YouGov que mostrou cerca de 20% dos participantes acredita que Gates deseja rastrear as informações pessoais das pessoas através de microchips. Para os republicanos, esse número na pesquisa dispara acima de 40%.

Gates negou o desejo de implantar microchips nos cidadãos e chamou os resultados da pesquisa de “preocupantes”, apesar de admitir que um “sistema de dados” em massa acompanhar as informações das pessoas era uma boa idéia para evitar futuras pandemias.

A posição de Gates no mundo só aumentou desde o início da pandemia, o que provavelmente alimenta muitos dos teóricos da conspiração que não confiam nele. Com os EUA apoiando o apoio à Organização Mundial da Saúde, ele deve se tornar o maior colaborador do grupo, fato que preocupa muitos, já que o fundador da Microsoft é um cidadão privado que teoricamente poderia exercer muito poder durante situações globais.

 

 

Clima,Meio Ambiente,Blog do Mesquita

Jeff Bezos, da Amazon, promete US $ 10 bilhões para combater as mudanças climáticas

Embora a iniciativa do Bezos Earth Fund tenha sido aplaudida por muitos, críticos questionaram o apoio da Amazon aos negócios de petróleo e gás. Ele está seguindo um caminho semelhante a outros magnatas como Bill Gates e Warren Buffett.

O CEO da Amazon, Jeff Bezos, comprometeu na segunda-feira US $ 10 bilhões de sua fortuna para criar um fundo destinado a enfrentar a crise climática, semanas depois que centenas de seus funcionários assinaram um blog exigindo que o gigante do varejo online tomasse medidas drásticas para reduzir sua pegada de carbono.

O fundo, chamado Bezos Earth Fund, começará a emitir doações para cientistas e ativistas neste verão, anunciou o homem mais rico do mundo em um post no Instagram.

“A mudança climática é a maior ameaça ao nosso planeta. Quero trabalhar ao lado de outras pessoas para ampliar maneiras conhecidas e explorar novas maneiras de combater o impacto devastador da mudança climática neste planeta que todos compartilhamos”, disse Bezos, cujo patrimônio líquido é estimado em US $ 130 bilhões.

“Esta iniciativa global financiará cientistas, ativistas, ONGs – qualquer esforço que ofereça uma possibilidade real de ajudar a preservar e proteger o mundo natural. Nós podemos salvar a Terra. Ela tomará ações coletivas de grandes empresas, pequenas empresas, estados nacionais, globais. organizações e indivíduos “, afirmou.

A doação pessoal de Bezos segue o “Compromisso Climático” da Amazon no ano passado, que visa tornar a empresa neutra em carbono até 2040. Como parte do compromisso, ele disse que a Amazon cumprirá as metas do Acordo de Paris no mesmo ano, dez anos antes de programação – também prometendo comprar 100.000 vans de entrega elétrica.

A tarefa de reduzir sua pegada de carbono será desafiadora para a maior empresa de comércio eletrônico do mundo, que entrega 10 bilhões de itens por ano. O enorme consumo de energia dos farms de servidores usados pelos negócios de computação em nuvem da Amazon aumenta ainda mais suas emissões de efeito estufa.

Um grupo de defesa, Funcionários da Amazon para Justiça Climática, disse que aplaudiu a iniciativa de Bezos, mas acrescentou que “uma mão não pode dar o que a outra está tirando“. O grupo também questionou o apoio da empresa aos negócios de petróleo e gás.

Bill Gates – Previsões em 1999

5 previsões feitas por Bill Gates em 1999 que são realidade hojeBill Gates

Gates escreveu ‘Business @ the Speed of Thought’ (‘Negócios na velocidade do pensamento’, em tradução livre) em 1999 – Direito de imagemGETTY IMAGES

A genialidade do americano Bill Gates não é apenas reconhecida pela criação da gigante de tecnologia Microsoft.

Em 1999, o bilionário publicou um livro em que fez previsões que de fato são realidade hoje em dia. Em “Business @ the Speed of Thought” (“Negócios na velocidade do pensamento”, em tradução livre), Gates orienta empresas sobre a melhor forma de usar a tecnologia para catapultar seus negócios no século 21.

Para isso, cita avanços que a Internet permitiria concretizar nos anos seguintes ─ e como eles mudariam a vida das pessoas.

Confira algumas de suas “profecias”:

1. TVs inteligentes e serviços de streaming

“Quando quiser assistir à TV, você poderá olhar o guia de programação na tela ou usar outro software para ver o que está sendo transmitido. Você compartilhará suas preferências com a emissora, que, por sua vez, monitorará seus padrões de visualização, oferecendo-lhe vários programas entre os milhares disponíveis na TV digital”, escreveu Gates.

“Com o tempo, o principal resultado da TV digital será proporcionar interatividade, software inteligente, publicidade dirigida, ofertas de vendas e a internet. As empresas vão oferecer conteúdos novos que podem ser baixados mediante o pagamento de uma taxa.”

Smart TV
Smart TVs (ou TVs inteligentes) podem se conectar à internet e transmitir conteúdos de serviços de streaming como Netflix, HBO Now, Filmstruck, etc. Direito de imagemGETTY IMAGES

Atualmente, as chamadas TVs inteligentes podem se conectar à internet e transmitir conteúdos de serviços de streaming como Netflix, HBO Now, Filmstruck, entre outros.

Essas plataformas reforçam o que Gates havia previsto: são interativas, oferecem um menu amplo de programação, conhecem nossas preferências e nos recomendam o que ver, por meio do pagamento de uma assinatura.

2. Redes sociais

“Enquanto o jantar estiver sendo preparado, você entra em um site restrito à sua família e vê que todos estão em uma sala de bate-papo para discutir o que fazer quando se encontrarem”, disse Gates.

“O site conecta os colegas de trabalho, amigos e famílias de novas formas. Formam-se comunidades baseadas nos interesses compartilhados em todo o mundo (…) Ao permitir que a gente faça compras, receba notícias, se reúna, se divirta e bisbilhote de maneiras que só agora estamos começando a entender, a internet está se tornando a praça da cidade na qual o mundo se transformará amanhã.”

Facebook e WhatsApp
Redes sociais como Facebook e WhatsApp permitem criar grupos privados – Direito de imagemGETTY IMAGES

Embora em 1999 já existissem salas de bate papo, elas não eram usadas como hoje para coordenar atividades com pessoas próximas.

Atualmente, as redes sociais e o serviços de mensagens instantâneas, como o Messenger e o WhatsApp, permitem organizar eventos com amigos e familiares, criar grupos privados e formar comunidades cada vez maiores de pessoas, em todo o mundo.

3. Ofertas ou publicidade inteligente

No livro, Bill Gates descreve o cenário em que um “programa de software sabe que você reservou uma viagem e sugere várias coisas para fazer no seu destino”. “O programa também o informa sobre a tarifa aérea mais recente e a mais baixa para viajar. Você reserva a oferta e as tarifas mais baixas digitalmente”, continua.

Página do New York Times
Sites exibem anúncios customizados para cada usuário – Direito de imagemGETTY IMAGES

“Alguns usuários podem temer que os anunciantes tenham excesso de informação sobre eles. Mas o software fará o possível para que as pessoas revelem somente a informação que querem revelar. Por exemplo, a maioria delas não se importaria se os anunciantes recebessem padrões de visualização.”

Na prática, vemos hoje em nossas redes sociais publicidade personalizada, que se baseia na nossa idade, nos idiomas que falamos, nos assuntos que nos interessam, nos sites que visitamos ou nos conteúdos que compartilhamos.

4. Recrutamento digital

Sobre o mundo do trabalho, Gates escreveu que “a tecnologia na web torna possível que (…) as pessoas que buscam trabalho encontrem mais oportunidades de emprego que satisfaçam seus interesses e necessidades particulares, se têm habilidades altamente especializadas, por exemplo, ou se só querem trabalhar por algumas horas”.

Atualmente, redes sociais como a LinkedIn permitem a empregadores publicar vagas e às pessoas que buscam trabalho divulgar seus currículos, conectar-se com colegas e empresas, além de buscar ofertas que atendam a seus interesses.

Sede de Linkedin
Linkedin é a maior rede social de negócios do mundo – Direito de imagemGETTY IMAGES

5. Internet das coisas e dispositivos móveis

Gates também afirma em seu livro que “você carregará uma ou mais dispositivos pequenos para permanecer constantemente em contato e para fazer transações eletrônicas de onde estiver”.

“Essas máquinas também estarão em diferentes cômodos de sua casa. Em qualquer um deles, será possível usar o e-mail, obter informação financeira, receber os últimos boletins meteorológicos e acompanhar as notícias de seu voo”, acrescenta.

Gates previu mais. Segundo eles, os dispositivos “serão conectados por meio de cabos ou mediante tecnologias que não utilizem cabos”. “Apesar de elas funcionarem de forma independente, compartilharão dados entre si de forma automática. Essas máquinas vão se tornar parte do cotidiano.”

Home com celular
Assistentes pessoais digitais, como Siri, estão a um toque do celular
Direito de imagemGETTY IMAGES

“Quando sair do escritório, seu assistente pessoal digital baixará seu correio eletrônico, que poderia incluir uma lista de compras enviada por seu marido ou mulher (…) Seu assistente digital é suficientemente inteligente para falar com todos os dispositivos que precisam saber de seus horários”, acrescenta.

Hoje, podemos ter acesso a nossos e-mails ou ler notícias em nossos smartphones ou até mesmo em nossos relógios inteligentes.

Ou falar com nossos telefones por meio de assistentes pessoais digitais como Siri (Apple) ou OK Google (Android).

Além disso, alto-falantes inteligentes como Amazon Echo, Google Home e HomePod (Apple), concebidos para funcionar dentro das casas, respondem a comandos de voz do usuário para reproduzir música, configurar alarmes e oferecer informação em tempo real sobre o clima ou o trânsito.

Também permitem controlar outros aparelhos inteligentes do local onde estivermos.
BBC

Vacinas, Microcefalia, demografia e teorias conspiratórias

VACINA CONTRA DENGUE. Ouve-se espoucar de fogos na casa de Thomas Malthus na Inglaterra, lá no Sec. XVIII, considerado o teórico do controle demográfico.

Medicina,Bill Gates,Vacinas,Bilderberg,Controle Demográfico,Saúde Pública,Blog do Mesquita,Dengue,Chikugunha,Microcefalia,Thomas Malthus,RubéolaA tradução do que tio Bill escreve acima e abaixo o link para o vídeo onde ele se apresenta confirmando o que escreveu:

O mundo tem 6.8 bilhões de habitantes, e caminha para 9 bilhões.
Se nós conseguirmos fazer um bom trabalho com as novas vacinas, com o sistema de saúde, com o sistema de Saúde reprodutiva, nós talvez poderemos diminuir esse crescimento entre 10% e 15%.
Bill Gates – Microsoft globalista. Membro de grupo Bilderberg.
http://youtu.be/6WQtRI7A064

Retorno;

Aí tem controle demográfico embutido nessa e em outras vacinas, principalmente às ministradas em países do 3º mundo.
Não tenho como provar porque não sou biólogo, mas tem.
Alguém pode informar à esse ignorante maldoso aqui se essa vacina foi testada em algum país do primeiro mundo?[ad name=”Retangulo – Anuncios – Direita”]

Há dengue, por exemplo, no sul da Inglaterra, na Califórnia, na Florida, no Japão, isso para ficar somente no primeiro mundo. Alguém sabe informar se essa vacina foi testada em pessoas por lá?

Acordem as Alices e os Alices!

O Idiota útil é suficientemente idiota para perceber que é útil e quem o utiliza.
Zika vírus? Mais uma vez o povo é feito de idiota. A má formação cefálica, chamada Microcefalia não tem nada a ver com o mosquito da dengue.

O que realmente aconteceu foi que o governo mandou um lote de vacina vencida para combater a rubéola nas gestantes. Esse lote, foi enviado para a região nordeste. Algumas entidades não governamentais estudaram juntos com experientes médicos da área, e descobriram que os mosquitos não estão ocasionando os casos de microcefalia e sim, uma vacina contra rubéola que as grávidas recebem quando estão gestante.

Pergunto: Porque só aqui no nordeste estão aparecendo esses casos? Outras regiões do país não têm o mosquito da dengue? O governo quer nos fazer de idiota junto com essa mídia escrota.
PS1. O governo abafa que largou em 2014 mosquitos da dengue geneticamente modificados.

Quem ganhou muito dinheiro no mercado, hoje se preocupa com ‘convulsão social’

Aqueles que foram apontados como homens que traficavam influência por dinheiro, hoje imaginam que o povo tem memória curta, se esquecendo do célebre pensamento de Augusto Frederico Schmidt: “Sofrer passa. Ter sofrido não passa nunca”.

Economia,Juros,Bancos,Blog do Mesquita,Cartun

Muitos perderam na grande crise da desvalorização cambial que aconteceu no governo FHC, e foi aturdida pelos vendilhões do país que afirmavam que a eleição do presidente Lula era o fim do Brasil.

Mas muitos ganharam muito dinheiro, e estes hoje escrevem preocupados, ou ameaçando, e se esquecem que fazem parte do mesmo grupo que realmente pode levar o país a uma convulsão social, pela volúpia de ganhar dinheiro através do sistema financeiro.[ad name=”Retangulo – Anuncios – Direita”]

No mundo não existe nenhum exemplo de sucesso genuíno sem ser de inovadores como Bill Gates.

Não existe nenhum caso de quem enriqueceu em dez anos sem nunca ter empregado ou nunca ter criado inovações.

Mas no Brasil, quantos banqueiros enriqueceram em tão pouco tempo… Os exemplos são vários.

Uns assaltavam bancos em nome de ideologia, e hoje são presidentes de banco e ganham dinheiro também com a desgraça, porque os juros no Brasil não são para privilegiar bancos que fazem o desenvolvimento, e sim para os que tomam do governo para o governo pagar segurança, educação e saúde.

E como não esquecer do Proer – programa do governo para socorro dos bancos, usando dinheiro público?

Agora mesmo, o país afunda numa grave crise financeira enquanto os bancos obtêm lucros recordes.

E eles só podem lucrar com a rolagem da dívida, que é a própria pobreza do país.

Crônicas da modernidade – A arte de negociar.

Negociar,Blog do MesquitaPAI – Filho, escolhi uma ótima moça para você casar.
FILHO – Pai, prefiro eu mesmo escolher esposa.
PAI – Meu filho, ela é filha do Bill Gates.
FILHO – Opa… Neste caso eu aceito.


Então o pai negociador vai até o Bill Gates.


PAI – Bill, eu tenho o marido ideal para a sua filha.
BILL GATES – Mas a minha filha é muito jovem para se casar.
PAI – Mas esse jovem é vice-presidente do Bco Mundial.
BILL GATES – Opa…Neste caso tudo bem.


Então o pai vai ao Presidente do Bco Mundial.


PAI – Sr. presidente, tenho um jovem recomendado para ser vice-presidente do Bco Mundial.
PRES. BCO MUNDIAL – Mas eu já tenho muitos vice-presidentes, mais do que o necessário.
PAI – Mas Sr., este jovem é genro do Bill Gates!
PRES. BCO MUNDIAL – Opa…Neste caso ele já pode começar amanhã.


Conclusão: Tenha sempre em mente que na empresa não existe negociação perdida. Tudo depende da estratégia.


[ad#Retangulo – Anuncios – Duplo]

Um professor com 26 milhões de alunos

Salman Khan agitou o mundo da educação com aulas em vídeo e exercícios grátis na web Seu método cativou o Google, Bill Gates e Carlos Slim.

Educação a distância,Tecnologia da Informação,Internet,Pedagogia,Blog do Mesquita,Salman Khan

Existe um punhado de filantropos fora de série e existe Salman Khan, analista de um hedge fund de origem humilde que, em 2008, recém-casado, prestes a ser pai e adquirir uma casa própria, depositou todo o seu futuro e suas abundantes economias em um sonho: tornar a educação grátis acessível a todos em qualquer lugar do mundo.

“Vamos esperar um ano para ver se conseguimos financiamento”, conta em palestras ter dito a sua mulher. “É a maior rentabilidade social que alguém poderia conseguir”. Hoje, esse homem, filho de mãe indiana e pai bengalês, tem 26 milhões de alunos em 190 países.

Seu sucesso, a Khan Academy, é uma plataforma online multilíngue sem fins lucrativos que conquistou o próprio Bill Gates e é sustentada por outras generosas fortunas que contribuíram para fazer dele o professor do mundo.

Nascido em Nova Orleans em 1976 e criado em um lar que se mantinha com o necessário, Khan ganhou fama de revolucionário com um sistema surgido de sua própria experiência e de umas poucas certezas.

O engenheiro elétrico, matemático e especialista em TI formado em Harvard e no MIT (Instituto Tecnológico de Massachusetts) acredita que cada estudante é único e possui ritmos de aprendizagem únicos que o sistema prussiano de ensino, essencialmente passivo, não consegue satisfazer.

O que ele propõe é uma espécie de escola ao contrário: aprender em casa, com aulas gravadas em vídeo e exercícios pertinentes, e fazer as lições em sala de aula. Dessa forma, o estudante que não entendeu um conceito, e que, na sala de aula, talvez se sinta coibido e desista de pedir ajuda, não tem mais que rebobinar a lição quantas vezes precisar até dominá-la.

E o professor, que dispõe de um programa para acompanhar os progressos e tropeços de cada aluno em casa, pode investir seu tempo em resolver lacunas. A escola tradicional “te castiga por experimentar e fracassar” e isso faz os déficits de aprendizagem irem se ocultando, costuma dizer Khan.

Sua proposta é justamente o contrário: “Monte na bicicleta e caia. Faça isso pelo tempo que for necessário até dominá-la”. “Se deixá-lo trabalhar em seu ritmo”, diz, “de repente o aluno começa a interessar-se e a progredir”.

Khan aprendeu isso com sua prima Nadia, uma menina inteligente de 12 anos que, em 2004, tinha dificuldades em matemática. Ele vivia em Boston e Nadia, em Nova Orleans, mas o analista decidiu dar aulas por telefone quando descobriu que a jovem tinha perdido toda confiança em si mesma por causa dos tropeços com os números.

“Era lógica, criativa e esforçada”, explica em seu livro
Um Mundo, Uma Escola (The One World Schoolhouse

Simplesmente resistia à conversão de unidades e, sem essa base, era incapaz de continuar assimilando conceitos matemáticos.

Ex-analista de um ‘hedge fund’, seu lema é: “Suba na bicicleta e caia até dominá-la”

Nadia – hoje a um passo de entrar para a faculdade de Medicina – deve ter falado muito bem de seu primo, porque de repente Khan se viu ensinando a uma quinzena de filhos de familiares e amigos. Como o telefone não era prático, tentou sessões em grupo pelo Skype, mas não era tão eficaz. Justamente quando pensou em largar tudo, um amigo sugeriu: “Por que não faz vídeos e posta no YouTube?”.

O sonhador Khan deu-lhe ouvidos. Preparou aulas muito singelas com apenas três grandes protagonistas: o cursor sobre um quadro-negro virtual, as imagens que ilustram os conteúdos, e uma voz muito enfática, a sua.

“Aconteceu algo interessante”, relatava Khan, com grandes dose de teatralidade nas palestras Ted de 2011.“Disseram que me preferiam no YouTube do que em pessoa. Faz muito sentido. Podiam parar ou repetir à vontade sem precisar perguntar e envergonhar-se”.

O mesmo ocorreu a milhares de internautas. As aulas de álgebra e pré-álgebra feitas para seus tutelados se converteram em trending topic. Por alguma razão, um professor não licenciado tinha descoberto a forma de cativar a estudantes, adultos sem formação, jovens com problemas…

“Meu filho de 12 anos tem autismo e muita dificuldade com matemática. Tentamos de tudo, vimos de tudo, compramos de tudo. Encontramos por acaso seu vídeo sobre decimais e ele entendeu”, escreveu um pai agradecido. “Então passamos para as terríveis frações. Ele entendeu. Não podemos acreditar. Está tão emocionado”.

Khan propõe uma espécie de escola ao contrário: aprender em casa e fazer a lição em sala de aula

No início de 2009, mais de 100.000 pessoas acompanhavam seus vídeos e pediam aulas de outras matérias. Muito satisfeito, começou a flertar com a ideia de deixar a Wohl Capital Management e criar uma escola mundial gratuita. Não que não gostasse de seu trabalho. “Era intelectual e financeiramente gratificante”, conta em seu livro. “Mas estava envolvido em uma vocação que vi como algo muito mais valioso”.

Khan e sua esposa, médica internista, deixaram a compra da casa para mais tarde e investiram tudo no projeto, confiantes de que chamariam a atenção de algum filantropo.

Passados nove meses, a academia, com o quartel-geral no quarto de hóspedes de sua casa no Silicon Valley, crescia sem parar em número de alunos, mas não em doações e para consolidá-la era necessário aperfeiçoar o software, contratar engenheiros, especialistas para abranger da Física, até a Biologia ou a História da Arte.

Khan, que já tinha se tornado pai, começou a pensar que o melhor que podia fazer era voltar a sua antiga vida.

Mas em 2010 sua sorte mudou. A primeira boa notícia chegou por Ann Doerr, esposa do multimilionário John Doerr, investidor em empresas tecnológicas: uma dupla transferência de 10.000 e 100.000 dólares (350.000 reais).

A segunda também veio dela, por SMS: Bill Gates estava contando em uma palestra que tinha descoberto na Internet a khanacademy.org, que estava utilizando para ajudar seu filho Rory, então com 11 anos, a aprender álgebra e matemática.
El País

Bill Gates: Quem sofrerá mais as consequências da mudança climática?

Fotografia de Bill Gates - Personalidades - Tecnologia - MicrosoftFilantropo fala dos desafios que devem ser superados nas regiões mais pobres do planeta.

O filantropo americano Bill Gates, fundador da Microsoft, publicou um artigo na Project Syndicate sobre as mudanças climáticas e os desafios para combater a pobreza. Há alguns anos, Melinda e eu visitamos um grupo de produtores de arroz em Bihar (Índia), uma das regiões do país mais propensas a sofrer de inundações. Eles eram extremamente pobres e dependentes do cultivo de arroz para alimentar e sustentar suas famílias.

Todos os anos, quando chegavam as chuvas das monções, os rios experimentaram uma inundação e ameaçaram inundar suas fazendas e arruinar suas culturas. Ainda assim, eles estavam dispostos a apostar tudo na possibilidade de que sua exploração fosse travada.

Uma aposta que muitas vezes foi perdida. Com as colheitas arruinadas, eles fugiram para as cidades em busca de empregos estranhos para alimentar suas famílias. No entanto, eles estão retornando no ano seguinte, com frequência mais pobres do que quando tinham marchado – prontos para replantar.

A nossa visita foi uma poderosa lembrança de que os agricultores mais pobres do mundo vivem em uma corda bamba sem redes de segurança. Eles não têm acesso a sementes melhoradas, fertilizantes, irrigação e outras tecnologias benéficas, como os agricultores dos países ricos, nem ter segurado as suas culturas para proteger contra perdas.

Um único golpe de má sorte – a seca, inundações ou doença é o suficiente para fazê-los cair ainda mais na pobreza e na fome.[ad name=”Retangulo – Anuncios – Direita”]

Agora a mudança climática irá adicionar um novo tipo de risco para suas vidas. O aumento das temperaturas nas próximas décadas vai causar grandes perturbações na agricultura, especialmente nos trópicos. Culturas não vão florescer por causa da escassez de água ou o excesso dela. Com um clima mais quente, pragas prosperam e destruir as culturas.

Também os agricultores dos países mais ricos vão experimentar mudanças, mas tem as ferramentas e suporte para administrar esses riscos. Agricultores mais pobres do mundo vêm para trabalhar todos os dias e na maioria dos casos com as mãos vazias.

Essa é a razão por que, de todas as pessoas que sofrem as consequências das alterações climáticas, é provável que mais sofram.

Estou otimista, no sentido de que, se agirmos agora, poderemos evitar os piores impactos da mudança climática e alimentar o mundo. Há uma necessidade urgente de os governos a investir em novas inovações em energia limpa, reduzir drasticamente as emissões de gases de efeito estufa e frear altas temperaturas.

Ao mesmo tempo, temos de reconhecer que é tarde demais para parar todos os efeitos de temperaturas mais elevadas. Mesmo que o mundo descobrisse na próxima semana uma fonte de energia limpa e barata, que levaria tempo para abandonar os hábitos de uso de combustíveis fósseis e mover-se para um futuro livre de carbono.

É por isso que é fundamental que o mundo investir em medidas para ajudar os mais pobres a se adaptar.

Na carta anual deste ano, Melinda e eu apostamos que a África poderá se alimentar nos próximos quinze anos. Mesmo com os riscos da mudança climática, é uma aposta que eu mantenho.

Sim, os agricultores pobres têm um tempo difícil. Suas vidas são quebra-cabeça com muitas peças para encaixar corretamente: a partir do plantio das sementes corretas e do uso de fertilizantes até a formação adequada e um lugar para vender sua colheita. Se uma parte falhar, suas vidas podem desmoronar.

Eu sei que o mundo tem o que é preciso para ajudar a colocar as peças no lugar e enfrentar as ameaças às quais eles estão atualmente expostos e terão de enfrentar no futuro. A coisa mais importante é que eu sei que os agricultores também o têm”.
JB

A TV e a nova mídia

Convergência de mídias,Blog do Mesquita,tecnologia da InformaçãoHenry Jenkins é professor de Ciências Humanas e coordenador do Programa de Estudos de Mídia Comparada do prestigiado MIT – Massachusetts Institute of Technology.

Em seu livro Cultura da Convergência, ao contrário de Bill Gates e Rudolph Murdoch, não imagina o mundo sem televisão em seus estudos e pesquisas.

Acredita mesmo que todas as mídias permanecerão, apesar da Internet. E profetiza a tal da convergência onde as velhas e novas mídias sobreviverão complementando-se e a interatividade será o combustível de todas. É difícil discordar do mestre. Mas a busca por um modelo de comunicação, com interatividade, é frenética e alucinante na TV.

O problema é o modelo, ou os modelos. Nos EUA, as experiências vão do Survivor ao Aprendiz. Todo dia surge uma ideia, porém insuficiente. Todas moduladas na velha fórmula das TVs, um falando para todos. Pelo tipo de veículo é difícil estabelecer um modelo de interação que satisfaça ao telespectador, até mesmo por questões tecnológicas. Mas o tempo dirá. Aqui entre nós no Brasil as experiências são primárias, insuficientes ainda.

Causa espanto aos que desejam atribuir ao programa Big Brother a marca de interação. Sucesso de venda e faturamento, ele nada tem de interação. É o último suspiro de sucesso da velha fórmula.

No Brasil a experiência mais realista foi o Fala Que Eu Te Escuto, um programa evangélico, na Rede Record. No começo era muito interessante. E a interação era via telefone. Aliás, a área evangélica, na TV, é a que mais se permite experiência de interatividade. Já vimos de tudo, mas nada que supere o Fala Que Eu Te Escuto no seu início. Ali, os fiéis colocavam suas dúvidas, sugestões e críticas, sem edição.[ad name=”Retangulo – Anuncios – Direita”]

A experiência deu tão certo que rendeu até um senador para a igreja universal, no Rio de Janeiro. Daqui para frente veremos cada vez mais a TV buscando a participação do telespectador.

No jornal, bem, o jornal parece era mais dificuldades para sobreviver. Assim sinaliza o mercado. Mais a frente veremos o porquê.

Continue lendo