Apple a serviço do Big Brother

Apesar de o CEO da Apple, Tim Cook, sempre reforçar que a empresa não tem interesse em ganhar dinheiro utilizando os dados dos usuários, parece que agora ele tem condições de fazer isso case mude de ideia.

Apple,Tecnologia da Informação,Blog do Mesquita

A companhia registrou uma nova patente nesta quinta-feira (16) sobre um sistema de e-commerce que seria capaz de entregar anúncios de produtos baseados no que o consumidor realmente pode comprar.

Basicamente, o sistema rastrearia o status dos cartões de crédito e débito do usuário e checaria o quanto ele tem de saldo.

Depois, ele enviaria sugestões de produtos com valores dentro do orçamento do consumidor. “Uma vantagem de anúncios segmentados é que apenas produtos que podem ser bancados pelos usuários chegarão a eles”, diz a patente.[ad name=”Retangulo – Anuncios – Direita”]

O registro propõe que as mercadorias deveriam ser anunciadas somente se tiverem um valor de até 90% do saldo da pessoa, deixando outros 10% no cartão. A patente ainda fala de um serviço de cobrança e pagamento para quem responde a estes anúncios, além de métodos de entrega digitalmente ou fisicamente para quem compra o produto mostrado.

Apesar de a ideia ser inovadora em relação a métodos convencionais (pois hoje as companhias anunciam o que elas querem que os consumidores comprem e não o que eles realmente têm dinheiro para pagar), a Apple não parece querer produzir esse sistema tão cedo, já que ela tem se posicionado repetidas vezes contra o uso de dados de seus clientes para a publicidade.

Durante uma entrevista ao canal norte-americano PBS em setembro do ano passado com o apresentador Charlie Rose, Tim Cook disse se ofender com companhias que vendem dados pessoais de usuários para anunciantes. “Nosso negócio não é baseado em ter informações de pessoas.

Elas não são nosso produto. Se as empresas estão fazendo dinheiro coletando dados de usuários, eu acho que qualquer um tem o direito de ficar preocupado”, disse ele.
Adeline Daniele, de INFO Online

A TV e a nova mídia

Convergência de mídias,Blog do Mesquita,tecnologia da InformaçãoHenry Jenkins é professor de Ciências Humanas e coordenador do Programa de Estudos de Mídia Comparada do prestigiado MIT – Massachusetts Institute of Technology.

Em seu livro Cultura da Convergência, ao contrário de Bill Gates e Rudolph Murdoch, não imagina o mundo sem televisão em seus estudos e pesquisas.

Acredita mesmo que todas as mídias permanecerão, apesar da Internet. E profetiza a tal da convergência onde as velhas e novas mídias sobreviverão complementando-se e a interatividade será o combustível de todas. É difícil discordar do mestre. Mas a busca por um modelo de comunicação, com interatividade, é frenética e alucinante na TV.

O problema é o modelo, ou os modelos. Nos EUA, as experiências vão do Survivor ao Aprendiz. Todo dia surge uma ideia, porém insuficiente. Todas moduladas na velha fórmula das TVs, um falando para todos. Pelo tipo de veículo é difícil estabelecer um modelo de interação que satisfaça ao telespectador, até mesmo por questões tecnológicas. Mas o tempo dirá. Aqui entre nós no Brasil as experiências são primárias, insuficientes ainda.

Causa espanto aos que desejam atribuir ao programa Big Brother a marca de interação. Sucesso de venda e faturamento, ele nada tem de interação. É o último suspiro de sucesso da velha fórmula.

No Brasil a experiência mais realista foi o Fala Que Eu Te Escuto, um programa evangélico, na Rede Record. No começo era muito interessante. E a interação era via telefone. Aliás, a área evangélica, na TV, é a que mais se permite experiência de interatividade. Já vimos de tudo, mas nada que supere o Fala Que Eu Te Escuto no seu início. Ali, os fiéis colocavam suas dúvidas, sugestões e críticas, sem edição.[ad name=”Retangulo – Anuncios – Direita”]

A experiência deu tão certo que rendeu até um senador para a igreja universal, no Rio de Janeiro. Daqui para frente veremos cada vez mais a TV buscando a participação do telespectador.

No jornal, bem, o jornal parece era mais dificuldades para sobreviver. Assim sinaliza o mercado. Mais a frente veremos o porquê.

Continue lendo

Tópicos do dia – 19/01/2012

08:18:36
Datena diz que Boninho, diretor do Big Brother, deveria ser preso
Faz sucesso na internet a declaração de Datena, dizendo que Boninho, diretor do Big Brother, deveria ser preso
O jornalista Hildeberto Aleluia nos chama atenção para a extraordinária repercussão das declarações do apresentador José Luiz Datena, sobre o episódio do estupro no Big Brother Brasil. Convidado por Adriane Galisteu para dar sua opinião durante o programa “Muito+”, Datena foi categórico: “Tinha que prender o diretor de programa da Rede Globo.”

Ele justificou dizendo que uma afiliada da Record foi tirada do ar por mostrar cenas de estupro durante um programa jornalístico. “Se a coisa fosse séria, tinha que prender o diretor, esse Boninho”, afirmou. “Mas não é.”

“A droga que é distribuída nessa porcaria desse programa aí, que é o álcool, é uma droga pesada e é a principal responsável por matar pessoas. Se você bota isso na televisão, bota um monte de meninos com os hormônios lá em cima e enche a cara de todo mundo, você está incitando que isso aconteça. Então a responsabilidade deveria ser primeiro de quem coloca o programa no ar, da Rede Globo de Televisão.”

O apresentador disse que a história toda parece ter sido “um grande golpe publicitário”, já que ninguém do canal foi preso.

“Você acha que alguém da TV Globo vai pra cadeia por causa disso? Evidente que não vai. Você acha que vão tirar o programa do ar? Evidente que não vai. Pode ser que dê um aperto no menino, no Daniel”, disse. “O resto é jogada comercial, o resto é jogada publicitária e é um verdadeiro absurdo. Esse tipo de programa estimula a sacanagem da molecada.”

Sobrou até para a emissora de Edir Macedo que, para Datena, não tem que falar mal da concorrência: “E a sacanagem daquela “Fazenda” lá? A única diferença é que o troço é atrás da moita em vez de ser no cafofo.”

08:24:24
Especialistas discutem projeto antipirataria dos EUA
O blecaute parcial na internet contra os projetos de lei antipirataria nos Estados Unidos demonstrou a capacidade crescente de articulação e manifestação via internet.
Para o vice-coordenador do Centro de Tecnologia e Sociedade da FGV, Carlos Affonso, depois do papel de redes sociais como Facebook e Twitter na Primavera Árabe do ano passado, a chamada Web 2.0 ganhou uma interface engajada e não só colaborativa.

Vint Cerf, um dos pais da internet, que escreveu uma carta ao Congresso americano explicando que a manipulação do sistema de domínios da internet previsto na lei não funcionaria, disse ao GLOBO por e-mail que o problema da pirataria e da violação de direitos autorais é real, mas o “remédio” proposto é amargo demais.

— Os projetos são tão danosos às liberdades da internet que realmente precisam ser reconsiderados — afirma Cerf. — As comunidades legislativa e tecnológica precisam trabalhar juntas para encontrar meios de proteger a propriedade intelectual ao mesmo tempo que preservam os valores abertos da internet.
André Machado, O Globo

10:45:52
Brasil: da série “só doi quando eu rio”!
No “país dos impostos”, os remédios para nós, seres humanos, são taxados em  mais que o dobro dos produtos de uso veterinário.
“Se você entrar na farmácia tossindo, paga 34% de imposto. Se entrar latindo, paga só 14%.” Joelmir Betting


[ad#Retangulo – Anuncios – Duplo]

Tópicos do dia – 12/01/2012

08:17:35
Grampos Telefônicos: o verdadeiro Big Brother, denuncia OAB, RJ.
O Supremo Tribunal Federal precisa, com urgência, restabelecer a normalidade constitucional e impor limites a esse verdadeiro Big Brother institucional implantado no país.
A afirmação foi feita hoje pelo presidente da OAB do Rio de Janeiro, Wadih Damous, ao criticar, com veemência, dados revelados pelo Conselho Nacional de Justiça de que pelos menos 18.050 linhas telefônicas foram monitoradas por decisão da justiça apenas em outubro do ano passado.

Esse número, segundo o CNJ, representa mais de dez vezes o número de telefones grampeados legalmente Estados Unidos por ano, onde as interceptações não passam de 1.700.
“Há algum tempo” – disse Wadih – “nosso país tem sido apelidado de “república dos grampos”. Só no ano de 2007 foram 409 mil interceptações telefônicas efetuadas pelas empresas de telefonia, por determinação judicial.

“Trata-se, sem sombra de dúvida, de abuso na utilização desse meio de investigação criminal e por isso temos, hoje, uma banalização das escutas, com frequentes vazamentos de conversas sigilosas”.
O presidente da OAB-RJ lembrou que a interceptação telefônica é um instrumento excepcional da investigação policial e não a regra.
“A sua trivialização fere de morte o inc. XII, do art. 5º da Constituição da República, que assegura o sigilo das comunicações telefônicas, salvo ordem judicial em contrário”, afirmou.

08:20:35
Brasil: da série “o tamanho do buraco”!
Governo aumenta verba para ONGs
Após escândalos envolvendo entidades privadas sem fins lucrativos que levaram à queda de ministros em 2011, foram autorizados quase R$ 1 bilhão extra no Orçamento de 2012 para estas ONG,s. Inicialmente, assim que a proposta chegou ao Congresso, era previsto o repasse de R$ 2,4 bilhões. Mas, emendas parlamentares aumentaram o volume de recursos, que pode atingir a marca de R$ 3,4 bilhões. A presidenta Dilma sancionará a lei orçamentária nos próximos dias. Ao comparar os dois últimos orçamentos, o mais surpreendente é o aumento do repasse. No Orçamento de 2011, o aumento de verbas aprovado pelo Congresso para as ONGs foi de R$ 25 milhões. No de 2012, o volume é 38 vezes maior: R$ 967,3 milhões. Informações do Estado de SP.

08:23:23
Romário: Placa ilegal
O deputado Romário (PSB-RJ) anda feliz com a placa do seu carro, de iniciais IVY, nome de sua filha mais querida.
O problema é que a placa é de Porto Alegre, onde o ex-craque não tem domicílio.
E isso é ilegal.

08:34:32
Direito ao Trabalho e discriminação por obesidade
Empresa nega emprego a candidata obesa e terá de pagar indenização
O Tribunal Superior do Trabalho condenou a empresa Dagranja Agroindustrial Ltda., do Paraná, a pagar indenização de R$ 5 mil por danos morais a uma candidata a emprego rejeitada por ser obesa.
Segundo a candidata, a empresa havia dito que sua condição física era incompatível com as atividades do setor de produção, onde os empregados trabalham em pé.
O tribunal considerou o fato “discriminatório e depreciativo” e, ainda segundo o TRT, a candidata não chegou a questionar a certeza da contratação, mas a justificativa que lhe apresentaram.
Desta forma, excluí-la do procedimento pré-admissional pela condição física de obesa representa “ato discriminatório que o Direito repudia”.


[ad#Retangulo – Anuncios – Duplo]

Tópicos do dia – 11/01/2012

08:24:39
Governo, propaganda e publicidade.
O nome é claro. Propaganda! Que é diverso de publicidade, essa é definida na CF.
A governo nenhum daveria ser permitido fazer propaganda.
Tanto quanto pior, são os veículos de comunicação, e jornalistas, que têm receitas e salários, em significativo percentual, pago com verbas de governos que essas mesma mídia e jornalista definem como corruptos.

08:38:27
E agora José, quer dizer, Conselho Nacional de Justiça?
Licitação milionária provoca suspeita no CNJ
A licitação de R$ 70 milhões para construir o datacenter do Conselho Nacional de Justiça promete gerar muita confusão. Vencida pela multinacional Oracle, a licitação parece ter sido feita a toque de caixa, e o contrato assinado em 23 de dezembro, antes mesmo de haver local adequado para os equipamentos. O CNJ corre fazendo uma “sala forte” para os produtos. Servidores do CNJ estranham todo o processo.
coluna Claudio Humberto

08:53:33
Televisão, Big Brother e os “anjos”.
Redes sociais, debates “intelectuais” intermináveis, e bate boca em esquinas, giram em torno do freudiano programa de TV.
Creio ser essa dicussão franciscana, uma vez que ninguém está obrigado a assistir, e se a televisão exibe, é por que tem audiência, e o básico é a “grana” da publicidade.

Ingênuo que acredita que a mídia comercial tem compromisso com educação e cultura. Fazemos qualquer negócio, é o mote.
O capital não tem interesse além do capital.
No mais, por que devo me arvorar censor da vontade de quem quer assistir? Afinal, o “voyerismo” é atávico no ser humano.
Recomendo, se me permitem a petulância boçal, a utilização do controle remoto, e a possibilidade de sintonia a outros canais.

09:49:53
Candidato aprovado em concurso tem posse negada por má conduta.
O Tribunal Regional Federal da 2ª Região (Rio de Janeiro e Espírito Santo) manteve a decisão da Petrobrás que impediu o primeiro colocado no concurso do órgão de tomar posse. A prova foi realizada em 2009 e o candidato é acusado de mau comportamento no serviço público.
“A investigação social não se resume a analisar a vida pregressa do candidato quanto às infrações penais que porventura tenha praticado, servindo, também, para avaliar sua conduta moral e social no decorrer da vida, visando aferir seu comportamento frente aos deveres e proibições impostos ao ocupante de cargo público”, disse o desembargador Luiz Paulo da Silva Araújo Filho, relator do processo, ao afirmar que o edital da Petrobrás previa avaliação da conduta social. Segundo os autos, em 2008 o candidato foi desligado do curso de formação de sargentos da Escola de Comunicações do Exército (Escom) após sofrer punição por indisciplina, como ausências injustificadas do trabalho. O candidato também foi investigado em sindicância por ter, supostamente, disparado arma de fogo contra uma pessoa em via pública. O caso foi arquivado pela polícia porque a vítima não prestou queixa.
Informações do Conjur.

13:59:14
Chuva alaga cobertura e juiz recebe R$ 150 mil
Tribunal de Justiça paulista fez o adiantamento para desembargador arrumar apartamento

Chuva de verão foi a justificativa que o desembargador Celso Luiz Limongi usou para solicitar pagamento adiantado do Tribunal de Justiça de São Paulo (TJ-SP), em 2010. O temporal, argumentou o magistrado, alagou sua cobertura no bairro do Campo Belo, na zona Sul.

Ele resgatou R$ 150 mil na ocasião, recurso que afirma ter usado para cobrir despesas com reparos no apartamento. Hoje aposentado, ele calcula que ainda tem créditos a receber da corte superiores a R$ 1 milhão, especialmente de férias.
“Não parava de chover, foi uma violenta tempestade que inundou tudo e apodreceu até os guarda-roupas de dois dormitórios”, conta Limongi, que entre 2006 e 2007 presidiu o TJ paulista, maior corte do País, reduto da resistência ao Conselho Nacional de Justiça (CNJ).
Na semana passada, a presidência do TJ divulgou que entre 2006 e 2010 dois desembargadores receberam R$ 1 milhão cada por meio de pagamento antecipado, modelo de desembolso que está sob suspeita do CNJ.

O TJ não revelou os nomes dos beneficiários. Apenas citou que tais liberações se deram naquele período de cinco anos, quando a corte foi dirigida sucessivamente por Limongi, Roberto Vallim Bellocchi e Antonio Carlos Vianna Santos, que morreu há um ano.
Os supercontracheques dos magistrados são construídos a partir de acúmulo de períodos de férias em aberto, compensações por atraso na concessão de auxílio-moradia e outras vantagens que os tribunais oferecem.

Segundo Limongi, em sua gestão foram feitos pagamentos a mais para juízes que passavam necessidades. “Uns R$ 50 mil, R$ 60 mil, mas para juízes em situação excepcionalmente dramática e, ainda assim, em prestações, de R$ 10 mil ou R$15 mil, duas, três vezes. Atendi pessoas necessitadas, com problemas de saúde, e funcionários também.”
Sobre o seu embolso, ele conta: “Fiz um pedido fundamentado. Moro numa cobertura que não tem nada de luxuosa. Lembra as chuvas de janeiro de 2010? Não parava de chover. Acabou com o meu apartamento, estragou os móveis. Eu não tinha condição com o meu ordenado de arcar com uma reforma para consertar os vazamentos todos. Chovia de vazar para o 17.º andar do prédio (ele mora no 20.º). Pedi e o Vianna pagou uma parte”.
Ps. do editor: Publico o fato, como o fez o jornal O Estado de S. Paulo, sem fazer ilações nem juízo de valor.


[ad#Retangulo – Anuncios – Direita]

Tópicos do dia – 20/12/2011

07:43:35
TST admite “Big Brother” como prova para demissão por justa causa.
A 5ª Turma do TST considerou “lícita” filmagem feita pela Águas Amazonas S.A., fora do local de trabalho, para mostrar que um empregado não estava incapacitado para o serviço, como alegara ao pedir licença.
O rapaz, acidentado em 2005, ficou fora até 2008.

Depois, apesar de já considerado apto, continuou sem trabalhar e acabou demitido por justa causa.

O trabalhador entrou na Justiça, alegando “violação de direitos”.
Aí, a empresa, para “comprovar a justa causa”, passou a filmá-lo até em frente de casa.

O empregado descobriu a bisbilhotice e pediu indenização de R$ 100 mil. Não levou.
Segundo o TST, a empresa “não teve a intenção de prejudicar o trabalhador nem de atentar contra sua honra ou imagem”.

07:56:38
Ah, a semântica
Dona Dilma chama as peripécias nada republicanas de seus (dela) ministros de “malfeito”. Que gracinha! Nos meus tempos de criança, malfeito, por exemplo, era lamber o glacê do bolo antes do aniversário. Meter a mão no butim do Estado tem outro nome, nobre senhora.

08:08:25
A “não notícia” e a chamada “grande” imprensa
Que grande imprensa? São uns nanicos ante o rolo compressor das redes sociais. Essas, independentes e sem rabos presos à politicalha, nem aos interesses corporativos. Aquela completamente vendida e dominada por “jornalistas” atolados até o pescoço em vender a alma, corações e mentes. Desde Randolph Hearst até ao mafioso Murdoch. Nunca a “não notícia” serviu para a propagação da notícia.

Aliás, a bem da verdade, não há mais imprensa. Somente publicadores de “releases”. As inutéis e narcisistas colunas sociais continuam a praticar vergonhosamente, a despudorada indecência do “merchandaising.”

11:15:49
Príncipe saudita Alwaleed investe US$ 300 milhões no Twitter
Alwaleed tem uma fortuna pessoal avaliada em US$ 20 bilhões.
Participação no Twitter veio após ‘meses de negociação’.
O bilionário príncipe saudita Alwaleed bin Talal, que investe em algumas das maiores companhias do mundo, revelou segunda-feira (19) ter adquirido participação acionária de US$ 300 milhões no site de microblogs Twitter, o que aumenta sua influência sobre o setor mundial de mídia.
Alwaleed, sobrinho do rei saudita e detentor de uma fortuna pessoal avaliada em pouco menos de US$ 20 bilhões pela revista “Forbes”, em março, já detém participação de 7% na News Corp e quer criar um canal a cabo de notícias.
A participação no Twitter, adquirida em sociedade por Alwaleed e sua companhia de investimento Kingdom Holding Co, resultou de “meses de negociações”, segundo a Kingdom. As ações da companhia subiram em 5,7% na abertura do pregão saudita, o que expressa a aprovação dos investidores a uma transação em um setor visto como de alto crescimento.
Se for aplicada avaliação de mercado que alguns analistas utilizam para o Twitter, de US$ 8 bilhões, o investimento de Alwaleed e da Kingdom equivaleria a uma participação de 3,75%.
“Nos últimos anos, o príncipe Alwaleed está se esforçando para ampliar sua presença nos setores de telecomunicações e tecnologia”, disse Hesham Tuffaha, vice-presidente de gestão de ativos no Bakheet Investment Group, em Riad.
“Um dos poucos setores a registrar crescimento significativo de receita nos últimos três anos foi o de tecnologia, o que explica que a Kingdom tenha escolhido o Twitter para ampliar seu diversificado portfolio”, acrescentou.
O uso do Twitter ajudou na disseminação de informações na “Primavera Árabe”, a série de revoltas que abalou o Oriente Médio e o norte da África este ano.
A Arábia Saudita conseguiu controlar os primeiros indícios de insatisfação entre seus habitantes ao anunciar um pacote de US$ 130 bilhões em gastos sociais.


[ad#Retangulo – Anuncios – Duplo]

Tópicos do dia – 22/11/2011

08:59:20
Saúde dos senadores nos custará R$ 66 milhões
Eventuais consultas, exames e internações dos 81 senadores em hospitais vão nos custar R$ 66,1 milhões, apesar do completo serviço médico do Senado. Os quatro contratos, todos com dispensa de licitação, valem por 60 meses. O Hospital Santa Luzia pode faturar R$ 45 milhões, o centro médico Carpevie, R$ 17 milhões, e o Centro Urológico de Brasília R$ 1,2 milhão para cuidar das próstatas ilustres.

Show do milhão
Só a Clínica de Olhos Dr. João Eugênio receberá até R$ 2,4 milhões do Senado, que garante: os contratos são legais.
coluna Claudio Humberto

15:46:57
Inflamados de Galvões, Jabores, Faustões e BigBrothers, os brasileiros patinam no analfabetismo mental.
Também, pudera! Olhem só os dados obtidos pelo IBGE no último censo.
1. Relação do número de livros lidos por habitante:
Brasil – 1,8 livros per capita/ano
Só para comparar:
França – 7 livros per capita/ano
Colômbia – 2,4 livros per capita/ano
2. No Brasil 73% dos livros estão concentrados nas mãos de somente 16% da população;
3. Mais de 90% dos mais de 5 mil município brasileiros não têm museu, teatro nem cinema;
4. Somente 13% dos brasileiros vai ao cinema uma vez ao ano;
5. 92% dos brasileiros nunca foram a um museu.


[ad#Retangulo – Anuncios – Duplo]

Lula a leitura e a azia

Artigo excelente sobre a conhecida azia do chefe dos Tupiniquins à leitura. Aliás, aos jornalistas que “marretam” o Apedeuta por sua (dele) falta de leitura, fica a pergunta: os jornalistas leem o que Lula escreve?

O presidente Lula não lê. E daí?
Por Alberto Carlos Almeida¹ – Valor Econômico.

Certamente em um aspecto relevante o presidente Lula é um fiel representante do povo brasileiro: ele não lê. Como declarou em entrevista ao jornalista Mário Sérgio Conti, publicada pela revista “Piauí“, não é a falta de tempo que o impede de ler, mas, segundo o próprio mandatário máximo da nação, não é necessário ler para quem, como ele, conversa diariamente com inúmeras pessoas.

Todos somos, em grande medida, produtos do meio em que vivemos. Com Lula não é diferente. Ao ser eleito presidente ele não se transformou da água para o vinho, ao menos pessoalmente. A grande massa dos brasileiros não foi educada para gostar de ler. Orgulhamo-nos de ser uma mistura do branco europeu (português) com o índio e o negro. Nos três casos, culturas fundamentalmente orais.

Se deveríamos ter alguma esperança de menos oralidade, ela adviria da terra de Camões e Fernando Pessoa. Portugal sempre foi em termos de escolarização um dos países mais atrasados da Europa. Portugal e Espanha. Nos dois casos, a herança católica foi fundamental. Quanto mais fervoroso é o catolicismo, menos escolarizado é o rebanho. Até hoje o interior do Nordeste, onde fica a Garanhus de Lula, é a região mais católica do Brasil e a que apresenta os menores índices de escolarização.

Pode-se matizar o efeito da região afirmando que Lula migrou muito cedo para o “Sul Maravilha”. Sem dúvida isso teve impacto na sua formação, mas também o teve o histórico familiar. De uma família cuja herança religiosa e escolar não viria a contribuir para que o futuro presidente do Brasil gostasse de ler.

Nos Estados Unidos em 1810, a população branca totalizava 5.862.004 pessoas. No mesmo ano, havia 359 jornais com uma circulação de 22.321.700. Isso significava que havia 3,81 exemplares de jornais para cada habitante branco. A população e a circulação de jornais continuaram crescendo, a segunda mais rápido que a primeira. Quarenta anos mais tarde, em 1850, a população branca era de pouco mais de 19,5 milhões de habitantes. A circulação de jornais aumentou para 426.409.978, o que dava 21,81 exemplares por pessoa.

A tradição americana é menos oral e mais escrita. A brasileira é mais oral e menos escrita. Barack Obama, o Lula americano, é professor da Universidade de Chicago, a que tem a maior quantidade de prêmios Nobel. Lula veio do sindicalismo. A biblioteca do Congresso americano é a maior do mundo. O Brasil é o país onde o “Big Brother” mais faz sucesso. Novelas não há lá como cá, mas elas existem e fazem muito sucesso em Portugal.

¹Alberto Carlos Almeida, sociólogo e professor universitário, é autor de “A Cabeça do Brasileiro” (Record).

Continue lendo