A Guerra Híbrida, a manipulação da informação e a perda da soberania pela catequese nas redes sociais

Faço mais um volteio nos portais da “grande mídia” e nas redes sociais, inclusive nos perfis pago aos acólitos.

Na totalidade as matérias estão totalmente fora da realidade: esse povo que escreve essas matérias vive numa “bolha”. Isso não é jornalismo. Isso é propaganda.

[ad name=”Retangulo – Anuncios – Duplo”]

Por isso que eles têm perdido audiência de forma massiva, e por isso que a mídia alternaltiva explodiu.

Eles foram engolidos pela mídia alternativa; e a prova é a votação do ‘Brexit‘ e do Trumpete. Esse último ciclo eleitoral terminou de fechar o caixão: pode mandar enterrar.

A maioria das matérias sobre as eleições do Trumpete tem a BBC como fonte. E a BBC só tem credibilidade entre os desavisados.

A BBC é controlada pelos Rothschilds e pela famílias real britânica: isso já diz tudo! É só propaganda.

Os caras – os pagos e/ou os amestrados, escrevem como se o Facebook não fosse totalmente parcial. O Facebook é só mais uma ferramenta de manipulação da massa: o algorítimo é totalmente controlado para favorecer um “plano” predeterminado; tudo controlado pelo “governo paralelo”.

O algorítimo promove certos assuntos, e censura outros; “todo mundo” que volteia pelas mídias alternativas, já sabe disso.

Aí fica esse povo escrevendo essas matérias dentro dessa “bolha”: por isso mesmo que erraram todas as previsões de intenção de voto do Brexit e do Trumpete.

E a maior parte do eleitorado do Trumpete nem usa o Facebook: a turma usa os fóruns de discussão dos sites alternativos. O Facebook é um gueto digital. É só mais uma “bolha”.

Enquanto o sujeito não entender que tem um “governo paralelo” controlando a massa, vai ficar acreditando nessa mídia falsária e manipuladora. A BBC não passa de mais uma ferramenta de manipulação da massa.

O presidente Kennedy já havia avisado sobre o “governo paralelo”. O presidente Eisenhower também: ele alertou sobre o “governo paralelo” no discurso dele de despedida, no encerramento do mandato dele.

A gente está vivendo no ápice da era da “guerra da informação”.

É a Guerra híbrida a todo vapor.

Eleições USA – Trump, Hillary e os Bilderbergs

Os Bilderbergs não querem o Trumputo eleito. Aí através da mídia, que eles controlam, inventaram essa falácia de que ele é racista, homofóbico, xenófobo, machista, sexista, misógino, etc e tal…

Isso tudo é falácia disseminada pela mídia; ele nunca deu nenhuma declaração racista, homofóbica, xenófoba, sexista, etc…[ad name=”Retangulo – Anuncios – Duplo”]

O que ele disse, por exemplo, é que irá deportar os imigrantes ilegais, e os mexicanos criminosos; ai a mídia diz que ele é xenófobo!? Totalmente falso!

Se a pessoa se der ao trabalho de ver e ouvir os comícios dele, saberá que o que ele tem falado é o apoio às políticas de defesas dos direitos individuais, apoio à soberania nacional, etc… Tudo que ele tem apoiado vai contra o plano dos Bilderbergs e essas políticas neo-liberais.

Mas se a pessoa ficar somente “presa” dentro da bolha da mídia tradicional vai ser manipulada para acreditar numa coisa que não é verdade.

A mídia tradicional morreu. E esse ciclo eleitoral nos US terminou de enterrar. Ninguém acredita mais neles. Ninguém está acessando. Todo mundo migrou para a mídia alternativa que está batendo recordes de audiência e acessos.

Apenas 6% dos americanos confiam na “grande-mídia”, CNN, BBC, Washington Post, Wall Street Journal, Time, The Economist, etc…

Por exemplo; o Financial Time e a The Economist são propriedade dos Rothschild, que são os cabeças dos Bilderbergs.

BBC sofre ciberataque que derruba seus sites por várias horas

Guerra Cibernética, BBC,Hackers,do MesquitaPáginas ficaram inoperantes na manhã de quinta mas voltaram a funcionar.
Sites foram ‘inundados’ com mais tráfego que eles podem absorver.

A BBC sofreu na manhã desta quinta-feira (31) um ciberataque que deixou seus sites inoperantes por várias horas, informou a corporação britânica de meios de comunicação públicos.

“O site da BBC voltou e funciona normalmente. Pedimos desculpas pelos inconvenientes que tenham sofrido”, limitou-se a comentar a corporação em um comunicado.

No entanto, em seu site de notícias atribuiu a falha a um ciberataque.

“Nenhuma página da BBC estava disponível na manhã desta quinta-feira por culpa de um grande ciberataque”, afirmou a BBC.[ad name=”Retangulo – Anuncios – Direita”]

Embora no início o problema tenha sido atribuído a causas técnicas, agora fica estabelecido que a resposta errada dos sites “foi causada por uma técnica de ataque cibernético conhecida como ‘negação de serviço distribuído'”.

Este tipo de ataque, conhecido em inglês como DDoS (sigla para distributed denial of service), consiste em deixar um site fora de serviço inundando-o com mais tráfego do que pode absorver.

Um total de 100 milhões de usuários visitam mensalmente os sites da BBC.
Da France Presse

Tópicos do dia – 09/03/2012

08:18:36
Por que não sou otimista.
Texto publicado no The Christian Institute sobre entrevista de Mark Thompson, o CEO da BBC.
O chefe da BBC, Mark Thompson, admitiu que a rede BBC jamais zombaria de Maomé como zomba de Jesus. Ele justificou a espantosa confissão de preconceito religioso dando a entender que zombar de Maomé teria o mesmo peso emocional da pornografia infantil. Mas tudo bem zombar de Jesus porque o cristianismo suporta tudo e tem pouca relação com questões étnicas.

Thompson diz que a BBC jamais teria levado ao ar “Jerry Springer -The Opera” — um polêmico musical que zomba de Jesus — se o alvo fosse Maomé. Eles fez essas declarações numa entrevista para um projeto de pesquisa da Universidade Oxford.

Thompson afirmou: “A questão é que, para um muçulmano, uma representação teatral, especialmente se for cômica ou humilhante, do profeta Maomé tem o preso emocional de uma grotesca peça de pornografia infantil”. O porta-voz da BBC não quis comentar as declarações.

No ano passado, o ex-âncora da BBC Peter Sissons disse que é permitido insultar os cristãos na rede, mas que os muçulmanos não podem ser ofendidos. Sissons, cujas memórias foram publicadas numa série no Daily Mail, afirmou: “O Islã não pode ser atacado sob nenhuma hipótese, mas os cristãos, sim, porque eles não reagem quando são atacados”. O ex-apresentador disse também que os profissionais têm suas respectivas carreiras prejudicadas se não seguem essa orientação da BBC.

08:42:45
STJ aceita ação contra habeas corpus da Operação Satiagraha.
O vice-presidente do Superior Tribunal de Justiça (STJ), ministro Felix Fischer, aceitou nesta quinta (8) o recurso extraordinário do Ministério Público Federal (MPF) contra o habeas corpus que anulou as investigações da Operação Satiagraha. Desta forma, o processo será julgado pelo Supremo Tribunal Federal (STF).  O MPF afirma que a decisão da Quinta Turma do STJ, que concedeu habeas corpus ao banqueiro Daniel Dantas, “violou fortemente a ordem jurídica, social e econômica do país”. Ao examinar o recurso extraordinário, o ministro Felix Fischer entendeu os pressupostos de admissibilidade. A decisão foi publicada pelo Diário da Justiça eletrônico.

09:08:03
“EUA põem Vaticano pela 1ª vez em lista de lavagem de dinheiro”
Hein! Até tú? Rastros do Banco Ambrosiano e do Cardeal Paul “Dom” Marcinkus?

09:12:28
Ah, os sofistas! Toma lá dá cá tem novo nome.
“Nossas relações com os partidos são duráveis e passam por momentos tensos, este é um momento tenso.”
Gilberto Carvalho, ministro da Secretaria-Geral da Presidência.


[ad#Retangulo – Anuncios – Duplo]

Internet, telejornais e jornais impressos

O jornalismo tradicional “dá tratos à bola” para sobreviver diante do avanço das novas mídias. As redes sociais, especialmente blogs e Twitters, além de ágeis, ganham credibilidade por não estarem submetidas às pressões dos interesses econômicos.

Cada ‘blogueiro’ ou ‘twitteiro’ é seu próprio editor, repórter e editorialista. O jornalismo praticado nos grandes grupos de comunicação não reflete mais os anseios da sociedade. Noticiam somente o que lhes é conveniente e parecem desconhecer a revolução das mídias digitais, com suas enormes plataformas de relacionamentos, nas quais a mentira oficiosa tem vida curta.

Esses grupos tradicionais que controlavam até agora a formação da opinião pública, se vê agora caindo em descrédito. Para segurar espectadores para os telejornais, as novelas se estendem no pieguismo e demais programas apelam para noticiários do tipo ‘mundo cão’. No resumo; são diretamente responsáveis por manter essa oligarquia política que se mantém no poder por mais de meio século.

O Editor


Telejornalismo também paga o preço da crise na imprensa

Até agora os telejornais olhavam com um certo ar de superioridade em relação aos jornais impressos diante as dificuldades enfrentadas pelos profissionais do papel na luta para encontrar um novo modelo de negócios capaz de assegurar a sua sobrevivência diante da internet.

Mas o quadro parece estar mudando, e muito rapidamente. Nos últimos dois meses, algumas das mais importantes emissoras européias admitiram mudanças profundas em seus departamentos de jornalismo, ao mesmo tempo em que a NBC norte-americana anunciou um corte de 700 funcionários da área de telejornais, em conseqüência de uma redução de 800 milhões de dólares nas suas receitas publicitárias desde 2007.

Na Inglaterra, o executivo chefe da rede independente de televisão (ITV), Michael Grade, admitiu em depoimento ao parlamento britânico que sua rede não está mais interessada em notícias porque os gastos superam as receitas. Ele disse também que não pedirá mais ajuda pública para os programas jornalísticos regionais porque “eles são um saco sem fundo”. Grade foi ainda mais longe em seu pessimismo, trocando o cargo na principal emissora comercial inglesa por um emprego fora da TV.

[ad#Retangulo – Anuncios – Esquerda]Emissoras como a inglesa BBC e a alemã ARD (ambas controladas pelo governo) sempre colocaram os seus programas jornalísticos como os carros-chefes de uma programação que seus responsáveis definem como de interesse público e sem fins lucrativos. Os telejornais da BBC e da ARD, bem como de várias outras emissoras européias que recebem fundos estatais, não podem veicular publicidade comercial.

As emissoras públicas européias admitem, em privado, que também podem reduzir drasticamente os orçamentos de programas jornalísticos, segundo informações da newsletter Follow the Media. Mas a situação já se tornou dramática em países da Europa Central, o antigo bloco socialista do Leste europeu, onde pelo menos dez projetos de telejornalismo foram desativados por falta de dinheiro.

O projeto de televisão comunitária RE:TV, criado na Bulgária há dois anos com recursos de um multimilionário local, anunciou no início de dezembro que sairá do ar até o final do ano. O canal reunia uma equipe formada pelos melhores jornalistas búlgaros e produzia programas retransmitidos por quase todas as grandes emissoras européias.

A crise nos departamentos de jornalismo das televisões européias é mais séria do que se imagina, porque no Velho Mundo o telejornalismo é a âncora do resto da programação, ao contrário do que acontece com as emissoras comerciais. Emissoras como a BBC e a ARD usam o jornalismo independente como grande argumento para pedir fundos aos respectivos governos. Para elas, o jornalismo é uma espécie de ícone do interesse publico.

Mas não é só isto que está em jogo. Caso a perda de sustentabilidade financeira se agrave ainda mais, o jornalismo na televisão pode tornar-se ainda mais exposto aos interesses comerciais, como já é possível perceber na TV Globo, onde as chamadas “promoções da casa” ocupam cada vez mais espaço nas emissões noticiosas. O caso extremo é o noticiário esportivo, onde quase tudo o que sai no ar tem algum interesse comercial embutido.

A informação jornalística menos influenciada por interesses corporativos privados, até agora, estava marcada na televisão pela existência de canais públicos que funcionavam como inibidores da comercialização desenfreada do noticiário. No caso europeu, o fator predominante era a qualidade da informação gerada por uma BBC, por exemplo. Já em países como o Brasil, a simples existência de uma emissora pública, mesmo débil, já é suficiente para criar um parâmetro de comparação em matéria de noticiário.

Tudo isso indica que o público terá que se preocupar cada vez mais com o tipo de informação que receberá nos próximos anos, porque as emissoras privadas vão acabar sacrificando a qualidade em nome da sobrevivência financeira e as públicas terão cada vez mais dificuldade para arrancar verbas estatais capazes de manter a programação atual.

por Carlos Castilho/Observatório da Imprensa

Zoológico virtual é criado pela BBC

BBC cria o maior zoológico online do mundo

Para quem gosta de animais e não pode ver os bichos ao vivo, é só acessar:

BBC Wildlife Finder, com fotografias e vídeos de natureza e de mais de 370 espécies.

É como um zôo, mas com algumas vantagens, para compensar a óbvia desvantagem da ausência real dos bichos: o leão nunca está dormindo naquela toca atrás da árvore no fundo da jaula; os animais pequenos são fotografados ou filmados com lentes de aumento; e os hábitos noturnos são capturados com câmeras infra-vermelhas (aquelas que enxergam tudo verde no escuro).

Com 370 espécies, o zôo virtual crescerá a cada dia, promete a BBC. Para quem gosta de bicho, é para gravar no favoritos.


China: governo bloqueia blog do Globo Online

Página de correspondente do GLOBO não pode mais ser acessada em Pequim.
Blog Tudo sobre Blogosfera

O governo da China está sofisticando seus filtros para a censura de sites na internet a apenas quatro meses para a abertura das Olimpíadas, passando a incluir agora blogs e sites de notícias sobre o país em outras línguas que não o inglês.

Desde domingo, o blog “No Oriente”, hospedado no portal de notícias do Globo Online e produzido pelo jornalista Gilberto Scofield Jr., não é mais acessível de dentro de Pequim.

Quem clica no blog, vê a mensagem “A página não pode ser exibida”, típica de sites censurados.

Todos os outros blogs do Globo Online estão visíveis.

Provavelmente o blog foi bloqueado por seu conteúdo sobre os recentes conflitos no Tibete, com análises de especialistas e relatos de tibetanos que acusam a China de não admitir a invasão, promover uma repressão sistemática na região e não tentar dialogar com a sociedade local, não apenas em Lhasa, capital do Tibete, mas em outras províncias densamente habitadas por tibetanos, como Qingnhai, Gansu e Sichuan.

Alguns sites de notícias em inglês que sempre foram bloqueados no país – como o da rede inglesa BBC, há pelo menos três anos fora do ar – passaram a ser abertos à visitação dentro da China, mas as notícias sobre o país continuam bloqueadas. O mesmo ocorre agora com o site de vídeos YouTube, que deixou de ser totalmente bloqueado e passa a censurar apenas os vídeos de conflitos no Tibete ou sobre o Dalai Lama.

Este mês, o correspondente em Xangai da revista americana “The Atlantic Magazine”, James Fallows, um apaixonado por informática, diz que o gigantesco aparato de controle da internet chinesa pode agora também censurar lugares específicos em Pequim de modo a garantir, em locais freqüentados por estrangeiros, um acesso menos bloqueado da rede.

“O que os visitantes estrangeiros para as Olimpíadas vão perceber não é uma abordagem mais relaxada da internet, mas seu refinamento”, diz a revista americana. Segundo Fallows, o bloqueio agora segue um padrão de uso de IP (o endereço do micro na rede), podendo liberar acessos de determinados cibercafés, quartos de hotel ou centros de convenção pela capital chinesa.

Insensatez de Chávez beneficia Lula, diz colunista do ‘El País

O maluquete das Caraíbas, continua o mais ferrenho adepto da insensatez. Permanece com o ditatorial hábito, de querer decidir tuto e por todos. Por sua vez, o grande chefe dos Tupiniquins, contrariando o temperamento “caliente” típico do agreste nordestino, de onde migrou pra terra da garoa, vai, mineiramente, como politicava Tancredo Neves, “comendo pelas beiradas”.

Da BBC Latino América

As iniciativas de Lula parecem mais sensatas e ajuizadas
O presidente Luis Inácio Lula da Silva se beneficia no cenário internacional com a “falta de bom senso” do líder venezuelano Hugo Chávez, na opinião de um proeminente colunista do jornal espanhol “El País“.
“Com a insensatez do líder bolivariano, as iniciativas de Lula acabam parecendo exemplos de bom senso e moderação”, diz a coluna de Miguel Angel Bastenier, publicada nesta quarta-feira no jornal El País.

O comportamento de Chávez acabaria reforçando, também, segundo Bastenier, “o sentimento coletivo na América Latina de que o Brasil se tornará “uma grande potência”.

“Se Hugo Chávez não existisse, o presidente brasileiro Lula da Silva teria que inventá-lo”, diz o texto.

De acordo com o colunista, essa discrepância entre as imagens dos dois líderes ajuda a criar a conjuntura ideal para que o Brasil “capitalize” o sentimento coletivo na região, que “não se mostrava com tanta força desde os mil Vietnãs de Che”.

Bastenier afirma que a Constituição da Unasul (União das Nações Sul-americanas) seria a convocação de Lula para a união do mundo sul-americano e reforçaria ainda mais a imagem do Brasil na região.

Global

O artigo destaca também episódios da política internacional que ajudam a estabelecer essa imagem positiva do Brasil como grande potência.

Segundo o diário, a “seqüência de preocupações e desgostos para os Estados Unidos” seria uma das razões. Isso porque a crise gerada pela política exterior americana com questões relacionadas ao Irã, Afeganistão e Iraque teria afastado Washington da América Latina, que, enquanto isso, “elegia um número crescente de governos contrários ao neoliberalismo”.

De acordo com o El País, combinadas, as conjunturas regional e internacional favorecem a ascensão do sentimento público acerca do potencial brasileiro e reforçam o “convencimento nacional de que o país está destinado a ser uma grande potência”.

“Essa conjunção astral da geopolítica mundial e regional tem as características do Brasil e favorecem Lula da Silva”, conclui o texto.

Fotografia – Ciência e Arte

Foto – BBC

A competição Visions of Science premia imagens que demonstram fenômenos científicos, chamam atenção pela beleza ou mostram algo que nunca foi visto antes. Os vencedores do concurso serão conhecidos em outubro e receberão os prêmios na Royal Society, em Londres.


Corte longitudinal de um dente humano, visto num microscópio. Os organizadores acreditam que o Visions of Science permite que imagens científicas alcancem uma audiência mais ampla.

Fotografia – Ciência e Arte

Arte e Ciência
Foto – BBC

A competição Visions of Science premia imagens que demonstram fenômenos científicos, chamam atenção pela beleza ou mostram algo que nunca foi visto antes. Os vencedores do concurso receberam os prêmios na Royal Society, em Londres.

Na foto, o detalhe dos dentes de um caracol de jardim, aumentado em 200 vezes, com o uso de um microscópio. Os dentes fazem parte de um órgão parecido com uma língua, que tritura os alimentos.