Tecnologia,CriptoMoedas,Bancos,Capitalismo,Bitcoins,Redes sociais,Economia,Internet,WhatsApp,Telegram,Instagram,Facebook,Mark Zuckerberg

Facebook e sua moeda, a Libra, põem em xeque a soberania monetária

A criptomoeda da rede social dispara o alarme nos bancos centrais do mundo todo.

CriptoMoedas,Tecnologia,Bancos,Capitalismo,Bitcoins,Redes sociais,Economia,Internet

Faz tempo que o Facebook perdeu a confiança do mundo. Faz tempo que quer ser um país. A empresa de Mark Zuckerberg tenta conectar dois vértices que se repelem como cargas magnéticas de sinais opostos. Mas o que a física nega é substituído pela ambição, que é tão grande quanto um oceano sem margem.

A rede social pretende se transformar em uma nação rica, superpovoada, com cerca de 2,4 bilhões de usuários (somando WhatsApp, Instagram e Facebook Messenger) habitando seu território digital. Uma geografia conectada 24 horas por dia, que transforme uma torrente de trilhões de dados em rios de dinheiro; uma nova superpotência nascida da tecnologia, não da geopolítica do ser humano.

Zuckerberg acordou há 18 meses com esse sonho. Desde então, na sede central da empresa em Menlo Park, Califórnia, uma equipe trabalha em segredo para recriar a identidade econômica e social de um país: sua moeda. O resultado é a libra. Uma criptomoeda que a rede social planeja lançar em 2020 com o apoio de 27 empresas, entre elas Visa, MasterCard e Uber, e que pode ser um cavalo de Troia geoestratégico e financeiro. Se (porque esta história deve ser escrita no condicional) os 2,4 bilhões de usuários da plataforma utilizassem essa ciberdivisa para comprar e enviar dinheiro (como se faz no PayPal e no WeChat), ela poderia se tornar a maior entidade financeira do planeta.

Se cada poupador ocidental destinasse um décimo de seus recursos à libra, ela valeria 2 trilhões de dólares (7,5 trilhões de reais). O alvorecer de um colosso − e seu potencial desestabilizador − no mercado de títulos. “Esta moeda tem muito impacto e é preciso agir com grande cautela”, alerta Emilio Ontiveros, presidente da empresa espanhola de consultoria Analistas Financieros Internacionales (AFI). “É como se um Estado novo, e poderoso, emitisse uma moeda que estivesse entre as dez mais importantes do mundo.” Uma moeda que, além disso, tem a capacidade de afetar a soberania monetária de países frágeis.

A criptomoeda do Facebook e seus parceiros oculta dentro dela um “tique-taque” que ultrapassa os limites da economia. Porque, até agora, a forma como o dinheiro e os pagamentos são estruturados era função exclusiva das instituições democráticas, não das grandes empresas de tecnologia. Agora, os reguladores se perguntam se as velhas ferramentas de política econômica servirão para controlar esses gigantes. Usurpadas as funções, acendem-se os alertas vermelhos.

“Todos os bancos centrais do mundo vão se opor à libra, e Mark Zuckerberg, que tem um patrimônio líquido de 73,6 bilhões de dólares [275 bilhões de reais], pode correr o risco de fazer isso. No entanto, tem grandes possibilidades de sair perdendo”, reflete Guillermo de la Dehesa, presidente honorário do Centre for Economic Policy Research (CEPR) de Londres. Por enquanto, aumenta a cautela recomendada por Ontiveros.

O Bundesbank alerta para o “retorno ao Velho Oeste dentro do sistema monetário” e o Banco da Inglaterra encara o assunto “com a mente aberta, mas não com a porta aberta”. Uma desconfiança que atinge os próprios donos da plataforma. “Temo que a libra faça à indústria financeira o que o Facebook fez à privacidade e ao debate público”, alerta Jonas Kron, vice-presidente sênior da firma de investimentos Trillium Asset Management, que tem 53.000 ações da rede social.

Mais uma vez a tecnologia no século XXI é parte do problema, não da solução; mais uma vez o Facebook precisará dar explicações ao Congresso dos EUA. Na próxima quarta-feira, a pedido da democrata Maxine Waters, presidenta do Comitê de Serviços Financeiros da Câmara dos Representantes, o diretor-executivo da libra, David Marcus, fará provavelmente um relato que pode ser assim:

— Por que criaram a libra? − talvez pergunte Waters.

— Queremos empoderar 1,7 bilhão de adultos no mundo que não têm acesso a serviços bancários — responderá a empresa.

— Por que devemos confiar no Facebook? Recordo-lhe o escândalo da Cambridge Analytica.

— Reforçamos os controles e a criptomoeda é respaldada por meios de pagamento (PayPal, Visa, MasterCard) com décadas de experiência em segurança digital.

Esse poderia ser o início do interrogatório. Mas a aceitação da moeda será uma batalha. E o Facebook sabia disso. Eis as pistas: em janeiro, a empresa contratou o ex-vice-primeiro-ministro do Reino Unido Nick Clegg como responsável por Assuntos Globais e Comunicação e, segundo o Financial Times, em setembro Edward Bowles, do banco inglês Standard Chartered, vai se unir a ela para cuidar dos problemas regulatórios na Europa.

Zuckerberg previa a tempestade. Mas principalmente a fragilidade que a tecnologia provocou em muitas instituições financeiras. “O que as grandes plataformas, como Facebook, Google e Amazon, pretendem é tirar negócios dos bancos, assim como o Alibaba na China. A libra é o primeiro ataque”, afirma Kenneth Rogoff, ex-economista-chefe do Fundo Monetário Internacional.

Volatilidade
Isso porque a moeda de Zuckerberg − o “Mark”, como Steve Forbes, editor da Forbes Media, propõe ironicamente que seja chamada − está bem cunhada. Não é um bitcoin. É o que se chama de stablecoin (“moeda estável”). É respaldada por uma cesta de moedas “tradicionais” e por títulos. Com essa arquitetura, evita-se a volatilidade das criptomoedas. E, ao ser de código aberto, qualquer um (pensemos na Amazon) pode criar aplicativos baseados nela.

Tudo com um só anseio: controlar os dois trilhões de dólares movimentados pelas transferências no planeta. O Facebook quer enviar dinheiro ao custo de um WhatsApp. “Provavelmente começará cobrando pequenas taxas das empresas pelas transações”, prevê Joaquín Robles, analista da corretora XTB. Inicialmente, os consumidores poderiam economizar 25 bilhões de dólares (93,5 bilhões de reais) em comissões. Em troca, isso sim, de entregar mais dados e confiar em uma empresa que já mostrou muitas vezes não ser digna de confiança. Nem Fausto concordaria em queimar assim no inferno.

Se os 2,4 bilhões de usuários da plataforma utilizassem essa ciberdivisa para comprar e enviar dinheiro, ela poderia se tornar a maior entidade financeira do planeta.

“A libra precisa convencer de que não invadirá os bancos centrais do mundo, de que não está aperfeiçoando ainda mais sua captura em massa de dados, de que não é um novo canal para a lavagem de dinheiro”, afirma Kevin Werbach, professor da escola de negócios Wharton e referência em tecnologia digital. É claro que se a plataforma quiser recuperar a confiança (essência dos serviços bancários, do comércio e das relações humanas) da sociedade lançando a libra, terá de justificar seus contrassensos.

“As promessas do Facebook de dar as boas-vindas à responsabilidade e à regulação soam vazias. Basta pensar na decisão de estabelecer a sede da criptomoeda [a Libera Association] na Suíça: a pior jurisdição secreta do mundo. Em termos de transparência, é o mesmo que abrir um café vegano dentro de um matadouro”, compara Alex Cobham, diretor-executivo da Tax Justice Network, uma organização ativista especializada em assuntos fiscais.

A desconfiança é a verdadeira moeda que o Facebook controla. Entre seus 27 parceiros não há nenhum banco. Por quê? A plataforma se aproximou, conta o The New York Times, de grandes empresas de investimento, incluindo Goldman Sachs, JP Morgan Chase e Fidelity, mas elas se negaram a participar, em parte pelos problemas regulatórios e talvez porque a aventura anda muito concorrida. “A JP Morgan está preparando sua própria moeda e 13 dos maiores bancos do mundo lançarão suas stablecoins no próximo ano. Confiaremos mais no Facebook do que nos bancos?”, pergunta Giles Alston, analista da firma de consultoria britânica Oxford Analytica.

A viagem de Zuckerberg atravessará densos bancos de nevoeiro. Evasão fiscal, lavagem de dinheiro, privacidade, preocupações regulatórias e a possibilidade de que − aponta a Standard & Poor’s − a libra seja vista como um pseudodepósito bancário. Inclusive o tempo lhe volta as costas. Até o tempo lhe vira as costas. O consórcio global Swift, líder mundial de serviços seguros de mensagens financeiras, “demorou mais de 40 anos para construir uma rede de 11.000 bancos que adotassem sua solução”, lembra Meng Liu, especialista da Forrester Research.

Mas o Facebook não tem a virtude da paciência. Seu antigo lema, “Move fast and break things” (“mova-se rápido e quebre coisas”), revela sua relação com a sociedade e as horas. Castigado por seus erros, muito poucos defenderão “o ator mais terrivelmente irresponsável do panorama tecnológico”, afirma Enrique Dans, professor da IE Business School. Então, o que restará depois de tanta porcelana quebrada? Os reguladores provavelmente frearão a entrada da libra nos créditos hipotecários, nos empréstimos e na compra e venda de ações.

“No entanto, a ameaça para o negócio das transferências já está aí”, aponta Ontiveros. Um perigo que testa suas fronteiras. “A moeda funciona bem como meio de pagamento, mas não é um risco para o dólar, porque por trás dele estão o peso do contribuinte americano e o maior poderio militar do mundo”, diz Miguel Otero Iglesias, pesquisador principal do Real Instituto Elcano. Uma batalha que nem Zuckerberg ousaria travar.

Economia para um Governo Global

Economia,Bancos,Governo Global,Globalismo,Nova Ordem Mundial

Elaboração da Teoria para o Poder Mundial da Banca

A queda do Muro de Berlim e o desmonte da União Soviética atingiram todas esquerdas.

Seus pensamentos passaram a girar como um pião, sobre eixo fixo, e apenas reproduziam variantes de interpretação marxista.

Isto impediu aprofundar questões transversais, como ocorre na experiência boliviana, e até levou a apoiar a banca, onde mais ela precisou: a implementação de ações neoliberais. Governos ditos socialistas e trabalhistas, por toda Europa, nos fornecem os exemplos.[ad name=”Retangulo – Anuncios – Duplo”]

Mas a direita notou que a fragilidade teórica neoliberal não permitiria estabelecer os princípios que atenderiam às questões jurídicas, aos projetos plurinacionais, aos engodos políticos e a tantas outras necessidades para um poder que se quer dominando todo mundo, prevalecendo sobre culturas e idiomas.

Como seria de esperar, vários professores se candidataram à missão de desenvolver uma teoria para a banca. Neste artigo pretendo dialogar com meus caros leitores sobre as ideias de dois deles, que tem em comum a ligação com a Universidade de Munique: o sociólogo Ulrich Beck, falecido em 2015, e o jurista Karl Larenz, falecido em 1993.

Vamos iniciar com a questão da globalização. Há, para alguma esquerda, o apelo que Proudhon sintetizou na frase: “pereça a Pátria e salve-se a humanidade”. É a questão da soberania nacional que, como um frio na espinha, arrepia todos os pelos destes teóricos da banca.

Coloquemos uma frase de Beck que espelha, com toda a clareza, onde se pretende chegar: “o setor financeiro global já não pode ser regulado a nível nacional” (U. Beck, A Europa alemã, Edições 70, Lisboa, 2013). Neste trabalho o sociólogo de Munique contrapõe a necessidade de empreender ações multinacionais para “prevenção do risco”, evitando “experiências traumáticas” e as irresponsabilidades dos Estados Nacionais. Ainda nesta mesma obra: “é o paradigma da ameaça de risco que provoca mudanças nas condições de vida e relações de poder na Modernidade globalizada”(!).

Como se vê, a dominação financeira no mundo é um dado da realidade, não passível de contestação. Conforme também se lê, o que se deve debater são as “inconvenientes” consequências das leis – “aliviar ou desfazer os laços que ligam a política ao direito” –, as decisões emocionais, fruto das manifestações do povo – “deixou de ser possível distinguir claramente entre estado normal e estado de exceção” (um verdadeiro presente para os julgamentos de Curitiba) – e, o mal dos males, as ações soberanas dos Estados.

Antes de prosseguir com as reflexões de Beck, vamos entremear com Karl Larenz. Ulrich Beck se tornou conhecido com o livro “Sociedade de Risco” (no Brasil, Editora 34, São Paulo, 1ª edição, 2010, 2ª reimpressão, 2016; original alemão de 1986). As ideias de Karl Larenz, que discutiremos, surgiram com “Metodologia da Ciência do Direito”, em 1991, com tradução para o português na edição da Fundação Calouste Gulbenkian, Lisboa, da 6ª edição alemã, em 1997.

Sinteticamente, este jurista propugna a substituição da manifestação popular, sempre falha, pela “jurisprudência dos valores”, pois o “conceito de um direito não (é) apenas legal, mas justo” (K. Larenz, Derecho Justo, Civitas, Madrid, 2001). Recordemos que o direito vem da formulação legislativa, fruto da vontade popular, correspondendo a um estágio civilizatório da sociedade. Mas, como explicita na Apresentação da obra, o direito justo “só se reconhece por seus princípios”, ou seja, pelos iluminados que conduziriam, em última instância, a própria aplicação das leis (tribunal curitibano?), o que tornaria irrelevante sua formulação democrática.

Onde se fundem Beck e Larenz?

Tomo Ingomar Hauchler, professor de economia na Universidade de Bremen, membro do Partido Social Democrata (SPD), em artigo de 1989, portanto antes da unificação alemã e quando a banca ainda não assumira o controle dos governos europeus, mas ele já reconhecia a “perda do controle político dos processos econômicos”.

“O poder do mercado financeiro e a mobilidade das empresas e bancos internacionais, que crescem mais através de fusões e participações do que através de novos investimentos reais, transformam de modo crescente a forma e os resultados da divisão do trabalho a nível internacional. A competição internacional ocorre, se ocorre, só entre poucos super monopólios. Cada vez mais as pequenas e médias empresas se tornam, enquanto ainda sobrevivem, dependentes das gigantes. Os monopólios internacionais ganham uma posição dominante nas negociações com Governos.” (agradeço ao Dr. Reginaldo Chaves pela tradução do artigo Internationalisierung und nationaler Handlungsspierlraum der Okonomie, em cópia xerográfica).

Consideremos estas manifestações. Há um sistema que pretende atuar em todo o mundo, com máximo ganho. As diversidades locais, advindas de modelos culturais e necessidades específicas, que constituem a base dos Estados Nacionais, mesmo quando não democráticos, regulam a sociedade (criam as leis, o direito) de forma a atender suas demandas. Logo as Nações impedem a maximização dos ganhos.

O que é, então, a primeira pedra na construção do universo da banca? A eliminação dos poderes regulatórios nacionais.

Veja o Brasil: o executivo cumpre os projetos da banca, comprando o apoio do legislativo e do judiciário. Este último, por sua vez, atua conforme a “doutrina Larenz” e imobiliza a oposição. As forças policiais e militares contém, em nome da segurança, o povo nas ruas. Em tudo prevalece o cinismo e a desfaçatez. Mas a culpa é do Lula (sic).

Assim, a ditadura da banca se consolida em meio a uma aparente democracia.

Estas considerações não esgotam, nem os autores citados, as reflexões em questões fundamentais para um País soberano e verdadeiramente democrático. Mas espero que comece a frutificar na formulação de uma oposição que não se engane com apelos ecológicos (os verdes de aqui e da Europa apoiam esta globalização e se identificam na sociedade de risco), com as deturpações em questões de gênero e do isolamento social, pois só pode haver verdadeira cooperação entre Estados e pessoas livres e conscientes, e muitas outras armadilhas que a banca, em seu quase monopólio midiático, propagandeia.

Também não nos esqueçamos que não há, se alguma vez houve, um proletariado internacional. Busquemos o exemplo salarial, referenciado em dólares estadunidenses, para alguns salários mínimos anuais, onde as condições de vida são razoavelmente semelhantes, separando ricos e pobres. Ricos: Alemanha 20.227; Áustria 15.749; EUA 15.800; França 17.563; Reino Unido 23.163; pobres: Argentina 6.549; Brasil 3.805; Colômbia 4.583; México 1.645; Venezuela 6.010 (Fonte: ONU, para 2017, alguma imprecisão, que existe, resulta das conversões cambiais e vantagens não quantificadas).
Autor: Pedro Augusto Pinho

 

Operação da PF combate crimes cibernéticos em cinco estados

Estimativa é que organização tenha causado prejuízo superior a R$ 2,5 milhões, com fraudes contra o sistema bancário.

A Polícia Federal (PF) deflagrou hoje (21) a segunda fase da Operação Darkode, no intuito de desarticular uma organização criminosa especializada em fraudes contra o sistema bancário, por meio eletrônico, e de investigar a negociação de informações úteis à prática de crimes cibernéticos.[ad name=”Retangulo – Anuncios – Duplo”]
A estimativa da corporação é que as ações do grupo tenham causado prejuízo superior a R$ 2,5 milhões, sobretudo mediante fraudes contra o sistema bancário.

Cerca de 100 policiais federais cumprem 37 mandados judiciais, sendo quatro de prisão preventiva, 15 de prisão temporária e 18 de busca e apreensão, em residências e em empresas vinculadas à organização.

O objetivo é colher provas contra outros integrantes e beneficiários, além de identificar e apreender bens adquiridos ilicitamente.

As diligências, segundo a PF, estão sendo executadas nas cidades de Goiânia, Aparecida de Goiânia (GO), Anápolis (GO) e Senador Canedo (GO), bem como nos estados do Pará, de Tocantins, de Santa Catarina e no Distrito Federal.

O líder do grupo criminoso cumpre pena no Complexo Prisional de Aparecida de Goiânia, imposta por sentença condenatória da 11ª Vara Federal de Goiânia em decorrência da prática de crime cibernético, de acordo com informações da corporação.

Na primeira fase da operação, deflagrada em julho de 2015, foram cumpridos sete mandados judiciais em Goiânia, sendo dois de prisão e um de condução coercitiva, além de quatro de busca e apreensão.

A ação foi coordenada com forças policiais de diversos países contra hackers que se comunicavam por intermédio de um sítio eletrônico denominado Darkode

Segurança Digital

Francisco FernandezFrancisco Fernandez e seu negócio são pouco conhecidos, apesar de influentes
Direito de imagemANOUK BAUMANN

A maioria das pessoas nunca ouviu falar de um suíço chamado Francisco Fernandez, mas dezenas de milhões delas dependem dele para proteger seu dinheiro.

Esse homem de 53 anos, que gosta de tocar piano no tempo livre, é responsável pela segurança de US$ 4 trilhões (R$ 12,5 trilhões) de depósitos bancários ao redor do mundo.[ad name=”Retangulo – Anuncios – Duplo”]

Fernandez é o fundador e CEO de uma companhia que é tão pouco conhecida quanto ele – a Avaloq -, mas que vem a ser um dos maiores provedores mundiais de software bancário.

Com 2,5 mil funcionários, a empresa tem seus sistemas usados por mais de 450 bancos, incluindo HSBC, Barclays, Royal Bank of Scotland, Deutsche Bank, Société Générale, UBS e Nomura.

Como era de se esperar, Avaloq leva a segurança muito a sério, especialmente a proteção de bancos contra ataques cibernéticos.

E para garantir que o software seja o mais seguro possível, a companhia tem lançado mão de uma nova abordagem: ela paga empresas israelenses de tecnologia, especializadas na prevenção contra ação de hackers, para atacá-la.

Homem teclando no computadorAvaloq diz que evita milhares de ataques cibernéticos a cada ano
Direito de imagemGETTY IMAGES

Defesa ‘à prova de balas’

Fernandez diz: “Os israelenses são muito, muito bons. Eles (jovens profissionais de tecnologia) estão saindo do serviço militar, e são brilhantes”.

“Nós frequentemente os designamos para atacar nossos sistemas de forma controlada e, com a ajuda deles, tentamos fazer nossos sistemas à prova de bala.”

“Fazemos nosso dever de casa. Segurança é uma coisa constante… Temos milhares de ataques por ano, mas até agora, ainda bem, nunca tivemos uma invasão a nossos sistemas.”

Para virar uma companhia que hoje desfruta de receitas anuais de mais de US$ 500 milhões (R$ 1,5 bilhão), a Avaloq percorreu um longo caminho desde 1991, quando Fernandez adquiriu por US$ 200 mil (R$ 624 mil) o departamento de informática do banco suíço BZ Bank.

A área tinha apenas cinco funcionários na época, mas Fernandez tinha grandes ambições.

Homem usa o programa da Avaloq num tabletA Avaloq usa tecnologia de computação em nuvem para prestar seus serviços
Direito de imagem
AVALOQ

Ele diz que notou há muito tempo que o software usado pela maioria dos bancos do mundo era excessivamente complicado e instável, e ainda assim muito caro.

Sua ideia foi produzir um software simples e ao mesmo tempo mais forte e universal, que poderia ser usado por vários bancos.

‘Missão impossível’

Com uma pequena quantia em dinheiro de um único cliente no banco e algum trabalho de consultoria, Fernandez e sua equipe começaram a trabalhar no sistema de software, um trabalho que levou cinco anos.

“Desenvolver um sistema bancário global leva tempo”, explica.

Quando o software finalmente ficou pronto para ser vendido aos bancos, Avaloq percebeu que o setor bancário suíço, notoriamente avesso a riscos, estava relutante a dar uma chance a uma startup que até então tinha só 20 funcionários.

Sede da Avaloq em ZuriqueA companhia está baseada em Zurique, na Suíça – Direito de imagemAVALOQ

Fernandez diz que muitas pessoas pensaram que seria uma “missão impossível” encontrar um comprador para seu novo software. Mas graças a um contato ele conseguiu mostrar seu programa ao Banco Nacional Suíço (BNS).

O banco central do país ficou impressionado o suficiente para comprar o software. Cinco bancos suíços seguiram pelo mesmo caminho nos seis meses seguintes. Depois, os estrangeiros também entraram a bordo.

Empresa pertence aos funcionários

Hoje a Avaloq oferece dois serviços bancários – a licença para o uso de seu software e um serviço em que ela administra o sistema de informática de um banco.

Em torno de 17% dos bancos (que acumulam US$ 700 milhões, ou R$ 2,1 bilhões, em fundos) optam pelo segundo, por meio da tecnologia de computação em nuvem, que permite o acesso remoto a softwares e serviços pela internet.

Recepção do escritório da Avaloq em ZuriqueDireito de imagemPAUL ZANRE
Image captionO negócio suíço é propriedade de seus funcionários

A Avaloq faz dinheiro por meio de contínuas taxas de licença. E, excluindo os 10% de ações que pertencem a um banco suíço, a companhia é de propriedade de seus funcionários.

De seus 2,5 mil, 500 são programadores. Além da sede em Zurique, a empresa tem escritórios em Edimburgo, na Escócia, e na distante Manila, capital das Filipinas.

Em vez de a equipe ganhar bônus individuais por metas pessoais, todos recebem o benefício se a companhia atingir seus objetivos anuais, seja o crescimento da receita ou sua expansão geográfica.

Francisco FernandezDireito de imagemAVALOQ
Image captionFernandez diz que a história de sua família o ajudou a atingir seus objetivos

“O sucesso da Avaloq pode ser atribuído à liderança perspicaz do CEO Francisco Fernandez, e ao Avaloq Banking Suite, o principal software oferecido aos bancos privados”, diz à BBC Antony Peyton, um editor da revista digital Banking Tech.

‘Pais fugitivos’

Fernandez é filho de refugiados espanhóis que fugiram da ditadura do general Franco e se basearam na cidade suíça de Lucerna antes de ele nascer.

Ele diz que seu passado teve uma grande influência na sua decisão de assumir o risco de lançar a Avaloq.

“Meus pais foram refugiados após a Guerra Civil Espanhola. Aquela cultura, de deixar seu país e ter a coragem de sair de sua zona de conforto, faz parte do meu DNA.”

“Quando eu era criança, não podíamos comprar carro, TV ou aquecimento central. Crescer na Suíça foi um grande privilégio, e pude estudar na ETH Zürich, uma das melhores (universidades) no mundo para ciências da computação.”

“Eu me sinto privilegiado de ter o posto mais alto na Avaloq, mas não tomo nada como garantido.”
Will SmaleRepórter de economia, BBC News

5 tarifas bancárias que só paga quem gosta de rasgar dinheiro

Os bancos têm reajustado as taxas cobradas dos brasileiros bem acima da inflação, mas a verdade que as pessoas já possuem muitas opções para fugir de vários desses custos.

rasgando-dinheiroblog-do-mesquita

Com o aumento da inadimplência, os bancos brasileiros têm tentado compensar as perdas com os maus pagadores aumentando as tarifas cobradas de todos os clientes. Segundo o IBGE, as tarifas subiram em médias 11,5% nos 12 meses encerrados em julho, contra 8,7% da inflação oficial do país, medida pelo IPCA. Uma forma de o consumidor se defender é cortar algumas tarifas e taxas cobradas por alguns bancos, que, na verdade, não precisam ser pagas. Isso porque existem concorrentes desses grandes bancos que prestam o mesmo serviço com a mesma segurança, mas sem cobrar nada ou cobrando muito menos. Veja a seguir 5 exemplos de tarifas bancárias que só paga quem gosta de rasgar dinheiro:

[ad name=”Retangulo – Anuncios – Esquerda”]1 – Taxa de custódia para Tesouro Direto

O Tesouro Direto tem se popularizado rapidamente no Brasil por ser um investimento que reúne elevada rentabilidade, menor risco do país e liquidez diária. Sobre a rentabilidade bruta do investimento, será necessário descontar a taxa cobrada pela BM&FBovespa (0,3%) e a taxa de custódia cobrada por algumas instituições. Os maiores bancos brasileiros cobram taxa de custódia de acordo com a tabela abaixo:tarifasbancoseconomiablog-do-mesquita-01

Taxas do Tesouro Direto nos bancos

Uma taxa de 0,4% ou 0,5% ao ano pode parecer pequena, mas não é. Imagine que você vai investir R$ 100.000 no Tesouro Direto. Como no primeiro ano a taxa é cobrada no momento da compra do título, ao invés de aplicar R$ 100.000 você só vai comprar R$ 99.502,49 em títulos públicos. Na prática, você perdeu R$ 500 logo de cara.

Acha pouco? Então vamos considerar que você comprou um título chamado Tesouro IPCA+ com vencimento em 2035, que vai pagar juros médios de 12% ao ano pelos próximos 19 anos. Esses quase R$ 500 a mais que você vai economizar por ano capitalizados por essa taxa de juros vão resultar em R$ 35.349,30 a mais no seu bolso quando o título vencer.

E aí, faz sentido jogar mais de R$ 35.000 fora? Porque saiba que você poderia ter economizado todo esse dinheiro. Hoje cinco corretoras isentam o investidor de taxa de custódia no Tesouro Direto: Clear, Easynvest, Modal, Tullett Prebon e XP Investimentos. Abrir conta nessas corretoras também é gratuito, logo, só paga isso quem gosta de rasgar dinheiro.

E o melhor: várias corretoras também já isentam o investidor de taxa de custódia na compra de CDB, LCI e LCA. As corretoras XP, Rico, Órama, Modalmais, Geração Futuro, Easynvest e Clear não cobram essa taxa dos investidores. E CDB, LCI e LCA distribuídos pelas corretoras geralmente são extremamente mais rentáveis que as opções disponíveis nos bancos grandes.

Criança rasgando dinheiro

2 – Taxa de custódia da Bovespa

Além das taxas do Tesouro Direto, quem investe em ações e opções pelo banco e pela maioria das corretoras também paga taxa de custódia mensal. Veja quanto cobram os grandes bancos pelo serviço:

tarifasbancoseconomiablog-do-mesquita-02

Taxa de custódia de ações nos bancos

Mas essa é outra taxa que só paga quem quer. A XP Investimentos e a Clear Corretora dão isenção de taxa de custódia para todos os clientes que possuem ações ou opções na carteira. Quem compra ações por essas corretoras só vai pagar taxa de corretagem e emolumentos à Bolsa – mas desses custos não há como fugir porque eles são cobrados por todas as instituições.

3 – Tarifas de conta correntetarifasbancoseconomiablog-do-mesquita-01

No primeiro semestre de 2016, as mensalidades dos pacotes de serviços de conta corrente subiram em média 12% em relação ao mesmo período do ano passado, segundo dados do Banco Central. Há alguns anos BB e a Caixa cobravam menos que os bancos privados por esses serviços, mas agora praticamente já não há mais diferença para concorrentes como o Bradesco e o Itaú. O BB, por exemplo, elevou o valor de seu pacote mensal padrão em 24% no primeiro semestre em relação ao mesmo período do ano passado, segundo estudo do JPMorgan. Já a Caixa fez um reajuste de 23%. A tabela abaixo mostra claramente a agressividade dos bancos públicos no reajuste:

Aumento de tarifas de conta corrente

O custo médio das tarifas é de R$ 21,77 para pacote mensal de conta corrente, R$ 8,43 para DOC ou TED, R$ 2,26 para extrato e R$ 2,01 para saque, segundo o JPMorgan. As tarifas de conta corrente correspondem a 20% de toda as taxas cobradas pelos bancos brasileiros.

A receita dos bancos com tarifas cresce fortemente todos os anos por causa do aumento do número de clientes, maior uso de serviços por esses clientes e maiores restrições para isenções de tarifas.

Mas a verdade é que só paga tarifas bancárias quem quer. O Itaú e o Bradesco oferecem a conta digital, que é totalmente isenta de tarifas para pessoas físicas se você não usar serviços na agência nem emitir cheques. Então se você resolver todos os seus problemas pela internet, pelo telefone ou nos caixas eletrônicos, não pagará tarifas mensais, nem para fazer TED ou DOC, nem para consultar saldos e extratos, etc.

4 – Anuidade do cartão de crédito

Outro custo que pesa no bolso de muita gente é a anuidade do cartão de crédito. Alguns cartões chegam a cobrar anuidades de R$ 1.200. É lógico que em troca de uma anuidade tão alta há alguns benefícios: programas de milhagem turbinados, acesso a salas VIP de aeroportos, seguros, etc. Mas a verdade é que se você não quiser pagar nada disso, não precisa.

O Nubank é um cartão sem anuidade que atende muito bem quem tem uma renda não tão alta. O cartão é um Mastercard Gold com zero de anuidade e tarifas. Para contratá-lo, basta baixar o app do Nubank para iPhone e Android e fazer a requisição do cartão. O limite mensal de crédito pode ser alterado pelo próprio cliente no app. Um SMS informa o cliente a cada compra, o que aumenta a segurança. E o app tem uma planilha de controle financeiro acoplada.

Os juros do crédito rotativo para quem parcelava o pagamento da fatura costumavam ser de 7,75% ao mês, mas, agora, alguns clientes pagam mais. O ponto fraco é que não há programas de fidelidade nem acúmulo de milhas. Mas para quem tem uma renda de até R$ 5.000 por mês e não gasta muito nem acumula muitas milhas, o cartão pode ser bem interessante. O único inconveniente é que há uma fila de interessados pelo cartão – e você pode ter de esperar um pouco para receber o seu.

5 – Taxa de administração dos fundos

Os três maiores bancos brasileiros (Banco do Brasil, Itaú e Bradesco) controlam 55% do dinheiro investido em fundos no país. Quem investe nesses fundos geralmente paga taxa de administração e, em alguns casos, taxas de performance. A receita gerada por essas taxas é relevante para os bancos. Segundo um estudo do JPMorgan, no Banco do Brasil os fundos respondem por 17,6% de todas as tarifas cobradas. Já no Bradesco esse percentual é de 10,5%, enquanto no Itaú chega a 11,2%.

A maior parte do dinheiro dos brasileiros está concentrada em fundos DI e de renda fixa. Segundo a Anbima (a associação de bancos e fundos de investimento), a taxa média cobrada nos fundos de renda fixa caiu de 1,36% ao ano em 2010 para 1,07% no ano passado.

Mas há fundos especialmente caros. O Bradesco Referenciado DI Hiperfundo, por exemplo, cobra 3,9% de taxa de administração ao ano, tem um patrimônio de R$ 4,7 bilhões e atrai dezenas de milhares de clientes. O fundo sorteia prêmios aos cotistas, mas os que não têm a sorte de ganhar nada perdem muito dinheiro.

Não há fundos de renda fixa sem taxas de administração, mas gestoras que não estão atreladas a grandes bancos costumam cobrar bem menos. Os clientes podem conseguir percentuais bem baixos, a partir de 0,15% ou 0,30% ao ano.

Na XP Investimentos, por exemplo, é possível investir no fundo Sul América Exclusive FI Referenciado DI pagando uma taxa de administração de 0,15% ao ano – para aplicações iniciais a partir de R$ 50.000. Já se você só tem R$ 25.000 par investir, pode escolher o fundo BTG Pactual IPCA FI Renda Fixa, que cobra 0,25% ao ano. Enfim, só investe em fundo de renda fixa de grande banco quem gosta de queimar dinheiro.

Vale lembrar que os fundos de renda fixa dos grandes bancos não possuem uma gestão muito ativa, ou seja, geralmente o gestor do fundo compra sempre a mesma cesta de papéis, independente do cenário econômico. Então não há grandes diferenças entre um fundo e outro – o que fará você ganhar mais ou menos dinheiro é a taxa que você consegue.

Duvida? Então veja os resultados. O Bradesco Hiperfundo, que tem taxa de 3,9% ao ano, rendeu 9,75% nos últimos 12 meses. Já o fundo da SulAmérica rendeu 13,92%. Ou seja, se você tivesse migrado R$ 100.000 que estavam no Hiperfundo Bradesco para o produto da SulAmércia há 12 meses teria ganhando R$ 4.170 a mais até hoje. É caro participar desses sorteios do Bradesco, não é mesmo?
João Sandrini/Infomoney

Economia – Bancos italianos, a próxima dor de cabeça da União Europeia

Ainda sob o impacto do Brexit, a Europa se vê diante de mais um problema: bancos da Itália precisam de bilhões de euros para se reerguer, enquanto FMI reduz previsão de crescimento para o país. Quem vai pagar a conta?

Monte dei Paschi di Siena
Monte dei Paschi di Siena, um dos bancos italianos em maior dificuldade

Quanto mais se olha para alguns problemas na Europa, piores eles parecem ficar. O setor bancário italiano é um deles. A Autoridade Bancária Europeia (EBA) estima em 200 bilhões de euros o volume de “créditos podres”, ou seja, empréstimos sem cobertura concedidos por bancos italianos; outros órgãos calculam que a soma chegue a até 360 bilhões de euros.[ad name=”Retangulo – Anuncios – Direita”]

A dimensão desse volume depende de como ele é calculado. Mas a mensagem é clara: se empréstimos dessa ordem não forem honrados, o Estado italiano não poderá arcar sozinho com as dívidas, e também a comunidade de países da zona do euro ficaria sobrecarregada.

Um problema básico é a conjuntura econômica ainda fraca na Itália. “A economia italiana quase não cresceu, estando em parte em recessão”, afirma Martin Faust, professor de Economia na Frankfurt School of Finance. “A situação das empresas e das famílias italianas não é boa, e algumas já não podem pagar juros e amortizações.”

Nesta terça-feira (12/07), o Fundo Monetário Internacional (FMI) reduziu seu prognóstico de crescimento para a Itália. Neste ano, a terceira maior economia da zona do euro deverá crescer “pouco menos de 1%” e, no próximo, 1%, informou o FMI. Anteriormente, a previsão de crescimento era de 1,1% para 2016 e 1,25% para 2017.

De acordo com o FMI, o referendo no Reino Unido em que se decidiu pelo Brexit – a saída do Reino Unido da União Europeia – aumentou a volatilidade dos mercados financeiros e os riscos para a Itália. O país está diante de “desafios monumentais”, declarou o fundo.

Problema de longa data

Os bancos italianos vêm enfrentando dificuldades há anos. No final de 2014, nove instituições financeiras do país não passaram em testes de estresse realizados em toda a Europa. O maior buraco de capital foi verificado no Monte dei Paschi di Siena (MPS), o banco mais antigo ainda operante no mundo.

Desde então, muita coisa aconteceu, mas provavelmente não o suficiente. No início de 2015, uma diretriz da União Europeia (UE) estipulou que esses erros do passado não deveriam se repetir. Desde então, bancos não podem ser facilmente resgatados com o dinheiro do contribuinte, como aconteceu após a crise financeira de 2008. Antes de o Estado entrar em ação, acionistas e credores devem arcar com as responsabilidades.

“Detentores de obrigações bancárias e mesmo aqueles que possuem poupanças que vão além dos limites legais mínimos também têm razões para temer a perda de parte de seu dinheiro”, explicou Faust. “Isso não é realmente um estímulo para a estabilidade bancária, pois agora ficou difícil para muitos investidores emprestar dinheiro aos bancos. Eles estão com medo de, no final, servirem de avalistas.”

Círculo vicioso

Conjuntura fraca, investidores hesitantes – em vez de diminuir, os problemas dos bancos italianos aumentaram cada vez mais ao longo do tempo. E não há fim à vista. “É de se esperar que as perdas bancárias cresçam consideravelmente nos próximos anos”, avaliou o professor da Frankfurt School of Finance.

“O problema é que os empréstimos não honrados também reduzem o capital dos bancos. E sem capital próprio, eles não podem sobreviver”, acrescentou o professor. Trata-se de um círculo vicioso, pois é justamente em tempos de conjuntura fraca que as empresas precisam de bancos fortes.

No início de 2016, o governo italiano entrou em acordo com a UE sobre a possibilidade de repassar “créditos podres” para chamados “bad banks”, ou seja, bancos que possam concentrar ativos tóxicos. Em abril, foi criado o fundo de resgate Atlante, que recebeu quase 4 bilhões de euros dos bancos italianos.

Pouco depois de sua criação, o Atlante teve muito que fazer: dois bancos regionais tiveram de ser ajudados, primeiramente o Banca Popolare di Vicenza, e depois o Veneto Banca. Isso consumiu metade do volume do Atlante, e desde então há uma controvérsia sobre quem vai preenchê-lo novamente. “Muitos bancos não dispõem de capital para aumentar esse fundo de resgate”, disse Faust.

Nova ajuda governamental?

Durante uma cúpula da União Europeia no fim de junho, o primeiro-ministro italiano, Matteo Renzi, apresentou o plano de utilizar novamente o dinheiro dos contribuintes para ajudar os bancos. Renzi pretende abastecer as instituições financeiras com até 40 bilhões de euros de capital novo, para que possam voltar a respirar. A justificativa do primeiro-ministro: a votação do Brexit criou uma situação excepcional em que tais auxílios são permitidos.

Premiê Matteo Renzi
Renzi diz que Brexit criou “situação excepcional”

Uma desculpa, afirma Thomas Hartmann-Wendels, professor de Economia da Universidade de Colônia. “Não existe nenhuma correlação entre o Brexit e os atuais problemas dos bancos italianos.”

Embora o professor defenda que os institutos financeiros italianos precisam ser saneados, ele afirma que isso deve acontecer segundo as novas regras: primeiramente, a conta deve ser paga pelos acionistas e credores, depois pelo Estado. “Após a crise financeira, prometeu-se que os contribuintes nunca mais assumissem a responsabilidade por negócios arriscados”, diz Hartmann-Wendels. “Agora tudo isso é colocado em questão.”

Segundo o professor, Renzi está sofrendo pressão política e as garantias estatais só incorrem em custos quando surge uma emergência. “Esta é a solução mais fácil, mas, no longo prazo, não leva a uma saída do impasse.”

A próxima prova

O drama interminável mostra claramente os pontos de ruptura da união monetária. A economia da Itália não consegue avançar, porque faltam reformas fundamentais e, para as condições do país, o euro é demasiadamente caro. E quanto mais longa for a crise, mais problemas virão.

“As crises que temos na zona do euro ainda estão longe de estarem resolvidas”, aponta Faust. “Nos últimos anos, os problemas estruturais só foram adiados, mas não resolvidos.”

Dado o grande volume de “créditos podres” na Itália, Hartmann-Wemdels espera que, mais cedo ou mais tarde, o contribuinte europeu sirva de avalista dos bancos. “Isso será necessário. O Estado italiano não conseguirá arcar sozinho com o problema, já que está profundamente endividado.”

Para recapitalizar seus bancos, a Espanha recebeu, entre 2012 e 2014, por volta de 40 bilhões de euros do fundo europeu de resgate financeiro. As negociações com vista a um programa semelhante para a Itália poderiam ser uma prova de fogo para as relações já tensas dentro da união monetária.
DW

FrankTremer é prisioneiro da Banca

No Banco Central:

1.Presidente: Ilan Goldfajn
Sócio e Diretor do Banco Itau.
2.Diretor de Política Monetária do Banco Central do Brasil:
Reinaldo Le Grazie – Diretor Superintendente do Bradesco Asset Management.[ad name=”Retangulo – Anuncios – Direita”]

Serra veio para entregar o pré sal, desmontar os BRICS e retirar a influência do Brasil nos negócios com países africanos. No dia seguinte à posse, embarcou para Washington;
A seguir participação de 100%de capital estrangeiro nas companhias aéreas brasileiras;
Venda de terras na Amazônia para estrangeiros – essa é como vender a própria mãe;
Fim do motor do submarino nuclear brasileiro – quase concluído no Centro Experimental ARAMAR, localiza-se em Iperó, Região de Sorocaba, SP.

E mais:
Privatização da água – não se admirem se as torneiras passarem a ter hidrômetros individuais (abriu, pingou, pagou);
Desmonte do Mercosul com o auxílio luxuoso do Macri, o Dulce dos Pampas.
Não busco concordâncias. Só anotem!

Não sabia de nada? Lagarde será julgada em escândalo na França

Diretora-gerente do FMI deverá responder sobre sua participação no pagamento de uma indenização milionária a um empresário apoiador de Sarkozy na época em que ela era ministra da Finanças no governo do então presidente.

Christine Lagarde

A diretora-gerente do Fundo Monetário Internacional (FMI), Christine Lagarde, será julgada pela Justiça francesa no âmbito do caso Bernard Tapie, determinou o tribunal de cassação da França ao rejeitar um recurso contrário nesta sexta-feira (22/07). A data para início do processo ainda não está marcada.[ad name=”Retangulo – Anuncios – Direita”]

Lagarde, que era ministra das Finanças na época do escândalo, em 2008, é acusada de negligência com dinheiro público. No centro da acusação está o pagamento de uma indenização de 403 milhões de euros ao empresário Bernard Tapie para encerrar o litígio dele com o banco Crédit Lyonnais, referente à venda da empresa de material esportivo Adidas.

A decisão que resultou no pagamento da indenização foi anulada pela Justiça francesa em dezembro de 2015, e a corte de cassação confirmou o veredicto no fim de junho passado. Agora, negou um recurso de Lagarde, que deverá se apresentar à Corte de Justiça da República (CJR), instância competente para julgar ministros.

Logo após o anúncio de que Lagarde sentará no banco dos réus, o conselho de administração do FMI divulgou nota na qual expressa sua confiança na capacidade de Lagarde de conduzir de forma eficiente suas tarefas na instituição.

A Justiça francesa quer saber se Tapie recebeu tratamento privilegiado. Ele havia se sentido prejudicado na venda da Adidas, da qual era acionista majoritário, pelo banco Crédit Lyonnais, em 1993.

Tapie havia confiado a venda da empresa ao banco. Quando este a revendeu pelo dobro do preço, o empresário se sentiu lesado e exigiu uma indenização do Estado, principal acionista do Crédit Lyonnais.

Após vários anos de litígio em tribunal, Lagarde, então ministra das Finanças do governo do presidente Nicolas Sarkozy – cargo que exerceu entre 2007 e 2011, antes de ter sido nomeada diretora-gerente do FMI – decidiu que o valor da indenização a Tapie fosse determinado por um tribunal arbitral.

O fato levou à abertura de investigação judicial. Suspeita-se que Tapie, que apoiou Sarkozy em 2007, tenha recebido um tratamento privilegiado por o caso ter sido decidido por um tribunal arbitral e por o governo não ter recorrido da decisão.
AS/afp/rtr/lusa