Alcântara, o “acidente” e o fim do projeto espacial brasileiro

Os EUA e a Base de Alcântara

Alcântara,Blog Mesquita,Usa,Brasil 0

Uma tragédia que matou 21 profissionais civis no Centro de Lançamento de Alcântara, no Maranhão, e adiou os projetos do programa espacial brasileiro completou dez anos.

Blog do Mesquita,Força Aérea Brasileira, Base de Alcântara,Foguete,Brasil,Aeronáutica,Astronáutica,Sabotagem

Os Estados Unidos, além de suas frotas de porta aviões, navios e submarinos nucleares que singram todos os mares, possuem mais de 700 bases militares terrestres fora de seu território nacional nos mais diversos países, em muitas das quais instalaram armas nucleares e sistemas de escuta da National Security Agency (NSA).Alcântara,Blog Mesquita,Usa,Brasil 4

Os Estados Unidos têm bases de lançamento de foguetes em seu território nacional, como em Cabo Canaveral, perfeitamente aparelhadas com os equipamentos mais sofisticados, para o lançamento de satélites.

Os Estados Unidos não necessitam, portanto, de instalações a serem construídas em Alcântara para o lançamento de seus foguetes.

O objetivo norte-americano não é impedir que o Brasil tenha uma base competitiva de lançamento de foguetes; isto o governo brasileiro já impede que ocorra pela contenção de despesas com o programa espacial brasileiro.

O objetivo principal norte americano é ter uma base militar em território brasileiro na qual exerçam sua soberania, fora do alcance das leis e da vigilância das autoridades brasileiras, inclusive militares, onde possam desenvolver todo tipo de atividade militar.

A localização de Alcântara, no Nordeste brasileiro, em frente à África Ocidental, é ideal para os Estados Unidos do ângulo de suas operações político-militares na América do Sul e na África e de sua estratégia mundial, em confronto com a Rússia e a China.

O governo de Michel Temer tem como objetivo central de sua política (que nada mais é do que o cumprimento dos princípios do Consenso de Washington) atender a todas as reivindicações históricas dos Estados Unidos feitas ao Brasil não só em termos de política econômica interna (abertura comercial, liberdade para investimentos e capitais, desregulamentação, fim das sempre.

No dia 22 de agosto de 2003, às 13h26, o foguete Veículo Lançador de Satélites (VLS) deu partida antecipada e matou 21 homens. 
Blog do Mesquita,Força Aérea Brasileira, Base de Alcântara,Foguete,Brasil,Aeronáutica,Astronáutica,Sabotagem

Novo foguete completo, em sua quarta versão, deveria ser lançado agora em 2017.Blog do Mesquita,Força Aérea Brasileira, Base de Alcântara,Foguete,Brasil,Aeronáutica,Astronáutica,Sabotagem

O grande problema foi a perda humana. A paralisação do programa espacial ocorreu mais pela comoção, pela falta de reação, pelo fato de as promessas não terem sido cumpridas”.Blog do Mesquita,Força Aérea Brasileira, Base de Alcântara,Foguete,Brasil,Aeronáutica,Astronáutica,Sabotagem

A Tragédia em Alcântara faz dez anos e Brasil ainda sonha em lançar foguete.

O melhor da ciência aeroespacial do Brasil morreu nesse “acidente”:

Amintas Rocha Brito
Antonio Sergio Cezarini
Carlos Alberto Pedrini

Cesar Augusto Varejão
Daniel Faria Gonçalves
Eliseu Reinaldo Vieira

Gil Cesar Baptista Marques
Gines Ananias Garcia
Jonas Barbosa Filho
José Aparecido Pinheiro
José Eduardo de Almeida
José Eduardo Pereira II

José Pedro Claro da Silva
Luis Primon de Araújo

Mario Cesar de Freitas
Levy Massanobu Shimabukuro

Mauricio Biella Valle
Roberto Tadashi Seguchi
Rodolfo Donizetti de Oliveira
Sidney Aparecido de Moraes
Walter Pereira Junior

O furacão gigante em Júpiter

‘Furacões do tamanho da Terra’: as novas descobertas da sonda da Nasa em Júpiter

As observações iniciais de Júpiter feitas pela sonda espacial Juno são “de tirar o fôlego”, informam os cientistas da Nasa envolvidos na missão.
E o que mais os deixou perplexos até agora foram as gigantescas “tempestades” registradas nos polos dos planetas.
[ad name=”Retangulo – Anuncios – Esquerda”]”Pense em um monte de furacões, cada um do tamanho da Terra, todos tão espremidos uns aos outros que chegam a se tocar”, explica Mike Janssen, da agência espacial americana. “Até mesmo entre os pesquisadores mais experientes, essas imagens de nuvens imensas rodopiando têm impressionado muito.”
A sonda Juno chegou ao quinto país do Sistema Solar em 4 de julho do ano passado. Desde então, ela tem se aproximado do planeta gasoso a cada 53 dias.
As primeiras conclusões derivadas dessas observações estão sendo divulgadas agora nas publicações científicas Science e Geophysical Research Letters.
A equipe da Nasa diz que o que se sabia previamente sobre Júpiter está sendo revisto com base nas novas descobertas.
“(Com) essa observação mais próxima, constatamos que várias ideias que tínhamos (sobre Júpiter) eram incorretas e até mesmo ingênuas”, afirma Scott Bolton, principal pesquisador do Instituto de Pesquisa de San Antonio, no Texas.
Os grandes ciclones que cobrem as altas latitudes do planeta só agora estão sendo vistos em detalhes, porque as missões anteriores nunca conseguiram realmente olhar o planeta por cima e por baixo, como Juno tem conseguido – e, certamente, nenhuma teve resolução tão alta. É possível discernir até mesmo características que estão a apenas 50 km de distância.
As estruturas são muito diferentes daquelas encontradas nos polos de Saturno, por exemplo, e as razões disso ainda não são compreendidas.
Outra surpresa vem do Radiômetro de Micro-ondas (MWR na sigla em inglês) da Juno, que detecta o comportamento abaixo da superfície de nuvens. Seus dados indicam a presença de uma ampla faixa de amônia que vai do topo da atmosfera até a maior profundeza que se pode detectar – pelo menos 350 km para baixo. Ela pode ser parte de um grande sistema de circulação.
Mas a MWR mostra que a amônia em latitudes maiores pode ser muito mais variável.
“O que isso está nos dizendo é que Júpiter não está muito definido por dentro”, diz Bolton. “Está completamente errada a ideia de que, uma vez que você vá além da luz solar, tudo será uniforme e tedioso. A realidade pode ser muito diferente dependendo de onde você olha.”
A equipe que monitora a Juno selecionou alguns destaques entre as novas descobertas:
– Júpiter é 11 vezes maior que a Terra e 300 vezes mais pesado
– São necessários 12 anos terrestres para que Júpiter consiga fazer uma volta no Sol; um dia por lá tem 10 horas de duração.
– Em sua composição, ele lembra uma estrela; é formado basicamente de hidrogênio e hélio
– Sob pressão, o hidrogênio se torna um fluido que conduz eletricidade
– O hidrogênio metálico é provavelmente uma fonte de campo magnético
– A maioria da superfície das nuvens contém amônia e sulfureto de hidrogênio
– As listras de Júpiter são criadas por ventos fortes de origem leste e oeste.
– A Grande Mancha Vermelha de Júpiter é um gigantesco vórtice de tempestade duas vezes maior que a Terra. Essa mancha será o tema da próxima etapa de investigação da sonda Juno
Via BBC Brasil

Stratolaunch o maior avião do mundo

Maior avião do mundo sai à pista

o avião mais grande do mundoO Stratolaunch, fora do hangar no deserto de Mojave. APRIL KELLER AFP

O Stratolaunch, do cofundador da Microsoft Paul Allen, foi projetado para colocar foguetes em órbita

O avião Stratolaunch, uma gigantesca aeronave de duas cabines e uma asa de 117 metros de envergadura, criado para colocar foguetes em órbita, saiu na quarta-feira, dia 31 de maio, pela primeira vez do hangar onde está sendo montado no deserto de Mojave (Califórnia) para seus primeiros testes.[ad name=”Retangulo – Anuncios – Duplo”]

O maior equipamento voador já construído é um projeto da companhia Stratolaunch Systems, do multimilionário filantropo e cofundador da Microsoft Paul Allen. O lançamento de teste está previsto para 2019.

O maior avião do mundo é formado por dois corpos, unidos por sua asa de 117 metros — mais do que o comprimento de um campo de futebol profissional —, mede 72 metros da ponta à cauda e sua altura máxima é de 15 metros na cauda.

Tem seis motores como os usados por um Boeing 747 e pesa 227 toneladas. Foi criado para carregar foguetes e satélites a baixas órbitas da Terra, desde que a carga não pese mais de 590 toneladas. O aspecto é de um catamarã aéreo.

O avião se desloca por terra graças a suas 28 rodas, com as quais terá de percorrer e tomar velocidade de decolagem durante os 3,6 quilômetros de pista de que vai precisar para alçar voo, diante dos dois quilômetros necessários para um avião comercial convencional.

Já no ar, o plano consiste em subir até uma altitude máxima de 10,6 quilômetros, colocar a carga em órbita e voltar.

Ver imagen en Twitter

“Isso marca o fim da fase inicial de construção da aeronave e o início da fase de testes em terra (…): motores e taxiamento [deslocamento pela pista] antes do primeiro voo”, afirmou Jean Floyd, presidente da empresa, em um comunicado em função do início da fase de teses.

“O Stratolaunch está em vias de realizar seu primeiro teste de lançamento [ao espaço] em 2019”, afirmou Floyd.

O plano é colocar em órbita um foguete Pegasus XL, usado normalmente para transportar satélites. O foguete iria para decolagem no meio das duas fuselagens do avião gigantesco.

“Isso marca um passo histórico em nosso trabalho para alcançar a visão de Paul G. Allen de dar acesso à órbita baixa da Terra”, acrescentou o executivo.

O comunicado da empresa anuncia que nos próximos meses “começarão os testes de terra e voo” nas pistas do Mojave. O objetivo é fazer a primeira demonstração de lançamento em 2019.
Com dados do El Pais

Morre Neil Armstrong, primeiro homem na Lua

O primeiro homem a pisar na Lua, Neil Armstrong, em 1969. (Foto: Nasa)Armstrong passou por uma cirurgia de coração em 7 de agosto.
Americano comandou a Apollo 11 e pisou na Lua em 20 de julho de 1969.

O primeiro homem a pisar na Lua, Neil Armstrong, em 1969. (Foto: Nasa)

O primeiro homem a pisar na Lua, Neil Armstrong, morreu aos 82 anos nos Estados Unidos neste sábado (25), informou a família do astronauta em nota à imprensa.

“Estamos de coração partido ao dividir a notícia de que Neil Armstrong faleceu após complicações ligadas a procedimentos cardiovasculares”, diz a nota. “Neil foi um marido, pai, avó, irmão e amigo amoroso.”

Em 7 de agosto, ele passou por uma cirurgia de emergência no coração, após médicos encontrarem quatro entupimentos em suas artérias,  e desde então estava se recuperando no hospital em Cincinnati, onde morava com a esposa.

No Twitter, a Nasa ofereceu “seus sentimentos pela morte de Neil Armstrong, ex-piloto de testes, astronauta e primeiro homem na Lua.”[ad name=”Retangulo – Anuncios – Direita”]

Conheça a biografia
Armstrong foi o comandante da Apollo 11, missão que chegou ao satélite da Terra em 20 de julho de 1969. Ao ser o primeiro ser humano a pisar em outro corpo celeste, Armstrong proferiu a frase: “Um pequeno passo para um homem, um grande salto para a humanidade.”

Nascido em 5 de agosto de 1930, Armstrong foi piloto da Marinha dos Estados Unidos entre 1949 e 1952 e lutou na Guerra da Coreia. Em 1955, se formou em engenharia aeronáutica pela Universidade de Purdue e se tornou piloto civil da agência que precedeu a Nasa, a Naca (Conselho Nacional de Aeronáutica).

Lá, entre outras aeronaves, pilotou o X-15 – avião experimental lançado por foguete onde ocorreram as primeiras tentativas americanas de chegar aos limites da atmosfera e à órbita do planeta. Em 2012, o X-15 ainda mantém o recorde de velocidade mais alta já atingida por um avião tripulado.

Em 1962, ele deixou a função de piloto de testes e passou a ser astronauta – com a Naca já transformada em Nasa. Sua primeira missão espacial foi como comandante da Gemini 8, em março de 1966, onde ele e o astronauta David Scott fizeram a primeira acoplagem de duas naves espaciais. Na ocasião, ele se tornou o primeiro civil americano a ir ao espaço.

Durante o voo, os dois quase morreram. Enquanto a nave estava sem contato com a Terra, a Gemini 8, acoplada na sonda Agena, começou a girar fora de controle. Inicialmente, Armstrong achou que o problema era com a Agena e tentou diversas opções para parar o giro – sem sucesso. Ao desacoplar as duas naves, o problema piorou. A instantes de perder a consciência pela velocidade com que a Gemini 8 girava, Armstrong usou os motores que serviam para a reentrada na Terra para controlar a espaçonave. A Gemini parou de girar e a dupla fez um pouso de emergência próximo ao Japão, sem completar outros passos da missão, como uma caminhada espacial que seria realizada por Scott.

Armstrong no módulo lunar Eagle, após pouso na Lua (Foto: Johnson Space Center Media Archive)Armstrong no módulo lunar Eagle, após pouso na Lua
(Foto: Johnson Space Center Media Archive)

Após a missão, Armstrong acompanhou o presidente americano Lyndon Johnson e outros astronautas em uma viagem à América do Sul que incluiu o Brasil. Segundo sua biografia oficial, escrita por James R. Hansen, Armstrong foi especialmente bem recebido pelas autoridades brasileiras por conhecer e conversar bem sobre a história de Alberto Santos Dumont.

Apollo 11 e a ida à Lua
Com o fim do programa Gemini e o início do Apollo, Armstrong foi selecionado como comandante da Apollo 11. Segundo a Nasa, não houve uma escolha formal inicial de quem deveria ser o primeiro a pisar na Lua. Todos os astronautas envolvidos no Apollo, segundo eles, teriam chances iguais.

As missões eram organizadas para cumprir uma crescente lista de tarefas. Assim, a Apollo 7 era um voo de teste do módulo de comando – o que era chamado de “missão tipo C”. A seguinte, 8, testou a viagem até a Lua. A 9 testou o módulo lunar, uma missão tipo “D”. Se houvesse qualquer problema em uma dessas missões, ela deveria ser retomada até dar certo.

Por isso, embora Armstrong e sua tripulação, Buzz Aldrin e Michael Collins, estivessem com a primeira missão do tipo “G”, que tentaria um pouso – não estava garantido que eles de fato fossem ser os primeiros a fazer isso. Qualquer problema nas missões anteriores e a 11 poderia ter que assumir etapas preparatórias.

Um pequeno passo para um homem, um grande salto para a humanidade.”
Neil Armstrong, em 20 de julho de 1969

Quando ficou razoavelmente claro que a Apollo 11 seria a primeira missão a tentar o pouso, a mídia americana passou a informar que Buzz Aldrin seria o primeiro homem na Lua. A lógica dos jornalistas seguia o fato de que no programa Gemini o piloto – não o comandante – era quem saía da nave. Além disso, os primeiros materiais de divulgação feitos pela Nasa mostravam o piloto saindo primeiro e o comandante depois.

Em uma coletiva de imprensa feita em abril de 1969, a Nasa informou que a decisão de fazer Armstrong sair primeiro foi técnica, já que a porta do módulo lunar estava do lado dele. Em entrevistas dadas mais tarde, Deke Slayton, chefe dos astronautas na época, disse que a decisão foi “protocolar”: ele achava que o comandante da missão deveria ser o primeiro na Lua. As opiniões de Armstrong e Aldrin, segundo ele, não foram consultadas.

O pouso
Após a decolagem em 16 de julho, Armstrong e Aldrin começaram a descida até a Lua em 20 de julho no módulo lunar, apelidado de “Eagle”. Durante a descida, a menos de dois mil metros de altura, dois alarmes soaram indicando que o computador estava sobrecarregado. Seguindo a orientação do controle de missão, Armstrong os ignorou e manteve o pouso.

Ao olhar pela janela, viu que o computador os estava levando para uma área com muitas pedras. O americano então assumiu o controle manual da nave e pousou. Ao encostar na Lua, restavam apenas 25 segundos de combustível no Eagle.

As primeiras palavras de seres humanos na Lua foram, na verdade, Armstrong e Aldrin fazendo a checagem pós-pouso. Termos técnicos como “parada de motor”, “controle automático ligado”, “comando do motor de descida desligado”. Apenas ao final dessa lista, Armstrong falou com a Terra: “Houston, Base da Tranquilidade aqui. A Águia [“Eagle” em inglês] pousou”.

Durante todo o processo de pouso, o controle na Terra se manteve em silêncio, permitindo que a dupla se concentrasse. Com o contato de Armstrong, o astronauta Charlie Duke, em Houston, respondeu bem humorado: “vocês têm um monte de caras quase ficando azuis aqui, estamos respirando de novo.”

Armstrong e Aldrin ficaram 21 horas e 36 minutos na Lua – duas horas e 36 minutos caminhando por ela. O tempo fora da nave foi progressivamente aumentado a cada missão Apollo – na última, a 17, os astronautas ficaram mais de 22 horas fazendo caminhadas lunares.

Retorno à Terra e vida pessoal

Armstrong, em imagem de 2006, após receber prêmio  (Foto: NASA Kennedy Center Media Archive Collection)Armstrong, em imagem de 2006, após receber prêmio
(Foto: NASA Kennedy Center Media Archive Collection)

Neil Armstrong foi recebido como herói após sua volta, com condecorações de diversos países. A mais recente foi a medalha de honra, a mais alta honraria concedida pelos Estados Unidos, dada a ele e a outros pioneiros espaciais em novembro de 2011.

Eu sou e sempre serei um engenheiro nerd, com meias brancas e protetores de bolso.”
Neil Armstrong, em 2007

Após a missão de 1969, ele assumiu uma posição de gerência na Nasa e participou da investigação do acidente da Apollo 13. Ele se aposentou da agência em 1971.

Em 1970, obteve um mestrado em engenharia aeroespacial da Universidade do Sul da Califórnia. Depois, virou professor na Universidade de Cincinnati, onde morava, até 1979. Armstrong também fez parte da mesa diretora de algumas empresas americanas. Em 1986, a convite do presidente americano Ronald Reagan, participou da investigação do acidente do ônibus espacial Challenger.

Vida de reclusão
Armstrong casou com Janet Shearon em 1956, com quem teve três filhos: Eric, Karen e Mark. Karen morreu de câncer no cérebro em 1962, aos três anos, e jamais viu o pai ir ao espaço. Ele e Janet se divorciaram em 1994, após 38 anos de casamento. No mesmo ano, ele se casou com sua segunda esposa, Carol Knight.

Armstrong viveu uma vida de reclusão após a Apollo 11. Convidado frequentemente por partidos americanos, ele se recusou a concorrer a um cargo político. Armstrong também raramente era visto em público e quase nunca dava entrevistas, além de não costumar tirar fotos ou dar autógrafos, porque não gostava que eles eram vendidos por valores que ele considerava “absurdos”. Sua única biografia autorizada foi publicada em 2005. Ele também costumava processar empresas que usavam sua imagem sem autorização e doar as indenizações recebidas à faculdade em que se formou. Em 2005, processou seu barbeiro por ter vendido fios de seu cabelo por US$ 3 mil. O barbeiro teve que doar o valor para a caridade.

Em 2007, 38 anos após a viagem à Lua, em uma rara aparição em público, Armstrong se definiu como “um engenheiro nerd”. “Eu sou e sempre serei um engenheiro nerd, com meias brancas e protetores de bolso. E eu tenho um grande orgulho das realizações da minha profissão,” disse.

Em 2009, ele fez uma viagem “secreta” ao Brasil, onde passou por São Paulo, Rio de Janeiro e Santa Catarina.

A nota da família sobre a morte de Armstrong é encerrada com um pedido: “Para aqueles que perguntam o que podem fazer para honrar a Neil, temos um simples pedido. Honrem seu exemplo de serviço, feitos e modéstia, e a próxima vez que você der um passeio em uma noite clara e vir a Lua sorrindo para você, lembre de Neil Armstrong e dê uma piscadela para ele.”
G1

Robô tentará pousar em cometa pela primeira vez no próximo dia 12

Robô estará a 509 milhões de quilômetros da Terra ao tentar a aterrissagem

BBC

Está marcada para o próximo dia 12 de novembro uma missão que pode ser um feito inédito para o homem no espaço.

Nesta data, a agência espacial da Europa tentará pousar um robô em um cometa.

Se conseguir, será a primeira vez que uma sonda aterrisará nestes corpos congelados.

O robô Philae será ejetado da espaçonave Rosetta em direção ao cometa 67P/Churyumov, que tem 4 km de largura, na manhã do dia 12.

O local escolhido para o pouso é uma das extremidades do cometa, que tem a forma parecida com a de um pato de brinquedo.

A espaçonave estará a 510 milhões de quilômetros da Terra neste momento.

Será o ponto alto de uma missão que começou há quase uma década.

Experimentos

Espera-se que descida da sonda até o cometa, que estarão a 20 km de distância um do outro, leve em torno de sete horas.

Meia hora depois, os cientistas saberão se a missão foi bem-sucedida ou não.

Existe o risco da sonda simplesmente “quicar” na superfície do cometa, que tem muito pouca gravidade.

Para evitar isso, serão usados parafusos e arpões para que o robô seja capaz de se fixar.

Se o robô conseguir aterrissar na superfície do cometa, será dado início da uma série de experimentos para analisar sua composição e estrutura.

Os dados e imagens coletados serão enviados para a espaçonave, de onde serão retransmitidos para a Terra.

Cientistas acreditam que cometas contém matéria ainda intacta da formação do Sistema Solar, há 4,5 bilhões de anos.
BBC


[ad name=”Retangulo – Anuncios – Duplo”]

Como a Índia chegou a Marte gastando menos que um filme de Hollywood

O programa espacial da Índia conseguiu, na primeira tentativa, o que outros países tentam há anos: enviar uma missão operacional para Marte. A missão da Índia a Marte foi uma das iniciativas interplanetárias mais baratas já realizadas

Credito: AP

O satélite Mangalyaan foi confirmado na órbita do planeta vermelho na terça-feira. Um feito considerável.

A missão foi orçada em 4,5 bilhões de rúpias (cerca de US$ 74 milhões, ou R$ 178 milhões), o que, para os padrões ocidentais, é incrivelmente barato.

A sonda americana Maven, que chegou a Marte na segunda-feira, está custando quase dez vezes mais.

Em junho, o primeiro-ministro indiano, Narendra Modi, brincou que a ‘aventura na vida real’ da Índia custava menos do que o filme de ficção de Hollywood Gravidade, orçado em US$ 100 milhões.

Mesmo os filmes de ficção científica de Bollywood, como Ra.One, custam menos que o que foi gasto para levar Mangalyaan a Marte.

Como a Índia fez isso?

Gerenciando custos

Com certeza, os custos com pessoal são menores na populosa nação de 1,4 bilhão de pessoas, e os cientistas e engenheiros que trabalham em qualquer missão espacial são sempre a maior fatia do preço da passagem espacial.[ad name=”Retangulo – Anuncios – Direita”]

Componentes e tecnologias domésticas também foram priorizadas em detrimento das caras importações estrangeiras.

Mas, além disso, a Índia teve o cuidado de fazer as coisas de forma simples.

“Eles mantiveram o satélite pequeno. A carga pesa só cerca de 15 kg”, diz o professor Andrew Coates, da Grã-Bretanha, que será investigador-chefe da missão da Europa a Marte em 2018.

“É claro que essa complexidade reduzida sugere que a missão não será tão cientificamente avançada, mas a Índia foi inteligente ao priorizar algumas áreas que irão complementar o que os outros estão fazendo.”

Missão

O Mangalyaan está equipado com um instrumento que vai tentar medir o metano na atmosfera. Este é um dos tópicos mais quentes na pesquisa em Marte no momento, após observações preliminares sobre o gás.

A atmosfera da Terra contém bilhões de toneladas de metano, a grande maioria proveniente de micróbios, como os encontrados no trato digestivo dos animais.

A suspeita dos cientistas é que alguns organismos produtores de metano, ou metanogênicos, possam existir em Marte se viverem no subterrâneo, longe das duras condições da superfície do planeta.

Imagem enviada pela sonda indiana e publicada no Twitter

Os cientistas ocidentais também estão animados de ter a sonda indiana na estação. Suas medições de outros componentes atmosféricos complementarão as medições da Maven e as observações feitas pela europeia Mars Express.

“Isso significa que estaremos recebendo as medições de três pontos, o que é muito importante”, diz o professor Coates.

Isto irá permitir que os pesquisadores entendam melhor como o planeta perdeu o grosso de sua atmosfera bilhões de anos atrás, determinar que tipo de clima o planeta pode ter tido, e se era ou não propício à vida.

Gerador de riqueza

Mas há muitas críticas a respeito do programa espacial da Índia.

Uma delas parte do princípio de que a atividade espacial é um brinquedo melhor deixado para os países ricos e industrializados, sem valor para as nações em desenvolvimento.

Para os que defendem este argumento, seria melhor aplicar o dinheiro do contribuinte indiano em saúde e saneamento básico.

Mas o que essa posição muitas vezes ignora é que o investimento em ciência e tecnologia também constrói aptidão e capacidade, desenvolvendo o tipo de mão-de-obra que beneficia a economia e a sociedade de forma mais ampla.

A atividade espacial é geradora de riqueza. Algumas das coisas feitas no espaço fazem circular dinheiro aqui embaixo. As nações industrializadas sabem disso e essa é uma das razões pelas quais eles investem pesadamente na atividade espacial.

O Reino Unido, por exemplo, aumentou drasticamente seus gastos com espaço nos últimos anos. O governo até identificou a área de satélites como sendo uma das “oito grandes” tecnologias que podem ajudar a reequilibrar a economia do país.

Credito: Reuters
Investimento em ciência em tecnologia pode beneficiar todo o país

A Índia quer embarcar nesta tendência. Com o Mangalyaan e os outros programas de satélites e foguetes, o país está se posicionando fortemente em mercados internacionais de produtos e serviços espaciais.

Índia, Marte e a miséria

Por que não professo o otimismo, principalmente quando o ator é o Estado.

A Índia com todos os problemas de miséria e indigências resolvidos, aplicou o dinheiro que deve estar sobrando, e lançou uma nave espacial para fazer pesquisas em Marte.
O que diria Sidarta?


[ad#Retangulo – Anuncios – Duplo]

Sonda marciana faz foto da própria sombra

Jipe-robô Opportunity estuda a cratera Endeavour.
Sonda está há oito anos no planeta vermelho
Ele ainda não tem Instagram, mas o jipe-robô marciano Opportunity já sabe os macetes para ter uma foto de sucesso.

Na borda da cratera Endeavour, a sonda tirou uma foto da própria sombra.

Para deixar o efeito mais bonito, alterou as cores da imagem com a ajuda de filtros. A fotografia foi divulgada pela agência espacial americana (Nasa).

saiba mais
Robô que passaria três meses em Marte completa 8 anos de trabalho
Jipe robô Curiosity decola rumo a Marte
Nasa desiste de contatar jipe-robô ‘perdido’ em Marte
Nasa divulga ‘autorretrato’ do jipe-robô Spirit, em missão em Marte

O Opportunity chegou a Marte em janeiro de 2004.

Sua missão ia até abril, mas ele continuou trabalhando e não parou até agora.

Já são oito anos no planeta vermelho – sete anos e nove meses a mais do que o previsto. Seu jipe irmão, o Spirit, parou de funcionar em 2010.
G1


[ad#Retangulo – Anuncios – Duplo]

Tópicos do dia – 10/04/2012

08:31:04
Dinheiro público vai financiar encontro de militantes governistas da Internet. Adivinhem quem é convidado de honra…
Posts abaixo, contesto dois articulistas na abordagem que fazem sobre a corrupção brasileira. De certo modo, têm a mesma tese: o problema do Brasil é “a direita”. É mesmo, é? Lá vou eu excitar a fúria daquele gente simpática…, que depois sai me satanizando por aí na esgotosfera, na esperança de que eu responda para que recebam alguns leitores, que por lá não ficam, é claro!

Entre os dias 13 e 15 deste mês, no próximo fim de semana, ocorre em Fortaleza um troço chamado “2º WebFor – Fórum de Comunicação Social”. São três dias de seminário, com debates, palestras, eventos etc. reunindo os que se intitulam “blogueiros progressistas” – o que quer dizer “governistas”.

Os que mais ascenderam na “organização” já contam hoje com patrocínio do governo federal e de estatais, como sabem. São regiamente pagos com dinheiro público para atacar lideranças da oposição, ministros do Supremo que não sejam do seu agrado e veículos da grande imprensa. É, em suma, o JEG (Jornalismo da Esgotosfera Governista).

Agora eles vão fazer seu segundo encontro. Quem patrocina? Ora, o dinheiro público de novo: Banco do Nordeste, Governo do Estado do Ceará, Assembleia Legislativa do Ceará e Câmara Municipal de Fortaleza. Uma das críticas que faz esse bando de Schopenhaures à grande imprensa diz respeito à sua suposta falta de independência. Como se nota, a independência do tal evento já está garantida…

Ah… O “2º WebFor” tem um convidado de honra, que vai abrir o trabalhos; é o grande herói do encontro: o chefe de quadrilha (segundo a PGR) José Dirceu!

Entenderam por que decidi fazer picadinho, com a educação habitual, dos textos de Elio Gaspari e Eugênio Bucci? Direita? Ora… Quantos dos antigos admiradores restaram ao lado do senador Demóstenes Torres depois do que foi tornado público? Já a turma de Dirceu ama nele justamente uma das cabeças da hidra, como diria “Egogênio Bucci”.

Gaspari deveria aproveitar esse encontro e incluí-lo na sua prefiguração. Imaginemos só um país em que um banco público, um governo do estado, uma assembleia legislativa e uma câmara de vereadores financiam um evento de militantes políticos que têm o declarado propósito de defender o governo, atacar a oposição e agredir a imprensa livre. Pior: o grande homem da patuscada é ninguém menos do que um ex-deputado cassado por corrupção e chefão do maior escândalo político havido no país.

Esse país já existe em 2012, senhor Elio Gaspari!
Por Reinaldo Azevedo

08:54:03
Imagens do espaço para todos
A Nasa tem uma galeria de imagens em alta resolução no Flickr – e está tudo livre para ser usado gratuitamente. Destaque para as séries da Terra vista do espaço (com várias perspectivas diferentes do planeta) e para as fotos de decolagens e lançamentos. Todas as imagens vêm com uma explicação completa sobre o evento. Conheça em www.flickr.com/photos/nasacommons.

11:54:28
Cachoeira: Ninguém aguenta mais. Não param de surgir denúncias.

É impressionante como um homem como Carlinhos Cachoeira tenha conseguido se infiltrar em diferentes órgãos públicos federais e estaduais. Sabe-se que ele até interferia nas promoções na Polícia Militar de Goiás. E agora é o Incra (Instituto Nacional de Colonização e Reforma Agrária) que se vê obrigado a afastar o superintendente do órgão no Distrito Federal, Marco Aurélio Bezerra da Rocha, suspeito de envolvimento em tráfico de influências com o surpreendente empresário-bicheiro de Goiás.

Devido à Semana Santa, a decisão, tomada na última quinta-feira, só foi publicada ontem no Diário Oficial da União. Rocha foi afastado do cargo por 30 dias, e será substituído temporariamente por Luis Fernando de Souza.

O Incra já havia anunciado que afastaria servidores que ocupavam cargos de chefia na superintendência do DF, “permitindo, assim, que as investigações transcorram de maneira isenta”, porque gravações realizadas pela Polícia Federal com autorização da Justiça durante a Operação Monte Carlo revelaram que o grupo de Cachoeira, denunciado por suspeita de comandar um esquema de exploração de jogos ilegais, negociou propina no Incra com o objetivo de regularizar uma fazenda.

O relatório da Polícia Federal menciona valores e diz haver envolvimento de Rocha com o grupo do empresário-bicheiro. O superintendente afastado, no entanto, disse à Folha que nunca teve reuniões com as pessoas citadas nos relatórios da Operação Monte Carlo. Será?

Decadência Moral
Traduzindo tudo isso: a existência de um personagem como Carlinhos Cachoeira mostra a deterioração da política brasileira, na qual a corrupção realmente passou a fazer parte da rotina administrativa, com impunidade garantida.
O grau de surrealismo é tamanho que um homem sem escrúpulos como Cachoeira consegue ser defendido por um ex-ministro da Justiça, Marcio Thomaz Bastos. É certo que todo criminoso tem direito a defesa, mas quem ocupa o cargo de ministro da Justiça deveria ser mas seletivo na escolha de clientes.
Isso parece óbvio, mas quando lembramos que personalidades como Renan Calheiros e Jarbas Passarinho foram ministros da Justiça, é realmente desanimador. Calheiros tem diploma de advogado, mas nunca exerceu a profissão, pois se elegeu deputado estadual quando ainda nem  tinha se formado. Já Passarinho, coronel do Exército, foi ministro e seu maior feito foi a portaria criando a nação Ianomami, um território do tamanha da Itália, onde vivem apenas 4 mil índios.
E o notório saber? Serve para quê mesmo?
Carlos Newton/Tribuna da Imprensa

16:19:42
Se Demóstenes relatasse Demóstenes
Caso não sobrevenham retrocessos, instala-se hoje a Comissão de Ética do Senado, sob a presidência do senador Vital do Rego. Com um pouco de boa vontade, os senadores escolherão também o relator do processo aberto contra Demóstenes Torres. A impressão é de que tudo correrá bem depressa, para evitar o desgaste que seria o prolongamento do inquérito. Claro que o acusado terá amplo direito de defesa.

Fosse qualquer outro o réu e dúvidas inexistiriam: Demóstenes Torres seria o relator, em função de sua postura sempre rígida na luta contra a corrupção e a ilegalidade. Seu passado responderia pela designação. Como a vida é sempre mais fascinante e mais complicada do que a ficção, eis que o senador por Goiás encontra-se do outro lado do muro.

Fazer prognósticos sobre a decisão do Conselho de Ética será tão prematuro quanto perigoso. Mesmo assim, nos corredores do Senado sopra o vento da condenação, ou seja, da cassação do mandato de Demóstenes. Ninguém seria mais implacável no interrogatório dele mesmo e na coleta de argumentos para sua degola.

O Conselho de Ética atua politicamente, acima e além das questões jurídicas. Importa menos aos senadores saber se o ainda colega não poderia ter sido objetivo de investigações policiais sem licença do plenário. Mesmo com amargura, os dezesseis integrantes do colegiado decidirão tendo em vista os danos causados ao Senado pelo episódio envolvendo Demóstenes e o bicheiro Carlinhos Cachoeira. Quanto mais rápido solucionarem a crise, melhor para todos.
Carlos Chagas/Tribuna da Imprensa

17:38:15
PSDB não quer CPI do Cachoeira
A exemplo dos petistas e contrariando suas declarações públicas, os tucanos também não têm simpatia por uma CPI sobre a Operação Monte Carlo. Um integrante da Executiva Nacional revelou que não interessa a eles submeter o governo de Goiás a uma investigação, pois isso poderia paralisar seu governo.

Na semana passada, Perillo leu um relatório reservado da Polícia Federal, para integrantes da direção nacional, que diz: “Não há elementos mínimos que demonstrem a participação da autoridade supracitada na organização…”.

Mas as bancadas estão inquietas e temem a contaminação da sigla, em ano de eleição municipal.
Ilimar Franco/O Globo 

19:00:12
Brasil: da série “Óleo de Peroba”.
O presidente nacional do PT, Rui Falcão, minimizou nesta terça-feira a suposta ligação do subchefe de Assuntos Federativos da Secretaria de Relações Institucionais do governo federal, Olavo Noleto, com o bicheiro Carlinhos Cachoeira e afirmou que o partido continua favorável à instalação de uma CPI para investigar o contraventor. “O que eu vi no jornal são telefonemas do Wladimir Garcez (um dos principais operadores de Cachoeira) para o Noleto”, disse o presidente petista. Para Falcão, as investigações devem atingir também eventualmente os petistas.


[ad#Retangulo – Anuncios – Duplo]

Fundador da Amazon diz ter achado motores que ajudaram a levar homem à Lua

Motor F-1 do Apollo 11, em foto dos anos 60 divulgada pela Nasa

O criador e diretor da empresa de vendas online Amazon, Jeff Bezos, disse ter encontrado os motores de propulsão que levaram ao espaço a missão Apollo 11 – a primeira incursão do homem à Lua.

Em seu blog, Bezos diz que uma equipe de cientistas patrocinados por ele achou os cinco motores de propulsão com ajuda de técnicas avançadas de sonar.

Eles estavam 4,3 mil metros abaixo da superfície do oceano Atlântico.

Bezos, que é bilionário, dedica-se à pesquisa de assuntos relacionados a missões espaciais.

Ele disse ter planos para retirar pelo menos um dos motores do fundo do mar, mas não revelou nenhum detalhe sobre como eles foram achados.

Ele também não divulgou como foi comprovado que os equipamentos de fato pertencem à missão Apollo 11.
Muitos equipamentos de missões espaciais do passado estão no fundo do mar, e são difíceis de serem localizados.

Os motores F-1 achados pela equipe de Bezos foram usados no foguete gigante Saturn V, que conduziu o módulo da Apollo 11 da Terra até o espaço. Eles queimaram por algum tempo após o lançamento e depois se desacoplaram do módulo, caindo no Atlântico.

[ad#Retangulo – Anuncios – Esquerda]‘Maravilha moderna’
Ao anunciar a descoberta em seu site dedicado ao assunto – o bezosexpeditions.com – o empresário disse que os F-1, usados originalmente em 1969, ainda são uma “maravilha moderna”. Eles tinham potência de 32 milhões de cavalos de potência e consumiam quase três toneladas de combustível por segundo.

“Eu tinha cinco anos de idade quando assisti à Apollo 11 na televisão e, sem nenhuma dúvida, foi uma grande motivação em minhas paixões por ciência, engenharia e exploração”, escreveu Bezos.

“Nós ainda não sabemos em que condições estes motores podem estar – eles atingiram o oceano em alta velocidade e ficaram por mais de 40 anos na água salgada. Por outro lado, eles são feitos de material resistente, então teremos que esperar para ver.”

Nasa
Caso consiga recuperar um dos F-1, Bezos disse que vai pedir permissão da Nasa – que ainda é proprietária dos equipamentos – para expor o material em um museu em Seattle, a sua cidade natal.

Um porta-voz da Nasa disse que a agência espacial americana está muito “animada” com a descoberta, mas que ainda não recebeu nenhuma informação oficial por parte de Jeff Bezos.

Alguns equipamentos das missões da Apollo 11 – como o módulo principal de comando tripulado pelos astronautas Neil Armstrong, Buzz Aldrin e Michael Collins – estão em exibição permanente no Museu Nacional de Ar e Espaço Smithsonian, em Washington.

O bilionário americano – criador da Amazon, uma das mais bem-sucedidas empresas da Internet – é conhecido por sua paixão por assuntos relacionados à exploração espacial. Em 2000, ele fundou uma empresa de viagem espacial, a Blue Origin, que recebeu financiamento da Nasa para desenvolver voos comerciais à órbita do Planeta.
BBC