Gustavo Poplet Catalan – Arte – Pintura

Gustavo POPLETE ¹ – Chile – Vendedora de Pães – óleo sobre tela

Clique na imagem para ampliar

¹Gustavo Poplete Catálan
* Chile – 1915 d.C
+ Chile – 2005 d.C
Professor de Desenho da Faculdade de Belas Artes da Universidade do Chile.


[ad#Retangulo – Anuncios – Duplo]

Banksy – Arte – Pinturas – Grafites

A arte de Banksy nas ruas de Londres

Arte - Pintura Grafite Banksy 01

Qualquer superfície é suporte para as interferências na paisagem urbana.

Até hoje não se conseguiu saber se Banksy é um artista ou se é algum grupo. O anonimato parece ser uma forma de provocação.

Arte - Pintura Grafite Banksy 06

Os desenhos continuam a surpreender. Podem aparecer em qualque lugar do planeta. Mesmo os mais remotos.

Dessa vez aparecerem em Londres, Inglaterra.

Arte - Pintura Grafite Banksy 04

Aliás, Londres é a cidade na qual os grafites aparecem com mais frequencia.

Arte - Pintura Grafite Banksy 03

Irreverência e provocação, são a marca registrada dos trabalhos.

Arte - Pintura Grafite Banksy 02

Arte - Pintura Grafite Banksy 05


[ad#Retangulo – Anuncios – Duplo]

Arte – Marc Chagal

Marc Chagall¹ – Retrato de Aniuta
Óleo sobre tela –  Museu Guggenheim – NY – USA

Arte - Pintura - Rússia - Marc Chagall - Retrato de Aniuta OST Guggenheim NY
Clique na imagem para ampliar

¹Marc Chagall
* Vitebsk, Bielorrússia – 7 de julho de 1887 d.C
+ Saint-Paul-de-Vence, França – 28 de março de 1985 d.C
Pintor, ceramista e gravurista surrealista russo.

>> Biografia de Marc Chagall


[ad#Retangulo – Anuncios – Duplo]

Arte – Pintura – Hélio Rola

Aristóteles, escravos & mulheres
Autor – Hélio Rola¹
Clique na imagem para ampliar

“Temos … em nossas raízes gregas uma forte tradição de as mulheres serem subalternas; na mitologia grega, pois, se inculcava que foi com a chegada da mulher ao mundo dos homens que veio a perda da felicidade plena dos homens. Já do ponto de vista da Ciência aristotélica– e esta, por mais de vinte séculos, manteve-se quase como irrefutável -, a situação de subalternidade da mulher não era diferente. Logo, tanto a Religião, como os mitos, quanto a Ciência foram definidoras de posturas eminentemente masculinas”
Attico Cassot em A Ciência é masculina? É sim, senhora! Ed Unisinos Coleção Aldus p. 49-50
Daí, também tirei as citações abaixo

Aristóteles, o filósofo escravagista, inventou a metafísica? foi personal trainer de Alexandre, O Magno, um grande matador, e dizia que ” Entre os animais, é o homem que tem o cérebro maior, proporcionalmente ao seu tamanho, e, nos homens, os machos tem o cérebro mais volumoso que o das fêmeas.[…] São os machos que tem o maior número de suturas na cabeça, e o homem tem mais do que a mulher, sempre pela mesma razão, para que esta zona respire facilmente, sobretudo o cérebro que é maior… Também como entre os sexos, o macho é por natureza superior e a fêmea inferior, o macho governa e a fêmea é sujeito. Devendo o mesmo ser aplicado ao caso da espécie humana em geral; por isso, todos os seres humanos, que diferem entre si tão largamente como alma do corpo…há os que são por natureza escravos, sendo-lhes vantajoso ser governado por essa espécie de autoridade”

Será, pergunto eu, que ainda continuamos aristotélicos, que nem ontem, na escravidão e na questão de gênero e saber científico, nesses tempos do politicamente correto?
Bloger RolaNet

¹Francisco Hélio Rola
Pintor/Escultor/Gravador/Desenhista
* Fortaleza, CE. – 1936 d.C

>> Biografia de Hélio Rola

Arte – Pintura – Grant Wood

A arte de Grant Wood ¹
Arte,Pintura,Grant Wood,ArborClique na imagem para ampliar
Arbor, 1930 – Óleo s/ madeira – 78 x 65.3 cm – Art Institute of Chicago

¹ Grant Wood
* Illinois, USA – 14 de Maio de 1892 d.C
+ Illinois, USA – 13 de Maio 1942

Pintor Americano Photo realistic
Artista, artesão e desenhista estadunidense nascido próximo a Anamosa, Iowa State, responsável pela criação de trabalhos de camuflagem para o Exército durante a primeira guerra mundial. Com a morte do pai (1901) sua família mudou-se para Cedar Rapids, onde ele empregou-se como um aprendiz em uma loja de metais. Paralelamente estudou e se formou na escola secundária Washington High School, em Cedar Rapids, e se matriculou em uma escola de arte em Mineápolis (1910). Passou a ensinar em uma escola particular (1911) e dois anos depois matriculou-se no Art Institute of Chicago para estudar esculturas em prata (1913).

Depois de servir no exército como um pintor de camuflagem, voltou novamente a Cedar Rapids para ensinar para estudantes juniores, Junior High students. Dedicou-se ao ensino e fez quatro viagens para Europa (1920-1928), onde estudou muitos estilos de pintar, especialmente impressionismo e pós-impressionismo, freqüentou a Académie Julian de Paris e foi profundamente influenciado pelo trabalho de Jan Van Eyck. Escolhido (1927) para a realização de um vitral para o edifício da legião estadunidense de Cedar Rapids, Iowa. Depois de buscar em Munique, Alemanha, artesãos mais experientes que colaborassem no empreendimento, o vitral foi montado na Alemanha e quando chegou à Cedar Rapids, foi recusado pelos membros da Legião.

Em represália, o artista realizou uma obra satírica, a que chamou Filhas da revolução, que atingiu seus objetivos, ou seja, causou furiosa reação entre os legionários. Depois do episódio, seu estilo evoluiu para um realismo despojado e de linhas muito marcadas, sem paralelo na pintura contemporânea, influenciado pela arte gótica européia, e se tornou o grande proponente de regionalismo nas artes. Em Mulher com plantas, retrato de sua mãe, trouxe reação discreta, mas com Gótico estadunidense causou enorme sucesso quando exposto em Chicago (1930). Ajudou a fundar a Stone City Art Colony (1932) próximo da sua cidade natal, para ajudar os artistas durante a Grande Depressão.

Foi nomeado professor de belas-artes da Universidade de Iowa 1934 e morreu no hospital universitário, em Iowa City, na véspera de seu aniversário. Depois de sua morte, seus bens foram para sua irmã, Nan Wood Graham, a mulher retratada em American Gothic, e depois a morte desta (1990), todo o seu patrimônio juntamente com os bens pessoais do irmão e várias obras de arte, tornaram-se propriedade do Figge Art Museum, em Davenport, Iowa.


[ad#Retangulo – Anuncios – Duplo]

Arte – Pintura – Jacek Yerka

Pintura de Jacek Yerka¹

¹Jacek Yerka
* Varsóvia, Polônia – 1952 d.C

Estudou artes gráfica e ilustração. Quando estava na universidade os professores pressionavam para que ele não fosse tão detalhista e não optar por uma pintura realística pois iria de encontro a tendência da arte contemporânea.

Somente em 1980 tornou-se profissional. Foi premiado nos salões de Varsóvia, Dusseldorf, Los Angeles, Paris e Londres.


[ad#Retangulo – Anuncios – Duplo]

Arte – Pintura – Timothy Cummings

Pintura de  Timothy Cummings¹ – sem título

Clique na imagem para ampliar

Timothy Cummings¹
Nasceu em Albuquerque, Novo México em 1968, criado no meio da religião católica e a nativa americana, férteis no imaginário religioso e iconográfico. Uma das suas influências foi (é) o dia dos mortos. Não freqüentou nenhuma escola de arte, é um autodidata.

Os retratos representam grande parte da sua obra e em muitos dos seus trabalhos ele pinta-se das mais diversas formas. Outras vezes usa a imagem ou as lembranças dos amigos. As roupagens são muitas das vezes estranhas, mas sobretudos coloridas (exceto os auto retratos).


[ad#Retangulo – Anuncios – Duplo]

Leonid Afremov – Arte – Pintura

O “fauvismo” ¹ de Leonid Afremov ²

Arte - Pintura Leonid Afremov 01

¹ Leonid Afremov nasceu em 1955 na Bielorússia.

Estabeleceu-se em Israel, onde estudou na Vitebsk Art School, uma escola fundada pelo também russo, Marc Chagal. Leonid atualmente vive em Miami. Seu trabalho usa cores fortes e brilho, criando imagenes visualmente impactantes. Usa espátulas no lugar de pincéis para aplicar inúmeras camadas de tintas sobre a tela.

² Fauvismo

Fauvismo (do francês les fauves, ‘as feras’, como foram chamados os pintores não seguidores do cânone impressionista, vigente na época) é uma corrente artística do início do século XX, que se desenvolveu sobretudo entre 1905 e 1907. Associada à busca da máxima expressão pictórica, o estilo começou em 1901 mas só foi denominado e reconhecido como um movimento artístico em 1905. Segundo Henry Matisse em “Notes d’un Peintre” pretendia-se com o Fauvismo “uma arte do equilíbrio, da pureza e da serenidade, destituída de temas perturbadores ou deprimentes”.

Características / Principais artistas do movimento

O Fauvismo, movimento principalmente francês, tem como características marcantes a simplificação das formas, o primado das cores, e uma elevada redução do nível de graduação das cores utilizadas nas obras. Os seus temas eram leves, retratando emoções e a alegria de viver e não tendo intenção crítica. A cor passou a ser utilizada para delimitar planos, criando a perspectiva e modelando o volume. Tornou-se também totalmente independente do real, já que não era importante a concordância das cores com objeto representado, e sendo responsável pela expressividade das obras. Os princípios deste movimento artístico eram:

· Criar, em arte, não tem relação com o intelecto e nem com sentimentos.

· Criar é seguir os impulsos do instinto, as sensações primárias.

· A cor pura deve ser exaltada.

· As linhas e as cores devem nascer impulsivamente e traduzir as sensações elementares, no mesmo estado de graça das crianças e dos selvagens.

Características da pintura:

* Pincelada violenta, espontânea e definitiva;

* Ausência de ar livre;

* Colorido brutal, pretendendo a sensação física da cor que é subjetiva, não correspondendo à realidade;

* Autonomização completa do real.

* Uso exclusivo das cores puras, como saem das bisnagas;

* Pintura por manchas largas, formando grandes planos;

Principais figuras do movimento

Paul Gauguin,Georges Braque, Andre Derain, Jean Puy, Paul Cézanne e Henri Matisse, tendo este último encabeçado o grupo de fauvistas.

Este grupo de pintores escandalizou os contemporâneos, ao utilizar nos seus quadros cores violentas, de forma arbitrária. A denominação do movimento deve-se ao crítico conservador Louis Vauxcelles, que, no Salão de Outono de 1905, em Paris, comparou esses artistas a feras (fauves). Havia ali uma escultura acadêmica representando um menino, rodeada de pinturas neste novo estilo, o que o levou-o a dizer que aquilo lhe lembrava “um Donatello entre as feras”. Tal denominação, inicialmente de carácter depreciativo, acabou por se fixar e passou designar o movimento.

[ad#Retangulo – Anuncios – Duplo]