• mqt_for@hotmail.com
  • Brasil

Quão sustentável é sua roupa?

A moda é responsável por cerca de 10% das emissões de gases de efeito estufa provenientes da atividade humana, mas existem maneiras de reduzir o impacto do seu guarda-roupa no clima.

“Durante anos fiquei obcecado em comprar roupas”, diz Snezhina Piskova. “Eu comprava 10 pares de jeans muito baratos apenas por ter mais diversidade no meu guarda-roupa por um preço baixo, mesmo que eu acabasse usando apenas dois ou três deles.”

Quando se trata de resistir à atração da moda, Piskova enfrenta um desafio mais difícil do que a maioria. Como redatora de uma empresa da indústria da moda, ela está cercada por fashionistas. E tem sido fácil acompanhar a maré.

Mas as conversas sobre a crise climática levaram Piskova, que mora em Sofia, na Bulgária, a considerar o impacto que a indústria e seus próprios hábitos de compras estavam tendo.

A indústria da moda responde por cerca de 10% das emissões globais de carbono e quase 20% das águas residuais. E embora o impacto ambiental do voo seja agora bem conhecido, a moda consome mais energia do que a aviação e a navegação combinadas.

As roupas em geral têm cadeias de suprimentos complexas que dificultam a contabilização de todas as emissões resultantes da produção de calças ou casaco novo. Depois, há como a roupa é transportada e descartada quando o consumidor não quer mais.A indústria da moda é responsável por mais emissões de carbono do que as provenientes da aviação (Crédito: Getty Images / Alamy / Javier Hirschfeld)

Embora a maioria dos bens de consumo sofra problemas semelhantes, o que torna a indústria da moda particularmente problemática é o ritmo frenético de mudanças pelas quais ela não apenas passa, mas incentiva. A cada temporada que passa (ou microseason), os consumidores são levados a comprar os itens mais recentes para se manterem na moda.

É difícil visualizar todas as entradas que entram na produção de roupas, mas vamos usar o jeans como exemplo. A ONU estima que um único par de jeans requer um quilo de algodão. E como o algodão tende a ser cultivado em ambientes secos, a produção desse quilo requer cerca de 7.500 a 10.000 litros de água. São cerca de 10 anos em água potável para uma pessoa.

Existem maneiras de tornar o jeans menos intensivo em recursos, mas, em geral, jeans compostos de material o mais próximo possível do estado natural do algodão usam menos água e tratamentos perigosos para produzir. Isso significa menos branqueamento, menos jateamento de areia e menos pré-lavagem.

O material elástico elástico em muitos jeans da moda é feito com materiais sintéticos derivados do plástico, o que reduz a reciclagem e aumenta ainda mais o impacto ambiental.

Infelizmente, isso também significa que alguns dos tipos mais populares de jeans são os mais difíceis do planeta. Por exemplo, os corantes de tecido poluem os corpos d’água, com efeitos devastadores na vida aquática e na água potável. E o elástico elástico tecido através de muitos estilos modernos de jeans justos é feito com materiais sintéticos derivados do plástico, o que reduz a reciclagem e aumenta ainda mais o impacto ambiental.

A fabricante de jeans Levi Strauss estima que um par de seus icônicos jeans 501 produzirá o equivalente a 33,4 kg de dióxido de carbono equivalente durante toda a sua vida útil – quase o mesmo que dirigir 69 milhas em um carro médio nos EUA. Pouco mais de um terço dessas emissões são provenientes da produção de fibras e tecidos, enquanto outros 8% são de corte, costura e acabamento do jeans. Embalagens, transporte e varejo respondem por 16% das emissões, enquanto os 40% restantes são do uso do consumidor – principalmente da lavagem do jeans – e do descarte em aterros sanitários.

Outro estudo sobre jeans fabricados na Índia que continha 2% de elastano mostrou que a produção de fibras e tecido de denim liberava 7 kg a mais de carbono do que os da análise de Levi. Isso sugere que a escolha de produtos de brim em bruto terá menos impacto no clima.

Mas também é possível procurar outras maneiras de reduzir o impacto do seu jeans olhando a etiqueta. Programas de certificação como a Better Cotton Initiative e o Global Organic Textile Standard podem ajudar os consumidores a descobrir quão verde é seu jeans (embora esses programas não sejam perfeitos – muitos sofrem com a falta de financiamento e as complexas cadeias de fornecimento de algodão podem dificultar a conta de onde tudo vem).Cultivar o algodão necessário para um único par de jeans requer uma enorme quantidade de água, enquanto os processos de morrer e de fabricação usam ainda mais (Crédito: Getty Images / Javier Hirschfeld)

Alguns fabricantes também estão trabalhando em maneiras de reduzir o impacto ambiental da produção de seus jeans, enquanto outros desenvolvem maneiras de reciclar jeans ou até jeans que se decomporão dentro de alguns meses quando compostados.

Não é algodão, mas o poliéster de polímero sintético que é o tecido mais comum usado em roupas. Globalmente, “65% das roupas que vestimos são à base de polímeros”, diz Lynn Wilson, especialista em economia circular, que, para sua pesquisa de doutorado na Universidade de Glasgow, está focada no comportamento do consumidor relacionado ao descarte de roupas.

Cerca de 70 milhões de barris de petróleo por ano são usados ​​para fabricar fibras de poliéster em nossas roupas. De jaquetas impermeáveis ​​a lenços delicados, é extremamente difícil se livrar das coisas. Parte disso decorre da conveniência – o poliéster é fácil de limpar e durável. Também é leve e barato.

Mas uma camisa feita de poliéster tem o dobro da pegada de carbono em comparação com uma feita de algodão. Uma camisa de poliéster produz o equivalente a 5,5 kg de dióxido de carbono em comparação com 2,1 kg de uma camisa de algodão.

Cerca de 70 milhões de barris de petróleo por ano são usados ​​para fazer fibras de poliéster em nossas roupas
Mudar para tecido de poliéster reciclado pode ajudar a reduzir as emissões de carbono – o poliéster reciclado libera metade a um quarto das emissões de poliéster virgem. Mas não é uma solução a longo prazo, pois o poliéster leva centenas de anos para se decompor e pode levar à fuga de microfibras para o meio ambiente.

Mas os materiais naturais também não são necessariamente sustentáveis, se exigirem grandes quantidades de água, corante e transporte. O algodão orgânico pode ser melhor para os trabalhadores rurais que, de outra forma, seriam expostos a enormes níveis de pesticidas, mas a pressão sobre a água permanece.

No entanto, há muita inovação na criação de tecidos de menor impacto.

Biocouture, ou moda feita com materiais mais ambientalmente sustentáveis, é cada vez mais um grande negócio. Algumas empresas estão procurando usar resíduos de madeira, frutas e outros materiais naturais para criar seus têxteis. Outros estão tentando formas alternativas de tingir seus tecidos ou procurando materiais que se biodegradem mais facilmente quando jogados fora.Trocar roupas com os amigos pode refrescar seu guarda-roupa e trazer uma nova dimensão interessante à sua amizade (Crédito: Getty Images / Javier Hirschfeld)

Mas a pegada de carbono de nossas roupas também pode ser reduzida de outras maneiras. A forma como compramos tem um grande impacto.

Algumas pesquisas sugeriram que as compras on-line podem ter uma pegada de carbono menor do que viajar para lojas tradicionais para comprar produtos, principalmente se os consumidores moram longe. Mas o aumento das compras on-line também levou a mudanças no comportamento do consumidor, contribuindo para uma cultura de moda rápida, na qual os consumidores compram mais do que precisam, entregam à sua porta e depois devolvem uma grande proporção de suas compras depois de experimentá-las.

A devolução de itens pode efetivamente dobrar as emissões do transporte de suas mercadorias e, se você levar em conta coleções e entregas com falha, esse número poderá aumentar ainda mais.

Também pode ser mais barato para os varejistas da Internet e marcas de moda despejar ou queimar mercadorias devolvidas, em vez de tentar encontrar outra casa para elas. Isso não significa apenas que as emissões de gases de efeito estufa produzidas na fabricação de roupas são desperdiçadas, mas outras emissões são liberadas à medida que apodrece ou queima. A Agência de Proteção Ambiental dos EUA estima que em 2017 10,2 milhões de toneladas de têxteis acabaram em aterros, enquanto outras 2,9 milhões de toneladas foram incineradas. No Reino Unido, cerca de 350.000 toneladas de roupas acabam em aterros sanitários a cada ano.

Piskova periodicamente troca de roupa com as amigas, o que não apenas permite que elas atualizem seus próprios guarda-roupas, mas também as ajuda a se sentirem mais próximas.
Uma maneira simples de reduzir a presença de compras on-line é encomendar apenas o que realmente queremos e pretendemos manter. Segundo o Banco Mundial, 40% das roupas compradas em alguns países nunca são usadas.

Piskova tentou se afastar da cultura da moda rápida aprendendo a apreciar o que ela já tem e não o que ela poderia ter. Mas desapegar-se de uma mentalidade obcecada por moda não tem sido fácil. Para ajudar, Piskova resiste a ir a lugares onde sente pressão para consumir, como shopping centers. Ela também troca roupas periodicamente com as amigas, o que não apenas permite que elas atualizem seus próprios guarda-roupas, mas também as ajuda a se sentirem mais próximas. E ela também aprendeu a abraçar pequenas manchas em suas roupas, em vez de vê-las como uma desculpa para comprar mais.

“As pessoas são muito cuidadosas com suas roupas, gostam de não arranhar ou ter buracos ou o que for”, diz Piskova. “Mas quando você pensa sobre isso, isso faz parte das roupas. Você se lembra daquela vez em que foi a um festival, onde rasgou sua camisa ou algo assim, e é uma boa lembrança. ”

O número de vezes que você veste uma peça de roupa também pode fazer uma grande diferença em sua pegada de carbono geral. Pesquisas feitas por cientistas do Instituto de Tecnologia Chalmers, em Gotemburgo, na Suécia, descobriram que uma camiseta de algodão comum pode liberar pouco mais de 2 kg de equivalente de dióxido de carbono na atmosfera, enquanto um vestido de poliéster liberaria o equivalente a quase 17 kg de dióxido de carbono.Às vezes, a melhor maneira de reduzir o impacto de suas escolhas de moda no meio ambiente é libertar-se do rebanho (Crédito: Getty Images / Javier Hirschfeld)

Eles estimaram, no entanto, que a camiseta média na Suécia é usada cerca de 22 vezes em um ano, enquanto o vestido médio é usado apenas 10 vezes. Isso significaria que a quantidade de carbono liberada por desgaste é muitas vezes maior para o vestido.

Segundo a Ellen MacArthur Foundation, o número médio de vezes que uma peça de roupa é usada diminuiu 36% entre 2000 e 2015. No mesmo período, a produção de roupas dobrou. Esses ganhos vieram à custa da qualidade e longevidade das peças de vestuário.

Várias pesquisas públicas também sugerem que muitos de nós têm roupas em nossos guarda-roupas que quase nunca usamos. De acordo com uma pesquisa, quase metade das roupas no guarda-roupa de uma pessoa média do Reino Unido nunca é usada, principalmente porque elas não se encaixam ou saem de moda. Outro descobriu que um quinto dos itens pertencentes a consumidores norte-americanos não foi usado.

É claro que investir em roupas de alta qualidade, vesti-las com mais frequência e segurá-las por mais tempo, é a arma não tão secreta para combater a pegada de carbono de suas roupas. No Reino Unido, continuar usando ativamente uma peça de vestuário por apenas nove meses a mais pode diminuir seus impactos ambientais em 20 a 30%.

Naturalmente, algumas empresas de roupas descobriram uma oportunidade aqui. Os serviços de aluguel de roupas, por exemplo, são especialmente atraentes na era das mídias sociais, onde algumas pessoas relutam em ser vistas online usando a mesma roupa mais de uma vez. Para quem quer ter uma boa aparência em suas fotos on-line, mas tem um impacto ainda menor no meio ambiente, existe a tendência efêmera da moda digital, ou roupas projetadas para aparecer apenas online, sobrepostas às suas imagens.

A camiseta média na Suécia é usada cerca de 22 vezes em um ano, enquanto o vestido médio é usado apenas 10 vezes
Comprar menos também significa cuidar mais da roupa. Sites como o Love Your Clothes, criado pela organização de caridade britânica WRAP, oferecem dicas sobre como reparar e prolongar a vida útil das roupas, o que pode reduzir a pegada de carbono das roupas.

Mas abordar as razões subjacentes pelas quais compramos roupas em excesso, ainda que subutilizadas, também pode ajudar. Em uma sociedade consumista, as pessoas são treinadas para achar a moda rápida agradável e viciante.

“Muitas das coisas que compramos cumprem algum tipo de função em nós mesmos – principalmente itens de moda”, diz Mike Kyrios, psicólogo clínico que pesquisa distúrbios mentais na Universidade Flinders da Austrália. As pessoas que têm baixa auto-estima ou se preocupam com seu status têm maior probabilidade de usar os gastos excessivos como uma rota para sentir que “pertencem”, ele explica. Assim como as pessoas sensíveis às recompensas – os centros de recompensa no cérebro são os mais ativados pelas compras por impulso.

Compras on-line também significam que o impulso de comprar é mais difícil de controlar, já que as lojas na Internet estão abertas 24 horas por dia, 7 dias por semana – incluindo, como diz Kyrios, os momentos em que “seus recursos de tomada de decisão são mínimos”.

Embora as estimativas variem, uma é que cerca de 5% da população exibe comportamento de compra compulsivo. “O problema é que está bem escondido”, diz Kyrios. “As pessoas não comparecem ao tratamento, não reconhecem que é um problema.”

Uma solução pode ser simplesmente racionar o tempo que você gasta olhando roupas on-line, mas talvez uma abordagem melhor seja encontrar maneiras menos dispendiosas de alcançar o senso de recompensa que os gastadores em excesso estão buscando. Os consumidores comuns podem se interessar por roupas novas comprando em lojas de roupas vintage e de segunda mão.Usar nossas roupas por apenas alguns meses a mais pode reduzir o impacto que elas causam no planeta (Crédito: Alamy / Javier Hirschfeld)

“Roupas de segunda mão estão dando uma segunda vida às roupas e estão desacelerando o ciclo da moda rápida”, diz Fee Gilfeather, especialista em moda sustentável da Oxfam. “Então, eu diria que a roupa de segunda mão é realmente uma das soluções para o desafio do consumo excessivo”.

Reduzir a lavagem também pode ajudar a reduzir ainda mais a pegada de carbono do seu guarda-roupa, além de ajudar a diminuir o uso de água e o número de microfibras eliminadas na máquina de lavar.

“Você não precisa lavar as roupas com a frequência que pensa”, diz Gilfeather. Ela pendura alguns de seus vestidos ao ar, por exemplo, em vez de lavá-los após cada uso. “Reduzir a quantidade de lavagem que você precisa fazer é a melhor maneira de garantir que os plásticos não entrem no sistema de água”.

Jogando as roupas fora para que elas acabem em aterros ou sendo incineradas, simplesmente leva a mais emissões
Como você descarta as roupas no final de sua vida útil também é importante. Jogá-los fora para que acabem em aterros sanitários ou sejam incinerados simplesmente leva a mais emissões. Talvez a melhor abordagem seja repassá-los a amigos ou levá-los a lojas de caridade, se ainda forem bons o suficiente para serem usados. No entanto, os indivíduos devem ter cuidado para não usar isso como uma maneira de liberar espaço simplesmente para comprar roupas novas, o que a pesquisa de Wilson sugere que seja comum.

Onde as roupas foram usadas ou danificadas sem reparo, a maneira mais ambientalmente correta de descartá-las é enviá-las para reciclagem. A reciclagem de roupas ainda é relativamente nova para muitos tecidos, mas cada vez mais roupas de algodão e poliéster podem agora ser transformadas em roupas novas ou outros itens. Agora, alguns dos principais fabricantes começaram a usar tecidos reciclados, mas muitas vezes é difícil para os consumidores encontrar lugares para tirar suas roupas velhas.

Muitas das mudanças necessárias para tornar as roupas mais sustentáveis ​​precisam ser implementadas pelos fabricantes e pelas grandes empresas que controlam a indústria da moda. Mas, como consumidores, as mudanças que todos nós fazemos em nosso comportamento não apenas aumentam, mas também podem gerar mudanças no setor.

De acordo com Gilfeather, todos podemos fazer a diferença sendo mais atenciosos como consumidores.

Indústria nuclear é um risco e uma ameaça à meta climática da Inglaterra

Diante das reações o governo da Inglaterra pode abandonar um plano para pagar a construção de novas usinas nucleares através da cobrança de uma taxa sobre as contas de energia.


O governo pode abandonar um plano para pagar por novas estações nucleares através de uma taxa sobre as contas de energia.

O Reino Unido perderá sua meta de carbono zero líquido até 2050, a menos que encontre uma maneira de financiar usinas nucleares, disse a indústria nuclear.

A indústria enviou uma carta confidencial ao chanceler Rishi Sunak, que foi vista pela BBC.

A carta foi motivada por temores de que o governo use o orçamento da próxima semana para abandonar um plano de pagamento de novas usinas através de uma taxa sobre as contas de energia.

O esquema acrescentaria cerca de £ 6 por ano às contas de energia.

Foi apresentada pelo Tesouro no ano passado como forma de pagamento de uma nova usina planejada em Sizewell, em Suffolk.

Todas, exceto uma das usinas nucleares existentes no Reino Unido, que fornecem cerca de 20% da eletricidade do país, serão aposentadas até o final da década.

Críticas severas
Apenas um novo reator, em Hinkley Point, em Somerset, está em construção.

Ele está sendo pago pela empresa francesa de serviços públicos EDF e seu parceiro no projeto, China General Nuclear Power Corp (CGN).

A construção é apoiada pela promessa de que o Reino Unido pagará 92,50 libras por cada megawatt-hora que produz, mais que o dobro do preço atual de mercado.

A nova estação de Hinkley enfrentou críticas – Getty

O alto preço atraiu críticas severas e levou à busca de uma nova maneira de financiar usinas nucleares.
“Existe uma necessidade urgente de um novo mecanismo de financiamento robusto que garanta a confiança do investidor, reduz o custo de capital e ofereça um valor muito significativo ao consumidor”, afirma a carta da Associação da Indústria Nuclear ao chanceler.

“Sem a estrutura política adequada e o modelo de investimento na legislação, é impossível alcançar a substituição dessa capacidade e sustentar nossas necessidades futuras de energia”.

A associação acrescenta que o Reino Unido não pode contar com energia renovável “dependente do clima” – energia eólica e solar – para todas as suas necessidades futuras de energia. Nem poderia esperar o surgimento de tecnologias “inovadoras”.

“O relatório Net Zero do Comitê de Mudanças Climáticas recomendou que um futuro mix de energia fosse constituído por 38% de energia firme, da qual nuclear é a única opção comprovada e comercialmente viável”, diz a carta.

Também encontra falhas nas conclusões da Comissão Nacional de Infraestrutura sobre energia nuclear, dizendo que elas não levam em conta adequadamente os compromissos de mudança climática do governo – o mesmo motivo pelo qual o Tribunal de Apelação bloqueou recentemente a terceira pista planejada em Heathrow.

A comissão disse que o Reino Unido precisará de apenas mais uma nova usina nuclear do tamanho da que está sendo construída em Hinkley Point antes de 2025. “Essa conclusão é fundamentalmente falha – até porque a avaliação não leva em conta o comprometimento líquido agora legislado, “a carta diz.

‘Indústria falida’
No entanto, a organização de campanha nuclear CND disse que seria melhor se a taxa fosse descartada.

Kate Hudson, secretária geral da CND, disse: “Os subsídios do governo para a indústria nuclear – como uma taxa de 6 libras por cabeça para Sizewell – estão de fato sustentando uma indústria falida, motivo pelo qual congratulamo-nos com qualquer plano para descartá-los.

“Não apenas a energia nuclear é mais cara que as renováveis, como todas as usinas nucleares construídas desde 1951 tiveram perdas de £ 4 bilhões em média.

“A nuclear também cria um problema insolúvel em resíduos, e como o drama de TV Chernobyl revelou graficamente, os acidentes nucleares criam miséria humana e destruição ambiental.

“Parece que o governo pode finalmente estar acordando para essas realidades econômicas e ambientais”.

Excesso de custos
Executivos do setor nuclear disseram que o Tesouro estava adotando uma visão sombria do plano de financiar usinas através de uma taxa sobre as contas dos clientes.

Seus especialistas em contabilidade disseram que, como o plano levaria o governo a pagar a conta por grandes excedentes de custos, o custo total poderia contar como parte dos empréstimos do governo.

Na terça-feira, o governo mostrou vontade de abalar a política energética, abrindo as portas para a construção de novos parques eólicos em terra.

Na verdade, eles foram banidos por David Cameron quando primeiro ministro.

A Guerra que as Espécies Humanas não Podem Perder

“Até 2035, o ponto sem retorno poderá ser ultrapassado”, escreveu Matthew Burrows, ex-diretor do Conselho Nacional de Inteligência, em um relatório no ano passado sobre riscos globais nos próximos quinze anos. Esse é o ponto após o qual impedir que a temperatura da Terra suba dois graus Celsius – ou 3,6 graus Fahrenheit – será extremamente difícil, se não impossível.

O gelo na Antártida está derretendo seis vezes mais rápido do que quarenta anos atrás, resultando em mais partos de icebergs – com riscos existenciais.

O iceberg que afundou o Titanic no Atlântico, em 1912, foi considerado um mero “pedaço de energia”, ou um pedaço menor de gelo flutuante; derreteu dentro de alguns anos. Os que vimos na Antártida eram enormes.

A Antártida é geralmente um continente poderosamente silencioso, exceto pelos ventos fortes ou pelas ondas no litoral.

“Os seres humanos serão apenas um pontinho no espaço da história da Terra”, disse Wayne Ranney, naturalista e geólogo. A única questão é quanto tempo o blip será.”

Na semana passada, a temperatura na Antártica atingiu quase setenta graus – a mais quente da história. Não foi por acaso de um dia. Famoso por suas paisagens de neve, o continente mais frio, selvagem, ventoso, mais alto e mais misterioso da Terra tem experimentado uma onda de calor. Alguns dias antes, uma estação meteorológica antártica registrou temperaturas em meados dos anos sessenta. Estava mais frio em Washington, DC. Imagens do norte da Antártica capturavam vastas faixas de terreno marrom estéril, desprovido de gelo e com apenas pequenos trechos de neve em forma de poça.

O problema não é se um novo recorde foi estabelecido: “é a tendência de longo prazo que torna mais provável a ocorrência desses registros com mais frequência”, John Nielsen-Gammon, diretor do Centro de Estudos Climáticos do Texas no Texas A. & M Universidade, disse esta semana. “É como uma floresta em que as árvores crescem constantemente e as árvores morrem, mas se elas começarem a morrer mais rápido do que podem voltar a crescer, você acabará perdendo a floresta”. “O mesmo se aplica às geleiras. As geleiras fluem para o oceano e se rompem, mas se elas se quebram mais rapidamente, a geleira recua e você perde gelo – e então o nível do mar sobe ao redor do mundo.”

O iceberg que sai da Antártica faz parte de um processo chamado parto. É normal e é uma etapa necessária no ciclo da natureza, exceto que agora está acontecendo muito mais rápido e em partes maiores – com riscos existenciais. Agora, o gelo na Antártica está derretendo seis vezes mais rápido do que há quarenta anos, afirma Eric Rignot, cientista da Terra na Universidade da Califórnia, Irvine, e co-autor de um grande estudo sobre a saúde do gelo no continente.

À medida que o clima esquenta, quanto e com que rapidez as geleiras da Terra derreterão?

Neste mês, um iceberg medindo mais de 160 quilômetros quadrados – o tamanho da ilha mediterrânea de Malta ou o dobro do tamanho de Washington, DC – interrompeu a geleira Pine Island (carinhosamente conhecida como porco, abreviada) na Antártida Ocidental. Em seguida, dividiu-se em pequenos “leitões”, de acordo com a Agência Espacial Européia, que os rastreava por satélite. O maior leitão tinha quase quarenta quilômetros quadrados.

O continente congelado é dividido em Antártica Ocidental e Antártica Oriental. (O Pólo Sul fica na Antártida Oriental.) A maior parte do derretimento e grande parte dos grandes partos aconteceu no oeste e ao longo de sua península de oitocentas milhas. Mas, em setembro, um iceberg de mais de seiscentos quilômetros quadrados – ou vinte e sete vezes o tamanho de Manhattan – partiu da plataforma de gelo Amery, na Antártida Oriental.

Dois outros grandes icebergs estão sendo rastreados à medida que suas fendas se tornam visíveis do espaço. Um é um porco no oeste, o outro está se formando na plataforma de gelo Brunt, no leste.

Ambiente,Carvão,Energia,Poluição,Aquecimento Global,Blog do Mesquita

Os 10 maiores riscos globais da próxima década

Muito preocupante. E a maioria continua dizendo que meio ambiente é coisa de “esquerdalha” – quão toscos os que assim argumentam. Talvez seja excesso de alfafa na alimentação – comunistas e outras tais desargumentações.
Eis os 10 maiores riscos globais da próxima década, por probabilidade e impacto, segundo o Fórum Econômico Mundial.
Note bem: clima está em tudo. Mais do que bolha de ativos, ciberataques, armas de destruição em massa.Davos,Clima
Aquecimento Global,Ambiente,Meio Ambiente,BlogdoMesquita 01

Aquecimento global – 2019 – O ano mais quente da hitória

Desde a década de 1980, cada década tem sido mais quente que a anterior. A ONU alertou que as emissões precisam cair 7,6% ao ano para salvar o planeta.    

thermometer

As Nações Unidas alertaram na quarta-feira que a década passada foi a mais quente já registrada, com 2019 confirmado como o segundo ano mais quente da história.

O ano mais quente já registrado foi 2016.

“Desde a década de 1980, cada década tem sido mais quente que a anterior”, disse a Organização Meteorológica Mundial (OMM) em comunicado, acrescentando que “essa tendência deve continuar”.

As conclusões da OMM são baseadas nos principais conjuntos de dados de todo o mundo.

“O ano de 2020 começou de onde parou 2019 – com clima de alto impacto e eventos relacionados ao clima”, disse o chefe da OMM Petteri Taalas. “Infelizmente, esperamos ver muito clima extremo ao longo de 2020 e nas próximas décadas, alimentado por níveis recordes de gases de efeito estufa que retêm o calor na atmosfera”.

Taalas apontou especificamente para os incêndios que assolam a Austrália, que mataram pelo menos 28 pessoas, deslocaram dezenas de milhares e mataram até 1 bilhão de animais.

A ONU disse que as emissões feitas pelo homem precisam diminuir 7,6% ao ano até 2030 para limitar o aumento da temperatura a 1,5 graus Celsius (2,7 graus Fahrenheit), uma promessa que muitos países assinaram no acordo climático de Paris.

A manutenção do registro climático moderno começou em 1850. Segundo Taalas, a temperatura média global aumentou 1,1 graus Celsius desde então.

Como a maior parte do calor do mundo é armazenada em seus oceanos, a vida marinha e os ecossistemas foram os mais atingidos, evidenciados pela morte em massa de peixes e pelo amplo branqueamento de corais.

“No atual caminho das emissões de dióxido de carbono, estamos caminhando para um aumento de temperatura de três a cinco graus Celsius até o final do século”, disse Taalas.Seca,Nordeste,Brasil,Clima,Blog do Mesquita

Greta Thunberg lidera protestos contra mudanças climáticasGreta Thunberg,Meio Ambiente,Blog do Mesquita

Ambiente,Oceanos,Ártico,MeioAmbiente,Mudanças Climáticas,Clima,Natureza,Poluição,Ecologia,Blog do Mesquita

Aquecimento global: 7 gráficos que mostram em que ponto estamos

As geleiras do mar Ártico diminuíram nos últimos anos

As mudanças climáticas devem causar grandes transformações em todo o mundo: o nível do mar vai subir, a produção de alimentos pode cair e algumas espécies talvez sejam extintas.A Organização das Nações Unidas (ONU) alertou que o mundo precisa limitar o aumento da temperatura média global a menos de 1,5 °C em relação aos níveis pré-industriais.Mas, de acordo com os cientistas, cumprir a meta de 1,5 °C exige “mudanças rápidas, de longo alcance e sem precedentes” em todos os aspectos da sociedade.

Afinal, o quão quente o mundo está e o que pode ser feito?

1. O mundo está mais quente

O planeta está agora quase um grau mais quente do que estava antes do processo de industrialização, de acordo com a Organização Meteorológica Mundial (OMM).

Como a temperatura dos anos se compara com a média do séc. 20

Os 20 anos mais quentes foram registrados nos últimos 22 anos, sendo que 2015 a 2018 ocupam os quatro primeiros lugares do ranking, diz a OMM.

Se essa tendência continuar, as temperaturas poderão subir entre 3ºC e 5ºC até 2100.

Um grau pode não parecer muito, mas, segundo o Painel Intergovernamental sobre Mudanças Climáticas (IPCC, na sigla em inglês), se os países não tomarem uma atitude, o mundo enfrentará mudanças catastróficas — o nível do mar vai subir, a temperatura e a acidez dos oceanos vão aumentar e a nossa capacidade de cultivar alimentos como arroz, milho e trigo estaria ameaçada.

Short presentational grey line

2. 2019 bateu todos os recordes

Quase 400 temperaturas recordes foram registradas no Hemisfério Norte durante o verão de 2019.

Os recordes foram alcançados em 29 países entre 1º de maio e 30 de agosto. Um terço das temperaturas mais altas de todos os tempos foi registrada na Alemanha, seguida por França e Holanda.

Esses recordes europeus foram registrados em meio a ondas de calor em todo o continente que provocaram um aumento nas temperaturas médias em junho e julho.

Durante o período indicado no mapa abaixo (de maio a agosto de 2019), os pontos amarelos mostram onde e quando um recorde de calor foi quebrado, o rosa indica os lugares mais quentes naquele mês, e o vermelho escuro representa os locais mais quentes desde o início dos registros.

As temperaturas mais altas destas regiões

Datas

Fonte: Robert A. Rohde/Berkeley Earth. Mapa criado em Carto

Mais de 30 recordes foram registrados nos EUA, de acordo com os dados do Berkeley Earth. No Japão, onde 11 pessoas morreram em decorrência da onda de calor no verão, foram quebrados 10 recordes de temperatura.

Short presentational grey line

3. Não estamos no caminho de atingir as metas de mudança climática

Se somarmos todas as promessas para reduzir emissões de gases que provocam efeito estufa pelos países que assinaram o Acordo de Paris, o mundo ainda esquentaria em mais de 3°C até o fim deste século.

Gráfico média de aquecimento global
Nos últimos três anos, climatologistas mudaram a definição do que acreditam ser o limite “seguro” da mudança climática.

Por décadas, pesquisadores argumentaram que o aumento da temperatura global devia ser mantido abaixo de 2°C até o fim deste século para evitar consequências mais graves.

Os países que assinaram o acordo de Paris se comprometeram a manter as temperaturas “bem abaixo dos 2°C em relação aos níveis pré-industriais e a buscar esforços para limitar o aumento da temperatura a 1,5°C”.

Mas a comunidade científica concorda agora que, na verdade, precisamos manter os aumentos de temperatura abaixo de 1,5°C.

Short presentational grey line

4. Os maiores emissores são a China e os EUA

Os países que emitem mais gases de efeito estufa são, de longe, a China e os EUA. Juntos, eles são responsáveis por mais de 40% do total global de emissões, de acordo com dados de 2017 do Centro Comum de Pesquisa da Comissão Europeia e da Agência Holandesa de Avaliação Ambiental (PBL).

Gráfico emissores de CO2

A conduta ambiental dos EUA mudou sob o governo de Donald Trump, que adotou uma política pró-combustíveis fósseis.

Depois de tomar posse, o presidente americano anunciou a retirada do país do Acordo de Paris.

Na ocasião, Trump disse que queria negociar um novo acordo “justo” que não prejudicasse empresas e trabalhadores americanos.

Short presentational grey line

5. As áreas urbanas são particularmente ameaçadas

Quase todas as cidades — 95% delas — que enfrentam riscos climáticos graves estão na África ou na Ásia, segundo um relatório da Verisk Maplecroft, consultoria de estratégia e risco.

E o risco é maior para cidades com crescimento mais rápido, incluindo megacidades como Lagos, na Nigéria, e Kinshasa, na República Democrática do Congo.

Cerca de 84 das 100 cidades que mais crescem no mundo enfrentam riscos “extremos” de aumento das temperaturas e de fenômenos climáticos extremos.

Cidades em rápida expansão enfrentam piores riscos climáticos
Short presentational grey line

6. Gelo do Ártico também está ameaçado

A extensão do gelo do mar do Ártico diminuiu nos últimos anos. Em 2012, chegou ao nível mais baixo já registrado.

Gráfico gelo no Ártico

As geleiras vêm diminuindo há décadas, com a aceleração do derretimento desde o início dos anos 2000, de acordo com o Comitê de Auditoria Ambiental do Parlamento do Reino Unido.

O Oceano Ártico pode ficar sem gelo no verão antes de 2050, a menos que as emissões sejam reduzidas, acrescenta o comitê.

A extensão do gelo do mar Ártico em 2019 foi a segunda menor já registrada por satélite, empatando com a de 2007 e 2016.

Short presentational grey line

7. Todo mundo pode fazer algo para ajudar

Enquanto os governos precisam fomentar grandes mudanças, indivíduos também podem fazer sua parte.

Os cientistas dizem que todos nós temos de adotar “mudanças rápidas, abrangentes e sem precedentes” no nosso estilo de vida, a fim de evitar danos mais severos ao clima.

O IPCC recomenda uma redução no consumo de carne, leite, queijo e manteiga; comer mais alimentos sazonais de origem local — e desperdiçar menos; dirigir carros elétricos, mas caminhar ou pedalar distâncias curtas; pegar trens e ônibus em vez de aviões; substituir viagens de negócios por videoconferências; usar varal em vez de máquina de secar roupa; aprimorar o isolamento térmico das casas; exigir bens de consumo com baixo teor de carbono.

Mas a maneira mais eficaz de se reduzir o próprio impacto ambiental no planeta é mudar a dieta, com menos menos carne — de acordo com estudos recentes.

Gráfico mostra impacto dos alimentos

Cientistas dizem que devemos consumir menos carne por causa das emissões de carbono que essa indústria produz, entre outros impactos ambientais negativos.

Um estudo recente publicado na revista científica Science destacou uma enorme variação no impacto ambiental na produção de um mesmo alimento.

O gado de corte criado em terras desmatadas, por exemplo, produz 12 vezes mais emissões de gases de efeito estufa que o criado em pastagens naturais.

Em resumo, o estudo mostra que mesmo a carne com o menor impacto ambiental ainda gera mais emissões de gases de efeito estufa do que o cultivo de hortaliças e cereais de maneira sustentável.

Mas, além de alterar nossas dietas, a pesquisa indica ser preciso mudar radicalmente as práticas agrícolas para beneficiar o meio ambiente.

Por Nassos Stylianou, Clara Guibourg, Daniel Dunford, Lucy Rodgers, David Brown e Paul Rincon.

Economia,Blog-do-Mesquita,Bancos,Finanças 02

A INDÚSTRIA DO PETRÓLEO QUER COMPRAR OS JOVENS QUE LUTAM PELO CLIMA

O CEO da BP, Bob Dudley, à esquerda, e o economista-chefe Spencer Dale falam durante uma sessão no One Young World Summit, em Londres, em 23 de outubro de 2019. Imagem: Facundo Arrizabalaga/EPA-EFE/Shutterstock

NO MESMO DIA em que a ativista climática Greta Thunberg, 16 anos, fez um discurso emocionante na Cúpula de Ação Climática das Nações Unidas em setembro, no qual criticou os representantes por “roubar meus sonhos e minha infância com suas palavras vazias”, os arquitetos da crise climática receberam participantes jovens selecionados da cúpula para jantar.

CEOs de empresas de combustíveis fósseis, como a BP, Royal Dutch Shell e Equinor da Noruega estavam participando do encontro anual da Iniciativa Climática de Petróleo e Gás em Nova York, a OGCI, que incluiu líderes do setor que afirmam estar comprometidos em tomar ações “práticas” sobre as mudanças climáticas. Na agenda do almoço estava “explorar opções de engajamento de longo prazo” com jovens nos quais a indústria podia confiar. A Student Energy, uma organização sem fins lucrativos com sede em Alberta, perto da região de extração de areia betuminosa do Canadá, ajudou a organizar o evento, que incluiu tempo para que os estudantes interrogassem os CEOs sobre sua inação na mudança climática.

As perguntas dos estudantes podem ter sido difíceis, mas o evento foi ótimo para a indústria de combustíveis fósseis. Longe estão os dias em que os CEOs questionavam abertamente a existência das mudanças climáticas. Hoje, os líderes do setor estão fingindo uma sensação de urgência climática, enquanto levam adiante propostas de ação que permitirão às empresas continuar colhendo produtos emissores de carbono no futuro. Submeter-se a um grupo de estudantes céticos foi uma oportunidade para os executivos de petróleo e gás aumentarem sua credibilidade em uma época em que muitos jovens ativistas só interagiam com eles se cartazes e piquetes estivessem envolvidos.

Jovens ativistas dizem que estão vendo mais desse uso dos jovens à medida que o movimento climático global da juventude ganha impulso, inclusive na conferência anual da ONU sobre o clima, conhecida como COP 25, realizada em Madri no início de dezembro. Com a “juventude” se tornando sinônimo de ação climática, empresas e políticos estão usando cada vez mais os jovens para mostrarem uma postura séria sobre o clima.

“Existe um perigoso uso simbólico da juventude em benefício de uma imagem pública.”

“O uso da juventude nas campanhas está se tornando cada vez mais evidente”, disse Eilidh Robb, 24 anos, membro da Youth Climate Coalition do Reino Unido, que se envolveu em pressionar a ONU a adotar uma política de conflito de interesses que impeça que representantes da indústria de combustíveis fósseis exerçam influência na COP. “Existe um verdadeiro perigoso uso simbólico da juventude em benefício de uma imagem pública”.

O encontro da OGCI foi um exemplo particularmente flagrante de disso. A OGCI forneceu financiamento à Student Energy, e a diretora de negócios da OGCI, Rhea Hamilton, faz parte do conselho de administração do grupo. Entre os “parceiros” listados no relatório anual de 2018 da Student Energy estão a Royal Dutch Shell e a Suncor, um dos maiores produtores de areia betuminosa do Canadá. As empresas de combustíveis fósseis têm repetidamente financiado a conferência anual da organização.

Embora os líderes da Student Energy muitas vezes ecoem os pontos de discussão de ativistas como Thunberg, os membros do grupo – uma rede que alega incluir 40 mil jovens – são em grande parte pessoas que desejam trabalhar no setor de energia.

A Student Energy está entre os grupos de jovens com status de observador na COP 25, o que significa que seus membros podem ter acesso a espaços de negociação, conversar com as partes envolvidas e participar de eventos. Espera-se que sua presença nas negociações internacionais da ONU sobre o clima cresça. O relatório de 2018 da Student Energy observou que o grupo havia visto um aumento de 73% nos seus comitês filiados em atividade. No próximo ano, a BP se comprometeu a enviar 50 representantes da Student Energy para a COP26. O financiamento dobraria o tamanho da delegação usual do grupo, de acordo com um comunicado da BP. Em um espaço de conferência que serve como um campo de batalha de ideias sobre como lidar com a crise climática, a BP aparentemente vê a presença da Student Energy como benéfica para a corporação.

Mas os financiadores da Student Energy, algumas das empresas com maior responsabilidade na crise climática, não mostram sinais de desaceleração. O portfólio de produção da Suncor, que inclui principalmente a extração de areia betuminosa, é a que mais consome carbono entre as 100 maiores empresas de combustíveis fósseis do mundo, e a empresa pressionou por novos oleodutos que permitiriam continuar aumentando a produção. A Shell, a 11ª maior emissora de gases de efeito estufa do mundo entre as empresas de petróleo e gás, deve aumentar sua produção de combustíveis fósseis em 38% até 2030. A BP, a 14ª maior emissora, aumentará a produção em 20%.

As projeções das empresas são contrárias às medidas que os cientistas afirmam serem necessárias para cumprir a meta da ONU de reduzir as emissões de gases do efeito estufa em 45% até 2030. O objetivo da COP é avançar em direção a esse objetivo.

Adler disse ao Intercept que a Student Energy participou do evento da OGCI para desafiar o setor de petróleo e gás cara a cara. Ela disse que a organização segue princípios rígidos de parceria que impedem os financiadores de exercer influência sobre as atividades do grupo. Uma grande proporção dos membros da organização deseja trabalhar no setor de energias renováveis, não em uma empresa de combustíveis fósseis, acrescentou ela, e no próximo ano eles estarão diversificando significativamente suas fontes de financiamento. Quanto ao financiamento da BP para a COP26, Adler disse que a Student Energy não aceitou oficialmente o dinheiro. “Estamos verificando o que isso é de fato, as implicações disso e se eles são o parceiro certo.”

Para Taylor Billings, porta-voz da organização sem fins lucrativos Corporate Accountability, não é surpresa que o setor esteja buscando um movimento juvenil para colaborar. Como ela disse, “se as zebras estivessem liderando a marcha, as empresas de combustíveis fósseis e os governos do norte do mundo estariam escalando os muros para entrar no zoológico”.

Juventude nas Nações Unidas

A ONU fez pouco para eliminar as oportunidades de uso da juventude como massa de manobra em suas conferências. Desde 2015, o órgão governamental internacional realiza anualmente o Concurso Global de Vídeos Juvenis, no qual os participantes enviam curtas-metragens destacando as ações climáticas. O prêmio deste ano: uma viagem com tudo pago para a COP 25.

youth-climate-cop-1576254018

Jovens representantes do SustainUS durante uma ação na COP 25 em 4 de dezembro de 2019. O grupo tem sido uma voz importante dos jovens contra a influência corporativa nas discussões sobre o clima.
Foto: Cortesia de David Tong

Mas, ao lado de várias agências da ONU que patrocinam o projeto, estava a Fundação BNP Paribas, financiada por um banco que gastou mais de 50 bilhões de dólares em investimentos em combustíveis fósseis entre 2016 e 2018. Em resposta, 29 organizações climáticas que trabalham com jovens enviaram uma carta aos organizadores da ONU no projeto.

“Esse tipo de captura corporativa de uma iniciativa de empoderamento dos jovens não é apenas decepcionante, mas também criminosa”, dizia a carta, observando que o BNP Paribas é o quinto maior financiador de combustíveis fósseis da Europa. As organizações pediram à ONU que “imediatamente encerre sua parceria com o BNP Paribas para garantir que o envolvimento dos jovens permaneça livre da influência de grandes poluidores e financiadores”.

“Não sejam responsáveis pela corrupção de nossa coragem e ação”, pediram os autores.

A ONU desconsiderou a carta. “Compartilhamos suas opiniões sobre a necessidade de descarbonizar o mundo e, para esse fim, também descarbonizamos portfólios de investimentos de instituições financeiras o mais rápido possível”, disse Niclas Svenningsen, gerente de Ação Global do Clima da ONU. No entanto, ele acrescentou: “Acreditamos que também é importante abrir o diálogo e ver como as partes interessadas de diferentes setores estão fazendo a transição de seus modelos de negócios.”

Para muitos, foi uma resposta típica. Quando se trata da captura indevida dos jovens, “o maior e mais flagrante exemplo são as Nações Unidas”, disse Jonathan Palash-Mizner, co-coordenador de 17 anos da Extinction Rebellion Youth US, que está na COP 25. Ele disse que os espaços para jovens na ONU costumam parecer uma “mesa das crianças”, com os participantes com pouco poder de decisão.

Enquanto isso, “você entra em qualquer negociação e todo negociador invocará Greta Thunberg”, disse Sarah Dobson, 23 anos, membro da Youth Climate Coalition do Reino Unido. “É vergonhoso porque eles não farão jus a essa visão.”

Youth strikers to stage sit-in at un climate talks during the Conference of the Parties to the United Nations Framework Convention on Climate Change -COP25 on day 6, in December 6, 2019 in Madrid, Spain. (Photo by Rita Franca/NurPhoto via Getty Images)

Jovens grevistas protestam durante a COP25, em 6 de dezembro de 2019.
Foto: Rita Franca/NurPhoto via Getty Images

Dobson está envolvida em um esforço juvenil de longa data para expulsar conflitos de interesse da COP. O braço oficial da juventude da ONU, a YOUNGO, impede que seus comitês locais façam parcerias com empresas “que estão em conflito com os interesses dos jovens”. O grupo pressionou por anos por uma política que manteria qualquer um que trabalhasse para uma empresa de combustíveis fósseis fora das futuras conferências climáticas e exigiria divulgação de reuniões entre a indústria de combustíveis fósseis e os países em negociação ou funcionários da ONU.

Eles apontam para a Convenção-Quadro da Organização Mundial da Saúde para o Controle do Tabaco, que afirma que as partes “precisam estar alertas a qualquer esforço da indústria do tabaco para minar ou subverter os esforços de controle do tabaco” e devem proteger o acordo de “interesses comerciais e outros na indústria do tabaco”.

A YOUNGO voltou a defender uma política de conflito de interesses em uma reunião da ONU em junho, onde foram discutidas a logística da COP – mas com os EUA, a União Europeia e outros representantes globais do hemisfério norte que rejeitando a ideia, eles perderam.

“Políticos e CEOs estão fazendo parecer que uma ação real está acontecendo quando, na verdade, quase nada está sendo feito além de contabilidade inteligente e relações públicas criativas.”

Assim, quando a COP 25 começou em Madri no início de dezembro, uma série de representantes da indústria de combustíveis fósseis percorreu os corredores ao lado dos negociadores que decidirão o formato do mais importante acordo internacional sobre o clima. Os líderes da BP, Shell, Total e Suncor receberam credenciamento para participar da conferência por meio da International Emissions Trading Association, líder do setor, que tem status de observadora. Outras delegações convidaram representantes da Chevron, Petrobrás e outras empresas de combustíveis fósseis. Enquanto isso, entre os patrocinadores da COP 25 estava a empresa de serviços públicos Endesa, o maior emissor de carbono da Espanha.

A indústria de combustíveis fósseis tentou obstruir um forte acordo climático desde que a ONU começou a negociar a questão nos anos 90. Este ano, as associações comerciais da indústria intervieram mais em uma seção do acordo conhecida como Artigo 6, que inclui regras para esquemas de comércio de emissões. No geral, os sistemas internacionais de comércio de carbono falharam em reduzir significativamente as emissões onde foram implementadas. Ao invés de simplesmente forçar cortes por meio de regulamentações, os mercados permitem que as empresas invistam em projetos de compensação climática que, em muitos casos, mostraram ter pouco impacto climático real.

A forma dos mercados fará uma enorme diferença em quanto a indústria de combustíveis fósseis terá que pagar. Na COP, como Dobson colocou, “as empresas estão literalmente em todo lugar”.

Empresas de combustíveis fósseis #FazemOFuturo

A uso da juventude em causas se proliferou além dos encontros climáticos da ONU.

Robb mencionou a reunião do primeiro-ministro canadense Justin Trudeau com Thunberg em setembro, realizada antes de participar de uma marcha das Sextas-feiras Pelo Futuro liderada por jovens, onde foi criticado pelos canadenses que o rotularam de criminoso climático. Trudeau se esforçou muito para se mostrar sério sobre o clima, mas no ano passado seu governo comprou o oleoduto Trans Mountain proposto por Kinder Morgan, um projeto-chave altamente contestado e intensivo em carbono para manter rentável o setor de areia betuminosa do Canadá.

Canadian Prime Minister Justin Trudeau speaks Swedish environmental activist Greta Thunberg in Montreal on Friday, Sept. 27, 2019. (Ryan Remiorz/The Canadian Press via AP)

O primeiro-ministro canadense Justin Trudeau fala com a ativista ambiental sueca Greta Thunberg em Montreal, em 27 de setembro de 2019.
Foto: Ryan Remiorz/Imprensa canadense via AP

Obviamente, os exemplos mais perturbadores do uso dos jovens como massa de manobra envolvem a indústria de combustíveis fósseis. Este ano, a BP patrocinou a conferência anual One Young World, às vezes chamada de “Davos Jovem”, e pagou para que 30 estudantes focados em questões de energia de baixo carbono pudessem participar do evento. No evento de outubro, o CEO da BP e seu economista-chefe se revezaram no palco. “Mas espere, sou economista-chefe da BP, uma das maiores empresas de petróleo e gás do mundo. O que a BP está fazendo aqui? Não somos parte do problema? Na verdade, eu realmente acredito que não somos”, disse o economista Spencer Dale. “Empresas como a BP podem ser, e realmente precisam ser, parte da solução.”

A Shell lançou uma campanha intitulada #MaketheFuture (#FaçaOFuturo), sugerindo que está construindo um futuro melhor em vez de destruí-lo. A campanha promove a Shell como uma impulsionadora da tecnologia de baixa emissão de carbono e apresenta imagens de jovens, bem como publicações nas redes sociais sobre o financiamento da empresa para programas de engenharia e ciências para jovens.

Até a CO2 Coalition da extrema direita, financiada pelo dinheiro dos combustíveis fósseis dos irmãos Koch e liderada por ex-conselheiros de Trump que afirmam que as emissões de CO2 são boas para a Terra, está tentando recrutar jovens. Depois de se esforçar para atrair apoio de jovens funcionários republicanos, o grupo teria procurado estudantes nos campi de faculdades na tentativa de “alcançá-los um pouco mais cedo”.

“Eles têm dinheiro praticamente infinito para gastar e tentar mudar o círculo eleitoral mais resistente à sua agenda”, disse Julian Brave NoiseCat, 26 anos, e vice-presidente do think tank progressista Data for Progress.

Adler disse que, até recentemente, era apenas a indústria de combustíveis fósseis que demonstrava interesse em financiar a programação do grupo. “A realidade é que havia bem poucos tipos de organizações interessadas na juventude até cerca de um ano atrás”, disse.

Quando a COP 25 terminou, com questões-chave não resolvidas, Thunberg foi nomeado Pessoa do Ano da revista Time. Em um discurso na ONU no mesmo dia, ela fez referência à maneira como empresas e políticos cooptaram suas palavras. “Essas frases são tudo em que as pessoas se concentram. Eles não se lembram dos fatos, das próprias razões pelas quais digo essas coisas em primeiro lugar”, disse ela. “Eu ainda acredito que o maior perigo não é a inação – o perigo real é quando políticos e CEOs estão fazendo parecer que uma ação real está acontecendo quando, de fato, quase nada está sendo feito além de contabilidade inteligente e relações públicas criativas”.

O que está em jogo, disse Dobson, é a diluição de um movimento juvenil vigoroso. “As empresas captam nossas imagens, pegam os símbolos de nosso movimento e as usam para validar suas próprias atividades, desrespeitando completamente o esforço que colocamos na construção desse movimento popular”, disse ela. “Isso dá a ilusão de que os jovens venderam seus valores para apoiar as atividades de negócios horríveis”.

Tradução: Maíra Santos

Ambiente,Oceanos,Ártico,MeioAmbiente,Mudanças Climáticas,Clima,Natureza,Poluição,Ecologia,Blog do Mesquita

Temperatura dos oceanos bate recorde em 2019, diz estudo

Calor absorvido pelos mares nos últimos 25 anos equivale ao gerado por 3,6 bilhões de bombas como a de Hiroshima. Aquecimento disparou nas últimas décadas, o que, segundo cientistas, é “prova do aquecimento global”.    

Mar turquesa com ilha no meioDesde 1970, mais de 90% do calor produzido pelo aquecimento global foram absorvidos pelos oceanos

Em 2019, a temperatura média dos oceanos do mundo atingiu a marca mais alta já registrada, e o ritmo em que eles estão esquentando está se acelerando, aponta um novo estudo divulgado nesta terça-feira (14/01).

A temperatura média dos oceanos no ano passado ficou cerca de 0,075 grau Celsius acima da média verificada entre 1981 e 2010, de acordo com um estudo publicado na revista chinesa Advances in Atmospheric Sciences.

Os cientistas calcularam que,nos últimos 25 anos, os oceanos absorveram o equivale ao calor gerado por 3,6 bilhões de explosões como a da bomba de Hiroshima.

O texto, assinado por 14 cientistas de 11 institutos de vários países, indica que as temperaturas mais quentes foram registradas entre a superfície do mar e os dois mil metros de profundidade.

“Esse aquecimento medido dos oceanos é irrefutável e é mais uma prova do aquecimento global”, diz Cheng Lijing, principal autor do artigo e professor associado do Instituto de Física Atmosférica da Academia Chinesa de Ciências.

“Não há alternativas razoáveis ​​além das emissões humanas de gases captadores de calor [do efeito estufa] para explicar esse aquecimento”, completou.

Os pesquisadores também compararam dados de 1987 a 2019 com o período entre 1955 e 1986. Eles descobriram que, nas últimas seis décadas, o aquecimento mais recente foi cerca de 450% maior que o aquecimento anterior, sugerindo um grande aumento na taxa de alterações climáticas globais.

“É fundamental entender o quão rápido as coisas estão mudando”, afirma John Abraham, coautor e professor de Engenharia Mecânica na Universidade de St. Thomas, nos Estados Unidos. “E isso é apenas a ponta do iceberg do que está por vir.”

O aquecimento dos oceanos pode causar ondas de calor marinhas, o que, por sua vez, pode levar a grandes perda de vidas marinhas e à formação de furacões, segundo os pesquisadores.

De acordo com os cientistas, é possível trabalhar para reverter os efeitos da atividade humana no clima, mas os mares levarão mais tempo para responder do que ambientes atmosféricos e terrestres. Desde 1970, mais de 90% do calor produzido pelo aquecimento global foram absorvidos pelos oceanos, enquanto menos de 4% foram para a terra e a atmosfera.

Amazônia,Queimadas,Ambiente,Meio Ambiente,BlogdoMesquita,Alter do Chão,Brasil,Pará

Por que vítimas de incêndios estão iradas com premiê da Austrália: ‘Não quero apertar sua mão’

Morrison foi criticado na internet por forçar uma mulher a apertar sua mão

“Eu realmente não quero apertar sua mão.”

“Você não vai conseguir nenhum voto aqui, parceiro. Você está fora.”

“E as pessoas que morreram, senhor primeiro-ministro? E aquelas que não têm para onde ir?”

Em visita a uma cidade devastada por incêndios nesta quinta-feira (2), o primeiro-ministro australiano, Scott Morrison, foi duramente questionado pela população local.

Em Cobargo, no Estado de New South Wales, a raiva era palpável. Mas mais constrangedores — e, por isso, alvo de maior atenção — foram dois encontros menos barulhentos.

“Eu só vou cumprimentá-lo se você der mais dinheiro ao RFS [o corpo de bombeiros rural]. Tantas pessoas perderam suas casas”, disse ela.

“Eu entendo”, ele respondeu. Enquanto ele se afastava, ela acrescentou: “Precisamos de mais ajuda”.

Depois que um bombeiro também se recusou a apertar sua mão, Morrison disse a seus assessores: “Digam àquele rapaz que eu sinto muito. Tenho certeza de que ele está apenas cansado”. Ele, então, ouviu de uma autoridade local: “Não, não, ele perdeu sua casa”.

As interações, todas filmadas e bastante compartilhadas online, voltaram a colocar Morrison no centro da ira popular pela forma como ele vem lidando com os incêndios florestais sem precedentes que atingem o país.

O primeiro-ministro é acusado de estar sendo negligente perante a crise — passou, inclusive, alguns dias de férias no Havaí — e também tem sido criticado por subestimar os efeitos do aquecimento global nos incidentes.

Incêndios do tamanho de pequenos países

Desde setembro, os incêndios já deixaram 19 mortos, destruíram mais de 1.200 casas e devastaram milhões de hectares. Embora a atenção esteja centrada em New South Wales, o Estado mais atingido, todas as regiões do país foram afetadas.

A fumaça se espalhou por cidades do sudeste, a área mais populosa da Austrália, prejudicando a qualidade do ar para milhares de pessoas. Estima-se que milhões de animais tenham morrido, e que o custo econômico do desastre seja gigantesco.

Bombeiros atravessam túnel de fogo durante incêndio florestal na Austrália

O apoio popular aos bombeiros — em sua maioria voluntários —, que vêm lutando contra chamas em regiões cujo tamanho se assemelha ao de pequenos países, tornou-se unanimidade no país. Três deles morreram em serviço.

Chefes dos corpos de bombeiros locais, como o comissário Shane Fitzsimmons em NSW, tornaram-se os rostos da crise.

Para os críticos do primeiro-ministro, esses agentes são um exemplo de liderança. Nesta sexta (3), um membro destacado do partido de Morrison fez uma crítica pública à sua atuação.

“As únicas duas pessoas que estão oferecendo alguma liderança neste momento são Shane Fitzsimmons e [a governadora de New South Wales] Gladys Berejiklian”, disse Andrew Constance, secretário estadual dos transportes.

Ao comentar as interações do primeiro-ministro com a população, Constance afirmou: “Para ser sincero, ele provavelmente teve a recepção que mereceu”.

O que causou a ira da população?

No início da crise, as críticas se centravam na relutância de Morrison em debater como a mudança climática está piorando os incêndios florestais —uma conexão admitida pelo Serviço de Meteorologia da Austrália.

Embora tenha, desde então, admitido a contribuição do fenômeno, o líder conservador ainda sustenta que não há ligação direta entre o fogo e suas políticas para o clima.

O tema continua causando controvérsia em decorrência da dependência energética da Austrália na mineração de carvão.

Mas, conforme o fogo se espalhava, Morrison passou a ser acusado de “desaparecer” ocasionalmente. No mês passado, tirou férias no Havaí com a família enquanto os incêndios se intensificavam —ele se desculpou, mais tarde, pela “grande ansiedade” causada pela viagem.

Ao falar em um evento de críquete no dia do Ano Novo, Morrison foi considerado insensível ao dizer que os australianos se reuniriam em torno de suas TVs para serem “inspirados pelos grandes feitos de nossos atletas”.

Parte da população pede ainda que o governo direcione mais recursos para os corpos de bombeiros do país, amplamente não-remunerados, citando uma pressão extraordinária sobre os recursos e argumentando que comunidades menores são desfavorecidas.

Um grupo de ex-chefes dos serviços defende que o país precisa de uma nova estratégia de longo prazo contra incêndios, e criticam o primeiro-ministro por se recusar a encontrá-los.

O que diz Morrison?

Depois de dizer inicialmente que os bombeiros estão trabalhando “porque querem”, Morrison prometeu compensar financeiramente os voluntários que faltaram a seus trabalhos para ajudar, e disse que direcionará 11 milhões de dólares australianos (US$ 7,7 milhões) para financiar aviões que combatam o fogo.

Ele tem recusado os novos pedidos de recursos, mas elogia a atuação dos bombeiros com frequência. Para o político, uma seca prolongada é a principal razão da proporção tomada pelos incêndios.

Quando questionado nesta sexta-feira sobre o motivo de estar sendo contestado em público, ele afirmou à rádio 3AW: “As pessoas estão tristes e com raiva. Se estão nervosas comigo ou com a situação, o que importa é que estão sofrendo”.

Ele defende que a Austrália vai cumprir suas metas climáticas — afirmação contestada pelas Nações Unidas e outras entidades —, mas diz que medidas adicionais não podem ocorrer às custas de cortes irresponsáveis de vagas de trabalho na indústria de combustíveis fósseis.

Morrison pediu aos australianos que não cedam ao pânico e já disse repetidamente que cada Estado tem de ser responsável por sua estratégia de emergência — a melhor tática é deixar que cada um faça seu trabalho, disse.

Seus apoiadores dizem que ele não pode ser responsabilizado por esse tipo de desastre natural que sempre atingiu a Austrália, nem consertar o problema com mudanças bruscas e reativas nas políticas públicas.

‘Você será julgado’

Morrison foi reconduzido ao cargo em maio após vitória surpreendente nas urnas, levando-o a ser elogiado por muitos como um político perspicaz e instintivo. Mas, para alguns, sua reação aos incêndios despertou incredulidade.

“Estamos assistindo à destruição de um líder político, e dessa vez pelas suas próprias mãos”, tuítou o comentarista político Barrie Cassidy. O também comentarista Hugh Riminton escreveu: “Nunca vi um primeiro-ministro tão publicamente desprezado durante um desastre nacional”.

Vista aérea de cidades afetadas pelo fogo

Nem todos os comentários, porém, foram tão críticos. O governador de Victoria, Daniel Andrews, um político trabalhista, agradeceu a Morrison pelo auxílio fornecido ao Estado. Liz Innes, prefeita de um condado perto de Cobargo, pediu desculpas ao primeiro-ministro em nome daqueles que o contestaram, segundo a ABC.
BBC