Aplicativo informa quando celulares Android têm ‘espiões’ instalados ‘Access Dots’ exibe duas bolinhas na tela quando microfone e câmera estão ativados em modo secundário

Access Dots’ exibe duas bolinhas na tela quando microfone e câmera estão ativados em modo secundário.

Aplicativos usados para espionagem são um problema frequente no mundo da tecnologia.

Embora na maioria das vezes eles sejam programados para direcionar propaganda, esses softwares têm o poder de ocasionar até mesmo conflitos políticos graves.

Por meio de uma funcionalidade do iOS14, a Apple passará a avisar aos usuários quando seus celulares estiverem com o microfone e câmera ativados sem autorização.

Enquanto o Google não adota a mesma medida, os aparelhos Android têm à sua disposição o app Access Dots, que apresenta uma solução parecida.

O Access Dots informa se existe algum aplicativo espião ativando o microfone e a câmera do dispositivo sem permissão.

Quando isso acontece, são mostradas duas bolinhas, uma laranja e uma verde, no canto da tela. Embora o aviso por si só já tenha utilidade, o app não é capaz de informar qual software está agindo indevidamente.

Cabe ao usuário ir em configurações e verificar os aplicativos que estão ativos, e, então, julgar qual deles considera mais suspeito.

O app é de graça, mas pode desbloquear algumas funções interessantes se for realizada uma doação aos desenvolvedores. Nesse caso, é possível diminuir ou aumentar o tamanho das bolinhas, além de colocá-las em qualquer lugar da tela. Infelizmente, usuários de iPhones antigos ou desatualizados não terão como saber se seus celulares contêm aplicativos espiões, uma vez que o Access Dots não está disponível na App Store.

TikTok é acusado de espionagem

Aplicativos inoportunos nem sempre têm nomes estranhos e são pouco conhecidos. De acordo com uma acusação feita pela rede de hackers Anonymous, eles podem ser tão comuns e populares quanto o TikTok.

Em recente publicação no Twitter, o grupo alegou que o TikTok tem acesso a informações confidenciais dos telefones onde é instalado, como dimensões e resolução da tela, uso de memória, espaço de disco, tipo de CPU, entre outros. O app saberia até mesmo o IP do roteador que está sendo usado pela rede do usuário.

Segundo os hackers, o TikTok faria parte de um “massivo sistema de espionagem operado pelo governo chinês”. O aplicativo se defende das acusações e alega ter fechado parcerias com empresas de segurança de nível mundial para corrigir os possíveis problemas relacionados à privacidade na plataforma.

Via: The Next Web

Coronavírus: Apple e Google se unem para o rastreamento Covid-19

A Apple e o Google estão desenvolvendo tecnologia para alertar as pessoas se entraram recentemente em contato com outras pessoas infectadas com coronavírus.

Eles esperam ajudar inicialmente aplicativos de rastreamento de contatos de terceiros a executarem com eficiência.

Mas, em última análise, eles pretendem acabar com a necessidade de baixar aplicativos dedicados, para incentivar a prática.

As duas empresas acreditam que sua abordagem – projetada para manter os usuários, cuja participação seria voluntária e anônima – aborda questões de privacidade. Seu método de rastreamento de contatos funcionaria usando os sinais Bluetooth de um smartphone para determinar a quem o proprietário esteve recentemente por tempo suficiente para estabelecer um risco de contágio. Se uma dessas pessoas testasse positivo mais tarde para o vírus Covid-19, um aviso seria enviado ao proprietário original do aparelho.

Nenhum dado de localização GPS ou informações pessoais seriam gravados.

“Privacidade, transparência e consentimento são de extrema importância nesse esforço e esperamos desenvolver essa funcionalidade em consulta com as partes interessadas”, disseram Apple e Google em comunicado conjunto.

“Publicaremos abertamente informações sobre nosso trabalho para que outras pessoas analisem.”

O presidente Trump disse que seu governo precisava de tempo para considerar o desenvolvimento.

“É muito interessante, mas muitas pessoas se preocupam com isso em termos de liberdade de uma pessoa”, disse ele durante uma entrevista coletiva na Casa Branca.

“Vamos dar … uma olhada muito forte e informaremos em breve.”

O supervisor de proteção de dados da União Européia pareceu mais positivo, dizendo: “A iniciativa exigirá uma avaliação mais aprofundada, no entanto, após uma rápida olhada, parece marcar as caixas certas em relação à escolha do usuário, proteção de dados por projeto e interoperabilidade pan-européia”.

Mas outros observaram que o sucesso do empreendimento pode depender da obtenção de pessoas suficientes testadas.

Apple é o desenvolvedor do iOS. Google é a empresa por trás do Android. Os dois sistemas operacionais alimentam a grande maioria dos smartphones em uso.

Alguns países – incluindo Cingapura, Israel, Coréia do Sul e Polônia – já estão usando aparelhos celulares para emitir alertas de contágio por coronavírus.Tecnologia,Internet,Redes,Computadores,Blog do Mesquita,Informática

Outras autoridades de saúde – incluindo o Reino Unido, França e Alemanha – estão trabalhando em iniciativas próprias. E alguns governos municipais nos EUA estão prestes a adotar um aplicativo de terceiros.

Os dois gigantes da tecnologia visam trazer coerência a tudo isso, permitindo que os aplicativos de terceiros existentes sejam atualizados para incluir sua solução.

Isso tornaria os aplicativos interoperáveis, para que o rastreamento de contatos continuasse a funcionar à medida que as pessoas viajassem para o exterior e entrassem em contato com pessoas usando uma ferramenta diferente.

A Apple e o Google estão trabalhando no esforço há cerca de duas semanas, mas não revelaram seus planos externamente até sexta-feira.

Se for bem-sucedido, o esquema poderá ajudar os países a relaxar os bloqueios e as restrições nas fronteiras.

Correspondências por telefone
As empresas pretendem lançar um bloco de construção de software – conhecido como API (interface de programação de aplicativos) – até meados de maio.

Isso permitiria que os aplicativos de outras pessoas fossem executados na mesma base.Ciência,EUA,China,Tecnologia,Computação Quântica

Os registros das identificações digitais envolvidas seriam armazenados em servidores remotos, mas as empresas dizem que elas não poderiam ser usadas para desmascarar a verdadeira identidade de um indivíduo específico.

Além disso, o processo de correspondência de contatos ocorreria nos telefones e não centralmente.

Isso permitiria que alguém soubesse que deveria entrar em quarentena, sem que ninguém mais fosse notificado.

As duas empresas divulgaram detalhes das especificações de criptografia que planejam usar para proteger a privacidade e detalhes do papel que o Bluetooth desempenhará.

Eles esperam que isso convença os ativistas de que sua abordagem pode ser confiável.

A Apple e o Google dizem que outro benefício de sua solução é que os desenvolvedores não arriscariam que as versões iOS e Android de seus aplicativos se tornassem incompatíveis devido a uma atualização de buggy.

Além disso, eles acreditam que seria menos oneroso para a vida útil da bateria do que os atuais sistemas de rastreamento de contatos.

Nenhum aplicativo necessário
A segunda fase da iniciativa envolve a criação de recursos de rastreamento de contato nos sistemas operacionais iOS e Android. Os usuários poderiam ativar e desativar o recurso novamente sem precisar baixar um aplicativo.

Aplicativos de terceiros aprovados ainda poderão interagir com o recurso, se desejado.

A instalação seria entregue por meio de uma futura atualização de software do sistema. Mas as empresas ainda não disseram quando isso aconteceria.

“Esta é uma solução mais robusta”, dizem eles, sugerindo que haveria uma adoção mais ampla se os usuários não precisassem baixar software adicional para si mesmos.Celular,Tecnologia,Economia,Blog do Mesquita

Ele também fornece às empresas a capacidade de desativar facilmente o rastreamento em uma base regional quando a pandemia terminar.

Embora a Apple e o Google esperem que outras pessoas vejam os benefícios de adotar sua abordagem, isso não é garantido.

Um esforço independente – a iniciativa de rastreamento de proximidade de preservação de privacidade pan-europeia (PEPP-PT) – revelou sua própria tentativa de fornecer uma solução centrada na privacidade em 1º de abril.

Cerca de 130 tecnólogos e cientistas estão envolvidos e o grupo já fez contato com vários governos europeus.

Anti-Vírus gratuito no Android

Sem instalar nada: veja como usar o novo antivírus nativo do Android

A empresa sabe que os malwares para Android são uma realidade, e por isso criou o Google Play Protect. Anunciado durante o Google I/O neste ano, o sistema é integrado ao Android e funciona, na prática, como um antivírus, observando os apps que estão instalados no celular, procurando comportamentos estranhos e analisando atualizações para descobrir possíveis vírus infiltrados no dispositivo.

Apesar de o sistema ter sido criado para vigiar os apps do Google Play, o sistema também permite que apps instalados por fontes alternativas sejam enviados ao Google para análise, o que, em tese, beneficia o ecossistema inteiro, permitindo que a empresa detecte ameaças vindo de outras lojas ou de APKs baixados aleatoriamente pela internet.

Como o Android varia muito de celular para celular, existe a possibilidade de que o recurso funcione de um modo diferente no seu smartphone. Para referência, as dicas abaixo foram testadas usando um Nexus 5x rodando a versão beta do Android O; o Google, no entanto, afirma que o recurso também deve funcionar em versões anteriores do sistema.

Veja os resultados mais recentes

Se você entrar em “Configurações” > “Segurança e local” > “Google Play Protect”, verá um resumo das últimas análises feitas pelo Google entre os seus aplicativos. Se o seu celular não possui esse caminho, você pode tentar entrar em “Configurações” > “Google” > “Segurança” > “Google Play Protect”.

Reprodução

Veja na página do aplicativo no Google Play

Ainda não está disponível para todo mundo, mas o Google também postará o resultado de suas análises na própria página do app na loja. Aos poucos, o recurso será distribuído para toda a base de usuários.

Reprodução

Veja antes de atualizar seus apps

Alguns aplicativos são lançados como inofensivos, ganham a confiança do usuário e do próprio Google para só depois começar a agir de forma maligna com uma atualização futura. Por isso, o Google Play Protect também analisa as atualizações de apps. Assim, na sua lista de atualizações pendentes no Google Play também deverá constar um alerta de que tudo está em ordem. Esta função também deve demorar um pouco mais para estar disponível para todos.

Reprodução

Criando Emojis no Android

Como usar o teclado do Android para traduzir desenhos para emojis

Entretanto, por mais que o recurso seja divertido de se utilizar, ele também é meio escondido, de modo que quem não estiver atento simplesmente não vai saber como acessá-lo. Basta seguir o passo a passo abaixo para encontrá-lo.

1. Use a versão mais recente do Gboard;

Se você ainda não o tem instalado no celular, pode fazer o download neste link. A versão com suporte à tradução de desenhos para emojis é a 6.3, que já deve estar disponível para todos os usuários.

2. Abra algum aplicativo de mensagens da sua preferência;

3. Comece a digitar alguma coisa para exibir o teclado;

4. Toque no ícone de emoji do teclado;

Reprodução

5. Toque no ícone de lápis para desenhar;

Reprodução

6. Pronto, faça um desenho e veja como o Google interpreta os seus rabiscos.

Reprodução

 

Nokia 3310, o celular ‘indestrutível’, está de volta

Nova versão do telefone que fez sucesso nos anos 2000 será apresentada em Barcelona.

O Nokia 3310, conhecido popularmente como o indestrutível por causa de sua resistência, está de volta.
A empresa finlandesa HMD, que comprou da Nokia Technologies a sua patente e os direitos sobre a marca e de sua imagem, anunciou a ressurreição do já clássico aparelho, quase um vintage, em versão renovada que será apresentada no Congresso Mundial de Telefonia (Mobile World Congress) a ser realizado em Barcelona entre 27 de fevereiro e 2 de março.
O indestrutível está de volta depois de uma entrada muito bem-sucedida do novo Nokia 6 na China.
[ad name=”Retangulo – Anuncios – Duplo”]
 A Nokia vendeu no mundo todo mais de 120 milhões de unidades do 3310, mas a chegada dos smartphones acabou por escantear aos poucos o modelo, apesar de sua fama, do funcionamento e do hipnótico jogo Snake 2.

A retirada oficial do mercado ocorreu em 2005. Agora, em fevereiro de 2017, quando parecia que o celular que causou furor nos primeiros anos do milênio tinha sido definitivamente enterrado pelos smartphones, a nova Nokia o lança mais uma vez, de olho em um mercado específico.

As informações sobre o ressurgimento do aparelho, divulgadas pelo The Guardian, indicam que ele só estará disponível inicialmente na Europa e na América do Norte e que custará em torno de 70 euros (245 reais). A versão original foi lançada em 2000 ao preço de 150 euros (525 reais).

Até relativamente poucos anos atrás, todos nós carregávamos um Nokia em nossos bolsos. Dois de cada três celulares vendidos no mundo eram da marca finlandesa. Seu império ruiu quase da noite para o dia com os aparecimentos dos aparelhos com tela táctil –o iPhone à frente– e do sistema operacional Android, da Google.
ElPais

WhatsApp: atualização economiza bateria do celular

Novo recurso do WhatsApp irá poupar memória do seu celular

Os vídeos de gatinhos e de autoajuda que a sua família ou seus amigos enviam pelo WhatsApp não irão mais ocupar o precioso armazenamento interno do seu smartphone.[ad name=”Retangulo – Anuncios – Duplo”]

aplicativo deve ganhar em breve um recurso que permite que o usuário faça o streaming de vídeos recebidos.

Na versão atual, o WhatsApp, por padrão, baixa vídeos, imagens e outros arquivos recebidos automaticamente.

Há também a opção de fazer o download apenas quando o usuário desejar. Mesmo assim, é bem chato ter de baixar um vídeo completo para a sua biblioteca para poder ver sobre o que ele é – principalmente nessa época de Netflix e YouTube.

Com essa atualização, a pessoa pode escolher se quer fazer o streaming do vídeo ou se quer fazer o seu download para armazená-lo localmente.

Em imagens obtidas pelo site Android Headlines, é possível ver que o ícone de download, localizado no centro do arquivo, foi substituído por um ícone de play.

Basta o usuário clicar nesse botão para fazer o streaming do vídeo.

imagem-whats

Caso a pessoa ainda queira armazenar o arquivo em seu smartphone, ela pode clicar no botão de download, que foi deslocado para a parte inferior esquerda do vídeo (veja na imagem acima).

A funcionalidade, aparentemente, foi disponibilizada apenas para os usuários da versão beta do app na Índia.

Geralmente, recursos em fase de testes não demoram muito para serem liberados para todas as pessoas.
Marina Demartini/Exame

Daydream View: a realidade virtual do Google simples, acessível e móvel

O kit do Google, chamado Daydream View, se destaca por seu design, quase todo baseado em tecidos.

O kit para usar a plataforma de realidade virtual Daydream. GOOGLE

Aposta do buscador é um kit mais barato, cômodo e fácil de usar que o da Samsung.

O Google apresentou nesta terça-feira em San Francisco os primeiros celulares compatíveis com o Daydream, sua plataforma de realidade virtual para smartphones, e seu primeiro kit. O objetivo desses produtos é “simplificar a complexidade da realidade virtual”.

Segundo Clay Bavor, vice-presidente da divisão de realidade virtual do Google, esta “deve se basear no celular para que você possa levar a experiência de forma simples e acessível”.

[ad name=”Retangulo – Anuncios – Duplo”]

Isso significa tomar a direção contrária da Oculus, empresa subsidiária do Facebook, e da HTC, que apostam numa tecnologia de ponta para oferecer a melhor experiência possível, embora seus kits exijam conexão constante com computadores muito potentes.

O Google tem claro que prefere chegar a todos através da inclusão de fabricantes e criadores de conteúdo na sua plataforma e com um kit centrado na comodidade, a um preço acessível (na Europa, será equivalente a 250 reais).

A estratégia é semelhante à adotada pelo Google com o Android: oferecerá uma plataforma, que pretende ser um padrão, para os desenvolvedores, com especificações mínimas que os fabricantes precisam incluir para ter o selo Daydream, que garante ao consumidor uma experiência de qualidade.

Só serão compatíveis aparelhos com telas de alta resolução, processadores potentes e sensores preparados para a realidade virtual que a empresa proprietária do popular mecanismo de buscas pretende oferecer. O Pixel e o Pixel XL, seus dois novos celulares, são os primeiros dispositivos compatíveis, mas “chegarão muitos outros no futuro”, diz o Google.

O Google tem claro que prefere chegar a todos através da inclusão de fabricantes e criadores de conteúdo na sua plataforma

Com o Daydream, o Google se certifica de oferecer uma realidade virtual de todos e para todos, mas sem perder o controle para assegurar a inclusão de seus serviços, algo vital para o negócio da companhia. Os clientes o acharão mais simples, e os fabricantes e criadores de conteúdo terão um padrão de qualidade ao qual se apegar no maior mercado potencial de realidade virtual: o celular.

Uma das exceções pode ser a Samsung, que já tem um acordo com a Oculus e uma plataforma própria de conteúdos em realidade virtual para rentabilizar. O Google precisará de todos os outros para que a oferta de dispositivos que compõem o Daydream seja suficientemente variada em termos de preço, acabamentos e características.

O kit do Google, chamado Daydream View, se destaca por seu design, quase todo baseado em tecidos. Isso lhe dá um aspecto mais cotidiano e menos futurista que o Gear VR da Samsung, e o torna mais leve. Outros dos seus pontos fortes é a facilidade de uso: o telefone é colocado dentro do kit, mas não é necessário conectar nenhum cabo.

“O Google fez uma grande e acertada proposta centrada na comodidade e no design, um dos pontos fracos do seu principal rival, a Samsung”, diz ao EL PAÍS Roberto Romero, fundador da Future Lighthouse, companhia pioneira na criação de conteúdos de realidade virtual na Espanha.

O Daydream View conta com um controle sem fio como principal diferença em relação ao Gear VR, oferecendo a possibilidade de criar experiências interativas nas quais o usuário possa agir com maior liberdade e precisão. “O controle é a chave. Os desenvolvedores sabem as oportunidades que ele nos oferece, e é uma ferramenta estupenda para fazer do usuário uma parte ativa das nossas experiências”, afirmou Romero. Seu funcionamento é semelhante ao de um controle do Wii, o console da Nintendo que alcançou uma grande fatia de mercado graças a essa tecnologia.

“O Youtube só está disponível no Daydream e é o principal portal de vídeos em 360 graus, o conteúdo estrela para um kit de realidade virtual móvel. O aplicativo não está disponível na loja da Samsung, e pode ser uma grande cartada para o Google”, diz Romero. A plataforma contará também com conteúdo do The New York Times, Wall Street Journal, NBA (liga de basquete) e MLB (beisebol), além dos aplicativos do Netflix e Hulu para ver séries e filmes como numa sala de cinema.

As propostas do Google e da Samsung baseadas na portabilidade contam com “as especificações suficientes para que os usuários desfrutem de experiências de qualidade”, concluiu Romero. Estão longe do que oferecem Vive e Oculus, mas “é o caminho a seguir para que a tecnologia chegue ao ponto de ser adotada pela massa crítica, de modo que tanto os fabricantes como os criadores de conteúdo possam tornar seus negócios rentáveis”.

O Daydream View conta com um controle sem fio como principal diferença em relação ao Gear VR, oferecendo a possibilidade de criar experiências interativas

O mercado é muito imaturo ainda, mas começa a se consolidar em razão dos três grandes investimentos que estão sendo feitos em empresas como Facebook, Google e Sony Interactive Entertainment, que colocará à venda seu kit PSVR para o console PlayStation 4 em 13 de outubro.

“A Oculus é pioneira e conta com o apoio do Facebook e da Samsung para seu ecossistema. Por outro lado, a HTC Vive e a PlayStation VR prometem experiências Premium, mas a plataforma Daydream é a mais focada na economia de escala”, declarou a EL PAíS Neil Shah, diretor de pesquisa de dispositivos e ecossistemas na Counterpoint. Considera que tal fator, “com os aplicativos próprios do Google, como YouTube e Play Store, a transforma em uma plataforma mais atraente, que pode suscitar um maior interesse e consumo de conteúdos”.

Outra das vantagens que o Google poderia incluir no Daydream é seu novo assistente e seus algoritmos de aprendizagem automática para fazer com que a experiência esteja baseada no contexto. “O Google Assistant será o cabo que liga todas as plataformas, propriedades e conteúdos em uma experiência unificada e diferente da oferecida pela concorrência”, diz Sash, ao alertar que o “Facebook pode não ser capaz de oferecer algo semelhante logo”.

O Google simplifica a realidade virtual, cria um padrão para usuários e fabricantes e tenta adotar o papel de líder de um segmento cada vez maior e disputado. Fez isso com um kit barato e centrado na comodidade, e seu primeiro Smartphone desenhado por completo, hardware e software, dentro de suas instalações. Porque o Google já não faz somente serviços, também faz produtos.
Felix Paluzuelo/ElPais

Conheça o jogo inspirado em Pokémon que o Google escondeu no Android

Quem já está no ecossistema Android há algum tempo sabe que a cada nova versão do sistema, o Google esconde uma pequena brincadeirinha ou um joguinho secreto, o popular “easter egg”. No Android 7.0 não é diferente.

A brincadeira envolve colocar um pratinho de comida virtual no seu celular. Depois de algum tempo, um mascote do Android em formato de gato aparece e se junta à sua coleção. Cada gato é diferente, mas é difícil dizer quantas combinações diferentes de felinos existem, mas é possível garantir que há pelo menos 670 deles (porque eu consegui o gato de número 670).[ad name=”Retangulo – Anuncios – Duplo”]

Saiba como funciona:

1. É preciso ativar o easter egg

Isso é feito entrando em Configurações > Sobre o telefone e tocando três vezes rapidamente no item “Versão do Android”. Um grande “N” irá aparecer, simbolizando a versão N do Android. Basta dar um toque rápido e outro longo neste N e um emoji de um gato vai aparecer, ativando o joguinho. Para desligar, basta repetir o processo.Reprodução

2. A área de configurações rápidas passa a ter um prato vazio

Basta exibir a área de configurações rápidas e lá estará o prato vazio. Se ele não estiver lá, você vai precisar editar a posição dos itens na tela para que o prato vazio fique em destaque.

Reprodução

3. Coloque comida para o gato

Você tem quatro opções: ração, peixe, frango ou uma rosquinha. Para dar comida, basta tocar no prato vazio e selecionar uma das opções.

Reprodução

4. Espere um pouco

Se você fez tudo certo, dentro de alguns minutos um gatinho vai aparecer. Você pode dar um toque mais longo no prato de comida para ver quais gatos você já encontrou.

Reprodução

5. Você pode dar diferentes apelidos para seus gatos

Basta tocar em um deles para abrir a opção de alterar nomes.

Reprodução

Olhar Digital

Android: Falha de segurança pode afetar 900 milhões de celulares

Falhas graves de segurança que poderiam dar acesso completo aos dados dos telefones foram identificadas em um software presente em milhões de aparelhos que usam o sistema operacional Android.

Android
As falhas afetam aparelhos com chips Qualcomm

As falhas foram apontadas por pesquisadores da empresa de segurança Checkpoint, que analisaram software que rodam em chips da empresa americana Qualcomm.

Processadores da Qualcomm estão presentes em cerca de 900 milhões de celulares Android, segundo a fabricante.

Não há até o momento, contudo, evidências de que essas vulnerabilidades estejam sendo exploradas em ataques criminosos.

“Tenho certeza que essas vulnerabilidades estarão sendo exploradas nos próximos três a quatro meses”, disse Michael Shaulov, da Checkpoint. “É sempre uma corrida para quem encontrar o bug primeiro, os caras bons ou maus.”

Os aparelhos afetados incluem:

  • BlackBerry Priv
  • Blackphone 1 e Blackphone 2
  • Google Nexus 5X, Nexus 6 e Nexus 6P
  • HTC One, HTC M9 e HTC 10
  • LG G4, LG G5 e LG V10
  • New Moto X da Motorola
  • OnePlus One, OnePlus 2 e OnePlus 3
  • Versões americanas do Samsung Galaxy S7 e Samsung S7 Edge
  • Sony Xperia Z Ultra

Shaulov disse que os problemas foram identificados após seis meses de trabalho.

As falhas apareceram no software que gerencia gráficos e em códigos que controlam a comunicação entre diferentes processos de um telefone.

Explorar as falhas possibilitaria que alguém mal-intencionado obtivesse gradualmente mais controle sobre um aparelho, acessando seus dados.

Android
As falhas podem ser usadas para criar ‘aplicativos-armadilha’ que rapidamente conseguem acessar os dados de um telefone – Image copyrightAP

A Checkpoint forneceu dados sobre os bugs para a Qualcomm ainda neste ano.

Em resposta, a Qualcomm teria criado atualizações para tentar resolver os problemas e começado a usar essas novas versões nas fábricas.

Também distribuiu as atualizações para fabricantes de telefones e operadoras. Não está claro, porém, quais empresas efetivamente lançaram as atualizações para os telefones dos clientes.

A Checkpoint criou um aplicativo gratuito chamado QuadRooter Scanner que pode ser usado para verificar se um telefone está vulnerável a algumas dessas falhas checando se soluções disponíveis foram baixadas e instaladas.

Além disso, Shaulov disse que donos de telefones Android devem apenas baixar aplicativos da loja oficial Google Play, para evitar armadilhas de programas maliciosos.

“As pessoas devem acionar quem vendeu os telefones, operadora ou fabricante, e implorar pelas atualizações”, afirmou.

Procurada, a Qualcomm não havia se manifestado até a publicação desta reportagem.
BBC

Como usar o novo tipo ‘secreto’ de letra do WhatsApp

Nova fonte lançada pelo WhastApp tem um espaçamento mais elegante, em estilo mais antigo

BBC Brasil

O aplicativo de mensagens instantâneas WhatsApp está lançando uma nova opção de fonte, a FixedSys, que vai dar um estilo mais “retrô” às mensagens.

O novo tipo de letra tem um espaçamento mais elegante.

Para conseguir escrever com a nova fonte basta começar e acabar a frase ou palavra com três crases (“`).[ad name=”Retangulo – Anuncios – Direita”]

Nos telefones com o sistema Android, a crase pode ser encontrada ao pressionar a tecla =\<.

Depois basta escrever: por exemplo,“`Mensagem“`, e a palavra ou frase já vai sair com a nova fonte.

Para encontrar a crase em seu teclado iOS, basta ir à tecla 123 (no canto inferior esquerdo) do teclado e mudar para o teclado de sinais e acentos.

No canto inferior direito, pressione a tecla da apóstrofe (‘) – a crase vai aparecer na extremidade esquerda.

A nova letra de estilo retrô está disponível há alguns dias.

E, assim como em outras ocasiões, o WhatsApp lançou a fonte sem um aviso prévio.

No começo de abril, os usuários do aplicativo já começaram a mandar mensagens em itálico e negrito.

Para escrever palavras em negrito, é preciso colocá-las entre asteriscos. Por exemplo, *Mensagem*.

Para o itálico, é preciso deixar as palavras entre sinais de underline: _palavra_.

Se quiser fazer uso dos dois recursos ao mesmo tempo, basta colocar a palavra entre asteriscos e sinais de underline: *_palavra_*.