• mqt_for@hotmail.com
  • Brasil
Natureza,Ambiente,Meio Ambiente,Blog do Mesquita 00

A ESQUERDA LATINO-AMERICANA PRECISA DAR UMA RESPOSTA SOBRE A AMAZÔNIA: SERÁ QUE ELA CONSEGUE REJEITAR PETRÓLEO, PECUÁRIA E MINERAÇÃO?

O CAPÍTULO DA história da América Latina que teve início em 1998 com celebrações na Venezuela terminou com um golpe e violência na Bolívia. Como ocorre com todas as ondas, a “maré rosa” recua para revelar um terreno transformado. O cenário do movimento de esquerda que produziu governos socialistas variados em uma dúzia de países está quebrado e desiludido. As Américas Central e do Sul enfrentam uma direita ressurgente e o retorno da austeridade, muitas vezes por meio de ataques com gás lacrimogêneo. Esse estado de desordem marca também o terreno literal do continente: as florestas e montanhas foram abertas e rasgadas, seus minerais e hidrocarbonetos enviados para portos e embarcados para o exterior em nome de um projeto socialista cujas realizações se mostraram frágeis, temporárias e superficiais.

Compreensivelmente, nos últimos tempos, a preocupação global com o futuro da Amazônia se concentrou no Brasil, onde o presidente Jair Bolsonaro acelerou a destruição da floresta tropical com alegria fascista. Mas, sob o arrepiante desprezo desse regime pela natureza, tratando-a como sendo apenas um estoque de recursos a serem colhidos, existe uma verdade inquietante: sua agenda de extração desenfreada representa uma diferença de grau e estilo, e não de tipo, daquela adotada nas últimas duas décadas por todos os principais países amazônicos. Isso inclui os governos da maré rosa de Venezuela, Bolívia, Equador e Brasil, que promoveram a mineração, a extração de petróleo e a agricultura industrial com a mesma diligência que seus colegas neoliberais no Peru e na Colômbia.

Examinar esse legado não é descartar os ganhos sociais que ele tornou possível, ainda que brevemente. Esses ganhos foram reais e, em alguns casos, impressionantes. Os novos gastos estatais em saúde, educação e programas de subsídios por bloco melhoraram a vida de muitos milhões de pessoas em uma região definida pela imensa desigualdade e uma profunda pobreza endêmica. E, no entanto, como muitos observaram desde o início, esses ganhos só poderiam ser efêmeros, com base nos aumentos orçamentários de um boom de commodities único de uma década impulsionado pela China e, em menor grau, pela Índia. Mesmo antes dos preços do minério e do petróleo começarem a cair em 2012, as coalizões por trás de muitos governos da maré rosa começaram a desmoronar sob as contradições e trocas do que o cientista social uruguaio Eduardo Gudynas, um crítico precoce e influente da maré rosa à esquerda, chamado “neoextrativismo”. Acabou que essa versão do extrativismo, apesar de defendida de varandas de palácios ornadas com bandeiras socialistas e anti-imperialistas, não era tão diferente do modelo praticado por séculos de domínio colonial, militar e neoliberal. Sua principal inovação foi negociar cortes maiores nas crescentes exportações de recursos primários.

Campo de mineração de ouro informal Esperança IV, perto do território indígena Menkragnoti, no Pará, em 28 de agosto de 2019.

Campo de mineração de ouro informal Esperança IV, perto do território indígena Menkragnoti, no Pará, em 28 de agosto de 2019.
Foto: João Laet/AFP via Getty Images

Os rendimentos dos pontos percentuais extras foram muito bons enquanto duraram. Eles também obscureceram o fracasso em avançar um projeto de esquerda democrática para desafiar cinco séculos de espoliação, desapropriação e dependência sistêmicas. O neoextrativismo “possibilitou formas importantes de inclusão socioeconômica e empoderamento político para as massas, ao mesmo tempo em que prejudicou transformações mais radicais”, conclui Thea Riofrancos em “Resource Radicals” (Radicais de recursos), seu próximo estudo sobre a política do extrativismo da maré rosa.

Na Bolívia e no Brasil, as florestas estão em chamas.

No lugar dessas transformações mais radicais, o neoextrativismo acelerou o ciclo de destruição exigido pelo papel histórico da região na economia global. As consequências políticas e ecológicas disso foram mais acentuadas nas florestas tropicais, florestas secas e nas cordilheiras ocidentais que são as fontes do sistema amazônico. À medida que os leilões de mineração e petróleo se multiplicavam, as coalizões de trabalhadores urbanos, pequenos agricultores e povos indígenas se separaram.

“Esquerda ou direita, a ideologia é a mesma: roube nossa terra e destrua o meio ambiente”, disse José Gregorio Díaz Mirabal, coordenador venezuelano da federação de organizações indígenas da Amazônia, ou Coica. “Na Bolívia e no Brasil, as florestas estão em chamas.”

O RELATO DESSA história ocorre, como tudo agora, à luz da crise climática. Como o extrativismo condena a floresta amazônica, um bioma central para qualquer solução concebível para essa crise, uma nova esquerda latino-americana terá de rejeitá-la.

Essa ideia não é nova. Os debates sobre como a América Latina poderia costurar suas veias e criar alternativas a um modelo de “desenvolvimento” ocidental baseado nas exportações de commodities foram centrais para o firmamento de movimentos sociais que os partidos da maré rosa levaram ao poder. Durante os anos 1990, ativistas, estudiosos e figuras políticas da região se empenharam em buscar críticas à globalização e à armadilha extrativista. Antes de Hugo Chávez anunciar a chegada do nacionalismo de recursos “anti-imperialista”, assegurando a estatura da Venezuela e financiando programas antipobreza com rendimentos do petróleo e de projetos de mineração no sul do país, as figuras mais inspiradoras da esquerda latina e global foram os zapatistas no sul México, que exigiam um “mundo onde cabem muitos mundos”. Em centenas de reuniões em cidades pequenas e grandes capitais – das quais o Fórum Social Mundial era apenas o maior –, as bandeiras de arco-íris de grupos indígenas recém-politizados misturavam-se a símbolos socialistas e bolivarianos nos debates sobre como construir uma nova América Latina, que seria socialmente justa e ecologicamente sábia.

Cerca de 30 mil pessoas se reúnem em Porto Alegre, em 31 de janeiro de 2002, em uma marcha para inaugurar oficialmente o Fórum Social Mundial de cinco dias.

Cerca de 30 mil pessoas se reúnem em Porto Alegre, em 31 de janeiro de 2002, em uma marcha para inaugurar oficialmente o Fórum Social Mundial de cinco dias. Foto: Douglas Engle/AP

O novo pensamento encontrou sua expressão mais completa no conceito de buen vivir. Como princípio político ou ideologia organizadora, “viver bem” é uma espécie de fusão de ideias indígenas e ocidentais sobre limites, solidariedade, fontes de felicidade humana e equilíbrio da natureza. A expressão sugere uma forte crítica ao mercado, ao pensamento de curto prazo, o materialismo e a exploração das pessoas e do meio ambiente. Foi promovida e adotada pelos governos de Cuba, Venezuela, Argentina, Paraguai, Uruguai e Peru, mas está mais estreitamente associado à Bolívia e ao Equador. Os ex-presidentes Evo Morales e Rafael Correa fizeram campanha em plataformas buen vivir e consagraram o conceito em suas respectivas constituições da maré rosa.

O uso de símbolos e ideias indígenas estava dilapidado quando conheci Alberto Acosta em uma marcha de protesto na cidade de Zamora, no sul do Equador, no final de 2012. Economista de alta estatura, com uma postura um tanto severa, Acosta foi o primeiro ministro de minas e energia de Correa e presidiu a convenção que ganhou as manchetes globais pela inclusão do buen vivir e seus semelhantes “direitos da natureza” na constituição de 2008. Três anos depois, Acosta havia deixado o governo e, desde então, presidiu diferentes tipos de conferências, como a “Movimentos sociais pela democracia e pela vida”, reunidas para organizar a oposição de esquerda a Correa e ao neoextrativismo da maré rosa.

Na manhã em que o entrevistei, ele falou enquanto marchava atrás da bandeira de sete partidos aliados de esquerda que haviam sido fundados em oposição ou deixado a coalizão “Unidade” de Correa. “Não há nada de novo no plano de desenvolvimento de Correa”, ele me disse. “Ele cita os teóricos das escolas dependentista, mas sua ideia é o mesmo modelo econômico de periferia central de exportação de matérias-primas. Ele substituiu o tio Sam pelo tio Chen” – a China – “para sustentar seus programas sociais e sua posição política à custa do desenvolvimento real. Nós resistimos a esse modelo da mesma forma como resistimos ao neoliberalismo.”

Como o extrativismo condena a floresta amazônica, uma nova esquerda latino-americana terá de rejeitá-la.

Eu estava no Equador na época fazendo uma reportagem que ilustrava a crítica. O governo de Correa havia aprovado planos para uma megamina de cobre e ouro a céu aberto na Cordilheira do Condor, um importante ponto biológico, corredor de espécies e divisor de águas no noroeste da Amazônia que abrigava milhares de povos indígenas, majoritariamente Shuar, e agricultores mestiços. A mina, então nos estágios iniciais de construção por um conglomerado chinês chamado ECSA, já estava deslocando comunidades. Quando concluída, deslocaria muito mais e poluiria a terra e a água de quem lá permanecesse. Correa criminalizou a oposição ao projeto e atacou seus críticos como patetas e agentes imperialistas. Em Quito, um ativista da ONG Clínica Ambiental me mostrou o nome de centenas de ativistas que estavam na prisão ou encarcerados. “Como Correa representa a esquerda, fazer oposição a ele rende acusações de se estar apoiando o antigo regime que levou todos à falência. Mas ele provou ser neoliberal com toques redistributivos. Ele evitou pactos com os EUA, mas vendeu o país para a China.”

Na Bolívia, uma versão mais suave da mesma dinâmica começou a ocorrer em 2012. A expansão da mineração e da agricultura industrial pelo governo de Morales causou deserções precoces de figuras-chave nos movimentos sociais forjados durante as chamadas guerras de água e gás do início dos anos 2000, antes de levar Morales ao poder. A grande oportunidade veio em 2011, quando Morales anunciou planos para construir uma estrada de 300 quilômetros através das florestas tropicais primárias do território indígena Isiboro Sécure. O governo alegou que seu objetivo era fornecer melhores serviços sociais para aldeias remotas, mas os grupos indígenas bolivianos entenderam corretamente a rodovia como parte de um projeto de longo prazo para industrializar as florestas de terras baixas, eventualmente conectando-as à rede de transporte da Amazônia encontrada nos documentos de planejamento de um superprojeto liderado pelo Brasil chamado Iniciativa para a integração da infraestrutura regional da América do Sul, ou IIRSA. (A rodovia é financiada pelo BNDES e acompanha de perto as terras sobre as quais a gigante petrolífera brasileira Petrobras detém direitos de exploração.) À medida que a resistência se espalhava, Morales invadiu os escritórios de grupos indígenas que se opunham à rodovia e substituiu à força os líderes por aliados seus. Ele acusou publicamente seus críticos, incluindo o antigo presidente da Confederação dos Povos Indígenas da Bolívia Adolfo Chávez de serem “agentes da USAID” – a Agência dos EUA para o Desenvolvimento Internacional – e os acusou de crimes graves. Eles se esconderam até que a Suprema Corte do país reverteu as acusações.

Da esquerda para a direita: o presidente da Venezuela, Hugo Chávez, o presidente da Bolívia, Evo Morales, e o presidente do Equador, Rafael Correa, chegam a um desfile militar em comemoração aos 200 anos do início do movimento de independência da Bolívia em La Paz, em 16 de julho de 2009.

Da esquerda para a direita: o presidente da Venezuela, Hugo Chávez, o presidente da Bolívia, Evo Morales, e o presidente do Equador, Rafael Correa, chegam a um desfile militar em comemoração aos 200 anos do início do movimento de independência da Bolívia em La Paz, em 16 de julho de 2009.
Foto: Patricio Crooker/AP

“Nós apoiávamos Morales e Correa porque os partidos de esquerda prometeram respeitar nossos direitos, mas eles quebraram as promessas e enfraqueceram nossas organizações”, disse-me Chávez recentemente. “Tínhamos um plano coerente para ajudar o governo a construir indústrias sustentáveis que protegessem as florestas e os rios. Os padrões nunca mudaram. Ainda estamos sujeitos a transnacionais que têm igualmente relações com partidos de esquerda e direita igualmente.”

Não foram apenas os autodeclarados países bolivarianos da maré rosa que adotaram o neoextrativismo. No Brasil, os governos do Partido dos Trabalhadores de Luiz Inácio Lula da Silva e Dilma Rousseff reforçaram as proteções em grandes áreas da Amazônia, ao mesmo tempo em que adotaram a visão de longo prazo da IIRSA: uma região pontilhada de barragens para abastecer as operações de mineração e conectada por estradas e ferrovias para facilitar o fluxo cada vez maior de matérias-primas para os portos nas costas do Atlântico e do Pacífico. Nas duas administrações, a mineração se expandiu por todo o país, inclusive na Amazônia. Mas foi outra expansão mais silenciosa que provavelmente teve o maior impacto climático: o “deserto verde” da agricultura industrial continuou a consumir as florestas secas e savanas remanescentes do Cerrado, um sumidouro de carbono que antes era maciço, mas que desaparece rapidamente, que se espalha por meia dúzia de estados no planalto central do Brasil.

O desafio enfrentado por uma esquerda pós-extrativista transformacional é assustador. Para tomar e manter o poder, precisará responder à acusação de Correa de que os defensores do pós-extrativismo querem que os pobres do continente vivam como “mendigos em um saco de ouro”. Será necessária uma visão e um plano para resolver o enigma proposto pelo acadêmico de esquerda e crítico de Correa, Pablo Ospina Peralta: “Como se revoluciona a economia quando o governo depende da saúde da economia que procura revolucionar?”
Quaisquer que sejam as especificidades da resposta, o caso se beneficiará das falhas de séculos de extrativismo. A América Latina, onde foi concebido o condomínio fechado, é a região mais desigual do mundo, com profunda pobreza estrutural cada vez mais agravada pela poluição e pelos efeitos da crise climática. O fato de que essas questões podem ser fortemente emparelhadas ficou visível no mês passado nas ruas de Quito, no Equador. Após uma greve de 11 dias em protesto contra um pacote de austeridade anunciado, o presidente Lenin Moreno, que sucedeu Correa em 2017, cedeu ao encontro com líderes indígenas que estavam à frente dos protestos de rua em oposição à proposta de cortes sociais e reformas trabalhistas – e pelo fim da exploração de petróleo e da mineração na Amazônia. No Chile, onde a devastação causada por décadas de mineração desenfreada tornou-se impossível de ignorar, manifestantes urbanos estão agitando bandeiras mapuches, cujo simbolismo colorido de buen vivir retrata sangue indígena, terra, sol, montanhas cobertas de neve e esperança.

A América Latina detém quase metade do cobre e da prata do mundo, um quarto do níquel e da bauxita, e reservas dispersas de metais “tecnológicos” usados em computadores, painéis solares e células de combustível de última geração.

“Algo está se agitando”, disse Arturo Escobar, estudioso colombiano-americano cujo livro de 1995 “Encountering Development (Encontrando o desenvolvimento)”, deu forma a debates emergentes sobre desenvolvimento e crescimento. “Existem fissuras visivelmente crescentes no consenso dominante sobre o modelo político, econômico e de desenvolvimento, incluindo o ‘consenso sobre commodities’ dos anos 2000 e 2010 que causou uma devastação ecológica maciça. As pessoas estão novamente falando de uma crise civilizacional, que, na melhor das hipóteses, leva à possibilidade de uma nova época que questione as antigas suposições e se mova em direção a uma política de buen vivir – com orientação mais comunitária, ecológica e espiritual.”

Pode parecer absurdo que possa surgir um movimento para construir uma nova ordem social e satisfaça as necessidades humanas enquanto protege e regenera os rios e florestas. Mas não é mais irrealista do que acreditar que uma economia baseada no consumo e no crescimento possa alcançar o equilíbrio ecológico.

Dragas no rio Madre de Dios, no território indígena de Tacana, perto de La Paz, na Bolívia, em 31 de agosto de 2019.

Dragas no rio Madre de Dios, no território indígena de Tacana, perto de La Paz, na Bolívia, em 31 de agosto de 2019.
Foto: Ernesto Benavides/AFP via Getty Images

As chances de sucesso de tal movimento dependerão do sucesso de movimentos aliados em outros lugares. Os mercados de commodities escreveram grande parte da história da América Latina, e a demanda global por matérias-primas continuará a exercer uma poderosa influência. Isso será verdade mesmo em uma versão “esverdeada” do sistema atual. Uma mudança global dos combustíveis fósseis pouparia a Amazônia de mais devastação do desenvolvimento de petróleo e gás, mas não de ser aberta para monoculturas ou destruída na busca por metais raros para construir iPhones com carregamento solar atualizados anualmente e o mais recente SUV de desempenho totalmente elétrico da Jaguar. Um sistema baseado em crescimento que funcione em uma rede descarbonizada ainda exigirá insumos massivos dos materiais primários encontrados nos solos e rochas dos nove países da Amazônia. A América Latina detém quase metade do cobre e da prata do mundo, um quarto do níquel e da bauxita (alumínio), e reservas dispersas de metais “tecnológicos” usados em computadores, painéis solares e células de combustível de última geração. Em um artigo recente sobre a indústria de lítio da Bolívia para a New Republic, a colaboradora do Intercept, Kate Aronoff, observa que alimentar a economia atual com energias renováveis consumiria as reservas mundiais de lítio em um período muito curto de tempo. Tentar manter uma versão “verde” da sociedade de consumo global pode levar a uma disputa por metais raros capaz de fazer com que as ondas de extrativismo anteriores pareçam suaves em comparação.

Se a América Latina se recusasse a abrir suas veias para esses recursos, encerraria seu papel como banco de recursos global, que começou de maneira não consensual com as economias escravistas do século XVI, que carregavam navios europeus com ouro, prata e açúcar. Existem pequenos precedentes para essa recusa. El Salvador proibiu toda a mineração de metais em 2017 para proteger sua água. A Costa Rica há muito tempo aplica uma proibição limitada de mineração. Em todos os países onde a mineração é desenfreada, os movimentos estão se organizando por trás de agendas pós-extrativistas, guiadas pelos valores ecossocialistas do buen vivir.

Os grupos indígenas são apenas parte deste projeto, mas estão na frente e desempenham um papel único. Eles trazem um conhecimento vivo de alternativas e são os que estão ameaçados mais diretamente com a extinção. Uma das vozes indígenas mais proeminentes de um curso diferente é Juan Carlos Jintiach, coordenador de planejamento econômico da COICA e, muitas vezes, a única voz indígena presente em ambientes como a Convenção sobre Diversidade Biológica, as Nações Unidas e o Banco Mundial. Ele não é ingênuo nem resignado, mas se concentra nas gestações das emergências sobrepostas do momento.

“Este é um momento confuso e arriscado”, disse Jintiach. “É um momento que exige mobilizações sociais que transcendam esquerda e direita e nos conectem uns aos outros e com a terra. O buen vivir contém os conceitos, mas é uma linguagem que a outra sociedade nem sempre entende. Estamos construindo alianças para mostrar que há outra maneira. Não é nossa luta, é de todos. Neste momento, há uma tempestade, uma forte tempestade. Mas, no momento em que acordarmos, veremos o céu.”

Alexander Zaitchik/ITB-Tradução: Cássia Zanon

Economia,Blog-do-Mesquita,Bancos,Finanças 02

A INDÚSTRIA DO PETRÓLEO QUER COMPRAR OS JOVENS QUE LUTAM PELO CLIMA

O CEO da BP, Bob Dudley, à esquerda, e o economista-chefe Spencer Dale falam durante uma sessão no One Young World Summit, em Londres, em 23 de outubro de 2019. Imagem: Facundo Arrizabalaga/EPA-EFE/Shutterstock

NO MESMO DIA em que a ativista climática Greta Thunberg, 16 anos, fez um discurso emocionante na Cúpula de Ação Climática das Nações Unidas em setembro, no qual criticou os representantes por “roubar meus sonhos e minha infância com suas palavras vazias”, os arquitetos da crise climática receberam participantes jovens selecionados da cúpula para jantar.

CEOs de empresas de combustíveis fósseis, como a BP, Royal Dutch Shell e Equinor da Noruega estavam participando do encontro anual da Iniciativa Climática de Petróleo e Gás em Nova York, a OGCI, que incluiu líderes do setor que afirmam estar comprometidos em tomar ações “práticas” sobre as mudanças climáticas. Na agenda do almoço estava “explorar opções de engajamento de longo prazo” com jovens nos quais a indústria podia confiar. A Student Energy, uma organização sem fins lucrativos com sede em Alberta, perto da região de extração de areia betuminosa do Canadá, ajudou a organizar o evento, que incluiu tempo para que os estudantes interrogassem os CEOs sobre sua inação na mudança climática.

As perguntas dos estudantes podem ter sido difíceis, mas o evento foi ótimo para a indústria de combustíveis fósseis. Longe estão os dias em que os CEOs questionavam abertamente a existência das mudanças climáticas. Hoje, os líderes do setor estão fingindo uma sensação de urgência climática, enquanto levam adiante propostas de ação que permitirão às empresas continuar colhendo produtos emissores de carbono no futuro. Submeter-se a um grupo de estudantes céticos foi uma oportunidade para os executivos de petróleo e gás aumentarem sua credibilidade em uma época em que muitos jovens ativistas só interagiam com eles se cartazes e piquetes estivessem envolvidos.

Jovens ativistas dizem que estão vendo mais desse uso dos jovens à medida que o movimento climático global da juventude ganha impulso, inclusive na conferência anual da ONU sobre o clima, conhecida como COP 25, realizada em Madri no início de dezembro. Com a “juventude” se tornando sinônimo de ação climática, empresas e políticos estão usando cada vez mais os jovens para mostrarem uma postura séria sobre o clima.

“Existe um perigoso uso simbólico da juventude em benefício de uma imagem pública.”

“O uso da juventude nas campanhas está se tornando cada vez mais evidente”, disse Eilidh Robb, 24 anos, membro da Youth Climate Coalition do Reino Unido, que se envolveu em pressionar a ONU a adotar uma política de conflito de interesses que impeça que representantes da indústria de combustíveis fósseis exerçam influência na COP. “Existe um verdadeiro perigoso uso simbólico da juventude em benefício de uma imagem pública”.

O encontro da OGCI foi um exemplo particularmente flagrante de disso. A OGCI forneceu financiamento à Student Energy, e a diretora de negócios da OGCI, Rhea Hamilton, faz parte do conselho de administração do grupo. Entre os “parceiros” listados no relatório anual de 2018 da Student Energy estão a Royal Dutch Shell e a Suncor, um dos maiores produtores de areia betuminosa do Canadá. As empresas de combustíveis fósseis têm repetidamente financiado a conferência anual da organização.

Embora os líderes da Student Energy muitas vezes ecoem os pontos de discussão de ativistas como Thunberg, os membros do grupo – uma rede que alega incluir 40 mil jovens – são em grande parte pessoas que desejam trabalhar no setor de energia.

A Student Energy está entre os grupos de jovens com status de observador na COP 25, o que significa que seus membros podem ter acesso a espaços de negociação, conversar com as partes envolvidas e participar de eventos. Espera-se que sua presença nas negociações internacionais da ONU sobre o clima cresça. O relatório de 2018 da Student Energy observou que o grupo havia visto um aumento de 73% nos seus comitês filiados em atividade. No próximo ano, a BP se comprometeu a enviar 50 representantes da Student Energy para a COP26. O financiamento dobraria o tamanho da delegação usual do grupo, de acordo com um comunicado da BP. Em um espaço de conferência que serve como um campo de batalha de ideias sobre como lidar com a crise climática, a BP aparentemente vê a presença da Student Energy como benéfica para a corporação.

Mas os financiadores da Student Energy, algumas das empresas com maior responsabilidade na crise climática, não mostram sinais de desaceleração. O portfólio de produção da Suncor, que inclui principalmente a extração de areia betuminosa, é a que mais consome carbono entre as 100 maiores empresas de combustíveis fósseis do mundo, e a empresa pressionou por novos oleodutos que permitiriam continuar aumentando a produção. A Shell, a 11ª maior emissora de gases de efeito estufa do mundo entre as empresas de petróleo e gás, deve aumentar sua produção de combustíveis fósseis em 38% até 2030. A BP, a 14ª maior emissora, aumentará a produção em 20%.

As projeções das empresas são contrárias às medidas que os cientistas afirmam serem necessárias para cumprir a meta da ONU de reduzir as emissões de gases do efeito estufa em 45% até 2030. O objetivo da COP é avançar em direção a esse objetivo.

Adler disse ao Intercept que a Student Energy participou do evento da OGCI para desafiar o setor de petróleo e gás cara a cara. Ela disse que a organização segue princípios rígidos de parceria que impedem os financiadores de exercer influência sobre as atividades do grupo. Uma grande proporção dos membros da organização deseja trabalhar no setor de energias renováveis, não em uma empresa de combustíveis fósseis, acrescentou ela, e no próximo ano eles estarão diversificando significativamente suas fontes de financiamento. Quanto ao financiamento da BP para a COP26, Adler disse que a Student Energy não aceitou oficialmente o dinheiro. “Estamos verificando o que isso é de fato, as implicações disso e se eles são o parceiro certo.”

Para Taylor Billings, porta-voz da organização sem fins lucrativos Corporate Accountability, não é surpresa que o setor esteja buscando um movimento juvenil para colaborar. Como ela disse, “se as zebras estivessem liderando a marcha, as empresas de combustíveis fósseis e os governos do norte do mundo estariam escalando os muros para entrar no zoológico”.

Juventude nas Nações Unidas

A ONU fez pouco para eliminar as oportunidades de uso da juventude como massa de manobra em suas conferências. Desde 2015, o órgão governamental internacional realiza anualmente o Concurso Global de Vídeos Juvenis, no qual os participantes enviam curtas-metragens destacando as ações climáticas. O prêmio deste ano: uma viagem com tudo pago para a COP 25.

youth-climate-cop-1576254018

Jovens representantes do SustainUS durante uma ação na COP 25 em 4 de dezembro de 2019. O grupo tem sido uma voz importante dos jovens contra a influência corporativa nas discussões sobre o clima.
Foto: Cortesia de David Tong

Mas, ao lado de várias agências da ONU que patrocinam o projeto, estava a Fundação BNP Paribas, financiada por um banco que gastou mais de 50 bilhões de dólares em investimentos em combustíveis fósseis entre 2016 e 2018. Em resposta, 29 organizações climáticas que trabalham com jovens enviaram uma carta aos organizadores da ONU no projeto.

“Esse tipo de captura corporativa de uma iniciativa de empoderamento dos jovens não é apenas decepcionante, mas também criminosa”, dizia a carta, observando que o BNP Paribas é o quinto maior financiador de combustíveis fósseis da Europa. As organizações pediram à ONU que “imediatamente encerre sua parceria com o BNP Paribas para garantir que o envolvimento dos jovens permaneça livre da influência de grandes poluidores e financiadores”.

“Não sejam responsáveis pela corrupção de nossa coragem e ação”, pediram os autores.

A ONU desconsiderou a carta. “Compartilhamos suas opiniões sobre a necessidade de descarbonizar o mundo e, para esse fim, também descarbonizamos portfólios de investimentos de instituições financeiras o mais rápido possível”, disse Niclas Svenningsen, gerente de Ação Global do Clima da ONU. No entanto, ele acrescentou: “Acreditamos que também é importante abrir o diálogo e ver como as partes interessadas de diferentes setores estão fazendo a transição de seus modelos de negócios.”

Para muitos, foi uma resposta típica. Quando se trata da captura indevida dos jovens, “o maior e mais flagrante exemplo são as Nações Unidas”, disse Jonathan Palash-Mizner, co-coordenador de 17 anos da Extinction Rebellion Youth US, que está na COP 25. Ele disse que os espaços para jovens na ONU costumam parecer uma “mesa das crianças”, com os participantes com pouco poder de decisão.

Enquanto isso, “você entra em qualquer negociação e todo negociador invocará Greta Thunberg”, disse Sarah Dobson, 23 anos, membro da Youth Climate Coalition do Reino Unido. “É vergonhoso porque eles não farão jus a essa visão.”

Youth strikers to stage sit-in at un climate talks during the Conference of the Parties to the United Nations Framework Convention on Climate Change -COP25 on day 6, in December 6, 2019 in Madrid, Spain. (Photo by Rita Franca/NurPhoto via Getty Images)

Jovens grevistas protestam durante a COP25, em 6 de dezembro de 2019.
Foto: Rita Franca/NurPhoto via Getty Images

Dobson está envolvida em um esforço juvenil de longa data para expulsar conflitos de interesse da COP. O braço oficial da juventude da ONU, a YOUNGO, impede que seus comitês locais façam parcerias com empresas “que estão em conflito com os interesses dos jovens”. O grupo pressionou por anos por uma política que manteria qualquer um que trabalhasse para uma empresa de combustíveis fósseis fora das futuras conferências climáticas e exigiria divulgação de reuniões entre a indústria de combustíveis fósseis e os países em negociação ou funcionários da ONU.

Eles apontam para a Convenção-Quadro da Organização Mundial da Saúde para o Controle do Tabaco, que afirma que as partes “precisam estar alertas a qualquer esforço da indústria do tabaco para minar ou subverter os esforços de controle do tabaco” e devem proteger o acordo de “interesses comerciais e outros na indústria do tabaco”.

A YOUNGO voltou a defender uma política de conflito de interesses em uma reunião da ONU em junho, onde foram discutidas a logística da COP – mas com os EUA, a União Europeia e outros representantes globais do hemisfério norte que rejeitando a ideia, eles perderam.

“Políticos e CEOs estão fazendo parecer que uma ação real está acontecendo quando, na verdade, quase nada está sendo feito além de contabilidade inteligente e relações públicas criativas.”

Assim, quando a COP 25 começou em Madri no início de dezembro, uma série de representantes da indústria de combustíveis fósseis percorreu os corredores ao lado dos negociadores que decidirão o formato do mais importante acordo internacional sobre o clima. Os líderes da BP, Shell, Total e Suncor receberam credenciamento para participar da conferência por meio da International Emissions Trading Association, líder do setor, que tem status de observadora. Outras delegações convidaram representantes da Chevron, Petrobrás e outras empresas de combustíveis fósseis. Enquanto isso, entre os patrocinadores da COP 25 estava a empresa de serviços públicos Endesa, o maior emissor de carbono da Espanha.

A indústria de combustíveis fósseis tentou obstruir um forte acordo climático desde que a ONU começou a negociar a questão nos anos 90. Este ano, as associações comerciais da indústria intervieram mais em uma seção do acordo conhecida como Artigo 6, que inclui regras para esquemas de comércio de emissões. No geral, os sistemas internacionais de comércio de carbono falharam em reduzir significativamente as emissões onde foram implementadas. Ao invés de simplesmente forçar cortes por meio de regulamentações, os mercados permitem que as empresas invistam em projetos de compensação climática que, em muitos casos, mostraram ter pouco impacto climático real.

A forma dos mercados fará uma enorme diferença em quanto a indústria de combustíveis fósseis terá que pagar. Na COP, como Dobson colocou, “as empresas estão literalmente em todo lugar”.

Empresas de combustíveis fósseis #FazemOFuturo

A uso da juventude em causas se proliferou além dos encontros climáticos da ONU.

Robb mencionou a reunião do primeiro-ministro canadense Justin Trudeau com Thunberg em setembro, realizada antes de participar de uma marcha das Sextas-feiras Pelo Futuro liderada por jovens, onde foi criticado pelos canadenses que o rotularam de criminoso climático. Trudeau se esforçou muito para se mostrar sério sobre o clima, mas no ano passado seu governo comprou o oleoduto Trans Mountain proposto por Kinder Morgan, um projeto-chave altamente contestado e intensivo em carbono para manter rentável o setor de areia betuminosa do Canadá.

Canadian Prime Minister Justin Trudeau speaks Swedish environmental activist Greta Thunberg in Montreal on Friday, Sept. 27, 2019. (Ryan Remiorz/The Canadian Press via AP)

O primeiro-ministro canadense Justin Trudeau fala com a ativista ambiental sueca Greta Thunberg em Montreal, em 27 de setembro de 2019.
Foto: Ryan Remiorz/Imprensa canadense via AP

Obviamente, os exemplos mais perturbadores do uso dos jovens como massa de manobra envolvem a indústria de combustíveis fósseis. Este ano, a BP patrocinou a conferência anual One Young World, às vezes chamada de “Davos Jovem”, e pagou para que 30 estudantes focados em questões de energia de baixo carbono pudessem participar do evento. No evento de outubro, o CEO da BP e seu economista-chefe se revezaram no palco. “Mas espere, sou economista-chefe da BP, uma das maiores empresas de petróleo e gás do mundo. O que a BP está fazendo aqui? Não somos parte do problema? Na verdade, eu realmente acredito que não somos”, disse o economista Spencer Dale. “Empresas como a BP podem ser, e realmente precisam ser, parte da solução.”

A Shell lançou uma campanha intitulada #MaketheFuture (#FaçaOFuturo), sugerindo que está construindo um futuro melhor em vez de destruí-lo. A campanha promove a Shell como uma impulsionadora da tecnologia de baixa emissão de carbono e apresenta imagens de jovens, bem como publicações nas redes sociais sobre o financiamento da empresa para programas de engenharia e ciências para jovens.

Até a CO2 Coalition da extrema direita, financiada pelo dinheiro dos combustíveis fósseis dos irmãos Koch e liderada por ex-conselheiros de Trump que afirmam que as emissões de CO2 são boas para a Terra, está tentando recrutar jovens. Depois de se esforçar para atrair apoio de jovens funcionários republicanos, o grupo teria procurado estudantes nos campi de faculdades na tentativa de “alcançá-los um pouco mais cedo”.

“Eles têm dinheiro praticamente infinito para gastar e tentar mudar o círculo eleitoral mais resistente à sua agenda”, disse Julian Brave NoiseCat, 26 anos, e vice-presidente do think tank progressista Data for Progress.

Adler disse que, até recentemente, era apenas a indústria de combustíveis fósseis que demonstrava interesse em financiar a programação do grupo. “A realidade é que havia bem poucos tipos de organizações interessadas na juventude até cerca de um ano atrás”, disse.

Quando a COP 25 terminou, com questões-chave não resolvidas, Thunberg foi nomeado Pessoa do Ano da revista Time. Em um discurso na ONU no mesmo dia, ela fez referência à maneira como empresas e políticos cooptaram suas palavras. “Essas frases são tudo em que as pessoas se concentram. Eles não se lembram dos fatos, das próprias razões pelas quais digo essas coisas em primeiro lugar”, disse ela. “Eu ainda acredito que o maior perigo não é a inação – o perigo real é quando políticos e CEOs estão fazendo parecer que uma ação real está acontecendo quando, de fato, quase nada está sendo feito além de contabilidade inteligente e relações públicas criativas”.

O que está em jogo, disse Dobson, é a diluição de um movimento juvenil vigoroso. “As empresas captam nossas imagens, pegam os símbolos de nosso movimento e as usam para validar suas próprias atividades, desrespeitando completamente o esforço que colocamos na construção desse movimento popular”, disse ela. “Isso dá a ilusão de que os jovens venderam seus valores para apoiar as atividades de negócios horríveis”.

Tradução: Maíra Santos

Poluição,Meio Ambiente,Blog do Mesquita 01

Quem paga a conta do combate às mudanças climáticas?

Foto: Pixabay.

A COP25 Conferência das Nações Unidas sobre as Mudanças Climáticas, que deve trazer como questão central a seguinte pergunta: quem paga a conta do combate às mudanças climáticas? A urgência em se manter a temperatura global no limite de 1,5°C acima dos níveis pré-industriais e zerar as emissões até 2050 aponta a necessidade de se mudar o tom do debate. Isto porque o patamar de investimento em iniciativas climáticas prometido aos países em desenvolvimento (US$ 100 bilhões investidos por ano, em 2020) ainda está longe de ser atingido. Um relatório da OCDE de 2018 mostrou que os gastos foram de apenas US$ 48,5 bilhões em 2016 e de US$ 57,6 bilhões em 2017. Uma das formas de financiamento do combate à crise climática dará o tom das discussões nesta COP. Serão negociadas novas regras para os mercados de carbono, visto que o consenso em torno do funcionamento desse mecanismo não foi alcançado na última cúpula, em Katowice, na Polônia.

Essa disposição de discutir medidas mais efetivas esteve presente na ultima Semana do Clima de Nova York, realizada em setembro. Mais do que um “call to action”, foi um “recall to action”. A chamada para a ação já foi feita: é preciso agora que governos, empresas e sociedade partam, de fato, para a ação. O quadro apresentado foi de falta de avanços nos compromissos e de ações não implementadas, e da necessidade de atuação conjunta. No lugar de iniciativas isoladas de governos, são urgentes ações como a da União Europeia, que está regulamentando uma lei para que os países do bloco só possam importar produtos de cadeias livres de desmatamento. A lei deverá entrar em vigor em 2022, e pode se tornar uma má notícia para o Brasil, que acaba de liberar a plantação de cana-de-açúcar na Amazônia e ainda assiste a um movimento de produtores para suspender a moratória da soja, um dos principais compromissos de combate ao desmatamento em cadeias produtivas.

“É inegável que existem movimentos por parte de grandes companhias para estabelecer compromissos junto a fornecedores e ampliar a rastreabilidade de suas cadeias produtivas”.

Do lado das empresas, as iniciativas também precisam ser conjuntas. É inegável que existem movimentos por parte de grandes companhias para estabelecer compromissos junto a fornecedores e ampliar a rastreabilidade de suas cadeias produtivas. Mas, por maiores que elas sejam, não conseguem sozinhas mudar o cenário de forma estrutural. E a maioria ainda permanece imóvel ou faz muito pouco, por receio de perder competitividade. É preciso que haja uma estratégia coletiva por parte de setores empresariais, o que permitirá que todos seus membros caminhem na mesma direção, com segurança. As cadeias produtivas são longas e é preciso conhecer a origem das matérias-primas  por completo, acabando com ilegalidades. Soluções para o uso responsável do solo pelos produtores já existem, mas é necessário investimento para que haja maior capacitação, adoção das práticas e monitoramento. O quanto as empresas estão dispostas a pagar por isso ainda é uma incógnita. Se, por força de uma decisão setorial, uma petroleira tiver que investir em combustíveis renováveis ou uma grande empresa energética precisar aumentar seu portfólio de fontes de energias limpas, elas o farão com certeza de que não vão perder mercado por conta disso. Pode ser um empurrão importante.

Outra oportunidade de mercado que foi discutida na Semana do Clima de Nova York e deverá fazer parte dos debates na COP são os pagamentos por serviços ambientais, recompensando aqueles que preservam seus ativos e contribuindo diretamente para o sequestro de carbono por meio da manutenção de recursos hídricos, reservas naturais e biodiversidade. Ao valorizar financeiramente a manutenção de áreas que conciliam conservação e produção, governos e iniciativa privada podem contribuir para reverter a lógica da exploração e destruição, criar uma nova fonte de renda para quem produz e conserva e estimular o desenvolvimento de uma economia da floresta em pé.

”O poder que o setor privado tem em mãos pode ser até maior que o de governos nacionais, pois conseguem mobilizar cadeias produtivas que ultrapassam fronteiras.”

Os mercados financeiros também são um ator fundamental. São os gestores de grandes bancos ou fundos de investimentos que decidem onde serão aportados milhões em aplicações. Na Semana do Clima, por exemplo, foi debatido o papel do mercado de investimentos e fundos de pensão ao financiar o crédito agrícola ou a compra e venda de terras, sendo assim peça-chave para o desenvolvimento sem novos desmatamentos e de práticas de baixo carbono. Mais uma vez, a decisão não deve estar atrelada apenas à visão de curto prazo. Recentemente, um grupo de 230 fundos de investimentos responsáveis pela administração de US$ 16 trilhões (valor maior que o PIB da China, de US$ 13 trilhões) emitiram um comunicado em que pediam ao Brasil ações concretas para conter o avanço do desmatamento e das queimadas na região da Floresta Amazônica. Pelo tamanho e alcance do grupo envolvido, é uma atitude considerável. A iniciativa não foi baseada em “bom-mocismo”, mas sim na preocupação deles com os possíveis impactos financeiros e de reputação nas empresas investidas, que poderiam ter dificuldade de acesso a mercados caso se vissem envolvidas com desmatamento em suas cadeias de suprimentos.

O poder que o setor privado tem em mãos pode ser até maior que o de governos nacionais, pois conseguem mobilizar cadeias produtivas que ultrapassam fronteiras. Mas é preciso que esse olhar para investimentos responsáveis seja a prática comum, não uma exceção em momentos de crise aguda. O preço para lidarmos com as mudanças climáticas hoje está dado. Mas, se não aproveitarmos a COP para definirmos como vamos arcar com ele, mais tarde teremos que rever a conta para cima.
Marina Piatto

África,Seca,Água,Mudanças Climáticas,Aquecimento Global,Clima,Blog do Mesquita

Como a mudança climática está deixando os países ricos mais ricos, e os pobres mais pobres

África,Seca,Água,Mudanças Climáticas,Aquecimento Global,Clima,Blog do Mesquita

Nova pesquisa sugere que o aquecimento global aumentou a desigualdade social ao reduzir o crescimento de países de clima quente, como Índia, Brasil e Nigéria, enquanto países desenvolvidos, como Noruega e Suécia, ficaram ainda mais ricos

No último século, a mudança climática aumentou a desigualdade entre as nações, puxando para baixo o crescimento econômico dos países mais pobres e aumentando a prosperidade de alguns dos países mais ricos do planeta, aponta uma nova pesquisa.

O abismo entre as nações mais pobres e as mais ricas do mundo é 25% maior do que seria sem o aquecimento global entre 1961 e 2010, diz um estudo da Universidade de Stanford, na Califórnia.

Países tropicais africanos foram os mais afetados- os Produtos Internos Brutos da Mauritânia e do Níger estão 40% menores do que estariam se as temperaturas não estivessem aumentando progressivamente.

O Brasil, que é nona maior economia do mundo, teria tido um crescimento 25% maior se não houvesse aquecimento global.

gráfico

A Índia- que, segundo o Fundo Monetário Internacional (FMI), se tornará a quinta maior economia do mundo neste ano- atingiu um PIB 31% menor em 2010 por causa do aquecimento global, diz a pesquisa.

Por outro lado, conforme o estudo, publicado na revista acadêmica National Academy of Sciences, o aquecimento global contribuiu para o crescimento do PIB de vários países ricos, inclusive de alguns dos maiores emissores de gases poluentes.

O problema do calor

Um dos autores da pesquisa, Marshal Burke, do Earth System Science, da Universidade de Stanford, passou anos analisando a relação entre temperatura e flutuação econômica em 165 países, entre 1961 e 2010.

O estudo usou mais de 20 modelos climáticos para determinar quanto cada país aqueceu em decorrência do aquecimento global provocado pelos seres humanos. Ele, então, calculou 20 mil versões de qual seria a taxa de crescimento anual dessas nações se não tivesse havido esse aumento na temperatura.

Burke demonstrou que, nos anos que registraram climas mais quentes que a média, o crescimento econômico acelerou nos países mais frios e reduziu, nos mais quentes.

“Os dados históricos mostram claramente que as plantações são mais produtivas, e as pessoas são mais saudáveis e mais produtivas no trabalho quando as temperaturas não são nem tão quentes nem tão frias”, explica.

gráfico

O pesquisador argumenta que países frios se beneficiaram do efeito do aquecimento global ao vislumbrarem alguns anos de temperaturas mais amenas, enquanto os países quentes foram “punidos” com temperaturas mais extremas que o normal.

Noah Diffenbaug, que liderou a pesquisa, disse à BBC News que a temperatura afeta a economia de um país de diferentes maneiras.

“Por exemplo, a agricultura. Países frios têm períodos limitados para germinação, por causa do inverno com temperaturas muito frias. Por outro lado, obtivemos evidências de que a produção agrícola declina acentuadamente em temperaturas muito altas”, diz.

“Da mesma maneira, há evidências de que a capacidade de trabalho decai em temperaturas quentes, assim como a performance cognitiva. E os conflitos interpessoais aumentam em climas quentes também.”

Impacto a longo prazo é ruim para todos

Os pesquisadores dizem que, enquanto há certa incerteza sobre o tamanho dos benefícios obtidos pelos países mais ricos e frios, o impacto do aquecimento global em nações de clima quente não deixa margem para dúvida.

Na realidade, se tivessem considerado o aquecimento global desde o período da Revolução Industrial, os efeitos seriam ainda mais significativos.

“Os achados dessa pesquisa são consistentes com conhecimentos que já tínhamos, como o fato de que as mudanças climáticas agem como multiplicador de ameaças, agravando vulnerabilidades”, afirmou Happy Khambule, consultor do Greenpeace África.

“Isso significa que os mais pobres e vulneráveis estão na linha de frente das mudanças climáticas, e os países em desenvolvimento estão tendo de lidar com temperaturas cada vez mais extremas, que tolhem o seu desenvolvimento.”

Pessoas em meio a enchente em MoçambiqueDireito de imagem REUTERS
Ciclones que atingiram a África nos últimos dois meses deixaram centenas de mortos

A falta de resiliência de Moçambique ficou evidente após o ciclone Kenneth- que provocou mais de 40 mortes- atingir o país em 25 de abril, diz Khambule.

Em março, mais de 900 pessoas morreram em Moçambique, no Malauí e na Zâmbia como consequência do ciclone Idai.

Até a África do Sul, que se beneficia de uma infraestrutura mais sofisticada, sofreu com eventos climáticos extremos, como a crise da seca em 2018 e as recentes enchentes na província de KwaZulu-Natal, afirma Khambule.

“Países africanos têm contribuído muito pouco para a piora do aquecimento global, mas são os que mais estão sofrendo seus impactos.”

Injustiça

De acordo com a pesquisa, entre 1961 e 2010, todos os 18 países com emissões históricas que totalizam menos de 10 toneladas de dióxido de carbono per capita foram impactados negativamente pelo aquecimento global. Eles tiveram, em média, uma redução de 27% no PIB per capita comparado a um cenário sem alta nas temperaturas.

Por outro lado, 14 dos 19 países cujas emissões ultrapassam 300 toneladas de dióxido de carbono per capita se beneficiaram do aquecimento global, tendo um crescimento médio adicional de 13% no PIB.

“Além de não terem compartilhado dos benefícios do consumo de energia, os países pobres se tornaram mais pobres com o consumo de energia pelas nações ricas”, destaca a pesquisa.

Indianos usando computadorDireito de imagem GETTY IMAGES
O aquecimento global prejudicou economias como a da Índia e de vários países da África, diz o estudo

Mas essas descobertas também foram alvo de críticas.

Solomon Hsiang, professor de políticas públicas da Universidade da Califórnia, Berkley, que colaborou com os dois autores da pesquisa no passado, diz que países ricos também foram impactados negativamente pelo aquecimento global.

“Nós detectamos malefícios de efeito retardado em países ricos, por meio do uso de métodos de análise. Portanto, se você olhar para além dos primeiros anos de impacto, você vai perceber o surgimento de danos em países ricos e frios, assim como em países quentes e pobres”, disse.

Também não está claro como o crescimento foi afetado pelas mudanças climáticas em países de latitude média, como Estados Unidos, China e Japão- as três maiores economias do mundo.

“O que se sabe é que, no longo prazo, as mudanças climáticas não beneficiam ninguém. É essencial que os maiores emissores de gases poluentes reduzam urgentemente suas emissões”, diz Khambule.

“Os governantes precisam levar o aquecimento global mais a sério do que fazem hoje e garantir uma rápida transição do uso de combustíveis fósseis para fontes renováveis de energia.”
Pablo Uchoa/BBC

Poluição,Recursos Naturais,Crimes Ambientais,Clima,Aquecimento Global,Ambiente & Ecologia,Brasil,Ecologia,Desmatamento,Amazônia,Blog do Mesquita

A responsabilidade do Brasil no futuro do meio ambiente

Poluição,Recursos Naturais,Crimes Ambientais,Clima,Aquecimento Global,Ambiente & Ecologia,Brasil,Ecologia,Desmatamento,Amazônia,Blog do MesquitaA Floresta Amazônica detém a maior biodiversidade do planeta e precisa ser protegida
Foto deDaniel Beltrá/ Greenpeace

“A natureza não pode ser vista como um mero recurso econômico, mas como uma garantia de vida das futuras gerações”, afirma Nilo D’Ávila, Diretor de Campanhas do Greenpeace Brasil.

“Reduzir o combate ao desmatamento faz com que o Brasil perca competitividade econômica, o que pode inclusive afetar a geração de empregos. Mercados internacionais e consumidores querem garantias de que o nosso produto agrícola não esteja manchado com a destruição florestal”, declara D’Ávila.

Durante sua campanha, Bolsonaro não apresentou propostas para o meio ambiente, mas sim ameaças. Agora que foi eleito presidente, exigimos responsabilidade com a agenda socioambiental. Precisamos agir agora para evitar que a temperatura do planeta suba para além de 1.5 graus. Bolsonaro pode ser um dos últimos presidentes do Brasil que pode agir a tempo de evitar um dano irreversível ao planeta.

Por isso, trabalharemos para proteger a floresta, combater as mudanças climáticas e denunciar retrocessos, nos opondo à perda de direitos e ao enfraquecimento da democracia brasileira.

Ao longo de 26 anos no Brasil, o Greenpeace nunca se furtou a criticar governos e políticos cujos projetos representassem ameaça ao meio ambiente e à população, independente do partido ou da cor da bandeira que defendem. Foi esta nossa linha de conduta nos governos Fernando Henrique, Lula, Dilma, Temer e com Parlamentares dos mais diversos campos.

Greenpeace continuará defendendo o meio ambiente, a paz e a justiça social. Esses são os valores que guiam a organização desde a sua fundação, assim como a independência e a não violência.

História,Catástrofes,Blog do Mesquita

Do aquecimento global a asteroides gigantes, as ameaças à vida humana até o fim do século

História,Catástrofes,Blog do MesquitaGETTY  IMAGES – Não é como se não tivesse acontecido antes…

Os humanos estão destinados a ter o mesmo futuro que os dodôs (aves extintas) ou os dinossauros?

No momento, a raça humana encara perigos potencialmente fatais, incluindo mudanças climáticas, guerra nuclear, uma pandemia e mesmo a possibilidade de o planeta Terra ser atingido por um asteroide gigante.

O filósofo e apresentador de rádio David Edmonds discute esses riscos com especialistas que dedicaram suas vidas profissionais a investigar como podemos mitigá-los e tenta responder à grande questão: os seres humanos vão sobreviver até o fim do século?

O que é um risco existencial?

DodôDireito de imagem GETTY IMAGES
Se as espécies se extinguem desde sempre, por que com os seres humanos seria diferente?

“Um risco existencial é uma ameaça à humanidade ou aos nossos descendentes que em suma os aniquilaria”, diz Anders Sandberg, pesquisador do Instituto do Futuro da Humanidade da Universidade de Oxford.

Até o meio do século 20, pensávamos que vivíamos em um lugar bem seguro, mas isso não é mais o caso.

Os riscos existenciais que ameaçam trazer destruição à humanidade são muitos, e variados.

Asteroides

Asteroides indo em direção à TerraDireito de imagem GETTY IMAGES
Antes dos anos 1980, não achávamos que a Terra estava sujeita a catástrofes de escala global resultantes do choque contra o planeta de corpos rochosos vindos do espaço sideral

Antes de 1980, não achávamos que a Terra estava sujeita a catástrofes de escala global resultantes do choque contra o planeta de corpos rochosos vindos do espaço sideral.

Mas uma dupla de cientistas, pai e filho, Luis e Walter Alvarez, mudaram tudo naquele ano ao publicar sua hipótese de que dinossauros haviam sido mortos por asteroides que bateram na Terra.

A hipótese de Alvarez foi endossada recentemente por um painel internacional de cientistas, após a descoberta de uma cratera gigante na península de Yucatán, no México.

No entanto, dentro da comunidade que pensa sobre riscos existenciais, a chance de o mundo acabar com uma colisão com um asteroide é considerada remota comparada ao risco que nós mesmos estamos criando.

Superpopulação, esgotamento de recursos naturais e mudança climática

Crianças em paisagem de geloDireito de imagem GETTY IMAGES
A pesquisadora Karin Kuhlemann diz que, se a população não parar de crescer, será impossível deter a mudança climática

A pesquisadora da University College London Karin Kuhlemann estuda a relação entre a questão populacional e os riscos representados pelas mudanças climáticas – um assunto que raramente ganha as manchetes.

Assim como o esgotamento dos recursos naturais, é um tema que nos faz sentir mal, então preferimos não pensar sobre ele, reflete a cientista.

Apesar disso, os dois assuntos estão ligados, diz Karin – e a culpa é nossa.

“A mudança climática é uma consequência da superpopulação, assim como o esgotamento dos recursos naturais, e as duas coisas se retroalimentam. Os recursos estão se esgotando e aí usamos mais petróleo para compensar isso, o que piora a mudança climática”, diz a pesquisadora.

Se a população não parar de crescer, será praticamente impossível impedir o avanço das mudanças climáticas.

A destruição da biodiversidade

Uma abelha colhendo polén de uma florDireito de imagem GETTY IMAGES
Os insetos também estão desaparecendo lentamente, assim como algumas espécies de aves que se alimentam de insetos

Estamos vivendo como se a eliminação da vida selvagem fosse apenas “um infortúnio”.

Mas alguns pesquisadores dizem que, até o meio do século, não haverá mais peixes no mar em níveis suficientes para sustentar a pesca comercial. Isso quer dizer que não haverá mais peixe para comprar no mercado.

Os insetos também estão desaparecendo lentamente, assim como algumas espécies de aves – como as que se alimentam de insetos.

Não sabemos o impacto da erradicação da biodiversidade, diz Karin, mas é certo que ela não nos beneficia.

Pandemias

Vírus da gripeDireito de imagem GETTY IMAGES
O vírus da gripe e suas mutações são um desafio constante para os cientistas

Lalitha Sundaram trabalha no Centro de Risco Existencial, na Inglaterra, avaliando riscos biológicos.

Lembrando a Gripe Espanhola, de 1918, ela diz que se estima que a doença tenha matado entre 50 milhões e 100 milhões de pessoas.

A pandemia aconteceu quando houve uma grande onda migratória após a Primeira Guerra (1914-1918) e as pessoas, enviadas de volta para casa após o conflito, passaram a viver em espaços confinados.

É por isso que, apesar de sermos melhores no desenvolvimento de vacinas hoje em dia, a globalização traz alguns perigos.

Durante a época da Gripe Espanhola, as pessoas viajavam de trem ou barco, mas na era da viagem aérea, as doenças podem se espalhar ainda mais rápido, com consequências potencialmente graves.

Ameaças de indivíduos

Em março de 1995, praticante de um culto realizou ataque com gás sarin em Tóquio, matando 12 pessoasDireito de imagem GETTY IMAGES
Em março de 1995, praticante de um culto realizou ataque com gás sarin em Tóquio, matando 12 pessoas

A maior parte dos riscos existenciais criados pelos seres humanos não é intencional.

Mas à medida que a ciência e a tecnologia avançam, nos preocupamos cada vez mais com a possibilidade de ataques propositais catastróficos, como, por exemplo, a criação de um vírus de laboratório usando biologia sintética.

Se houvesse um botão de fim do mundo que pudesse destruir a todos nós, um número preocupante de pessoas escolheria apertá-lo, diz o pesquisador Phil Torres, do Future of Life Institute.

Esses “apertadores de botões” poderiam ser extremistas religiosos que acreditam que foram enviados por Deus para destruir o mundo como uma maneira de salvá-lo, a exemplo do culto japonês Aum Shinrikyo.

No entanto, também corremos o risco do que Phil descreve como “atores idiossincráticos” – pessoas motivadas a provocar a extinção humana por motivos pessoais, como aqueles que cometem ataques armados.

Mas quantos “apertadores de botões” existem por aí? Especialistas estimam que haja cerca de 300 milhões de sociopatas no mundo hoje, muitos dos quais poderiam representar uma ameaça.

Guerra nuclear

Um cogumelo atômico sobre o PacíficoDireito de imagem GETTY IMAGES
Um cogumelo atômico sobre o Pacífico, algo que você certamente não quer ver

Uma guerra nuclear provavelmente não mataria a todos nós, mas os efeitos posteriores, talvez.

Seth Baum, do Global Catastrophic Risk Institute, diz que o incêndio resultante de uma explosão nuclear poderia mandar poeira até para acima das nuvens, na estratosfera.

Essa poeira poderia ficar lá por décadas, bloqueando a luz do sol.

A extinção humana que poderia advir de uma guerra nuclear seria uma combinação da devastação inicial, caos econômico e finalmente efeitos ambientais globais.

Inteligência artificial

Caveira feita com códigosDireito de imagem GETTY IMAGES
É apenas um código binário, mas poderia dar errado?

O risco da inteligência artificial vem em várias formas – o risco de algoritmos autônomos acidentalmente causarem um colapso do mercado de ações global, o que provocaria a implosão da economia, ou a ideia de que nós podemos perder controle sobre as máquinas.

Um cenário que preocupa especialistas é a criação de vídeos “deep fake”, onde imagens de pessoas públicas são manipuladas de modo que pareça que estão dizendo ou fazendo coisas que não fizeram.

Uma pessoa maliciosa poderia falsificar um vídeo no qual um líder mundial ameaça outro, elevando a tensão entre duas potências nucleares.

Essa tecnologia já existe e está ficando cada vez mais difícil de detectar.

Como reduzir os riscos existenciais?

Pessoa com um globo na mãoDireito de imagem GETTY IMAGES/NASA
Há esperança: o futuro não está determinado, há coisas que podemos fazer, se agirmos rapidamente

Afinal, o quão precária é nossa civilização? Bom, depende do risco em questão.

O mais importante é que o futuro não está determinado – há o que se possa fazer para ajudar, e o momento de agir é agora.

Anders Sandberg está estudando como máquinas vão ficar sob o controle humano.

Especialistas planejam como responder se houver um desastre, como uma pandemia.

Outros pesquisadores avaliam como impedir o avanço da mudança climática adicionando poeira à estratosfera, ou como sobreviver a um “inverno nuclear” com uma dieta de cogumelos.

Pra Karin Kuhlemann, a coisa mais importante é reverter o crescimento populacional: “precisamos mudar as normas sociais sobre tamanhos de famílias, deixando de lado a postura de que todos podemos ter vários filhos e consumir o quanto quisermos”, diz ela.

Nesse sentido, todos podemos prevenir uma catástrofe global.

Os seres humanos têm um histórico ruim no que diz respeito a ter uma perspectiva de longo prazo e nossas instituições não são voltadas para os interesses de gerações futuras.

Mas ela diz que se não quisermos que o século 21 seja nosso último, precisamos levar os riscos existenciais mais a sério.

Edifício Mjøstårnet,Arquitetura,Engenharia,Tecnologia,Estrutura 01

Economia; O mundo se rende aos arranha-céus de madeira

Edifício Mjøstårnet,Arquitetura,Engenharia,Tecnologia,Estrutura 01O edifício Mjøstårnet com estrutura de madeira, na cidade de Brumunddal (Norueguesa).

O mundo está disputando uma corrida para construir o edifício de madeira mais alto. Esses arranha-céus sem cimento nem aço tentam despertar consciências. E, sobretudo, ser pioneiros em ultrapassar os limites da madeira como material de construção. A Noruega é um dos países que levou mais longe e mais alto essa pretensão. A cidade de Brumunddal, a 150 quilômetros de Oslo, abriga o arranha-céu de madeira mais alto do mundo, o Mjøstårnet, que começou a ser construído em abril de 2017, e foi inaugurado na semana passada, é um edifício de 85,4 metros de altura que evidencia a possibilidade de construir-se para cima com materiais sustentáveis.

O investidor norueguês Arthur Buchardt está por trás desse ambicioso símbolo verde, que tem 18 andares e abriga um hotel, apartamentos, escritórios, um restaurante e áreas comuns.

Edifício Mjøstårnet,Arquitetura,Engenharia,Tecnologia,Estrutura 04

Há muitos motivos para recorrer à madeira procedente de bosques sustentáveis. “É um recurso renovável que pode ser reutilizado e reciclado, e seu uso contribui para combater o efeito estufa. Também contribui para um clima interno saudável, regula a umidade e a temperatura, tem boas propriedades acústicas e isolantes e também pode ajudar a reduzir o estresse”, afirmam na Moelven, empresa responsável pela instalação da estrutura de madeira do Mjøstårnet. A empresa, com mais de 120 anos de vida, acaba de estabelecer seu segundo recorde mundial, já que o primeiro foi The Tree, que em dezembro de 2015, se tornou o maior arranha-céu do mundo, com 14 andares e 51 metros.

Mjøstårnet não será o mais alto por muito tempo. A concorrência é forte. Na verdade, já deixou para trás o que há alguns dias era líder: Brock Commons, a residência de estudantes da Universidade da Colúmbia Britânica em Vancouver, no Canadá, com 18 andares e 53 metros de altura. Outras cidades tentam já arrebatar o posto da Noruega. Tóquio projeta o edifício W350, que terá 350 metros de altura e 70 andares. Em construção também está o imóvel HoHo, em Viena, com 24 andares, e se projeta outro com 84 em Chicago.

Os avanços tecnológicos fazem da madeira um material tão seguro quanto qualquer outro, mas muito mais limpo, para crescer em altura. “Veremos no futuro qual é o limite da madeira na construção de arranha-céus”, afirma José Antonio González, fundador e presidente da Arquima, especializada na construção modular com estrutura leve de madeira.Edifício Mjøstårnet,Arquitetura,Engenharia,Tecnologia,Estrutura 02

Além da altura, na verdade a mudança climática e os acordos internacionais sobre o clima estão potencializando o uso de materiais que respeitam o meio ambiente. Também “a maior concentração meio-ambiental (a pegada ecológica da madeira é muito menor do que a de outros materiais), a necessidade de economizar energia e a maior preocupação com a saúde no interior dos edifícios”, afirma Pere Linares, responsável pela House Habitat, empresa especializada em construção biopassiva. E, nessa viagem, a madeira tem assento preferencial.

“Terá um papel muito importante nos próximos anos, quando todos os edifícios novos terão de ter consumo energético quase nulo a partir de janeiro de 2021, e quando começarem a ser fiscalizadas as emissões e os edifícios de madeira forem a alternativa para reduzir a pegada de carbono na edificação”, afirma González. Os países nórdicos lideram o mercado, com 98% das moradias construídas com estrutura de madeira. Na Alemanha são cerca de 40%, e nos EUA e Canadá estão em torno de 80%. A Espanha está no fim da fila, com apenas 2%. “Esses dados, longe de serem negativos, significam que há tudo por fazer, que vamos no aproximar da Europa e que cada vez mais será comum ver edifícios de madeira”, argumenta González.Edifício Mjøstårnet,Arquitetura,Engenharia,Tecnologia,Estrutura 02

Em relação à altura, apesar de na Espanha haver projetos que tentam chegar aos nove andares, até o momento o mais elevado tem sete pisos: é o estúdio de arquitetura Ábaton e fica em Madri. Em Barcelona há outro, da cooperativa La Borda, de seis andares, e a House Habitat concluiu outro de cinco no distrito barcelonês de Gràcia. Existe também um projeto ambicioso com 65 moradias protegidas e cinco andares em Hondarribia-Fuenterrabía, a maior construída de madeira na Espanha e no sudoeste europeu, concluída no ano passado. Em apenas três meses foram executados a fundação, a estrutura e o telhado.

Muito mais do que casas

Não se trata apenas de construir casas de madeira. “O principal valor agregado é que fazemos edifícios passivos ou de consumo energético quase nulo, e a madeira nos oferece uma redução importante das emissões de CO2, além da facilidade de manipulação e mecanização para poder industrializar em um nível muito alto, com menor peso, construção a seco, sustentabilidade e saúde”, afirmam na Arquima. Exige muito menos energia no processo de transformação do que o aço ou o cimento. Por exemplo, no edifício de cinco andares que a House Habitat construiu no bairro de Gràcia, as emissões de CO2 da fabricação da estrutura de madeira foram cinco vezes mais baixas do que se tivesse sido feito em cimento, e oito vezes menor do que em aço. A energia para produzir uma viga de madeira laminada é seis vezes a exigida para uma de aço de resistência comparável.

Uma vez construído o edifício, a madeira contribui para a economia de energia por suas qualidades como isolante térmico. Considera-se que uma parede de madeira isola 15 vezes mais do que um muro de cimento, diz Pere Linares. Por fim, pode-se economizar até 90% de energia em relação a um edifício convencional.Edifício Mjøstårnet,Arquitetura,Engenharia,Tecnologia,Estrutura 02

Porém, ao contrário do que pode parecer, o custo de construção com madeira é mais alto do que com cimento, mas a economia de energia é capaz de amortizar o investimento em um prazo de oito a dez anos. A industrialização e o controle dos processos permitem fazer projetos sem desvios de custo ou de prazo. Por exemplo, o edifício de Mjøstårnet foi 2% mais caro do que se fosse feito com cimento. “Mas existe um investimento que não é possível avaliar que é o investimento na saúde dos moradores desse tipo de construção, já que a madeira não aporta elementos tóxicos à construção”, afirmam na House Habitat, que participa do projeto europeu KnoWood, que fomenta o design e a construção de edifícios sustentáveis de madeira de media e grande altura.

Ambiente & Ecologia,Meio Ambiente,Brasil,Amazônia,Desmatamento,Crimes Ambientais

Bacia amazônica perdeu 295 mil Km² da sua cobertura vegetal

Ambiente & Ecologia,Meio Ambiente,Brasil,Amazônia,Desmatamento,Crimes AmbientaisAcima, desmatamento na Reserva Biológica do Gurupi e das Terras Indígenas Caru e Alto Turiaçu, no Maranhão.
Foto: Felipe Werneck/Ibama.

A Bacia Amazônica, que abrange nove países (Bolívia, Brasil, Colômbia, Equador, Guiana, Guiana Francesa, Peru, Suriname e Venezuela), numa área total de 8,41 milhões de quilômetros quadrados (Km²), perdeu 295 mil Km² de floresta entre os anos de 2000 e 2017, o que corresponde mais ou menos ao território do Equador (283 mil Km²) ou da Itália (301 mil Km²).

A coleção, também chamada de MapBiomas Amazônia, é uma nova ferramenta de mapeamento, que torna possível monitorar mudanças de uso do solo nos nove países e acompanhar as pressões sobre suas florestas ou outros tipos de vegetação. Ela é resultado de um trabalho em parceria entre a Rede Amazônica de Informação Socioambiental Georreferenciada (RAISG), um consórcio de organizações da sociedade civil dos países amazônicos voltada para a sustentabilidade socioambiental da região, e a MapBiomas, que reúne universidades, ONGs e empresas de tecnologia para entender as transformações do território brasileiro, por meio do mapeamento anual da cobertura e uso da terra de todo o país.

Segundo a coordenadora técnica do projeto MapBiomas Amazônia, pela RAISG, a pesquisadora Sandra Rios, do Instituto do Bem Comum (IBC) do Peru, os mapas foram feitos pelos membros da rede em cada país. “É algo único”, disse. “O mapeamento não foi centralizado em uma instituição. Cada país gerou seu mapa, com acordos e trabalho em rede.” Eles abarcam toda a bacia e floresta amazônica, desde os Andes passando pela planície amazônica chegando até as transições com Cerrado e Pantanal.

Sandra informou que apesar da perda, a Pan-Amazônia ainda tem 85% de sua área coberta por vegetação natural. Mas a destruição continua. “A área de uso agropecuário cresceu 41% entre 2000 e 2017”, disse. “Ela passou de 734 mil Km² para 1,038 milhão de Km²”. Embora o crescimento da área de agropecuária no Brasil tenha sido ligeiramente menor – 38% – o país é o campeão disparado em território ocupado por essa atividade, tendo passado de 626 mil Km² em 2001 para 867 mil Km², o que representa, neste último ano, 83,5% do total da área utilizada na Pan-Amazônia.

Mapa da Pan-Amazônia. Crédito: MapBiomas.

O Brasil também responde pela maior parte – cerca de dois terços – das perdas florestais (sem contar outras vegetações naturais, como savanas e bosques, por exemplo) da Pan-Amazônia. A floresta na região amazônica do país sofreu uma redução de 203 mil Km² no período mapeado, passando de 3,859 milhões de Km² para 3,656 milhões de Km². É mais ou menos um território correspondente ao do Paraná, que tem 199 mil Km².

Sandra informou que os mapas foram elaborados a partir de imagens de satélites norte-americanos da série Landsat (Land Remote Sensing Satellite), com resolução de 30 metros, e analisadas pixel por pixel. “A principal utilidade do mapeamento é observar ao longo do tempo o comportamento da cobertura de vegetação natural e a dinâmica do uso da terra”, explicou. “Podemos gerar mapas anuais de desmatamento nos biomas e cruzar os dados com outras informações que nos orientem para entender o que se deve fazer e mudar.”

Em texto divulgado à imprensa pelo Observatório do Clima, que integra a rede MapBiomas, Beto Ricardo, coordenador da RAISG, diz que o MapBiomas Amazônia é um passo importante para o objetivo de “construir e promover uma visão integral da Amazônia, considerando aspectos políticos de uma região compartilhada entre nove países, bem como aspectos socioambientais de grande significado: a presença de cerca de 400 povos indígenas, bacias hidrográficas compartilhadas, conectividade entre unidades de conservação, e processos de alteração de uso do solo – desmatamento –, entre outras pressões e ameaças que pairam sobre a maior floresta tropical do planeta”.

No mesmo texto, Tasso Azevedo, coordenador técnico do Observatório do Clima e coordenador geral do MapBiomas, diz que o lançamento da Coleção 1 do MapBiomas Amazônia é uma iniciativa para garantir o mapeamento de toda a América do Sul, com um grau de detalhe espacial e temporal sem precedentes para outros continentes. “Com o lançamento da Coleção 3 do MapBiomas Brasil, a Coleção 1 do MapBiomas Amazônia e a primeira coleção de MapBiomas Chaco, que será apresentada nos próximos meses, vamos cobrir quase 90% do território da América do Sul”, informa. “Esta base de dados é inestimável para a compreensão da dinâmica de uso dos recursos naturais na região além de contribuir para a modelagem climática e o cálculo de emissões e remoções de gases de efeito estufa por mudança e uso solo na região.”

De acordo com o Observatório do Clima, a plataforma MapBiomas Amazônia é de acesso público e interativa, possibilitando a qualquer um a obtenção de figuras e gráficos. “O público em geral pode visualizar mapas da região amazônica, países, áreas protegidas e territórios indígenas”, diz o texto. Para cada país é possível visualizar as informações em diferentes unidades territoriais, como estados e municípios, por exemplo, e por período de ano a ano, ou qualquer outro intervalo de anos (dois, cinco ou outro qualquer).
Via ECO

Saúde-Fauna & Flora-Crimes Ambientais-Agricultura-Ambiente & Ecologia-Alimentos-Blog do Mesquita-Abelhas-Mel-Agro Tóxico-Vida Selvagem

Desaparecimento das abelhas: como evitar?

desaparecimento das abelhas é um fenômeno que pode colocar fim à espécie humana. Isso porque esses pequenos seres polinizam 70% dos nossos alimentos, sendo cruciais para a manutenção da vida humana.

Além de esforços individuais, é preciso realizar ações coletivas para institucionalizar mundialmente a proteção às abelhas, como a proibição de pesticidas nocivos, incentivos à agroecologia e à meliponicultura e apicultura; e outras formas sustentáveis de proteção às abelhas que deverão ser decididas por meio de democracia direta. Mas, individualmente, você pode fazer sua parte com algumas dicas. Entenda:

Abelhas cumprem um papel importante no ecossistema, assim como em nossas vidas. Elas são os agentes polinizadores mais eficientes da natureza, além de serem responsáveis pela reprodução e perpetuação de milhares de espécies vegetais, produzindo alimentos, conservando o meio ambiente e mantendo o equilíbrio dos ecossistemas.

A polinização feita por elas garante a alta produtividade e qualidade dos frutos. Segundo a Organização das Nações Unidas para Alimentação e Agricultura (FAO – na sigla em inglês), 70% das culturas de alimentos depende das abelhas. Mas a eficácia delas não para por aí! Ao transportar o pólen entre as plantas, elas garantem a importante variação genética das espécies para o equilíbrio dos ecossistemas e a reprodução das espécies. Ou seja, sem abelhas, não temos alimentos na mesa (seja vegetal ou animal) e muito menos oxigênio.

Nos últimos anos, os apicultores perceberam a morte massiva de abelhas em apiários, após um grande número de espécies polinizadoras desaparecerem em um fenômeno chamado de “Síndrome de Colapso de Colônias”.

Os culpados? Eles são muitos e nós já falamos de pelo menos um deles. Entre os especialistas parece haver um consenso entre os vilões do desaparecimento das abelhas polonizadoras: pesticidas e o desmatamento. Esse último, por exemplo, traz diversas consequências ruins. Para as abelhas, significa a perda de seu lar e dos frutos que as alimentam, tornando difícil sua sobrevivência. Já o uso de químicos, como pesticidas e agrotóxicos, causa problemas na memória da abelhas, fazendo com que elas se desorientem e percam a habilidade de retornar à colmeia; razão esta que torna impossível para os apicultores encontrarem as abelhasdes aparecidas.

O problema não é somente a morte das abelhas, pois elas não são as únicas polinizadoras, mas sim que o seu desaparecimento iria desencadear uma reação em cadeia no meio ambiente que iria afetar cada ser vivo da natureza.

Tome a produção agrícola no Brasil como exemplo. Colmeias são alugadas para polinizar culturas em fazendas por todo o país. Em 2011, não havia abelhas para polinizar culturas de maçã, pepino, melão e melancia. Por falta de polinização suficiente, os frutos nascerem com sabor e formato adulterado. Houve perda de produção de outros alimentos, como laranja, algodão, soja, abacate e café, segundo David De Jong, professor da Faculdade de Medicina da Universidade de São Paulo, campus de Ribeirão Preto, em entrevista à Revista Planeta.

E o que podemos fazer para amenizar este problema?

A campanha “Sem Abelha, Sem Alimentos”, sugere os seguintes passos para aqueles que interessados em como ajudar as abelhas:

Baixe o aplicativo Bee Alert

O aplicativo Bee Alert é uma plataforma de registro do desaparecimento ou morte de abelhas em apiários para fins científicos.

Consuma produtos orgânicos

Dê preferência aos produtos orgânicos: são mais saudáveis por não conterem agrotóxicos, e não contaminam o meio ambiente em sua produção, além de essa ser uma medida de apoio à produção local orgânica.

Plante árvores e cultive flores, os alimentos das abelhas

Plante em sua casa, nos parques e nos bosques de sua cidade, espécies da flora apícola; flores com pólen e néctar fornecem o alimento natural das abelhas.

As abelhas precisam do néctar e das proteínas presentes no pólen das flores para se manterem vivas e darem origem a novas gerações de abelhas. Elas possuem papel-chave na manutenção dos ecossistemas e por isso contribuir com a existência desses pequenos seres é optar por uma atitude sustentável. Então que tal espalhar flores pelo condomínio, casa, ruas? As abelhas gostam bastante de plantas aromáticas que dão flor, como margaridas, manjericão, orégano, girassol, hortelã, alecrim, dente-de-leão, tomilho, entre outras. Da categoria das árvores, elas gostam de goiabeira, jabuticabeira, abacateiro, lichia etc. Elas também necessitam de um item essencial: a água. Mas, nesse último caso, cuidado com o mosquito da dengue, faça a troca diária da água. Cuidado também com a aplicação de inseticidas (mesmo os naturais) e algumas espécies de árvores nocivas a abelhas, como a árvore de neem, pois os inseticidas e algumas árvores podem reduzir significativamente as populações de abelhas.

Cultive abelhas sem ferrão

Cultive uma colmeia de abelhas nativas sem ferrão em seu jardim – um movimento cada vez mais universal, e de ampla recomendação para os amantes da natureza.

O Brasil possui mais de três mil espécies de abelhas, sendo sua maioria de abelhasnativas sem ferrão. Espécies como a jataí, iraí, jandaira ou mandaçaia, entre outras, são abelhas dóceis e que podem fazer parte de seu jardim. Só assim podemos admirar e preservar estes maravilhosos polinizadores.

Para saber mais sobre como criar sua colmeia em casa, confira a To-Bee ou a BeeHive.

Não utilize pesticidas

Não utilize pesticidas que sejam tóxicos às abelhas, particularmente os sistêmicos (neonicotinoides); dê preferência ao controle biológico de pragas.

Claro que essas ações individuais têm abrangência pequena se comparadas às necessárias ações governamentais e de indústrias, mas contribuem para evitar maiores danos.