FARCs: até o PSDB pede a intervenção de Lula

Ora, ora, ora! Quando eu penso que já vi e ouvi de tudo, os caciques que batem o bumbo nas tabas dos Tupiniquins, sempre surpreendem. Na maioria das vezes, pra pior. Em outras, o oportunismo ou simplesmente o interesse eleitoreiro chega às raias do surrealismo.
O Editor


Agora todos querem que Lula vá conversar com Chávez

Há pelo menos oito anos nossa mídia calhorda, em perfeita sintonia com os interesses estratégicos dos Estados Unidos, tenta demonizar Hugo Chávez.
Até certo ponto conseguiu, sendo certo que o presidente venezuelano é realmente uma figura difícil.
Mas não é só isso: durante este mesmo período jornalistas brasileiros pouco confiáveis e tucanos idiotizados por um neoliberalismo desvairado criticaram a amizade de Lula com o líder bolivariano.[ad#Retangulo – Anuncios – Direita]

O PSDB , pela voz de seus principais líderes, inclusive José Serra, tentaram torpedear o ingresso da Venezuela no MERCOSUL, ignorando a noção elementar de que este tratado de livre comércio é indissociável da UNASUL (União Sulamericana), assim como o Mercado Comum Europeu é indissociável e foi o embrião da União Européia.

Pois agora, a mídia e os tucanos, inclusive o senador Eduardo Azeredo, presidente da Comissão das Relações Exteriores do Senado, um dos maiores adversários do ingresso de Caracas no MERCOSUL, exigem que Lula se utiliza da amizade com Chávez para evitar um conflito com a Colômbia.

No mais, é preciso esclarecer que os gestos agressivos, tanto de Uribe quanto de Chávez,são apenas isto, gestos para o público interno.

E é a segunda vez que isto acontece em menos de 24 meses. Álvaro Uribe resolve endurecer, quando faltam dez dias para que ele deixe o poder.

E Chávez encontrou um bom pretexto para, ao lado de Maradona, melhorar sua posição nas eleições legislativas que se aproximam.

Assim, o rompimento de relações entre os dois países pode ser considerado uma farsa.

Por: Francisco Barreira
blog FatosNovos Novas Ideias

Álvaro Uribe. O caudilho disfarçado

Nada como um dia atrás do outro! E do outro também!

Em busca de manobras para garantir um imoral terceiro mandato – a exemplo dos maluquetes caribenhos – Álvaro Uribe é o Cháves da vez!

Vamos aguardar furibundos pronunciamentos de tucanos e democratas da tribuna do senado, condenando o então ‘estadista’ colombiano.

Ou não?

Será que o grande chefe da tribo acima do Rio Grande, o midiático Obama, vai continuar considerando o Uribe um Cháves bonzinho?

Ou não?

Argh!

Uribe. Um Cháves a menos

Com uma decisão sensata o Congresso da Colômbia rejeitou a segunda reeleição de Uribe. A praga do chavismo se alastra pela sofrida latinoamérica, já infelicitada por séculos de caudilhismo ladravaz. Os mais solertes protótipos de ditadores se escudam por trás de aparente respeito ao jogo democrático. Contudo, dormita em cada um desses pulhas, a vontade cubana de perpetuação no poder.

É preciso estar ‘atento e forte’, como na música “Divino Maravilhoso” de Gilberto Gil.

Projeto aprovado autoriza referendo sobre o tema, mas para 2014. Governo colombiano quer mudar texto no Senado.

A Câmara dos Deputados da Colômbia rejeitou ontem a possibilidade de segunda reeleição do presidente Álvaro Uribe em 2010, ao aprovar um projeto de lei que autoriza um referendo sobre segundas reeleições, mas somente a partir de 2014. O referendo também decidirá se Uribe poderá concorrer às eleições de 2014 após ficar quatro anos afastado do poder.

O projeto só foi aprovado depois que o governo, em um decreto de última hora na noite de terça-feira, convocou sessão extra do Parlamento para aquela madrugada, quando obteve os votos necessários. A estratégia do governo tem uma justificativa: o projeto que veta a segunda reeleição agora vai para o Senado, onde alguns dos defensores mais fiéis de Uribe tentarão modificar o texto para abrir uma porta para a reeleição em 2010. Se fosse arquivado, as chances do presidente seriam nulas.

– Um presidente com 70% de popularidade, apoiado por milhões de assinaturas pedindo sua reeleição, não pode ser subestimado. O núcleo de seus simpatizantes vai continuar procurando os canais que lhe permitam a reeleição em 2010 – disse o analista político Mauricio Romero, da Universidade Javeriana, em Bogotá

do O Globo

Lula é líder ibero-americano mais bem avaliado

Presidente lidera lista que inclui 16 nomes avaliados por 20 mil pessoas em 18 países.

O presidente Luiz Inácio Lula da Silva recebeu pela primeira vez a melhor avaliação entre líderes da região ibero-americana em pesquisa realizada pela ONG chilena Latinobarómetro.

O levantamento foi realizado com base em 20.204 entrevistas realizadas em 18 países latino-americanos entre os dias 1º de setembro e 11 de outubro.

Além de Lula, foram avaliados outros nove presidentes sul-americanos, o cubano Fidel Castro, o americano George W. Bush, o mexicano Felipe Calderón, o nicaragüense Daniel Ortega e os espanhóis José Luis Rodríguez Zapatero e o rei Juan Carlos.

No ranking elaborado pela entidade, Lula ultrapassou os dois espanhóis: o rei Juan Carlos ficou em segundo lugar e o primeiro-ministro Zapatero, que tinha empatado com Lula em anos anteriores, caiu para a terceira posição.

Segundo a pesquisa, em uma escala de notas que vai de zero a dez, de “muito mal” a “muito bem”, Lula recebeu 5,9 na pesquisa. No ano passado, ele tinha 5,6, a mesma avaliação de 2006. Em 2005, tinha recebido a nota 5,8.

Com a avaliação que recebeu dos entrevistados, Lula superou todos os presidentes sul-americanos avaliados no levantamento, incluindo a chilena Michelle Bachelet (4ª), o paraguaio Fernando Lugo (5º) e o colombiano Álvaro Uribe (6º).

O nome do presidente da Bolívia, Evo Morales, aparece em décimo lugar, seguido pela argentina Cristina Kirchner (11ª) e pelo venezuelano Hugo Chávez (13º).

da BBC

Lula é o mais popular na América Latina

Pois é! Entre o apedeuta e o führer das Caraíbas a pesquisa apontou para o chefe dos Tupiniquins.

O tempora o mores!

Coluna Claudio Humberto

Lula é o mais popular na AL. Chávez, em último
O presidente Lula é o governante mais popular da América Latina, segundo pesquisa do Barômetro Ibero-Americano de Governabilidade 2008, publicada hoje no jornal colombiano El Tiempo.

O biruta-mor da Venezuela, Hugo Chávez, é o mais impopular, com 26% de aprovação. Lula tem a melhor imagem internacional: 53,8%, seguido da presidente do Chile Michele Bachelet e do mexicano Felipe Calderón. O presidente Álvaro Uribe lidera a lista de aceitação interna, com aprovação de 85% na Colômbia, enquanto Lula tem 67%.

Fernando Lugo. Posse, mostra nova face da América Latina?

“O poder corrompe e o poder absoluto corrompe absolutamente”.
Lord Acton¹

Um migrante nordestino, um índio que é a cara do seu povo, a filha de um político morto numa ditadura, um bispo dos pobres…
Sei não. Esta turma não chegaria ao poder se a elite colonizada não permitisse e se o grande irmão do norte não estivesse com intenções outras. Esse filme já passou.

De Eliane Cantanhêde:
Folha de São Paulo

Lula, Hugo Chávez, Evo Morales, Rafael Correa, Michelle Bachelet, Tabaré Vázquez e mesmo a ainda indefinida Cristina Kirchner, juntos, são a imagem e a certeza de que algo está mudando, aliás mudado, na América do Sul. E é justo incluir nessa onda de renovação Alvaro Uribe e Alan Garcia, apesar de desgarrados “direitistas” e refratários a reuniões, cúpulas e até à posse do mais novo integrante da turma, o ex-bispo católico Fernando Lugo, que jamais vestiu um terno e usa sandálias, para “seguir o caminho da humildade”, seja lá o que isso signifique…

Goste-se mais de um, menos de outro, a foto dessa gente é infinitamente melhor do que as do baú sul-americano: Alfredo Stroessner, Augusto Pinochet, Costa e Silva. E mesmo outras mais recentes: Carlos Menem, Alberto Fujimori.

Um migrante nordestino, um índio que é a cara do seu povo, a filha de um político morto numa ditadura, agora esse “bispo dos pobres” que sonha transformar o Paraguai num país mais desenvolvido, menos corrupto e mais justo. Muito se evoluiu dos Stroessner até agora, e o Brasil é um dos melhores exemplos, passando por processos, em vez de viver rupturas.

Certos vícios, porém, não mudaram tanto, basta ver as “surpresas” do PT no poder, comprovando a regra de que a política corrompe e deforma e de que, invariavelmente, as boas intenções sucumbem à prática política, ao “sistema”.

¹John Emerich Edward Dalberg
* Nápoles, Itália – 1834 d.C
+ Tegernsee, Alemanha – 1902 d.C
Lorde Acton, uma das maiores personalidades inglesas do século XIX. Liberal católico, Acton foi professor de história moderna em Cambridge. A frase “o poder corrompe e o poder absoluto corrompe absolutamente” consta de correspondência que ele enviou ao bispo Mandell Creighton, em 1887.

>> Biografia de Lorde Acton

Ingrid Betancourt. Metamorfose milagrosa

Olhe essa.
Conforme escrevi em post anterior, não sou só eu que estranha a saudável aparência da ex-prisioneira das Farc.

A história ainda vai explicar essa estória.

De Hélio Fernandes – Tribuna da Imprensa

PS – Transformação mesmo foi a de Ingrid Betancourt. Em 2006 os vídeos mostravam uma mulher abatida e desesperançada. Agora, desceu do avião em plena forma, com as sobrancelhas aparadas e muito bem penteada. Há mais de 1 ano, o filho dizia que ela “duraria poucas horas, têm que SOLTÁ-LA ou ENTERRÁ-LA”.

PS 2 – Agora, suas primeiras palavras, políticas e eleitorais: “Uribe merece o TERCEIRO MANDATO. Não sei se serei candidata”. E todas aquelas doenças que haviam atacado Ingrid Betancourt, desapareceram? Se foi milagre devem comunicar ao papa. Se foi algum remédio maravilhoso, o certo é dividir a fórmula com as multidões que estão aplaudindo.

Álvaro Uribe. Mais um de olho num terceiro mandato

Após o rocambolesco resgate de Ingrid Betancourt — aliás, esperemos que a história explique direitinho essa estória. Não impressiona o ar de quem acabou de sair de um spa para quem passou 6 anos prisioneira na selva? — agora, é a vez do presidente colombiano sonhar com um terceiro mandato.

O relativismo da mídia, também espanta. Quando o maluquete das Caraíbas, Hugo Cháves, tentou um terceiro mandato, o mundo democrático desabou sobre o protótipo de ditador. Agora, manifesta a possibilidade de Álvaro Uribe, guindado ao panteão dos heróis andinos, almejar um inconstitucional terceiro mandato, poucos os jornalistas que abordam o assunto. Exceção, até agora, a jornalista Eliane Catanhêde na Folha de S.Paulo.

Los hermanos
De Eliane Cantanhêde:

O venezuelano Hugo Chávez acaba de fazer elogios públicos ao colombiano Álvaro Uribe, a quem chamou de “irmão”. Irmãos eles não são; são frente e verso. Tão diferentes, tão parecidos. Chávez, pró-Cuba, anti-Washington, interlocutor das Farc. Uribe, pró-Washington, anti-Cuba, o presidente que entra para a história por aniquilar as Farc moral, política e militarmente.

Chávez, esfuziante, ocupa as páginas internacionais, enquanto racha a sociedade venezuelana ao meio. Uribe é o oposto: opaco, tem espaços modestos na mídia e isolou-se ao apostar todas as fichas nos EUA e violar o território do Equador contra as Farc. Mas, se Chávez divide, ele uniu a Colômbia como nunca se viu.

Derrotado por unanimidade na OEA (Organização dos Estados Americanos) pela ousada operação no Equador, Uribe teve uma reação de “bom cabrito não berra”: calmo, conformado. Hoje se sabe por quê: a invasão foi um risco calculado. A perda externa seria fartamente compensada internamente. Como foi. Chegou a mais de 80% de aprovação e, com o resgate de Ingrid Betancourt, pode chegar aos 90%.

O mundo inteiro, e as Américas em particular, rechaçaram a tentativa (afinal malsucedida) de Chávez de se eternizar no poder. Mas já pipocam apoios aos esforços do vizinho Uribe para mudar mais uma vez a Constituição e desfrutar um terceiro mandato.

Chávez não podia, Uribe pode. E os princípios democráticos? A alternância de poder? Apliquem-se a um, deixem o outro em paz?

Terceiro mandato. A reeleição de Lula tá se formando na Colômbia de Uribe por conta do Tio Sam

Nem só de Cháves vive a ameaça à democracia na, quase sempre, caudilhesca e infelicitada América Latina.

Agora, sob as bençãos do grande chefe do norte, a politicalha colombiana prepara um golpe constitucional para dar ao Presidente Uribe um terceiro mandato.

Na enxurrada de demo-dólares na Colômbia, quem escapa do demo-tráfico de Uribe cai no narco-tráfico da guerrilha.
Do blog do Campello

Se Lula quiser a reeleição poderá ter o voto de mais três Senadores para mudar a Constituição.

Pelos discursos de apoio à política do Presidente Álvaro Uribe, mamulengo dos Estados Unidos, na Colômbia , e também pelos discursos de apoio de à “Democracia” instalada de cima para baixo naquele país, certamente Heráclito Fortes, do PFL do Piauí, José Agripino Maia, do PFL do Rio Grande do Norte e Arthur Virgílio Neto, do PSDB do Amazonas, votarão com a Emenda Constitucional que permite a reeleição infinita.

Com orientação e apoio total do Governo Bush, que impõe (?) a “Democracia Americana” na Colômbia, a Assembléia Nacional daquele país se prepara para alterar a Constituição e conceder um 3º mandato a Uribe. Álvaro Uribe teve suas duas primeiras eleições sob suspeita de fraude, com vitórias apertadas. Mas nossos Senadores atestam que ele é um democrata, e que o regime daquele país é uma democracia. Terceiro mandato portanto é democracia. Por coerência de princípios deverão apoiar também, aqui, no Brasil, essa novidade “democrática”.

Em tempo. O Senador José Sarney, PMDB do Amapá, aquele que luta para ter um Maranhão bem grande só para sí, também faz discursos inflamados em favor de Uribe e diz que 3º mandato só não presta se for para Hugo Chavez, da Venezuela. Na Colômbia pode.