Uruguay,Peru,Corrupção,Presidentes

Uruguai rejeita pedido de asilo de ex-presidente do Peru acusado de corrupção

Uruguay,Peru,Corrupção,Presidentes

Ex-presidente Alan García fez o pedido a Montevidéu alegando perseguição política – Flickr

Em coletiva de imprensa, o mandatário uruguaio anunciou que a negação do pedido foi embasada em considerações jurídicas e afirmou que o caso “não é perseguição política”

O presidente do Uruguai, Tabaré Vázquez, rejeitou nesta segunda-feira (03/12) o pedido de asilo político feito por Alan García, ex-presidente do Peru, acusado de receber propina da empreiteira Odebrecht.

García fez o pedido a Montevidéu alegando perseguição política e estava na embaixada do Uruguai em Lima desde 17 de setembro, com um amparo provisório enquanto o caso era estudado.

Em coletiva de imprensa, o mandatário uruguaio anunciou que a negação do pedido foi embasada em considerações jurídicas e afirmou que o caso “não é perseguição política”.

“No Peru funcionam de forma autônoma e livre os três poderes do Estado e especialmente o poder Judiciário que conduz as investigações de eventuais delitos econômicos do ex-presidente do Peru”, disse Vázquez.

Segundo a agência Efe, o embaixador do Uruguai no Peru, Carlos Barros, afirmou que “o Uruguai não concedeu o asilo ao ex-presidente Alan García, ele já saiu desta residência, todo o resto está por conta dos governos. Voltemos à paz”.

No sábado, García foi proibido de sair do Peru por determinação judicial pelo prazo de 18 meses.

Uma das investigações que pesam contra o ex-presidente é de que ele teria recebido 100 mil dólares da empreiteira Odebrecht, pagos como propina em troca da licitação para construção da Linha 1 do metrô de Lima.

Após o anúncio de Vázques, o presidente do Peru, Martín Vizcarra, escreveu em sua conta no Twitter que ninguém possui privilégios no Peru e destacou que “nossa democracia garante a independência dos poderes”.

Segundo a agência de notícias peruana Andina, Vizcarra se comunicou com o presidente uruguaio e garantiu “a independência dos poderes” e a continuidade das investigações.

Fernando Lugo. Posse, mostra nova face da América Latina?

“O poder corrompe e o poder absoluto corrompe absolutamente”.
Lord Acton¹

Um migrante nordestino, um índio que é a cara do seu povo, a filha de um político morto numa ditadura, um bispo dos pobres…
Sei não. Esta turma não chegaria ao poder se a elite colonizada não permitisse e se o grande irmão do norte não estivesse com intenções outras. Esse filme já passou.

De Eliane Cantanhêde:
Folha de São Paulo

Lula, Hugo Chávez, Evo Morales, Rafael Correa, Michelle Bachelet, Tabaré Vázquez e mesmo a ainda indefinida Cristina Kirchner, juntos, são a imagem e a certeza de que algo está mudando, aliás mudado, na América do Sul. E é justo incluir nessa onda de renovação Alvaro Uribe e Alan Garcia, apesar de desgarrados “direitistas” e refratários a reuniões, cúpulas e até à posse do mais novo integrante da turma, o ex-bispo católico Fernando Lugo, que jamais vestiu um terno e usa sandálias, para “seguir o caminho da humildade”, seja lá o que isso signifique…

Goste-se mais de um, menos de outro, a foto dessa gente é infinitamente melhor do que as do baú sul-americano: Alfredo Stroessner, Augusto Pinochet, Costa e Silva. E mesmo outras mais recentes: Carlos Menem, Alberto Fujimori.

Um migrante nordestino, um índio que é a cara do seu povo, a filha de um político morto numa ditadura, agora esse “bispo dos pobres” que sonha transformar o Paraguai num país mais desenvolvido, menos corrupto e mais justo. Muito se evoluiu dos Stroessner até agora, e o Brasil é um dos melhores exemplos, passando por processos, em vez de viver rupturas.

Certos vícios, porém, não mudaram tanto, basta ver as “surpresas” do PT no poder, comprovando a regra de que a política corrompe e deforma e de que, invariavelmente, as boas intenções sucumbem à prática política, ao “sistema”.

¹John Emerich Edward Dalberg
* Nápoles, Itália – 1834 d.C
+ Tegernsee, Alemanha – 1902 d.C
Lorde Acton, uma das maiores personalidades inglesas do século XIX. Liberal católico, Acton foi professor de história moderna em Cambridge. A frase “o poder corrompe e o poder absoluto corrompe absolutamente” consta de correspondência que ele enviou ao bispo Mandell Creighton, em 1887.

>> Biografia de Lorde Acton