Espionagem dos EUA e do Reino Unido rastreia aplicativos de smartphones

Tecnologia Ciber Segurança Blog do MesquitaDocumentos secretos da inteligência britânica revelam que a Agência Nacional de Segurança (NSA, da sigla em inglês) americana e a GCHQ, sua equivalente no Reino Unido, conseguem rastrear dados de usuários de aplicativos de smartphones.

Entre as informações que podem ser coletadas estão desde modelo e tamanho da tela do telefone até localização, idade e gênero do usuário, segundo documentos vazados pelo ex-técnico da NSA Edward Snowden ao “New York Times”, ao “Guardian” e à agência “ProPublica”.

Não está claro quando Snowden, asilado na Rússia, divulgou os novos papéis.

A Casa Branca não falou sobre o tema nesta segunda-feira. À noite, porém, o Departamento de Justiça anunciou que permitirá às empresas de tecnologia divulgar casos em que o governo as obrigou a fornecer informações dos usuários.

[ad#Retangulo – Anuncios – Esquerda]Essa foi uma das mudanças na NSA anunciadas pelo presidente Barack Obama no último dia 17, junto com a limitação da coleta de dados telefônicos pela agência a suspeitos e seus interlocutores.

FOTOS DE CELULAR

Um dos relatórios britânicos sobre rastreamento de smartphones, de 2012, afirma que é possível vasculhar aplicativos que mapeiam detalhes pessoais, como “alinhamento político” de um usuário ou sua orientação sexual.

Os papéis não deixam claro a quantidade de dados coletada e armazenada pelas agências, quantos usuários teriam sido afetados ou se o monitoramento –classificado de “rotina”– extrapola as fronteiras dos dois países.

Aplicativos mais antigos seriam os mais rastreados, mas as duas agências teriam a mesma capacidade sobre alguns mais recentes, como o jogo infantil “Angry Birds”.

Os governos americano e britânico estariam desenvolvendo desde 2007 modos de buscar e armazenar dados a partir de dezenas de aplicativos. Desde então, NSA e GCHQ colaboram entre si para rastrear a localização e informações sobre o planejamento de alvos que usem o Google Maps em seu smartphone.

Elas ainda têm acesso a listas de contato, registros de telefone e até dados geográficos em fotos postadas, pelo celular, nos aplicativos do Facebook, do Flickr, do LinkedIn e do Twitter, entre outros.

Em um slide de maio de 2010, a NSA sugere ter atingido o “cenário perfeito” para a espionagem: “Ter como alvo uma foto postada num site de mídia social por meio de um aparelho móvel. Que informações podemos obter?”.

A informação gerada por cada aplicativo é escolhida por seus criadores. Algumas delas, porém, já não configuram só os metadados (informações sobre o envio da mensagem), mas sim o conteúdo da comunicação. Os EUA alegam que a espionagem da NSA só abrange metadados.
Isabel Fleck/Folha S.Paulo

Espionagem: NSA coletou milhões de listas de contatos de e-mails pessoais

Tecnologia Ciber Segurança Blog do MesquitaVigilância e privacidade

A agência de Segurança Nacional dos Estados Unidos (NSA, em sua sigla em inglês) coletou milhões de listas de contatos de e-mails pessoais e mensagens instantâneas em todo o mundo – incluindo de americanos – em seu esforço para encontrar ligações com o terrorismo ou outra atividade criminal.

As informações inéditas foram divulgadas nesta segunda-feira pelo jornal “Washington Post”.

Vazados pelo ex-técnico da NSA Edward Snowden, os números foram confirmadas por oficiais de inteligência dos EUA.

E-mails dos servidores Yahoo, Gmail, Facebook e Hotmail vêm sendo rastreados continuamente, além de cerca de meio milhão de listas de serviços de chat.

Durante um único dia do ano passado, o sistema recolheu 444.743 e-mails de listas de contatos do Yahoo, 105.068 do Hotmail, 82.857 do Facebook e 33.697 do Gmail, além de 22.881 endereços a partir de outros provedores não especificados, de acordo com uma apresentação interna da NSA.

[ad#Retangulo – Anuncios – Esquerda]Além disso,segundo o relatório, a agência americana recolhe diariamente contatos de cerca de 500 mil pessoas de listas de amigos em serviços de bate-papo, bem como de mensagens privadas.

Apesar dos números, um porta-voz do governo informou que a agência de inteligência não tem interesse em informações pessoais de americanos comuns.

O programa de coleta, que ainda não havia sido divulgado, intercepta e-mails e listas de amigos de serviços de mensagens instantâneas através de links de dados globais.

Serviços on-line muitas vezes transmitem os contatos quando um usuário acessa sua conta pessoal, escreve uma mensagem ou sincroniza um computador ou dispositivo móvel com as informações armazenadas em servidores remotos.

Mas, ao invés de serem direcionadas a usuários individuais, as informações são coletadas pela NSA, que vem reunindo listas de contatos em números que equivalem a uma fração considerável da população mundial.

A análise desses dados permite que a agência possa buscar conexões ocultas e relacionamentos dentro de um universo muito menor, incluindo estrangeiros.

A coleta depende de acordos secretos com companhias estrangeiras de telecomunicações ou serviços de inteligência que direcionam o tráfego ao longo das principais rotas de dados da Internet.
Observatório da Imprensa/O Globo