Tecnologia – 5G

5G, a tecnologia que mudará nossa rotina e nosso bolso.

Os avanços do 5G em um stand do MWC 2017 de Barcelona
Os avanços do 5G em um stand do MWC 2017 de Barcelona J. LAGO AFP/GETTY

Nova geração da telefonia celular terá um grande impacto sobre o crescimento econômico.Quando as empresas de telecomunicações ainda não completaram a instalação do sistema 4G em todo o seu território, acaba sendo complicado ter uma ideia de que em breve nossos celulares funcionarão de forma mais rápida e eficiente graças ao 5G, a quinta geração da telefonia móvel.[ad name=”Retangulo – Anuncios – Duplo”]

No mundo todo, teve início uma corrida – por enquanto liderada por países asiáticos e os EUA – pela primazia no uso dessa tecnologia, a qual, pela primeira vez, revolucionará não só as comunicações, mas também o entorno tecnológico como um todo e até os sistemas de produção. É que o 5G não irá mudar apenas o cotidiano de milhões de usuários, e as implicações econômicas para as empresas ainda são difíceis de avaliar.

A seguir, algumas explicações sobre o que é o 5G, seu estado de desenvolvimento atual e suas consequências econômicas:

O que é o 5G? O 5G, ou quinta geração, é o novo padrão de banda larga sem fio que proporcionará maiores velocidades, cobertura e recursos que o atual LTE-4G.

Que velocidade alcançará? As conexões 5G serão 100 vezes mais rápidas (embora em laboratórios sejam obtidas velocidades até 250 vezes superiores), com velocidades médias de 20 Gbps (gigabits por segundo). Isso significa que o download será mais rápido inclusive que as atuais redes fixas de fibra óptica. Um filme de 1GB, por exemplo, poderá ser baixado em menos de 10 segundos.

Que é latência, e por que é fundamental? Mais que a velocidade de upload e download, a principal melhora introduzida com o 5G é a redução da latência. Trata-se do tempo de resposta de um aparelho entre receber o sinal e executar uma ordem. Quanto mais baixa, mais rápida será a reação do aparelho que acionemos à distância, seja um carro autoguiado ou uma videoconferência. No 4G, esse delay é de 10 milissegundos; o 5G o reduz a um milissegundo.

Por que o 5G é importante para a Internet das coisas? Graças à redução da latência, será possível aprimorar a chamada Internet das Coisas (IoT, pela sigla em inglês), um mundo no qual tudo, e não apenas celulares e computadores, estarão conectados – isso inclui carros, eletrodomésticos e aparelhos vestíveis. Atualmente, há sete bilhões de dispositivos conectados à Internet. A previsão para 2025, com a IoT generalizada, é de 100 bilhões de aparelhos conectados, segundo a Huawei.

E os carros autônomos? Se há algo para que o 5G é fundamental é para que os carros autônomos funcionem com segurança, porque cada veículo desses precisará processar vários terabytes de dados por dia. Diversos sensores (câmeras, sistemas Lidar e radares) recebem permanentemente informação sobre o entorno que cerca o veículo e precisam processá-la e reagir em questão de milissegundos, seja para esquivar um pedestre que atravessa a rua no lugar errado ou reconhecer uma placa de “pare” ou semáforo.

Que outras vantagens o 5G oferece sobre a rede atual? O 5G permite aproveitar com mais eficiência a banda de frequências e multiplicar por 100 o número de dispositivos conectados. Também reduz em 90% de consumo de energia da rede, permitindo que as baterias de aparelhos como alarmes e sensores durem até 10 anos.

Quais são os países mais avançados? Em geral, os países mais avançados da Ásia, como Coreia do Sul, Japão e Cingapura, e os Estados Unidos estão muito à frente dos europeus. A operadora coreana KT Telecom espera lançar a primeira oferta comercial 5G do mundo em 2018, depois de testá-la nos Jogos Olímpicos de Inverno da cidade de Pyeongchang. As norte-americanas AT&T e Verizon farão testes-piloto pré-comerciais no final de 2018, e as japonesas NTT DoCoMo e KDD esperam usar os Jogos Olímpicos de Tóquio em 2020 como plataforma de lançamento. Um relatório da consultora Juniper Research estima que o número de conexões 5G deve chegar a 1 bilhão em 2025, um terço delas nos Estados Unidos, e 55% nos Estados Unidos, China e Japão.

5G no Brasil – De acordo com o ministério da Ciência e Tecnologia, o País firmou um acordo com a União Europeia, os Estados Unidos, a Coreia do Sul, o Japão e a China para participar das tomadas de decisão sobre o funcionamento da tecnologia 5G no mundo, desde a pesquisa até a padronização e a implementação da plataforma. O prazo para que os usuários brasileiros usufruam desta tecnologia, no entanto, é longo. Em entrevista à Reuters, o presidente da Anatel, Juarez Quadros, afirmou que os leilões de licitação para que a tecnologia seja operada acontecerão após 2020.

Que setores produtivos terão maiores avanços? O 5G será uma tecnologia fundamental para a digitalização industrial ao gerar e fomentar casos de uso como fabricação robotizada e inteligente, jogos e entretenimento imersivos, direção autônoma, cirurgia remota, vídeo de ultra-alta definição (UHD), automatização de processos industriais, segundo a Ericsson e a Huawei, os principais desenvolvedores de redes 5G.

Qual será o impacto sobre a riqueza e o emprego? A Comissão Europeia estima que a instalação do 5G implicará um investimento de 56 bilhões de euros em 2020, que terá um impacto de 141 bilhões de euros sobre a criação de riqueza, além de criar 2,3 milhões de empregos. Nos Estados Unidos, a instalação do 5G nas smart cities poderia criar até 3 milhões de empregos e aumentar o PIB em 500 bilhões de dólares.
ElPais

Tecnologia – WiFi em ônibus na Irlanda é grátis

Na Irlanda o ônibus é Wi-Fi. E de graça
Tecnologia,Irlanda,Internet,Dublin,WiFi
Dublin: Wi-Fi de graça nos ônibus

A Irlanda está virando um benchmark na oferta de conexão sem fio dentro dos ônibus.

Cada vez mais companhias estão instalando o sistema para os passageiros – e sem cobrar nada.

[ad name=”Retangulo – Anuncios – Esquerda”]O sinal chega ao ônibus por 4G (algumas empresas usam cartões de duas operadoras para garantir) e é distribuído por um roteador.

Uma matéria do The Post.IE mostra o que anda acontecendo por lá.

Segundo a reportagem, a maior empresa de ônibus privada no país, a JJ Kavanagh & Sons, já oferece Wi-Fi em toda a sua frota.

E os concorrentes estão se mexendo.

A Mattews Coaches, por exemplo, tem Wi-Fi em 23 dos seus ônibus. Em dois meses, o sistema foi usado 5.160 vezes, por 1.154 pessoas.

Em média, as conexões têm velocidade nominal de 3,6 Mbps (algumas são de 7,2 Mbps).

Na prática, a velocidade fica entre 1 e 2 Mbps. Segundo o The Post.IE a ideia é que cada roteador suporte 10 usuários, cerca de 10% da capacidade do ônibus.

Crédito da foto: Flickr / féileacán

4G só funcionará bem com mais antenas

Segundo Erasmo Rojas, diretor da 4G Americas, tecnologia será bem mais eficiente que o 3G

Erasmo Rojas, diretor da 4G Americas
Erasmo Rojas, diretor da 4G Americas

A tecnologia 4G começou a ser oferecida neste ano por todas as operadoras brasileiras.

Apesar das promessas das teles de muita velocidade e qualidade com o novo serviço, o consumidor está ressabiado: afinal de contas, o 3G até hoje falha bastante no Brasil.

Em conversa com a INFO, Erasmo Rojas, diretor da 4G Americas, entidade que cuida dos interesses da tecnologia, explica que a tecnologia será bem mais eficiente que o 3G.

Mas que para isso acontecer, operadoras e governo não devem cometer os erros feitos durante a implementação do 3G e criar logo a “lei das antenas”.

O 3G nunca funcionou bem no Brasil, mesmo em capitais. O 4G também terá o mesmo destino?

Primeiro é preciso separar as coisas: o 4G é uma rede só para troca de dados enquanto o 3G mistura transmissão de dados com voz.

Por ser dedicada apenas ao acesso à internet, o 4G vai funcionar melhor e será mais rápido, até porque é uma tecnologia mais nova.

O 3G brasileiro teve problemas porque as operadoras não conseguiram implementar a quantidade necessária de antenas para o serviço ter qualidade, pois esbarram em leis que proíbem a instalação de novas torres. Então, já sabemos: o 4G só vai funcionar bem se mais antenas forem espalhadas pela cidade.

A Anatel e outras entidades, no entanto, provam que não foi só a falta de antenas. As operadoras também erraram ao saturar as redes com tantos clientes…
Claro. Eu acredito que houve um erro estratégico em oferecer o 3G por meio de modem. Muita gente comprou esse dispositivo e o usava como um ponto de banda larga no computador de casa.

Isso acabou causando uma lentidão acima do normal na infraestrutura das operadoras, montada apenas para suportar smartphones e celulares.

As operadoras, quando perceberam a falha, investiram, modificaram as redes, diminuíram as vendas de modem e até modernizaram a rede com o HSPA+ (uma espécie de evolução do 3G). Tudo isso tem melhorado a qualidade do 3G brasileiro.
Fabiano Candido, de 


[ad#Retangulo – Anuncios – Duplo]

Apple anuncia novo iPad com tela de alta definição e internet 4G

Terceira geração do tablet chega aos Estados Unidos no próximo dia 16.
Também foi anunciada atualização no iOS e a nova Apple TV.

Tim Cook apresenta o novo iPad (Foto: Paul Sakuma/AP)

A Apple anunciou nesta quarta-feira (7) o novo iPad em evento na cidade de San Francisco, nos Estados Unidos. Na terceira geração, o tablet passa a contar com tela de alta definição e internet 4G (quarta geração), por meio da tecnologia LTE. Mas a empresa avisa que todos os novos iPads estarão preparados para funcionar em redes 3G, o que é uma boa notícia aos brasileiros, que ainda não têm à sua disposição uma rede 4G consolidada.[ad#Retangulo – Anuncios – Direita]

O aparelho, que não será de chamado de iPad 3, como era esperado, mas apenas de iPad, vai começar a ser vendido nos EUA e em outros 9 países no próximo dia 16. Outros 26 receberão o tablet em 23 de março, mas o Brasil não está na lista – ainda não foi anunciado quando o novo tablet chega ao país.

Preço do iPad 2 cai
Nos EUA, os preços do novo iPad serão os mesmos do atual: US$ 500 pela versão de 16 GB; a 32 GB sai por US$ 600 e 64 GB, por US$ 700. Com 4G, os valores serão de US$ 630, US$ 730 e US$ 830, respectivamente. No encontro com a imprensa, a Apple mostrou o novo iPad funcionando com as redes 4G da Verizon e da AT&T, duas operadoras norte-americanas. Por enquanto, o iPad 2 continuará a ser vendido e será US$ 100 mais barato nos EUA, diz a Apple. No Brasil, após o anúncio, o preço baixou em R$ 250, partindo de R$ 1.400, na loja on-line da empresa.

O tablet agora também poderá ser usado como um hotspot, um ponto a partir do qual será possível criar uma rede Wi-Fi. Isso se a operadora permitir o processo, afirmou presidente-executivo da Apple, Tim Cook, que conduziu a apresentação. “A performance do novo iPad é maravilhosa e você vai amar usá-lo nessas redes de alta velocidade.”

Mais pesado e mais grosso
A aparência do iPad não muda, mas ele tem espessura maior (9,4 mm) do que o iPad 2 (8,8 mm), contrariando expectativas de que ficaria mais fino ainda. Altura e largura não mudaram. O tablet também ficou mais pesado: ganhou 51g na configuração com Wi-Fi e 49g para a que tem Wi-Fi e 3G ou 4G.

Resolução da tela
A tela passa a ter resolução de 2048 x 1536, com 3,1 milhões de pixels, segundo a Apple. De acordo com a empresa, trata-se do maior número em relação a outros dispositivos móveis. Em comparação, o iPad 2 tinha tela de resolução de 1024 x 768.
A tela do novo iPad tem o nome de Retina Display, que apresenta imagens com mais definição do que o modelo antecessor. “De muitas maneiras, o iPad está reinventando a computação portátil e está ultrapassando as nossas expectativas.”
As cores e a saturação das imagens são 40% melhores do que no iPad 2, diz a companhia. O novo iPad usa o processador Apple A5X com quatro núcleos. Esperava-se que fosse anunciado o chip Apple A6, uma nova geração que seria mais potente.

O vice-presidente da Apple Phil Schiller mostra as novas funções do iPad (Foto: Robert Galbraith/Reuters)

Câmera melhor
A câmera traseira do tablet passa agora a ter resolução máxima de 5 megapixels, além de sensor de iluminação e filtro infravermelho. A nova câmera também faz gravações em Full HD (1080p), traz um detector de rostos em fotos paradas e possui um estabilizador de vídeos, que deixa as imagens menos tremidas. A câmera frontal continua usando a tecnologia VGA.

Uso da voz para escrever
O aparelho terá suporte para que os usuários possam ditar textos em vez de escrever. Isso poderá ser feito para os idiomas inglês (americano, britânico e australiano), francês, alemão e japonês.

Duração da bateria
Segundo a Apple, a bateria continuará durando 10 horas com Wi-Fi, mas aguentará até 9 h usando a rede 4G – a do iPad 2 dura duas horas com navegação em 3G.

Aplicativos
A apresentação contou com demonstração de aplicativos e games que fazem uso do processador mais rápido, de quatro núcleos, e da tela de alta definição – alguns desenvolvedores tiveram acesso anterior ao aparelho. A produtora Namco apresentou uma versão do jogo de confrontos aéreos Ace Combat.

A Autodesk mostrou um aplicativo para desenhar no tablet com a ponta dos dedos, podendo criar imagens de até 100 megapixels. A Epic Games apresentou uma nova edição do título “Infinity Blade”, que traz gráficos ainda mais realistas ao iPad.

A série de aplicativos iWorks será atualizada para o novo aparelho. Cada programa custa US$ 10, mas quem comprou os programas anteriormente poderá atualizá-los de graça, segundo a empresa. O Garage Band, programa de criação de músicas, foi atualizado e as canções poderão ser enviadas para o iCloud.

Outra novidade é a chegada do iPhoto, para guardar e editar fotos do usuário. As fotos são armazenadas no iCloud e podem ser trocadas entre os aparelhos. O iPhoto para iPad suporta imagens com até 19 megapixels e elas podem ser compartilhadas por e-mail, Flickr e Twitter.

Praticamente todos os recursos do iPhoto no Mac, como correção de cores, saturação, correção de olho vermelho e outros ajustes, estão na versão do programa para o iPad. O usuário poderá usar os dedos para ajustar suas fotos. O programa sairá por US$ 5 e também poderá ser usado no iPhone.

iOS e Apple TV
Na primeira parte do evento, Cook anunciou uma nova versão do iOS, o sistema usado no iPad, no iPhone e no iPod touch. Chamada de 5.1, ela será disponibilizada ainda nesta quarta (7) aos usuários – por volta das 16h, o G1 tentou fazer a atualização do sistema e ainda não era possível.

Além disso, foi anunciada a nova Apple TV. O novo aparelho fará uso de uma integração com o iCloud e permitirá o streaming de filmes em definição Full HD (1080p). A nova TV terá uma interface diferente, facilitando o acesso dos usuários. Entretanto, ela ainda é bastante diferente dos sistemas com iOS. O preço é US$ 100.

Vendas na ‘era pós-PC’
“Estamos falando de um mundo onde o computador não está mais no centro do mundo digital. Os dispositivos que você mais usa precisam ser mais portáteis e drasticamente mais fáceis de usar do que nunca”, afirmou Cook no evento. Segundo ele, 76% do lucro da Apple vem dos produtos que diz fazerem parte da categoria “pós-PC”: o iPod, o iPad e o iPhone.

Uma pesquisa divulgada na última terça (6) pela consultoria americana Forrester Research conclui que o iPad tem 73% de participação no mercado de tablets e que nenhuma outra marca alcançou fatia maior que 6%.

Histórico
O iPad foi lançado em 27 de janeiro de 2010 por Steve Jobs e ajudou na escalada para a Apple se tornar a maior empresa de tecnologia do mundo. Na época, foi chamado de prancheta digital. Jobs qualificou o aparelho, que unia computador, videogame, tocador de música e vídeo e leitor de livro digital, de “mágico” e “revolucionário”.

O tablet chegou às lojas dos EUA custando a partir de US$ 500, preço conservado até hoje para a versão mais simples do iPad 2. No Brasil, o aparelho começou a ser vendido em dezembro de 2010. A segunda versão foi anunciada pela Apple em março de 2011, quando Jobs, então em uma licença médica, surpreendeu a todos ao subir ao palco para apresentar o aparelho. Em outubro do mesmo ano, ele morreu após sua longa luta contra o câncer.

G1 

Tópicos do dia – 02/03/2012

08:13:17
Eliana Calmon critica os ‘juízes vagabundos’, mas não entra no mérito da vagabundagem na política

Indomável, em plena Comissão de Constituição e Justiça do Senado, a corregedora-nacional de Justiça, ministra Eliana Calmon, afirmou que é preciso expor as mazelas do Judiciário e punir juízes “vagabundos” para proteger os magistrados honestos que, ela ressaltou, são a maioria.

“Faço isso em prol da magistratura séria e decente e que não pode ser confundida com meia dúzia de vagabundos que estão infiltrados na magistratura”, disse na sessão da Comissão, que discutia a proposta de emenda constitucional que amplia e reforça os poderes correcionais do CNJ.

Educadamente, a ministra não se referiu à vagabundagem que assola a classe política (salvo as sempre citadas raras e honrosas exceções). Como não foi perguntada a respeito, a corregedora-chefe não fez comparações entre os três podres poderes (royalties para Caetano Veloso, como diz o Helio Fernandes).

Como se sabe, no ano passado, declarações da ministra de que a magistratura brasileira enfrentava “gravíssimos problemas de infiltração de bandidos, escondidos atrás da toga” geraram uma crise entre o Judiciário e o CNJ. Na ocasião, Eliana Calmon defendia o poder de o órgão investigar magistrados suspeitos de irregularidades. A crise até hoje perdura, embora o Supremo já tenha reconhecido determinados poderes do Conselho.

Na terça-feira, falando aos senadores, a ministra afirmou ser necessário retomar a investigação que começou a ser feita no ano passado nos tribunais de Justiça para coibir pagamentos elevados e suspeitos a desembargadores e servidores.

A investigação iniciada pelo CNJ no tribunal de Justiça de São Paulo e que seria estendida a outros 21 tribunais foi interrompida por uma liminar concedida no último dia do ano judiciário pelo ministro do Supremo Tribunal Federal (STF) Ricardo Lewandowski. O processo hoje está sob relatoria do ministro Luiz Fux e não há prazo para que seja julgado.
Carlos Newton/Tribuna da Imprensa

10:16:55
Eleições. Aviso do Editor
Por favor, não me peçam apoio ou qualquer participação em eventos, e quaisquer tipos de manisfestações a favor, inclusive compartilhamentos – Facebook, Twitter, blogs, etc. –  em qualquer tipo de postagem referente a candidatura de quaisquer candidatos, de quaisquer partidos, a quaisquer cargos. Eu não voto. Só o farei quando:
1. For feita uma reforma política n o Brasil. Quer dizer, nunca!
2. For abolida a obrigatoriedade do voto, que é, a meu sentir, uma violência à democracia. Quer dizer, nunca!
3. For implantado o regime parlamentarista. Quer dizer, nunca!
4. For impantado o voto distrital. Quer dizer, nunca!

10:21:26
Ministro, ui!, Crivella, um multiplicador de peixes?
O Crivella – mais que um nome e uma rima, uma analogia mordaz – sobrinho do acionista da empresa Igreja Universal S/A irá mutiplicar os cargos para os peixões contumazes.
Aliás, o perigo não são os peixes, e sim os gatos.

10:22:01
Tirica. Prefeito do paulistério?
Agora, qual a diferença entre eleger Maluf, Collor, Calheiros, Sarney, Zé Dirceu… e Tiririca? Não mudará nada. O circo continuará sob o controle do sistema, que colocará no picadeiro o que for mais conveniente para o momento.
Ou alguém acredita que Lula foi eleito pela vontade do povo? Há, há, há!
Minha opinião, aliás, sintetizada em um “post” acima, é que a possível correção dessas distorções passa por uma reforma política – voto distrital, parlamentarismo… – que acredito, nunca virá, pois não interessa ao sistema vigente, implantado desde a revolução Francesa, quando Clero e Nobreza foram substituídos pelo capítal, sofismaticamente nominados de revolucionários. Jacobinos e demais membros da laia inclusos.

10:48:53
Deu no jornal:
“PSC entra na briga para tirar Trabalho do PDT”
Só pode ser gozação. Desde quando essa corja trabalha?

13:09:31
Empresa lança modem 4G para tablets com Windows 8
A empresa belga Option anunciou recentemente a produção de um módulo de modem 4G compatível com aparelhos móveis como tablets e notebooks.
O módulo possui o mesmo tamanho de modens 3G que atualmente equipam estes dispotivos móveis, segundo a Option. Ainda de acordo com a fabricante, o módulo possui ampla compatibilidade e suporte ao Windows 8, lançado nesta semana e desenvolvido especialmente para PCs e tablets.
Este módulo permitirá que os dispositivos móveis naveguem na internet em locais com cobertura de rede 4G. No Brasil, a única empresa que comercializa este serviço é a SKY.
Por Rafael Ferrer, de INFO Online


[ad#Retangulo – Anuncios – Duplo]

Internet móvel: o que muda com os tablets

Logo na entrada da Logo na entrada da Consumer Eletronics Show (CES), em Las Vegas, um anúncio clamava: “4G for the people” (4G para o povo). Faz sentido. A rede de internet móvel, até dez vezes mais rápida do que o 3G, é uma das estrelas desta edição da feira. A possibilidade de estar conectado em qualquer lugar em alta velocidade abre um novo paradigma no mercado de eletrônicos: é preciso ter máquina para aproveitar essa rede de todos os lugares.

Que essa edição da CES é a dos tablets, ninguém duvida. Praticamente todas as grandes empresas lançaram seus rivais contra o iPad. Além da Samsung, que lançou seu Galaxy Tab no final de 2010, Motorola, LG, Asus, e Toshiba – só para citar algumas – apresentaram os seus dispositivos portáteis de acesso à rede com telas touchscreen. Mas não são os tablets que vão mudar o futuro digital. Vai além.

Daqui para frente, pouco vai importar o formato do aparelho pelo qual você se conecta. Pode ser um celular, um notebook ou um tablet com teclado acoplado. O importante é estar conectado para aproveitar tudo o que a banda larga sem fio (ou, como aqui nos EUA, o 4G) oferece – e que o aparelho tenha um bom processador para aproveitar isso.

Eis outro trunfo da CES 2011: os super smartphones. Eles são equipados com Android 2.2, vêm com tela maior do que 4 polegadas, tem câmeras traseira e frontal para videochamadas e filmam em full HD. Mas o que os difere de seus antecessores é seu coração: o processador de núcleo duplo.

É o que permite a realização de múltiplas tarefas – como ver e-mails, assistir a um vídeo no YouTube e, claro, realizar chamadas – sem sobrecarregar o sistema. Com tudo isso, quem precisa de desktop ou laptop? A Motorola, por exemplo, quer “mudar a maneira como as pessoas se relacionam com seus telefones”.

Para isso apresentou o Atrix 4G, smartphone que tem todas as características dos telefones top de linha, mas que ainda inclui um tal “dock laptop”. O celular vai conectado na parte traseira do dock e usa a tela, o teclado e o mouse para se transformar em um computador. Basta acoplar um no outro e tudo o que está no celular é rearranjado para a tela de 11,6’’ do dock. O aplicativo do Firefox torna possível abrir varias abas ao mesmo tempo e navegar normalmente. Alguém precisa de netbook?

Falando neles, não se vê muitos netbooks e notebooks por aqui. Claro que Sony, Samsung, Acer, todas têm os seus devidamente expostos. Mas os aparelhos já não têm o mesmo espaço de antes, e nem atraem tanto os olhares dos visitantes da feira.

Já os tablets, esses sim, estão por todos os lados e fazem os presentes se acotovelarem para experimentá-los. Mesmo as marcas chinesas mais genéricas já têm os seus. Equipados com Android, eles cumprem com relativa eficiência – mesmo que, em muitos casos, a tela touchscreen deixe a desejar – a função de acessar a internet, assistir a vídeos e ler livros na tela do aparelho.

E o 4G está no ar. E, com ele, os tablets que o suportam também estão ficando mais poderosos para garantir a melhor experiência possível de conexão em qualquer lugar.

A carta na manga do Google. Outra atração da feira também aposta nos tablets e veio do Google – mas não é um aparelho, e sim, a nova versão de seu sistema operacional para dispositivos móveis, o Android. A nova versão, batizada HoneyComb, promete ser uma das principais tendências de 2011. Ela foi desenvolvida especialmente para tablets, e melhora a experiência do usuário em telas maiores. Permite a visualização de funções diferentes na mesma tela, e a visualização de fotos, vídeos no YouTube e a navegação na internet é facilitada – não há mais a impressão de que o aparelho é um celular com a tela maior. Mas um aparelho realmente novo.

E no Brasil? O Xoom, tablet da Motorola, deve chegar ao país logo após o lançamento nos EUA. Foi o único que teve anúncio voltado para nós. Para desfrutar de suas qualidades, no entanto, temos que esperar a rede 4G no Brasil, promessa para 2013 (!). Mas, quando ela vier, prepare-se: as coisas vão mudar. E vão ficar muito mais divertidas.

Internet móvel, até dez vezes mais rápida do que o 3G, é uma das estrelas desta edição da feira. A possibilidade de estar conectado em qualquer lugar em alta velocidade abre um novo paradigma no mercado de eletrônicos: é preciso ter máquina para aproveitar essa rede de todos os lugares.

Tatiana de Mello Dias/Estadão