Arquivo

Dante Alighieri – Versos na tarde – 09/06/2016

Soneto Dante Alighieri¹ Tão discreta e gentil se me afigura ao saudar, quando passa, a minha amada, que a língua não consegue dizer nada e a fitá-la, o olhar não se aventura. Ela se vai, sentindo-se louvada, envolta de modéstia nobre e pura. Parece que do céu essa criatura para atestar milagre foi baixada. Ao que a contempla infunde tal prazer, pelos olhos transmite tal dulçor, que só quem prova pode compreender. E assim, parece, o seu semblante inspira um delicado espírito de amor que vai dizendo ao coração: Suspira! ¹Dante Alighieri * Florença, Itália – 1265 d.C + Ravena, Itália – 1321 d.C [ad#Retangulo – Anuncios – Duplo]

Leia mais »

Ada Negri – Versos na tarde – 22/01/2016

Aquele Que Passa Ada Negri¹ O desconhecido que passa e te acha ainda digna de uma fugidia palavra de desejo, Talvez porque na sombra da noite tão doce de Maio Ainda resplendem teus olhos, ainda tem vinte anos a ligeira figura deslizante, Não sabe que foste amada, por aquele que amaste amada, em plena e soberba delícia de amor, E em ti não há membro nem ponta de carne ou átomo de alma que não tenha uma marca de amor. Que tu viveste apenas para amar aquele que te amava, E nem que quisesses podias arrancar de ti essa veste que o amor teceu. Ele, ignaro, em ti já não bela, em ti já não jovem, saúda a graça do deus: Respira, passando, em ti já não bela, em ti já não jovem, o aroma precioso do deus: Só porque o levas contigo, doce relíquia à sombra de um sacrário. ¹Ada Negri * Lodi, Milão, Itália – 3 de Fevereiro de 1870 a.C + Milão, Itália – 11 de Janeiro de 1945 d.C [ad#Retangulo – Anuncios – Duplo]

Leia mais »