Site dos EUA é alvo de ataque vindo da China

Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin

GitHub, plataforma para programadores, enfrenta cinco dias de investidas. Ataque de negação parte do navegador Baidu, o maior do país asiático.

Usuário usa o iPhone 4 durante conferência de inovação tecnológica em Pequim para fazer busca no site chinês Baidu (Foto: Jason Lee/Reuters)
Usuário usa o iPhone 4 para fazer busca no site chinês Baidu (Foto: Jason Lee/Reuters)

O GitHub, um popular site norte-americano para programadores, completou nesta segunda-feira (30) o quinto dia sob um ataque para tentar tirar a plataforma do ar. A onda de tráfego que tenta derrubar o serviço parte do navegador chinês Baidu, informou o jornal “The Wall Street Journal”.

Para os especialistas ouvidos pela publicação, a ação é uma tentativa do governo da China de tirar do ar ferramentas que minem sua estratégia de censurar a internet no país. O ataque enfrentado pelo GitHub é o DDoS (Ataque de negação de serviço), em que um serviço online recebe tantas solicitações de acesso que não consegue responder a todas e acaba caindo.[ad name=”Retangulo – Anuncios – Direita”]

O início do golpe foi percebido pelo sistema de status do próprio GitHub, que, na quinta-feira (26), tuitou: “Nós identificamos e mitigamos um ataque DDoS que estava impactando nosso serviço. O serviço está se recuperando e nós estamos monitorando a situação”. As investidas continuaram até, pelo menos, a madrugada desta segunda.

Segundo o “WSJ”, os alvos da ação eram duas páginas na plataforma, que hospedava duas páginas banidas na China. Uma delas é “Greatfire.org”, que aponta quais serviços são banidos pelo governo Chinês e indicam técnicas para burlar a censura. A outra é uma cópia do site do jornal “The New York Times” em chinês.

“Baseado nos relatórios que recebemos, nós acreditamos que a intenção desse ataque é nos convencer a remover uma classe específica de conteúdo”, informou o GitHub, na sexta (27). Para a empresa, o ataque empregava “algumas técnicas sofisticadas que usavam o navegador na web de pessoas não envolvidas e que não desconfiavam para inundar ‘github.com’ com altos níveis de tráfego”.

O Baidu informou ao “WSJ” não estar envolvido nem que seus sistemas foram invadidos. “Depois de uma inspeção cuidadosa pelos engenheiros de segurança do Baidu, nós descartamos a possibilidade de problemas de segurança ou de ataques de hackers aos nossos produtos”.

Em comunicado enviado ao G1, a representação brasileira do Baidu informa que realizou inspeções para detectar se os serviços da empresa foram invadidos, o que não aconteceu.

“O Baidu solicitou a seu time de engenharia que verificasse se, eventualmente, qualquer ferramenta ou software da empresa foi usado, por terceiros, para praticar acessos simultâneos ao site GitHub. Após minuciosa inspeção feita por um time de dezenas de engenheiros, nenhuma ocorrência foi encontrada.  A empresa informa, ainda, que está em contato com organizações de segurança cibernética para colaborar com a solução de qualquer anormalidade no acesso a sites internacionais dentro da internet chinesa”, diz o Baidu, em comunicado.

A suspeita de que, na verdade, as autoridades chinesas é que estão por trás do golpe foi levantada por especialistas. Segundo Mikko Hyponen, chefe de pesquisa da F-Secure, hackers chineses não poderiam manipular grandes volumes de tráfego pela infraestrutura da web do país sem a anuência ou o envolvimento do aparato governamental, notadamente a Administração do Ciberespaço da China. “Tinha que ser alguém com a habilidade de adulterar todo o tráfego de internet vindo da China”, disse.
G1

José Mesquita

José Mesquita

Pintor, escultor, gravador e "designer". Bacharel em administração e bacharel em Direito. Pós-graduado em Direito Constitucional. Participou de mais de 150 exposições, individuais e coletivas, no Brasil e no exterior. Criador e primeiro curador do Prêmio CDL de Artes Plásticas da Câmara de Dirigentes Lojista de Fortaleza e do Parque das Esculturas em Fortaleza. Foi membro da comissão de seleção e premiação do Salão Norman Rockwell de Desenho e Gravura do Ibeu Art Gallery em Fortaleza, membro da comissão de seleção e premiação do Salão Zé Pinto de Esculturas da Fundação Cultural de Fortaleza, membro da comissão e seleção do Salão de Abril em Fortaleza. É verbete no Dicionário Brasileiro de Artes Plásticas e no Dicionário Oboé de Artes Plásticas do Ceará. Possui obras em coleções particulares e espaços públicos no Brasil e no exterior. É diretor de criação da Creativemida, empresa cearense desenvolvedora de portais para a internet e computação gráfica multimídia. Foi piloto comercial, diretor técnico e instrutor de vôo do Aero Clube do Ceará. É membro da National American Photoshop Professional Association, Usa. É membro honorário da Academia Fortalezense de Letras.

Gostou? Deixe um comentário

José Mesquita

Pintor, escultor, gravador e “designer”.

Bacharel em administração e bacharelando em Direito.

Participou de mais de 150 exposições, individuais e coletivas, no Brasil e no exterior.

Mais artigos

Siga-me