Nelson Mota – Reflexões na tarde – 02/01/2015


Simpáticos, cordiais e canalhas
Nelson Mota

Cuidado com os simpáticos e cordiais, sempre advirto minhas filhas, e mais ainda com os bajuladores e paparicadores: são condições básicas necessárias para o exercício da canalhice. Claro, se além de canalha o cara é antipático, grosso, mal-educado, fica bem mais difícil encontrar vítimas para suas canalhices. Poderá ser apenas um bandido óbvio. Canalhas não, eles podem ser vistos até como pessoas “respeitáveis”, podem ser muito queridos pela família, pelos amigos e aliados, que se beneficiam das suas canalhices, sem passar vergonha na rua, na escola e no trabalho. É o canalha gente boa.

Nada contra a simpatia ou a cordialidade, pelo contrário, com elas a vida e a convivência se tornam muito mais agradáveis, civilizadas e produtivas, e me esforço diariamente para usá-las como um estilo de vida. Não uma arma.

Assim como o psicanalista Hélio Pellegrino dizia que a inteligência voltada para o mal é pior do que a burrice, a simpatia e a cordialidade, quando usadas para o exercício da canalhice, são piores do que a secura e a dureza no trato. É o estilo preferido dos políticos brasileiros, dos grandes ladrões públicos, dos oligarcas que enriquecem com a política, mas não abrem mão de uma aura de respeitabilidade e prestígio — que lhes permite continuar nas canalhices.

São pessoas aparentemente doces e carinhosas, paizões e vovôzinhos, que defendem o clã em qualquer circunstância. São generosos e tolerantes com familiares, amigos e agregados, mas sempre com dinheiro público. São contadores de causos pitorescos, gostam de citar provérbios populares de suas regiões, aparentam simplicidade interiorana, mas são raposas urbanas vorazes e vaidosas. Espertos, bem informados e maledicentes, são fontes disputadas por jornalistas, que em troca os poupam de maiores criticas. Católicos fervorosos, mantêm laços estreitos com o candomblé, mas jamais o admitem.

Eles são muitos, estão no Senado, na Câmara, em altos cargos da administração pública, estão todos ricos, poderosos e impunes. Em Brasília, os que os conhecem pessoalmente confirmam que são simpáticos e cordiais. Embora canalhas.


Você leu?: Francisco Carvalho – Discurso da Ira



[ad name=”Retangulo – Anuncios – Duplo”]

Postado na categoria: Literatura - Palavras chave: ,

Leia também:

René Descartes - Filosofia
René Descartes - Filosofia

Permanecerei obstinadamente apegado a esse pensamento Filosofia,Literatuta

November 9, 2019, 8:00 pm
Konstantinos Kaváfis - À Espera dos Bárbaros - Poesia
Konstantinos Kaváfis - À Espera dos Bárbaros - Poesia

O que esperamos na ágora reunidos?

October 20, 2019, 6:36 pm
Bretch - Aos que virão depois de nós - Poesia
Bretch - Aos que virão depois de nós - Poesia

Eu vivo em tempos sombrios.

November 8, 2019, 8:36 pm
Victor Hugo - Literatura
Victor Hugo - Literatura

O hipócrita é um paciente na dupla acepção da palavra

November 1, 2019, 6:16 pm
Simone de Beauvoir - O tempo é irrealizável - Filosofia
Simone de Beauvoir - O tempo é irrealizável - Filosofia

Pense para que não pensem por você.

November 8, 2019, 8:30 pm
Conceição Evaristo - A noite não adormece nos olhos das mulheres - Poesia
Conceição Evaristo - A noite não adormece nos olhos das mulheres - Poesia

a lua fêmea, semelhante nossa...

November 7, 2019, 2:30 pm