Shakespeare – Versos na tarde – 20/04/2017


Soneto I
Shakespeare¹

Dentre os mais belos seres que desejamos enaltecer,
Jamais venha a rosa da beleza a fenecer,
Porém mais madura com o tempo desfaleça,
Seu suave herdeiro ostentará a sua lembrança;

Mas tu, contrito aos teus olhos claros,
Alimenta a chama de tua luz com teu próprio alento,
Atraindo a fome onde grassa a abundância;
Tu, teu próprio inimigo, és cruel demais para contigo.

Tu, que hoje és o esplendor do mundo,
Que em galhardia anuncia a primavera,
Em teu botão enterraste a tua alegria,

E, caro bugre, assim te desperdiças rindo.
Tem dó do mundo, ou sê seu glutão –
Devora o que cabe a ele, junto a ti e à tua tumba.

¹William Shakespeare
* Stratford-Avon, Inglaterra – 23 de Abril de 1564
+ Londres, Inglaterra – 23 de Abril de 1616

Biografia


Você leu?: Thomas de Aquino – O livre-arbítrio


Postado na categoria: Literatura - Palavras chave: , , , , , ,

Leia também:

J.G de Araujo Jorge - Pressentimento
J.G de Araujo Jorge - Pressentimento

Pressentimento J.G de Araujo Jorge O fim do nosso amor pressenti – na agonia das tuas próprias cartas, rápidas, pequenas… – se nem tantas, com carinho imenso te escrevia tão...

August 1, 2019, 5:00 pm
Ricardo Rodrigues - Convicções no peito
Ricardo Rodrigues - Convicções no peito

As convicções são como brasas

August 5, 2019, 8:22 pm
Fernanda de Castro - Solidão
Fernanda de Castro - Solidão

A multidão em volta

July 29, 2019, 4:12 pm
Hannah Arendt - O valor da obra de arte
Hannah Arendt - O valor da obra de arte

O Valor da Obra de Arte A fonte imediata da obra de arte é a capacidade humana de pensar, da mesma forma que a «propensão para a troca e o...

August 10, 2019, 6:15 pm
Raynaldo Valinho Alvarez - Poesia
Raynaldo Valinho Alvarez - Poesia

A Essência não se Perde

August 8, 2019, 8:05 pm
Carl Sandburg - Poesia
Carl Sandburg - Poesia

Poema Carl Sandburg Quero-te como as raízes secas desejam a chuva no verão como o vento deseja as folhas do chão e perdoa dizer tudo isto tão depressa.

August 3, 2019, 3:39 pm