Shakespeare – Soneto I

Mas tu, contrito aos teus olhos claros


Soneto I
Shakespeare

Dentre os mais belos seres que desejamos enaltecer,
Jamais venha a rosa da beleza a fenecer,
Porém mais madura com o tempo desfaleça,
Seu suave herdeiro ostentará a sua lembrança;

Mas tu, contrito aos teus olhos claros,
Alimenta a chama de tua luz com teu próprio alento,
Atraindo a fome onde grassa a abundância;
Tu, teu próprio inimigo, és cruel demais para contigo.

Tu, que hoje és o esplendor do mundo,
Que em galhardia anuncia a primavera,
Em teu botão enterraste a tua alegria,

E, caro bugre, assim te desperdiças rindo.
Tem dó do mundo, ou sê seu glutão –
Devora o que cabe a ele, junto a ti e à tua tumba.


Você leu?: Schopenhauer – Boa e má literatura


Postado na categoria: Literatura, Poesia - Palavras chave: ,

Leia também:

Salman Rushdie - Frase do dia
Salman Rushdie - Frase do dia

“Vivemos na cultura da ignorância agressiva” Salman Rushdie

September 19, 2019, 10:12 am
Artur da Távola - Soneto inascido
Artur da Távola - Soneto inascido

O poema viceja no oculto

September 18, 2019, 7:45 pm
Nietzsche - Conhecimento sem paixão seria castrar a inteligência
Nietzsche - Conhecimento sem paixão seria castrar a inteligência

Como investigadores do conhecimento, não sejamos ingratos

September 4, 2019, 6:55 pm
Carlos Drummond de Andrade - Viver
Carlos Drummond de Andrade - Viver

Isso, ou menos que isso...

September 4, 2019, 1:07 pm
Neide Archanjo - Já não há cíclopes
Neide Archanjo - Já não há cíclopes

...nem criaturas dormindo de olho aberto

September 19, 2019, 8:00 pm
Frase do dia
Frase do dia

Quando você ama

August 29, 2019, 6:54 pm