• mqt_for@hotmail.com
  • Brasil

Shakespeare a 17 mãos

Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin
Autoria mista em peças de Shakespeare?

‘Big data’ revela autoria mista em peças de ShakespeareBlog do Mesquita,Literatura,Teatro,Shakespeare

O célebre dramaturgo inglês recebeu ajuda para escrever 17 peças, inclusive de seu suposto arquirrival Christopher Marlowe; coautoria foi revelada em nova edição da obra do escritor inglês, baseada em pesquisa de dados complexos.

Ele pode ter sido o maior dramaturgo de todos os tempos, mas William Shakespeare (1564-1616) não trabalhou sozinho. Uma equipe internacional de pesquisadores concluiu que 17 de 44 obras do bardo de Stratford-upon-Avon resultaram de colaborações, informou a editora Oxford University Press.

Isso é mais que o dobro das oito de 39 peças que foram identificadas pela mesma editora, em 1986, como sendo de autoria mista.

Considerado desde o século 18 como sendo rival de Shakespeare, acredita-se agora que Christopher Marlowe (1564-1593) tenha sido coautor da trilogia sobre o rei Henrique 6°. Além disso, acredita-se que Thomas Middleton tenha adaptado a peça Tudo bem quando termina bem.

Desde janeiro de 2009, 23 especialistas de cinco países trabalharam na nova edição da obras de Shakespeare. A descoberta de que Marlowe não foi realmente um rival, mas um colaborador, pôs abaixo uma antiga crença sobre o relacionamento deles.

“Muitos acadêmicos suspeitavam disso desde o século 18, mas até bem recentemente, não tínhamos nenhuma maneira de comprovar isso de forma confiável”, declarou Gary Taylor, professor da Universidade da Flórida. “Agora podemos estar seguros que [Shakespeare e Marlowe] não só tiveram influências mútuas, mas também trabalharam juntos. Os rivais às vezes colaboram.”

Investigação

Segundo Taylor, a equipe de pesquisadores utilizou “big data” ou megadados – conjunto de dados muito grandes armazenados e analisados para otimizar tomadas de decisão – para realizar comparações precisas entre as obras de Shakespeare e alguns de seus contemporâneos. Essas bases de dados informatizadas somente ficaram disponíveis nas duas últimas décadas.

“Nós contamos quantas vezes determinadas palavras e frases apareceram nos textos de Shakespeare e outros autores de sua época. Esses padrões se revelaram bastante inconfundíveis”, explicou Gabriel Egan, da Universidade Montford em Leicester.

Ele disse que ainda não está claro como funcionava a cooperação entre os autores. É possível que Marlowe tenha escrito os textos e que Shakespeare os tenha editado posteriormente.

“Parte do que é interessante está na interação entre esses dois gênios bastante diferentes. É por isso que tais obras tocavam as pessoas como sendo diferentes de Shakespeare”, continuou Taylor, referindo-se à trilogia Henrique 6°.

“Podemos ver agora que essa diferença se deve a Marlowe, um escritor que era muito interessado em política, violência e no conflito religioso. Marlowe escreve sobre tais coisas num estilo diferente. Estas descobertas tornam essas peças mais interessantes, não menos”, acrescentou o professor da Universidade da Flórida.

Taylor afirmou ainda que a colaboração entre dramaturgos era algo inteiramente normal na época elisabetana e que nada apontava para um grande segredo ou conspiração em relação à cooperação entre Shakespeare e Marlowe. Em consequência, os nomes dos dois dramaturgos aparecerão agora juntos nos títulos de crédito das três partes da peça de teatro Henrique 6°.

CA/afp/dpa/lusa/dw

José Mesquita

José Mesquita

Pintor, escultor, gravador e "designer". Bacharel em administração e bacharel em Direito. Pós-graduado em Direito Constitucional. Participou de mais de 150 exposições, individuais e coletivas, no Brasil e no exterior. Criador e primeiro curador do Prêmio CDL de Artes Plásticas da Câmara de Dirigentes Lojista de Fortaleza e do Parque das Esculturas em Fortaleza. Foi membro da comissão de seleção e premiação do Salão Norman Rockwell de Desenho e Gravura do Ibeu Art Gallery em Fortaleza, membro da comissão de seleção e premiação do Salão Zé Pinto de Esculturas da Fundação Cultural de Fortaleza, membro da comissão e seleção do Salão de Abril em Fortaleza. É verbete no Dicionário Brasileiro de Artes Plásticas e no Dicionário Oboé de Artes Plásticas do Ceará. Possui obras em coleções particulares e espaços públicos no Brasil e no exterior. É diretor de criação da Creativemida, empresa cearense desenvolvedora de portais para a internet e computação gráfica multimídia. Foi piloto comercial, diretor técnico e instrutor de vôo do Aero Clube do Ceará. É membro da National American Photoshop Professional Association, Usa. É membro honorário da Academia Fortalezense de Letras.

Gostou? Deixe um comentário