Rousseau – O ciclo do progresso

Da sociedade e do luxo que ela engendra, nascem as artes liberais


Rousseau,Filosofia,Literatura,Blog do MesquitaO Ciclo do Progresso

Da sociedade e do luxo que ela engendra, nascem as artes liberais e mecânicas, o comércio, as letras, e todas essas inutilidades que fazem florescer a indústria, enriquecem e perdem os Estados.
A razão desse deperecimento é muito simples.

É fácil ver que, pela sua natureza, a agricultura deve ser a menos lucrativa de todas as artes, porque, sendo o seu produto de uso mais indispensável para todos os homens, o preço deve estar proporcionado às faculdades dos mais pobres. Do mesmo princípio pode-se tirar a regra de que, em geral, as artes são lucrativas na razão inversa da sua utilidade, e de que as mais necessárias, finalmente, devem tornar-se as mais negligenciadas. Por ai se vê o que se deve pensar das verdadeiras vantagens da indústria e do efeito real que resulta dos seus progressos. Tais são as causas sensíveis de todas as misérias em que a opulência precipita, finalmente, as nações mais admiradas.

À medida que a indústria e as artes se estendem e florescem, o cultivador desprezado, carregado de impostos necessários à manutenção do luxo, e condenado a passar a vida entre o trabalho e a fome, abandona o campo para ir procurar na cidade o pão que devia levar para lá. Quanto mais as capitais impressionam de admiração os olhos estúpidos do povo, tanto mais seria preciso lastimar o abandono dos campos, as terras incultas e as estradas cheias de cidadãos desgraçados transformados em mendigos ou ladrões, e destinados um dia a acabar a sua miséria pelos caminhos ou sobre um monte de esterco.

É assim que o Estado se enriquece por um lado, e se enfraquece e se despovoa, por outro, e que as mais poderosas monarquias, após muitos trabalhos para se tornarem opulentas e desertas, acabam por se tornar a presa de nações pobres que sucumbem à funesta tentação de as invadir, e que são invadidas e enfraquecem por sua vez, até que elas mesmas sejam invadidas e destruídas por outras.


Você leu?: Sêneca – Aprenda para que não pensem por você


JEAN-JACQUES ROUSSEAU

Postado na categoria: Filosofia, Literatura - Palavras chave: ,

Leia também:

Descartes - Métodos Racionais
Descartes - Métodos Racionais

O primeiro consistia em nunca aceitar como verdadeira qualquer coisa sem a conhecer evidentemente como tal

November 23, 2019, 8:06 pm
Górgias de Leontinos – o pai da retórica
Górgias de Leontinos – o pai da retórica

Górgias excedeu o relativismo de Protágoras em direção ao niilismo

November 24, 2019, 12:00 pm
Quando Nietzsche chorou - Literatura
Quando Nietzsche chorou - Literatura

Reflita para que não pensem por você.

November 11, 2019, 6:58 pm
Platão - O mito da caverna
Platão - O mito da caverna

Os prisioneiros vão o chamar de louco

November 26, 2019, 8:08 pm
René Descartes - Filosofia
René Descartes - Filosofia

Permanecerei obstinadamente apegado a esse pensamento Filosofia,Literatuta

November 9, 2019, 8:00 pm
Albert Camus - Mas só há um mundo
Albert Camus - Mas só há um mundo

A felicidade e o absurdo são dois filhos da mesma terra

November 29, 2019, 7:45 pm