Ricardo Rodrigues – Convicções no peito

As convicções são como brasas


Brasas,Fogo,Blog do MesquitaAs convicções são como brasas. Elas queimam e movem máquinas, moinhos e crenças. Homens de fé caminham sobre o fogo, rolam e aquecem o peito com ideias incandescentes.
Dizem que Kafka pediu a seu melhor amigo, Max Brod, que queimasse seus escritos. Max preferiu, em vez disso, publicá-los.
Sócrates, apesar de ser conhecido por suas aporias, era um homem tão convicto que às vezes tomava pancadas na cabeça, de seus interlocutores.
A missão da poesia é amolecer as crenças para que os suicidas, ao colocarem pedras nos bolsos, flutuem em êxtase, em vez de afundarem amargurados nas águas podres da existência.
Sócrates e Platão reconheceram na poesia a grande inimiga da crença e do totalitarismo e, por isso, a baniram de sua república protofascista.
O fogo é o nosso destino, sem dúvida. Tudo um dia arderá em chamas, inclusive os escritos de Kafka. Nesse ponto, tanto a ciência quanto o apocalipse estão de acordo. Um dia, o que a humanidade se habituou a chamar de atemporal voltará a ser cinzas.
Como enigma, resistira a poeira e a poesia.

Ricardo Rodrigues

Postado na categoria: Literatura - Palavras chave:

Leia também:

Alice Ruiz - Se por acaso a gente se cruzasse
Alice Ruiz - Se por acaso a gente se cruzasse

de dia um improviso/de noite uma farra

August 15, 2019, 8:00 pm
Immanuel Kant - A Preguiça como obstáculo à liberdade
Immanuel Kant - A Preguiça como obstáculo à liberdade

É tão cômodo ser menor.

August 11, 2019, 7:02 pm
Marcel Proust - Mentimos para proteger o nosso prazer
Marcel Proust - Mentimos para proteger o nosso prazer

Mentimos para Proteger o nosso Prazer A mentira é essencial à humanidade. Nela desempenha porventura um papel tão importante como a procura do prazer, e de resto é comandada por...

August 16, 2019, 11:00 am
Fernando Pessoa - Vem sentar-te comigo, Lídia, à beira do bio
Fernando Pessoa - Vem sentar-te comigo, Lídia, à beira do bio

Vem sentar-te comigo, Lídia, à beira do bio Fernando Pessoa Vem sentar-te comigo, Lídia, à beira do rio. Sossegadamente fitemos o seu curso e aprendamos Que a vida passa, e...

July 25, 2019, 7:20 pm
Sá de Miranda - Comigo me desavim
Sá de Miranda - Comigo me desavim

Não posso viver comigo

August 6, 2019, 8:00 pm
Fernando Pessoa - Arte e Sensibilidade
Fernando Pessoa - Arte e Sensibilidade

Toda a arte se baseia na sensibilidade

August 4, 2019, 4:16 pm