Internet na Rússia: país planeja se ‘desligar’ da rede mundial para fazer testes de segurança


Putin,Crimes Cibernéticos,Rússia,Internet,TecnologiaTeste deverá ocorrer antes de 1º de abril, mas uma data exata não foi definida

A Rússia está considerando desconectar-se brevemente da internet global como parte de um teste de suas defesas cibernéticas.

Isso significará que os dados enviados por cidadãos e organizações russas circularão apenas dentro do país, em vez de serem roteados internacionalmente.

Um projeto de lei que estabelece as mudanças técnicas necessárias para que a internet russa seja operada de forma independente foi apresentado ao Parlamento no ano passado.

O teste deverá ocorrer antes de 1º de abril, mas uma data exata não foi definida.

Grande perturbação

O projeto de lei, chamado Programa Nacional da Economia Digital, requer que os provedores russos adquiram capacidade para operar no caso de potências estrangeiras tomarem medidas para isolar o país do mundo online.


Você pode se interessar também sobre: Como você é espionado por seu celular Android sem saber


A Otan (aliança militar de países de 29 países da Europa e América do Norte) e seus aliados ameaçaram punir a Rússia por ataques cibernéticos e outras ações online pelos quais o país é regularmente acusado.

As medidas descritas na lei incluem uma versão própria da Rússia do sistema de endereços da rede, conhecido como DNS, para que possa operar caso as conexões com servidores internacionais sejam cortadas.

Atualmente, 12 organizações supervisionam os servidores que servem de base para o DNS e nenhuma delas está na Rússia. No entanto, e já circulam na Rússia várias cópias do conjunto de endereços considerados núcleo da rede, o que indica que seus sistemas poderiam continuar operando mesmo se uma ação fosse tomada para isolar o país digitalmente.

O teste também deve envolver os provedores, para que demonstrem que podem direcionar dados para pontos de roteamento controlados pelo governo. Eles filtrarão o tráfego para que dados enviados entre russos cheguem aos seus destinos e para que qualquer envio feito para computadores estrangeiros seja descartado.

Por fim, o governo russo quer que todo o tráfego doméstico passe por esses pontos de roteamento. Acredita-se que isso seja parte de um esforço para criar um sistema de censura em massa semelhante ao que ocorre China, que tenta bloquear qualquer tráfego considerado proibido.

Organizações de notícias russas relataram que os provedores do país estão apoiando amplamente os objetivos do projeto de lei, mas estão divididos sobre como fazê-lo. Eles acreditam que o teste causará “grandes perturbações” no tráfego de internet na Rússia, informou o site de notícias de tecnologia ZDNet.

O governo russo está pagando provedores apara que estes modifiquem sua infraestrutura permitindo o teste do redirecionamento de dados.

Presentational grey line
Mapa de conexões online no mundoDireito de imagem GETTY IMAGES
Acredita-se que teste russo seja parte de um esforço para criar um sistema de censura semelhante ao da China – 
Análise: Zoe Kleinman, repórter de tecnologia da BBC

Como um país inteiro “se desconecta” da internet?

É importante entender um pouco sobre como a internet funciona. Ela é composta por milhares de redes digitais pelas quais a informação viaja. Essas redes estão conectadas por pontos de roteamento de dados – e eles são sabidamente o elo mais fraco desta cadeia.

O que a Rússia quer fazer é ter sob seu controle estes pontos pelos quais passam os dados que entram ou saem do país, de modo que possa puxar uma ponte levadiça, por assim dizer, para o tráfego que vem de fora, caso esteja sendo ameaçada – ou caso decida censurar informações externas.

O sistema da China é provavelmente a ferramenta de censura mais conhecida do mundo e tornou-se uma operação sofisticada. O país também vigia seus pontos de roteamento, usando filtros e bloqueios para palavras-chave e determinados sites e redirecionando o tráfego para que computadores no país não possam se conectar a determinados endereços.

É possível contornar alguns bloqueios usando redes virtuais privadas (VPNs) – que disfarçam a localização de um computador para que os filtros não entrem em ação. A China derruba esses esforços de tempos em tempos, e a punição por fornecer ou usar VPNs ilegais pode ser uma sentença de prisão.

Ocasionalmente, países se desconectam da rede global por acidente – a Mauritânia ficou isolada por dois dias em 2018, depois de um cabo de fibra óptica submarino ter sido cortado, possivelmente por uma traineira.

Postado na categoria: Crimes Cibernéticos, Internet, Tecnologia - Palavras chave: , , , ,

Leia também:

Primeiro, Assange. Depois, todos nós
Primeiro, Assange. Depois, todos nós

Os cidadãos e a imprensa têm direito de enfrentar o poder? Ataque ao criador do Wikileaks revela que o Ocidente rendeu-se às corporações e abandonou a bandeira da liberdade. É...

April 13, 2019, 1:30 pm
A milícia digital Bolsonarista resgatou a máquina de Fake News para atacar universitários
A milícia digital Bolsonarista resgatou a máquina de Fake News para atacar universitários

Nas esteiras da fábrica de fake news

May 21, 2019, 12:00 pm
Como você é espionado por seu celular Android sem saber
Como você é espionado por seu celular Android sem saber

Um estudo envolvendo mais de 1.700 aparelhos de 214 fabricantes revela os sofisticados modos de rastreamento do software pré-instalado neste ecossistema Um usuário compra um celular Android novo. Tanto faz...

March 22, 2019, 11:55 am
Guerrilha digital nos grupos de WhatsApp
Guerrilha digital nos grupos de WhatsApp

A tática de jovens ativistas para combater a onda fake news bolsonaristas

May 14, 2019, 12:36 pm
O ataque cibernético que fez um território americano voltar no tempo
O ataque cibernético que fez um território americano voltar no tempo

Remoto distrito do Alasca foi atacado por malware que o forçou a ficar offline Não se sabe de onde vieram. Mas, quando chegaram, foram logo seis malwares - softwares maliciosos...

February 27, 2019, 11:00 am
WhatsApp hackeado: como atualizar o aplicativo e outras medidas para proteger suas conversas
WhatsApp hackeado: como atualizar o aplicativo e outras medidas para proteger suas conversas

Depois de comunicar o ataque, o WhatsApp sugeriu que seus 1,5 bilhões de usuários atualizem o aplicativo

May 18, 2019, 1:54 pm