Paul Valéry – Poesia


A adormecida
Paul ValéryArtes Plásticas,Pinturas,Blog do Mesquita,Lemmen Georges
Que segredo incandesces no peito, minha amiga,
Alma por doce máscara aspirando a flor?
De que alimentos vãos teu cândido calor
Gera essa irradiação: mulher adormecida?
 
Sopro, sonhos, silêncio, invencível quebranto,
Tu triunfas, ó paz mais potente que um pranto,
Quando de um pleno sono a onda grave e estendida
Conspira sobre o seio de tal inimiga
 
Dorme, dourada soma: sombras e abandono.
De tais dons cumulou-se esse temível sono,
Corça languidamente longa além do laço,
 
Que embora a alma ausente, em luta nos desertos,
Tua forma ao ventre puro, que veste um fluido braço,
Vela, Tua forma vela, e meus olhos: abertos.
 
Tradução de Augusto de Campos

Postado na categoria: Literatura, Poesia - Palavras chave: , ,

Leia também:

Ana Luísa Amaral - Pequenos mosaicos - Poesia
Ana Luísa Amaral - Pequenos mosaicos - Poesia

É agora - na pura ausência das coisas

November 15, 2019, 8:00 pm
Vinicius de Moraes - Poema dos olhos da amada
Vinicius de Moraes - Poema dos olhos da amada

Que olhos os teus/Quanto mistério

October 25, 2019, 7:00 pm
Sócrates - As três peneiras
Sócrates - As três peneiras

Um rapaz procurou Sócrates e disse-lhe que precisava contar-lhe algo sobre alguém.

November 14, 2019, 8:09 pm
Pensar faz bem - Olhar para as coisas com alguma distância
Pensar faz bem - Olhar para as coisas com alguma distância

Se olharmos para as coisas com alguma distância

October 25, 2019, 7:12 pm
Simone de Beauvoir - O tempo é irrealizável - Filosofia
Simone de Beauvoir - O tempo é irrealizável - Filosofia

Pense para que não pensem por você.

November 8, 2019, 8:30 pm
Shakespeare - O vil metal
Shakespeare - O vil metal

Ouro amarelo, fulgurante, ouro precioso

October 31, 2019, 6:59 pm