Tablets mais baratos

O governo vem anunciando a política para popularização dos tablets desde o início do ano.

Finalmente, os primeiros equipamentos com impostos reduzidos começam a chegar ao mercado.

A Motorola baixou o preço do tablet Xoom (foto) e a Samsung começou a vender neste sábado, 13, o Galaxy Tab 10.1.

As empresas estão entre as cinco que já tiveram o Processo Produtivo Básico (PPB) aprovado pelo governo. Sem isso, não é possível se beneficiar da redução de tributos.

As outras três são a Positivo Informática, a MXT e a Aiox.

Segundo o ministro da Ciência e Tecnologia, Aloizio Mercadante, existem mais quatro PPBs que estão para ser publicados.

“O tablet é um produto inovador, com aceitação muito grande”, disse o ministro.

“Até o fim do ano, haverá uma disputa que será muito interessante para o consumidor.”

Segundo Mercadante, 25 empresas já expressaram interesse em fabricar tablets no País.

Desde a terça-feira passada, a Motorola reduziu em R$ 300 o preço do Xoom.

O modelo com conexão Wi-Fi passou de R$ 1.899 para R$ 1.599 e o preço do modelo com Wi-Fi e 3G passou de R$ 2.299 para R$ 1.999.

“O mais provável é que essa redução gere um aumento direto na demanda”, disse Rodrigo Vidigal, diretor de marketing da Motorola Mobility.

A empresa tem fabricação local do Xoom desde o seu lançamento no País, em abril, mesmo sem os incentivos tributários.

O Galaxy Tab 10.1, da Samsung, custa R$ 1.999 sem subsídio.

Com tela de 10,1 polegadas, esse tablet só começou a ser vendido no Brasil ontem e, por isso, não dá para avaliar o impacto da redução de impostos.

Até o fim do mês, a Vivo oferece o Galaxy Tab 10.1 com exclusividade.

A queda de preço do modelo mais barato do Xoom foi de 16% e do mais caro, de 13%. A redução ficou abaixo dos 31% previstos pelo governo.

“Os preços dos tablets devem cair com o aumento da competição”, disse o ministro Aloizio Mercadante.

“Quem sai na frente acaba cobrando um pouco mais.”

Para Fernando Belfort, analista sênior da consultoria Frost & Sullivan, a redução de preço deve ficar mesmo na faixa de 15% a 20%. “Não acredito em 30% ou 40%”, disse Belfort.

“Apesar do corte de impostos, produzir no Brasil é caro.”

Ele enumerou problemas de logística, encargos sobre salários e as contrapartidas de investimento de pesquisa e desenvolvimento definidas pela política governamental.

blog do Renato Cruz/Estadão

Share the Post:

Artigos relacionados