loader
Arte | Poesia | Literatura | Humor | Tecnologia da Informação | Design | Publicidade | Fotografia
Arábia Saudita,Guerras,Armas

Os indefensáveis negócios armamentistas com a Arábia Saudita quarta-feira, 12 de dezembro de 2018

A Alemanha suspendeu – tardiamente – as exportações de armas para Riad. No entanto firmas nacionais seguem lucrando com a matança no Iêmen. É hora de acabar com a hipocrisia, opina Matthias von Hein.Arábia Saudita,Guerras,Armas

Exportação de equipamento armamentista no porto de Mukran, Alemanha.

Da Arábia Saudita, armamentos alemães acabam nas mãos de jihadistas – tudo dentro da legalidade

Há três anos e oito meses, a mais rica nação da Península Árabe devasta a mais pobre da região. A intervenção da Arábia Saudita e da coalizão forjada por Riad na luta interna pelo poder no Iêmen não colocou o país nem um pouco mais perto de uma solução pacífica. Mas precipitou a maior catástrofe humanitária do mundo.

Caso sejam necessárias cifras: desde a entrada da coalizão saudita nessa guerra, em 2015, morreram 85 mil crianças de subnutrição, segundo dados da ONG Save the Children; quase 60 mil pessoas foram vítimas diretas das armas de fogo.

Paradoxalmente, foi necessário o atroz assassinato do jornalista Jamal Khashoggi, no consulado saudita em Istambul, para que finalmente se tematizasse o sofrimento de milhões e as dezenas de milhares de mortes no Iêmen. E a participação do Ocidente, que, com bilionários fornecimentos de armas, mantém em funcionamento a máquina de guerra saudita.

Também a Alemanha participou disso – e lucrou – por longo tempo. Embora os políticos do país gostem de se gabar dos supostamente ultrarrigorosos controles de exportações de armamentos; embora supostamente não se venda para regiões de tensão; embora até mesmo do contrato de coalizão governamental exclua a venda de equipamento bélico a Estados diretamente envolvidos na guerra do Iêmen.

Foi só sob o efeito do assassinato de Khashoggi que Berlim se manifestou por uma suspensão – temporária – dos negócios armamentistas alemães com a Arábia Saudita. No entanto, já é objeto de apostas em que momento vai expirar a data de validade da vergonha, e as equipagens alemãs voltarão a aportar no reino dos xeiques do petróleo.

E empresas alemãs – como, por exemplo, a maior fabricante de armamentos do país, a Rheinmetall – seguem aproveitando as lacunas das leis sobre comércio externo e armas de guerra. Através de subsidiárias, elas continuam fornecendo armas e munição a Riad, ajudando, assim, a manter a guerra em movimento.

O escândalo não é apenas que, por exemplo, a Rheinmetall participe da matança no Iêmen, em nome dos lucros de seus acionistas, mas também o fato de, até o momento, não se perceber nenhum esforço para fechar as lacunas da legislação.

Parte da verdade é também que as exportações da Alemanha são muito mais importantes para a Arábia Saudita do que sugerem as cifras – moderadas, em comparação, com as dos Estados Unidos ou do Reino Unido. Pois grandes equipamentos como aviões de combate costumam ser fabricados em cooperação europeia.

E quando a Inglaterra abastece a Força Aérea saudita com dúzias de Eurofighters, estão incluídos nesse negócio cerca de 30% de exportações alemãs – por exemplo na forma de canhões de bordo. Tais vendas não necessitam de licença, e sequer aparecem no relatório de exportações de armamentos como transações com Riad.

É hora de se livrar de algumas mentiras bem intencionadas. As leis alemãs de exportação de armas são rigorosas, porém só são impostas e aplicadas quando parece politicamente oportuno. As declarações de destino final, com que os compradores se comprometem a não passar os equipamentos para terceiros, muitas vezes não valem o papel em que são impressas.

No fim de novembro mesmo, uma pesquisa da DW mostrou que, com tais declarações de destino, armas vendidas à Arábia Saudita ou lá fabricadas sob licença foram entregues por Riad a diversas milícias jihadistas no Iêmen. E quando se afirma que as exportações para os sauditas são justificadas para fortalecer uma estrategicamente importante “âncora de estabilidade na região”, aí chegou mesmo a hora de duvidar.

A destruição do Iêmen, o bloqueio ao Catar em 2017, o sequestro do primeiro-ministro libanês Saad Hariri, as décadas de disseminação incessante do retrógrado wahabismo mostram: a Arábia Saudita pode ser incomensuravelmente rica e capaz de comprar grande influência, mas está longe de ser uma “âncora de estabilidade”. E negócios armamentistas com esse “parceiro” são indefensáveis, e devem ser proibidos, consequentemente, em toda a União Europeia.
DW

Compartilhe a informação:

José Mesquita

Pintor, escultor, gravador e "designer". Bacharel em administração e bacharelando em Direito. Participou de mais de 150 exposições, individuais e coletivas, no Brasil e no exterior. Criador e primeiro curador do Prêmio CDL de Artes Plásticas da Câmara de Dirigentes Lojista de Fortaleza e do Parque das Esculturas em Fortaleza. Foi membro da comissão de seleção e premiação do Salão Norman Rockwell de Desenho e Gravura do Ibeu Art Gallery em Fortaleza, membro da comissão de seleção e premiação do Salão Zé Pinto de Esculturas da Fundação Cultural de Fortaleza, membro da comissão e seleção do Salão de Abril em Fortaleza. É verbete no Dicionário Brasileiro de Artes Plásticas e no Dicionário Oboé de Artes Plásticas do Ceará. Possui obras em coleções particulares e espaços públicos no Brasil e no exterior. É diretor de criação da Creativemida, empresa cearense desenvolvedora de portais para a internet e computação gráfica multimídia. Foi piloto comercial, diretor técnico e instrutor de vôo do Aero Clube do Ceará. É membro da National American Photoshop Professional Association, Usa. É membro honorário da Academia Fortalezense de Letras.

# # #

© Copyright 2018 Blog do Mesquita - Direitos Reservados. | POLÍTICA DE PRIVACIDADE | MBrasil