• mqt_for@hotmail.com
  • Brasil

História e Cinema: A joia Mudéjar escondida no palácio da vida real ‘Citizen Kane’

Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin
Uma fundação descobriu que um teto coberto de uma igreja espanhola

Uma fundação descobriu que um teto coberto de uma igreja espanhola foi comprado pelo magnata americano William Randolph Hearst e colocado em sua biblioteca.

O excêntrico barão de jornais americanos William Randolph Hearst construiu uma vasta mansão na Califórnia em meados do século passado e a adornou com jóias arquitetônicas e artísticas de valor inestimável de todo o mundo.

Izaskun Villena, diretor técnico da Fundação de Restauração da Terra de Campos, e Marcos Pérez Maldonado, chefe de construção, apontam os restos do teto coberto no convento de Cuenca de Campos.R. G.

Essa foi a extensão da coleção acumulada pelo homem imortalizado no filme clássico de Orson Welles, Citizen Kane, que a arquiteta da mansão, Julia Morgan, não foi capaz de usá-la. Mas ela incorporou o teto em mudéjar que fazia parte de um convento em Cuenca de Campos, na comarca Tierra de Campos, na região espanhola de Castela e Leão, no noroeste da Espanha, como a Fundação de Restauração Tierra de Campos descobriu recentemente.

Mudéjar refere-se a um estilo de ornamentação desenvolvido a partir do século XII pelos mouros – ou mudéjar – que permaneceram no sul da Espanha, apesar da reconquista cristã.

Presidida pelo prefeito de Cuenca de Campos, Faustino González Miguel, a fundação foi criada em 2017, em uma tentativa de promover a atividade econômica, social e cultural da região. Em abril de 2018, adquiriu o convento de San Bernardino de Siena, usado por cinco séculos pela ordem das freiras das Clarissas que o herdaram de María Fernández de Velasco, membro de uma das mais poderosas famílias do Reino de Castela, conforme mostra na obra, em 1455.

Um dos primeiros projetos da fundação foi a restauração do convento. Por ser o único mosteiro daquele período construído em Castela e Leão, a fundação vinha tentando há anos evitá-la de cair em um estado irreversível.

Iniciado o trabalho, o chefe do processo de restauração, Marcos Pérez Maldonado, sugeriu a remoção dos cofres que permaneciam na área de alto coral, dada a deterioração das alvenarias ali e o custo extra de sua reforma. Sua remoção revelou os restos do antigo teto caixão, que foi deixado para trás porque levá-lo implicaria desmontar o telhado e enfraquecer as paredes, segundo Izaskun Villena, diretor técnico da fundação. Os restos atingem cerca de dois metros do antigo teto de madeira caixotada, que é relativamente bem preservado com os quadrados policromos e pequenos pedaços de azulejo claramente visíveis.

As freiras da Pobre Clara, que desembarcaram em tempos difíceis, decidiram vender o teto coberto em 1930 a um antiquário na província de Palencia. Graças às receitas da venda, as freiras conseguiram sobreviver na vila até março de 1967. Nesse momento, deixaram Cuenca de Campos levando consigo o retábulo, várias pinturas preciosas e a tumba de mármore do aristocrata que havia dado a ordem. o mosteiro no século XV. Mas para onde foi a maior parte do teto coberto? Os membros da fundação iniciaram sua própria investigação sobre o assunto.

O castelo de Hearst, na Califórnia, adornava a maior parte do teto do convento em Cuenca de Campos.GEORGE ROSE (GETTY)

Sua primeira pista veio do pediatra Alfredo Blanco del Val, que os colocou em contato com a professora de história María José Martínez Ruiz, autora de vários livros, incluindo um em co-autoria com o arquiteto José Miguel Merino de Cáceres, chamado A destruição do patrimônio artístico espanhol. . W. R. Hearst: “The Great Hoarder”, publicado por Cátedra em 2012.

Merino de Cáceres disse que suas pesquisas em bibliotecas e arquivos dos EUA vinculados ao Hearst levaram a um inventário de 83 tetos com caixilharia comprados pelo magnata. Uma delas foi adquirida em 20 de junho de 1930 pelo negociante de arte Arthur Byne, que pagou US $ 12.000 (10.800 €) por 372 metros de “teto e friso de Campos”. Bingo! Essa era a chave que a fundação procurava desvendar o mistério.

Os “Campos” aos quais Byne se referia eram mais do que provavelmente Cuenca de Campos. No inverno de 1930, Byne, que morreu em um acidente de trânsito na Espanha em 1935, disse a Hearst que o teto de “Campos” estava sendo enviado através do Atlântico, indicando que “pode ​​servir de material para vários telhados”, Merino. e Martínez explicam em seu livro. Julia Morgan parece ter usado parte desse teto coberto para decorar o teto da biblioteca em Hearst Castle.

O arquiteto Izaskun Villena, diretor da Fundação de Restauração da Terra de Campos, está convencido de que o teto é o mesmo. “Procurei imagens da sala na internet e encontrei elementos idênticos aos que são conservados na igreja de Cuenca de Campos. Um elemento definitivo que o identifica totalmente como tal é, por exemplo, o brasão da família Fernández de Velasco, que é claramente visível ”, explica ela. “É claro que descartamos a recuperação do teto coberto. Mas uma possibilidade é fazer uma réplica, aproveitando os workshops que organizamos na Fundação de Restauração da Terra de Campos ”, diz ela, acrescentando que novos membros e apoio econômico adicional são bem-vindos.

José Mesquita

José Mesquita

Pintor, escultor, gravador e "designer". Bacharel em administração e bacharel em Direito. Pós-graduado em Direito Constitucional. Participou de mais de 150 exposições, individuais e coletivas, no Brasil e no exterior. Criador e primeiro curador do Prêmio CDL de Artes Plásticas da Câmara de Dirigentes Lojista de Fortaleza e do Parque das Esculturas em Fortaleza. Foi membro da comissão de seleção e premiação do Salão Norman Rockwell de Desenho e Gravura do Ibeu Art Gallery em Fortaleza, membro da comissão de seleção e premiação do Salão Zé Pinto de Esculturas da Fundação Cultural de Fortaleza, membro da comissão e seleção do Salão de Abril em Fortaleza. É verbete no Dicionário Brasileiro de Artes Plásticas e no Dicionário Oboé de Artes Plásticas do Ceará. Possui obras em coleções particulares e espaços públicos no Brasil e no exterior. É diretor de criação da Creativemida, empresa cearense desenvolvedora de portais para a internet e computação gráfica multimídia. Foi piloto comercial, diretor técnico e instrutor de vôo do Aero Clube do Ceará. É membro da National American Photoshop Professional Association, Usa. É membro honorário da Academia Fortalezense de Letras.

Gostou? Deixe um comentário

José Mesquita

Pintor, escultor, gravador e “designer”.

Bacharel em administração e bacharelando em Direito.

Participou de mais de 150 exposições, individuais e coletivas, no Brasil e no exterior.

Mais artigos

Siga-me