O passado de Dilma, segundo a Ditadura


Sob tortura, presidente eleita confessou que grupo cometeu atentado a bomba

Liberados para consulta ontem pelo Superior Tribunal Militar (STM), os dezesseis volumes de documentos com páginas já amareladas e gastas que contam a história do processo movido pela ditadura militar contra a presidente eleita Dilma Rousseff descrevem a ex-militante como uma figura de expressão nos grupos em que atuou, que chefiou greves e “assessorou assaltos a bancos”, e nunca se arrependeu.

Na denúncia oferecida pelo Ministério Público Militar contra os integrantes do grupo de esquerda VAR-Palmares, Dilma é chamada de “Joana D’Arc da subversão”.[ad#Retangulo – Anuncios – Direita]

“É figura feminina de expressão tristemente notável”, escreveu o procurador responsável pela denúncia.

O GLOBO teve acesso aos autos a partir de autorização do presidente do STM, ministro Carlos Alberto Marques.


Você pode se interessar também sobre: Eleições 2010 e as regras para a propaganda na internet


A decisão foi assinada no mesmo dia em que o plenário da corte liberou o acesso dos autos ao jornal “Folha de S.Paulo”, que antes da eleição tentara consultar o processo.

Em depoimento à Justiça Militar, em 21 de outubro de 1970, Dilma contou ao juiz da 1ª Auditoria da 2 Circunscrição Judiciária Militar que foi seviciada quando esteve presa no Dops, em São Paulo.

O auditor não perguntou quais tinham sido as sevícias. No interrogatório, Dilma explicou ao juiz porque aderiu à luta armada. O trecho do depoimento é este:

“Que se declara marxista-leninista e, por isto mesmo, em função de uma análise da realidade brasileira, na qual constatou a existência de desequilíbrios regionais de renda, o que provoca a crescente miséria da maioria da população, ao lado da magnitude riqueza de uns poucos que detém o poder e impedem, através da repressão policial, da qual hoje a interroganda é vítima, todas as lutas de libertação e emancipação do povo brasileira. Dessa ditadura institucionalizada optou pelo caminho socialista”.

Os arquivos trazem ainda cópia do depoimento que Dilma prestou em 1970 ao Departamento de Ordem Política e Social (Dops), delegacia em que ela ficou presa e foi torturada.

No interrogatório realizado no dia 26 de fevereiro daquele ano, Dilma, sob intensa tortura, listou nomes de companheiros, indicou locais de reuniões, e admitiu que uma das organizações da qual fazia parte, o Colina, fez pelo menos três assaltos a banco e um atentado a bomba.

Mas ressalvou que nem ela nem o então marido, Cláudio Galeno de Magalhães Linhares, tiveram “participação ativa” nas ações.

No interrogatório no Dops, Dilma contou que o atentado a bomba foi praticado na casa do interventor do Sindicato dos Metalúrgicos em Minas Gerais, e que atingiu também a casa do delegado Regional do Trabalho. As residências eram contíguas.

Em um trecho do depoimento, Dilma disse que uma de suas funções em organizações de combate à ditadura era organizar células de militantes. Teria sido encarregada de distribuir dinheiro aos grupos. O dinheiro teria sido arrecadado em ações dos movimentos.

Evandro Éboli e Jailton de Carvalho/Blog do Noblat/O Globo

Postado na categoria: Brasil - Palavras chave: , , , , , , , , , , , ,

Leia também:

Crise Mundial ? - Em Fortaleza as vendas de carros importados cresceram!
Crise Mundial ? - Em Fortaleza as vendas de carros importados cresceram!

Como cantava o nosso saudoso " Luíz Gonzaga - O Rei do Baião" .."No Ceará não tem disso não, Não tem disso não, não tem disso não No Ceará não...

January 20, 2009, 10:25 am
Lula continua fugindo da imprensa.
Lula continua fugindo da imprensa. "Até quando Catilina?"

Sempre fugindo da imprensa, Lula faz visita ‘de surpresa’ ao Maracanã, e Cabral distribui o release, o vídeo e as fotos. O ex-presidente Lula está fugindo da imprensa desde 23...

March 2, 2013, 11:38 am
Pro dia nascer melhor - 23/11/2007
Pro dia nascer melhor - 23/11/2007

November 23, 2007, 10:18 am
Sarney, nepotismo de longa data
Sarney, nepotismo de longa data

Refrescando a memória curta dos Tupiniquins Revista Veja, maio de 1967 - Trem da Alegria

August 10, 2009, 10:50 am
Ainda a PEC do empregado doméstico
Ainda a PEC do empregado doméstico

Leio algumas feministas argumentando que "empregada domestica e bem coisa de sociedade subdesenvolvida....; "ter empregada domestica...2013?Coisas de gente invalida ". Essas pessoas, assim como os legisladores, parecem não habitar o...

March 28, 2013, 12:55 pm
Lula não irá à posse de Joaquim Barbosa no STF
Lula não irá à posse de Joaquim Barbosa no STF

Entendo que esse tem o direito de convidar, e aquele o de não aceitar o convite. É lume que arde alimentando a fogueira das vaidades. Se fosse, Lula seria chamado...

November 18, 2012, 10:35 am