O fotógrafo que captura a passagem do tempo na abandonada Tchernobil

Da hecatombe nuclear à ilha abandonada: o poder de fascínio das cidades-fantasma


Chernóbil

O mesmo lugar fotografado ao longo do tempo por David McMillan.
Faz algum som a árvore que cai na floresta sem que ninguém possa escutá-la? As imagens que David McMillan registrou durante os últimos 25 anos na zona de exclusão de Tchernóbil recordam esse paradoxo budista. O fotógrafo canadense é um dos poucos — mas não o único — a ter passeado ao longo desse tempo pelos espaços abandonados da cidade de Pripiat (norte de Ucrânia), a 30 quilômetros da usina nuclear.

“Deparei-me com um mundo praticamente invisível, que vai se deteriorado sem que ninguém repare nele”, diz o fotógrafo ao EL PAÍS, referindo-se à tragédia nuclear de 1986 agora recriada com sucesso numa minissérie da HBO.

Em vez de capturar o antes e o depois da região maldita, registra “o antes, o depois e o muito depois”, pois viaja para lá de forma recorrente. Seu trabalho dá um novo significado ao conceito de natureza morta e está reunido em um livro da editora alemã Steidl, lançado no começo de 2019 com o título Growth and Decay: Pripyat and the Chernobyl Exclusion Zone (“crescimento e deterioração: Pripiat e a zona de exclusão de Tchernobil”).

A razão para retornar tantas vezes ao lugar é a mais comum que um fotógrafo pode argumentar. “Queria continuar tirando fotos para obter as melhores imagens possíveis e, de tanto voltar, terminei registrando a passagem do tempo”, comenta por telefone.

McMillan, nascido em 1944, pertence à geração da Guerra Fria, para a qual a energia nuclear era um dos temores mais comuns quando se pensava no futuro. Ao chegar a Pripiat, confrontou esse medo transformado em realidade: “A primeira vez que cheguei foi impactante e triste. Havia escolas e apartamentos completamente assolados. Ver esse pesadelo realizado despertou minha curiosidade”.


Você leu?: Dina Sfat. E basta!


O fotógrafo conta que em suas primeiras viagens tomava certas precauções. Passava muito pouco tempo na zona e se fazia acompanhar de cientistas que tentavam avaliar sem muito sucesso o nível de radiação. Essa ameaça intangível invade também aquelas imagens. “Era uma sensação estranha, de inquietação e ao mesmo tempo de liberdade ao estar a sós frente ao que queria fotografar”, recorda.

O fotógrafo que captura a passagem do tempo na abandonada Tchernobil

A natureza abre espaço para o desastre. David McMillan / Steidl

O fotógrafo que captura a passagem do tempo na abandonada Tchernobil

Um retrato de Lênin em meio aos escombros de uma creche. David McMillan / Steidl

As onipresentes referências a Lênin na cidade-fantasma continuam perenes em edifícios já deteriorados. Mas a natureza foi invadindo o espaço abandonado depois da explosão nuclear, como se vê nas fotos mais recentes de McMillan. Ao longo destas décadas, o canadense foi testemunha de como o ciclo da vida segue seu curso de uma forma muito particular.

Primeiro foram os habitantes da cidade, que retornavam para chorar sua perda; depois se aproximaram artistas como ele, para oferecer outro olhar sobre o ocorrido; mais tarde chegaram os turistas, e agora inclusive se organizam raves na região. “Foi uma evolução inesperada. Virou uma versão tétrica da Disneylândia”, comenta.

Há anos ele já não é a única pessoa com câmera que pulula entre os escombros. “Aparece gente que vem a tirar selfies para poder dizer nas redes sociais: ‘Eu estive lá’”. Ele pôde confirmar essa estranha tendência durante um jogo de futebol em Kiev, a 180 quilômetros de distância. “Na véspera, alguns torcedores escoceses do time visitante alugaram um ônibus para conhecer a zona afetada por Tchernobil. Foi muito estranho ver homens de saia fazendo turismo”, admite.

Ainda recorda as primeiras pessoas que encontrou na cidade, nos anos noventa: “Eram pais e mães de família, que fugiram com uma mala pensando que se ausentariam por três dias. Uma vez encontrei um soldado soviético que, depois da dissolução da URSS, ficou desempregado. Retornou com seu pai sem se importar com as consequências. Viviam tranquilos, fazendo pão e vodca e produzindo mel”.

Outra das questões que transparecem nestas imagens aparentemente vazias é a estética como valor politicamente incorreto. Pode-se elogiar a beleza de uma imagem feita nestas circunstâncias? “É um assunto que os artistas questionam frequentemente. Não há afinal beleza literária em Guerra e Paz, de Tolstói, mesmo que retrate um inferno? Os quadros de Velázquez são pura beleza, mas muitos dos assuntos neles mostrados não são agradáveis”, defende.

O fotógrafo que captura a passagem do tempo na abandonada Tchernobil

O antes (1994) e o depois (2017) da planta nuclear. David McMillan / Steidl

O fotógrafo que captura a passagem do tempo na abandonada Tchernobil

Sala de música em 1995 e em 2015. David McMillan / Steidl

O fotógrafo que captura a passagem do tempo na abandonada Tchernobil

Duas imagens que mostram a passagem do tempo na região. David McMillan / Steidl

O fotógrafo que captura a passagem do tempo na abandonada Tchernobil

Residência em 1994 e em 2016. David McMillan / Steidl

O fotógrafo que captura a passagem do tempo na abandonada Tchernobil

Livraria em 2011 e em 2016. David McMillan / Steidl

O fotógrafo que captura a passagem do tempo na abandonada Tchernobil

A imagem de Marx desaparece nesta escola. David McMillan / Steidl

O fotógrafo que captura a passagem do tempo na abandonada Tchernobil

A degradação dos edifícios fez vários componentes se misturarem no chão. David McMillan / Steidl

O fotógrafo que captura a passagem do tempo na abandonada Tchernobil

Um colégio abandonado em Prípiat . David McMillan / Steidl

O fotógrafo que captura a passagem do tempo na abandonada Tchernobil

Postado na categoria: Fotografia - Palavras chave:

Leia também:

Fotografias - Delicadezas
Fotografias - Delicadezas

Nem tudo é carrapicho

September 17, 2019, 12:02 pm
Crystal O'Connor. E basta!
Crystal O'Connor. E basta!

O belo é o esplendor da ordem. Aristóteles

September 6, 2019, 7:31 pm
Carole Lombard. Ela e basta!
Carole Lombard. Ela e basta!

A lei suprema da arte é a representação do belo. Leonardo da Vinci

September 1, 2019, 7:42 pm
Dina Sfat. E basta!
Dina Sfat. E basta!

Fotografia de Antônio Guerreiro

September 16, 2019, 6:30 pm
Angel Breath - E basta!
Angel Breath - E basta!

O maior de todos os bens é a beleza da mulher.Schiller

September 8, 2019, 8:11 pm
Ruby James. E basta!
Ruby James. E basta!

September 15, 2019, 9:00 pm