O dia em que as grandes empresas de tecnologia deixaram de ser intocáveis

Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin
49% das pesquisas de produtos começam na Amazon e apenas 22% no Google.

Os CEOs da Apple, Amazon, Google e Facebook testemunham juntos pela primeira vez nesta quarta-feira perante o comitê antitruste do Congresso dos EUA.

Chefes do Facebook, Mark Zuckerberg; do Google, Sundar Pichai; Apple, Tim Cook e Amazon, Jeff Bezos, testemunharão juntos pela primeira vez no comitê antitruste do Congresso dos EUA.

 BERTRAND GUAY TOBIAS SCHWARZ ANGELA WEISS MARK RALSTON / AFP

A regulamentação, o principal medo das grandes empresas de tecnologia, está se aproximando todos os dias. Após um ano de investigação, dezenas de entrevistas e centenas de milhares de documentos, os 15 membros do comitê antitruste do Congresso dos Estados Unidos estão prontos para seu maior exame: interrogar os presidentes executivos das quatro principais empresas de tecnologia nesta quarta-feira. Jeff Bezos, da Amazon; Tim Cook da Apple; Sundar Pichai, do Google, e Mark Zuckerberg, do Facebook, terão que se explicar e se defender sobre se suas empresas prejudicam a concorrência e os consumidores. Além do espetáculo, sua capacidade de condenação dependerá em parte se eles merecerem que novas leis regulem suas práticas.

Eles aparecerão juntos, mas o interrogatório será virtual, o que evitará a parafernália emblemática pela qual outras indústrias passaram ao se defender: empresas de tabaco, empresas farmacêuticas ou bancos, após a última crise. A maioria dos americanos acredita que o poder da tecnologia é excessivo e a sensação é de que algo deve ser feito: 77% acreditam que têm muito poder ou 60% acreditam que fazem mais para dividir a sociedade do que para uni-la, de acordo com dados de Gallup.

No entanto, quando perguntados sobre cada empresa em particular, quase todos obtêm uma boa nota, de acordo com dados anuais do meio digital The Verge: cerca de 70% dos americanos confiam na Netflix, Apple e Google, que estão atrás da Microsoft (75% ) e Amazônia (73%). Dos quatro primeiros, apenas o Facebook suspende com 41% de confiança.

O problema dessa longa batalha pela regulamentação não é apenas decidir se o poder de mercado dessas empresas prejudicou os consumidores e limitou seus rivais, mas como remediar a situação sem piorá-la. A principal solução que surge, por ser a mais simples, é quebrá-los: separar o WhatsApp e o Instagram do Facebook, o YouTube do Google ou o Amazon Web Services da Amazon. A situação recente mais semelhante foi a Microsoft há duas décadas e não deu em nada. Mas as soluções que acabam aparecendo também podem ser mais criativas. Nesta quarta-feira, às 18h00, uma longa batalha começou. Acima de tudo, é algo que até agora eles tinham pouca preocupação. Mas os tempos de crescimento como o único guia terminaram.Tecnologia,Internet,Redes sociais

Entre os que aparecem, estará a pessoa mais rica do mundo, Jeff Bezos, e o sétimo, Mark Zuckerberg, de acordo com a lista da Forbes. Zuckerberg também será o mais novo, aos 36 anos e, ao mesmo tempo, o mais velho veterano de aparições no Congresso. Será a quarta vez após suas declarações devido à interferência eleitoral e à privacidade. Para Pichai, 48, e Cook, 59, será o segundo. Apenas Bezos, aos 56 anos, estreará.

Apesar do ritual conjunto e da importância da aparência, os desafios e as estratégias de defesa de cada uma dessas empresas são diferentes. Desinformação, radicalização, comissões exageradas, obtenção ilegítima de dados da competição, decisões aleatórias sobre rivais ou a limitação da oferta são apenas alguns exemplos. Nessas empresas dominantes, há várias razões pelas quais elas podem estar explorando sua posição.

Essas são as críticas que cada uma dessas empresas recebeu. Durante a aparição, no entanto, alguns congressistas provavelmente postarão suas perguntas sobre supostos danos contra causas conservadoras ou outros problemas colaterais para ganhar pontos. No final, isso também é político.

Amazon e a nuvem

A Amazon cresceu mais, se possível, durante a pandemia. Apesar de sua reputação de ser um site de comércio digital, seu serviço de servidor em nuvem para governos e empresas, chamado Amazon Web Services (AWS), também é líder em seu setor.

Mas Bezos não estará perante o Congresso por isso, mas por abusar de seu papel dominante de fornecedor com seus fornecedores e de plataforma para terceiros. O frete grátis pelo Amazon Prime é uma opção tremendamente popular nos EUA, limitando as opções da concorrência. A Amazon possui informações detalhadas sobre o que outros produtos vendem melhor, para que possam ser fabricados com a sua marca. A empresa também controla logicamente a maneira como os produtos são exibidos na web. 49% das pesquisas de produtos começam na Amazon e apenas 22% no Google. A Amazon domina cerca de metade do comércio eletrônico nos EUA.

Apple e sua App Store

O grande debate da Apple está na App Store. Fora da China, Apple e Google, com sua plataforma Android, dominam o mercado global. A empresa Cupertino cobra uma comissão de 30% de todas as vendas de aplicativos e dentro de aplicativos de sua loja online. E publicou um relatório nesta semana em que diz que 30% é padrão no setor, sem notar que a própria empresa era um dos principais fatores desse padrão.

Mas esse não é o único problema da App Store: o Spotify iniciou uma longa guerra com a Apple sobre se a empresa beneficia seu próprio aplicativo, o Apple Music, em sua plataforma. O poder da empresa de Tim Cook se estende além da própria loja: até agora o navegador de seu sistema operacional era, por padrão, o Safari, o navegador da empresa. Com a nova versão de seu sistema, os usuários poderão escolher.

Google e um mecanismo de pesquisa em mudança

O Google é, junto com a Apple, a empresa que deve se defender mais. Seu monopólio nas plataformas móveis é quase inabalável. Além disso, ele ainda domina a pesquisa. Não apenas por causa do Google, mas porque o YouTube é o segundo mecanismo de pesquisa mais usado no mundo. O mecanismo de pesquisa do Google tradicionalmente servia para enviar usuários à web mais útil para sua pesquisa. Esse resultado ideal foi oculto ao longo dos anos sob uma ampla camada de anúncios, mapas, “coisas que as pessoas também procuram” e outros serviços que limitam a aparência dos resultados desejados.

Uma investigação do site de marcação das 15.000 pesquisas mais populares nos EUA resulta em 41% do principal espaço móvel ocupado por resultados oferecidos pelo próprio Google na mesma página, sem a necessidade de clicar para acessar outro site . O que anteriormente era um serviço para o usuário acessar o site mais adequado para sua pesquisa se tornou um espaço para o Google tentar fazer com que o usuário seguisse o Google.

O Google também possui uma plataforma essencial para colocar anúncios em sites, no navegador principal (Chrome) e na maior plataforma de vídeo (Youtube). Além disso, seu papel no Android oferece uma capacidade incrível de pressionar quando se trata de saber como outros aplicativos são usados ​​ou pressionar os desenvolvedores a usarem seu mecanismo de pesquisa em aplicativos.

Facebook e a desculpa perfeita

A empresa de Zuckerberg tem sido a mais analisada e odiada nos últimos anos. Seu principal serviço, o Facebook, é amplamente utilizado em todo o mundo, mas também tem sido um centro de críticas por razões tão diversas e terríveis quanto o suposto facilitador de genocídio ou trapaça eleitoral. Ao contrário do Amazon ou do Gmail, milhões de usuários veem o Facebook como uma ferramenta para espalhar desinformação e causar desunião, em vez de conectar pessoas.

A futura integração de mensagens diretas do Messenger, Instagram e WhatsApp provavelmente será uma das chaves para a aparência. Zuckerberg é claro, no entanto, sua desculpa perfeita hoje: TikTok. Se as empresas americanas que competem nas mídias sociais forem fragmentadas, elas terão mais dificuldade em competir com seus novos rivais, que também são chineses.

José Mesquita

José Mesquita

Pintor, escultor, gravador e "designer". Bacharel em administração e bacharel em Direito. Pós-graduado em Direito Constitucional. Participou de mais de 150 exposições, individuais e coletivas, no Brasil e no exterior. Criador e primeiro curador do Prêmio CDL de Artes Plásticas da Câmara de Dirigentes Lojista de Fortaleza e do Parque das Esculturas em Fortaleza. Foi membro da comissão de seleção e premiação do Salão Norman Rockwell de Desenho e Gravura do Ibeu Art Gallery em Fortaleza, membro da comissão de seleção e premiação do Salão Zé Pinto de Esculturas da Fundação Cultural de Fortaleza, membro da comissão e seleção do Salão de Abril em Fortaleza. É verbete no Dicionário Brasileiro de Artes Plásticas e no Dicionário Oboé de Artes Plásticas do Ceará. Possui obras em coleções particulares e espaços públicos no Brasil e no exterior. É diretor de criação da Creativemida, empresa cearense desenvolvedora de portais para a internet e computação gráfica multimídia. Foi piloto comercial, diretor técnico e instrutor de vôo do Aero Clube do Ceará. É membro da National American Photoshop Professional Association, Usa. É membro honorário da Academia Fortalezense de Letras.

Gostou? Deixe um comentário

José Mesquita

Pintor, escultor, gravador e “designer”.

Bacharel em administração e bacharelando em Direito.

Participou de mais de 150 exposições, individuais e coletivas, no Brasil e no exterior.

Mais artigos

Siga-me