Não era proibido proibir?

Censura Blog do MesquitaA discussão em torno da necessidade de autorização do biografado para a publicação de biografias no Brasil encerra uma discussão maior: estão em jogo, na verdade, os limites e as balizas que nortearão a liberdade de expressão no país. *

O cerne da questão é o antagonismo entre duas garantias fundamentais que vivem vizinhas no mesmo artigo 5º, o dos direitos fundamentais, da Constituição Federal.
Uma assegura o direito à informação e a liberdade de expressão. A outra prevê a proteção da imagem e da privacidade.

A Constituição de 1988 veio para quebrar o paradigma da censura. Prova disso é que fixa, em diversas passagens, a garantia da livre manifestação.

Um dos exemplos dessa garantia está no artigo 220: “A manifestação do pensamento, a criação, a expressão e a informação, sob qualquer forma, processo ou veículo não sofrerão qualquer restrição, observado o disposto nesta Constituição”.

A livre manifestação de ideias não é, contudo, isenta de responsabilidades. Tanto que a Constituição veda o anonimato ao mesmo tempo em que garante a plena liberdade de informação.

A liberdade de expressão também tem limites, por óbvio. Afinal, teremos o direito de gritar “Fogo!” em um teatro lotado calcados na garantia fundamental?

Podemos até fazê-lo, mas é necessário, então, arcar com as consequências do ato.[ad#Retangulo – Anuncios – Direita]

Como qualquer forma de censura prévia é odiosa por princípio, é necessário que haja, do Poder Judiciário, respostas rápidas e eficazes a possíveis abusos.

É preciso distinguir o mau caráter que procura difundir mentiras a respeito de terceiros do escritor, jornalista ou cidadão que usa a informação de forma responsável para registrar a história do país – ou do mundo.

A história de um país se faz pelo conjunto de histórias individuais de seus cidadãos. A depender do papel de destaque que o cidadão – seja ele artista, autoridade ou alguém que exerça um papel que influencie a sociedade em maior ou menor medida – sua história se confunde com a evolução social.

Ou seja, não pertence mais apenas a ele, mas a toda a coletividade que tem o direito, também fundamental, de ter conhecimento dos movimentos sociais de sua nação. Como nasceram, quais suas influências e o que foi feito deles.

A partir deste ponto de vista, é inviável defender a aplicação fria da letra da lei. Mais especificamente, dos artigos 20 e 21 do Código Civil.

Os dois dispositivos permitem, na prática, a proibição de qualquer escrito – não apenas de biografias – que faça com que a pessoa citada se sinta ofendida, salvo se a citação foi autorizada.

Não é necessário um grande esforço hermenêutico para perceber que tais artigos ferem de morte a garantia da livre circulação da informação. O ponto que deve se tornar central neste debate é o papel da Justiça.

Cabe descortinar os motivos pelos quais reparações judiciais demoram tanto a serem efetivadas. Feito o diagnóstico, é necessário atacar as causas para permitir, frente a abusos, a rápida reparação dos prejudicados.

Se colocarmos o foco do debate no eixo, ganharemos duplamente.

Teremos um Judiciário mais célere e, ao mesmo tempo, a garantia da plena e necessária liberdade de expressão que, no fim das contas, é o principal pilar de qualquer nação que se queira democrática.

* Ibaneis Rocha é presidente da Seccional da Ordem dos Advogados do Distrito Federal (OAB-DF)

José Mesquita

José Mesquita

Pintor, escultor, gravador e designer gráfico e digital.

José Mesquita

Pintor, escultor, gravador e “designer”.

Bacharel em administração e bacharelando em Direito.

Participou de mais de 150 exposições, individuais e coletivas, no Brasil e no exterior.

Mais artigos

Siga-me