Miguel Esteves Cardoso – Literatura


Como é que se esquece alguém que se ama?Miguel Esteves Cardoso, Literatura,

Como é que se esquece alguém que se ama? Como é que se esquece alguém que nos faz falta e que nos custa mais lembrar que viver? Quando alguém se vai embora de repente como é que se faz para ficar? Quando alguém morre, quando alguém se separa – como é que se faz quando a pessoa de quem se precisa já lá não está?

As pessoas têm de morrer; os amores de acabar. As pessoas têm de partir, os sítios têm de ficar longe uns dos outros, os tempos têm de mudar Sim, mas como se faz? Como se esquece? Devagar. É preciso esquecer devagar. Se uma pessoa tenta esquecer-se de repente, a outra pode ficar-lhe para sempre. Podem pôr-se processos e ações de despejo a quem se tem no coração, fazer os maiores escarcéus, entrar nas maiores peixeiradas, mas não se podem despejar de repente. Elas não saem de lá. Estúpidas! É preciso aguentar. Já ninguém está para isso, mas é preciso aguentar. A primeira parte de qualquer cura é aceitar-se que se está doente. É preciso paciência. O pior é que vivemos tempos imediatos em que já ninguém aguenta nada. Ninguém aguenta a dor. De cabeça ou do coração. Ninguém aguenta estar triste. Ninguém aguenta estar sozinho. Tomam-se conselhos e comprimidos. Procuram-se escapes e alternativas. Mas a tristeza só há-de passar entristecendo-se. Não se pode esquecer alguém antes de terminar de lembrá-lo. Quem procura evitar o luto, prolonga-o no tempo e desonra-o na alma. A saudade é uma dor que pode passar depois de devidamente doída, devidamente honrada. É uma dor que é preciso aceitar, primeiro, aceitar.

É preciso aceitar esta mágoa esta moinha, que nos despedaça o coração e que nos mói mesmo e que nos dá cabo do juízo. É preciso aceitar o amor e a morte, a separação e a tristeza, a falta de lógica, a falta de justiça, a falta de solução. Quantos problemas do mundo seriam menos pesados se tivessem apenas o peso que têm em si , isto é, se os livrássemos da carga que lhes damos, aceitando que não têm solução.

Não adianta fugir com o rabo à seringa. Muitas vezes nem há seringa. Nem injeção. Nem remédio. Nem conhecimento certo da doença de que se padece. Muitas vezes só existe a agulha.
Dizem-nos, para esquecer, para ocupar a cabeça, para trabalhar mais, para distrair a vista, para nos divertirmos mais, mas quanto mais conseguimos fugir, mais temos mais tarde de enfrentar. Fica tudo à nossa espera. Acumula-se-nos tudo na alma, fica tudo desarrumado.
O esquecimento não tem arte. Os momentos de esquecimento, conseguidos com grande custo, com comprimidos e amigos e livros e copos, pagam-se depois em condoídas lembranças a dobrar. Para esquecer é preciso deixar correr o coração, de lembrança em lembrança, na esperança de ele se cansar.


Você pode se interessar também sobre: David Mourão Ferreira – Versos na tarde


Miguel Esteves Cardoso, in ‘Último Volume’

Postado na categoria: Literatura - Palavras chave: ,

Leia também:

Shakespeare - Frase do dia - 29/04/2017

"O rosto enganador deve ocultar o que o falso coração sabe." William Shakespeare [ad name="Retangulo - Anuncios - Duplo"]

April 29, 2017, 9:30 am
Fotografias - Flagrantes - A marcha da insensatez

A Marcha da Insensatez ¹ – Líbia Foto: Mohammed Salem/Time  clique na imagem para ampliar ¹ Tenho ao longo desses 6 anos do blog recebido perguntas sobre o porquê dos...

July 21, 2011, 12:44 pm
Fernando Namora - Poesia
Fernando Namora - Poesia

Balada de Sempre Fernando namora   Espero a tua vinda a tua vinda, em dia de lua cheia.   Debruço-me sobre a noite a ver a lua a crescer, a...

February 5, 2019, 8:21 pm
Shakespeare - Frase do dia - 22/07/2013

"Não existe arte que ensine a ler no rosto as feições da alma." Shakespeare

July 22, 2013, 10:02 am
Maria Teresa Horta
Maria Teresa Horta

Clima Maria Teresa Horta Neste clima de armas submersas de silêncios calados bocas crespas de já grandes coragens e vontades de já claridade e já certeza Neste clima espesso grosso...

June 15, 2019, 11:41 pm
Martha Medeiros - Prosa na tarde - 21/12/2017

Disfarçar a dor é dor ainda maior Martha Medeiros¹   Se é pra sofrer, que seja sozinho, onde seu rosto possa estampar desalento, inchaços, nariz vermelho, olhar perdido, boca crispada....

December 21, 2017, 9:00 pm