• mqt_for@hotmail.com
  • Brasil

Michael Wolf, o homem que encontrou beleza nas claustrofóbicas megacidades

Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin
Os imponentes e densamente povoados arranha-céus de Hong Kong são, há tempos, símbolo da crise habitacional dessa cidade
Foto Arquitetura da Densidade #39Direito de imagem MICHAEL WOLF
Foto Arquitetura da Densidade #39, de 2005; fotógrafo passou 11 anos no projeto

Os imponentes e densamente povoados arranha-céus de Hong Kong são, há tempos, símbolo da crise habitacional dessa cidade, onde dezenas de milhares de famílias convivem em apartamentos minúsculos. Mas o fotógrafo alemão Michael Wolf conseguiu encontrar momentos de beleza nos edifícios de sua cidade adotiva, ao mesmo tempo em que retratava a dura realidade das pessoas que moravam dentro deles.

Wolf morreu em Hong Kong, que é território autônomo pertencente à China, no último dia 24 de abril, aos 64 anos.

Ele ficou internacionalmente conhecido pelo seu projeto Arquitetura da Densidade, no qual, ao longo de 11 anos, tirou fotos dos enormes blocos residenciais de Hong Kong, moldando-os de modo a que parecessem ainda mais compactos.

Michael WolfDireito de imagem GERRIT SCHREURS
Michael Wolf morreu em Hong Kong, sua cidade adotiva, aos 64 anos

Wolf passou a juventude no Canadá, na Alemanha e nos EUA e se mudou para Hong Kong em 1994 para atuar como fotojornalista da revista Stern, na qual trabalhou por oito anos.

Em 2003, começou a tirar fotos dos blocos residenciais locais, que depois integrariam o Arquitetura da Densidade.

Foto Arquitetura da Densidade #75Direito de imagem MICHAEL WOLF
Foto Arquitetura da Densidade #75, de 2006; fotos mostram a dura realidade nos apertados blocos de apartamento de Hong Kong
Presentational white space

As imagens dos edifícios ganharam contornos tão abstratos que o espectador leva um momento até entender o que está observando. Em seguida, um olhar mais cuidadoso revela os detalhes das vidas individuais que habitam os prédios – uma toalha estendida na varanda, uma janela levemente aberta, uma camiseta secando ao vento.Michael Wolf,Arquitetura,Fotografia,Blog do Mesquita

Direito de imagem MICHAEL WOLF
Arquitetura da Densidade #119, de 2009; fotos parecem abstratas à primeira vista, mas logo revelam detalhes da vida nos prédios

“Como fotojornalista, sempre estive ciente da composição nas minhas fotografias, e uma das coisas que sempre gostei de fazer era não deixar o espectador conseguir escapar da foto. Então, se há algum tipo de céu (na foto), você (espectador) consegue olhar para cima e de certo modo deixar a foto”, disse ele à BBC em 2014, explicando o corte fechado de suas imagens.

“É a mesma coisa com a arquitetura. Se você tem o céu e o horizonte, você sabe aproximadamente o quão grande é (o edifício), e a ilusão se perde. Ao cortar as imagens dessa forma (deixando apenas os edifícios à mostra), não estou mais descrevendo um edifício, estou criando uma metáfora.”

Às vezes, como ocorreu na série Minha Coisa Favorita, Wolf fazia um zoom nos detalhes pessoais para obter um olhar extremamente próximo à vida urbana.

Foto da série Minha Coisa Favorita (2003-2015)Direito de imagem MICHAEL WOLF
Foto da série Minha Coisa Favorita (2003-2015), que mostra detalhes da vida em Hong Kong
Presentational white space

Em outras ocasiões, ele dava um passo atrás e retratava a cidade à distância, como um todo – como na série de fotos Hong Kong: Porta da Frente/Porta Traseira.

Foto da série Hong Kong: Porta da Frente/Porta Traseira, 2005Direito de imagem MICHAEL WOLF
Foto da série Hong Kong: Porta da Frente/Porta Traseira, 2005, que deu um passo atrás para olhar a cidade à distância
Presentational white space

Outros lugares também inspiraram o fotógrafo.

Em 2014, suas imagens dos topos dos prédios de Paris retrataram a cidade francesa a partir da agitada geometria de suas chaminés.

Paris roof tops, 2014Direito de imagem MICHAEL WOLF
Woll lançou um curioso olhar sobre os telhados de Paris
Presentational white space

E suas fotos da rede de metrô de Tóquio (cuja série foi chamada de Compressão de Tóquio) são um olhar intimista da vida em uma cidade densa, com rostos de pessoas apertados contra as janelas dos trens.

Os vagões ficam tão cheios que parecem não dar chance de escape, a ponto de os usuários fecharem seus olhos ou cobrirem o rosto com as mãos.

Compressão de Tóquio #18, de 2010Direito de imagem MICHAEL WOLF
Compressão de Tóquio #18, de 2010; série de fotos retrata metrô da capital japonesa
Presentational white space

“O trabalho de Michael Wolf sobre a vida nas cidades sempre foi movido por uma preocupação profunda pelas pessoas morando nesses ambientes e pelas consequências da urbanização maciça da civilização contemporânea”, disse sua família no comunicado que anunciou a morte do fotógrafo.

“Esse compromisso e engajamento permaneceram centrais ao longo de sua carreira, primeiro como fotojornalista e depois como artista.”

Como o próprio Wolf explicou à BBC, “tento me colocar na situação deles (moradores das cidades). Conheço projetos de outros fotógrafos no Japão, nos quais tiram fotos de assalariados pegando o último trem de volta para casa, à meia-noite, bêbados e fora de si, deitados inconscientes nas plataformas de trem, e acho isso terrivelmente injusto. Isso (essas fotos) não diz nada e é uma forma de voyeurismo a que me oponho. Não faria isso.”

Compressão de Tóquio #75, de 2011Direito de imagem MICHAEL WOLF
Compressão de Tóquio #75, de 2011; ‘me coloco na situação daquelas pessoas’, disse Wolf
José Mesquita

José Mesquita

Pintor, escultor, gravador e "designer". Bacharel em administração e bacharel em Direito. Pós-graduado em Direito Constitucional. Participou de mais de 150 exposições, individuais e coletivas, no Brasil e no exterior. Criador e primeiro curador do Prêmio CDL de Artes Plásticas da Câmara de Dirigentes Lojista de Fortaleza e do Parque das Esculturas em Fortaleza. Foi membro da comissão de seleção e premiação do Salão Norman Rockwell de Desenho e Gravura do Ibeu Art Gallery em Fortaleza, membro da comissão de seleção e premiação do Salão Zé Pinto de Esculturas da Fundação Cultural de Fortaleza, membro da comissão e seleção do Salão de Abril em Fortaleza. É verbete no Dicionário Brasileiro de Artes Plásticas e no Dicionário Oboé de Artes Plásticas do Ceará. Possui obras em coleções particulares e espaços públicos no Brasil e no exterior. É diretor de criação da Creativemida, empresa cearense desenvolvedora de portais para a internet e computação gráfica multimídia. Foi piloto comercial, diretor técnico e instrutor de vôo do Aero Clube do Ceará. É membro da National American Photoshop Professional Association, Usa. É membro honorário da Academia Fortalezense de Letras.

Gostou? Deixe um comentário