Dez governos europeus pedem plano de recuperação de áreas verdes

Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin
Os signatários são Itália, Espanha, Holanda, Portugal, Suécia, Áustria, Dinamarca, Finlândia, Letônia e Luxemburgo.

Dez governos de toda a UE emitiram uma declaração aberta pedindo uma recuperação das áreas verdes como resposta à crise do Covid-19 e à conseqüente desaceleração econômica.

Devido à quarentena do coronavírus (Covid-19), as praças públicas, parques, ruas e restaurantes estão quase desertos. As pessoas têm que manter distância. Localização: Potsdamer Platz, centro de Berlim.

O consultor de política climática da Greenpeace da UE, Sebastian Mang, disse: “A Europa precisa de um plano para uma transformação social e econômica que nos proteja de futuras crises – sejam elas causadas por um vírus, desigualdade ou quebra do clima. Reconhecer que as enormes quantias gastas em recuperação econômica moldarão o modo como nossas sociedades operam no futuro é um começo. Mas é chocante que a Alemanha e a França não tenham assinado esta declaração.

A política da austeridade e a exploração das pessoas e da natureza estão apenas piorando a crise. Os negócios como de costume não são mais uma opção: apenas uma recuperação justa e verde pode reiniciar nossa economia e tornar nossas sociedades mais resilientes. ”

A declaração pede que a Comissão avance com o Acordo Verde Europeu e impulsione as metas climáticas da UE para 2030, conforme exigido pelo acordo climático de Paris.

Os governos argumentam que “as respostas precisam ser encontradas de maneira concertada por meio de uma resposta européia comum […] para trabalhar em conjunto para criar a ponte entre o combate ao COVID-19, a perda de biodiversidade e as mudanças climáticas” e que a UE “precisa aumentar os investimentos, principalmente nos campos de mobilidade sustentável, energia renovável, reformas de edifícios, pesquisa e inovação, recuperação da biodiversidade e economia circular. ”

O Greenpeace, juntamente com muitas outras organizações da sociedade civil, está pedindo aos governos e à UE que ajudem a construir uma sociedade mais justa e resiliente, baseada em princípios democráticos e solidariedade internacional, e oferecendo melhores cuidados de saúde, padrões de emprego, proteção social e ambiental.

A crise do Covid-19 e a crise econômica resultante demonstram a profunda necessidade de uma transição social e econômica ser justa e verde, permitindo que as sociedades sejam resilientes diante da crise.

O Greenpeace é uma organização global independente de campanha que atua para mudar atitudes e comportamentos, proteger e conservar o meio ambiente e promover a paz. O Greenpeace não aceita doações de governos, UE, empresas ou partidos políticos.

 

José Mesquita

José Mesquita

Pintor, escultor, gravador e "designer". Bacharel em administração e bacharel em Direito. Pós-graduado em Direito Constitucional. Participou de mais de 150 exposições, individuais e coletivas, no Brasil e no exterior. Criador e primeiro curador do Prêmio CDL de Artes Plásticas da Câmara de Dirigentes Lojista de Fortaleza e do Parque das Esculturas em Fortaleza. Foi membro da comissão de seleção e premiação do Salão Norman Rockwell de Desenho e Gravura do Ibeu Art Gallery em Fortaleza, membro da comissão de seleção e premiação do Salão Zé Pinto de Esculturas da Fundação Cultural de Fortaleza, membro da comissão e seleção do Salão de Abril em Fortaleza. É verbete no Dicionário Brasileiro de Artes Plásticas e no Dicionário Oboé de Artes Plásticas do Ceará. Possui obras em coleções particulares e espaços públicos no Brasil e no exterior. É diretor de criação da Creativemida, empresa cearense desenvolvedora de portais para a internet e computação gráfica multimídia. Foi piloto comercial, diretor técnico e instrutor de vôo do Aero Clube do Ceará. É membro da National American Photoshop Professional Association, Usa. É membro honorário da Academia Fortalezense de Letras.

Gostou? Deixe um comentário

José Mesquita

Pintor, escultor, gravador e “designer”.

Bacharel em administração e bacharelando em Direito.

Participou de mais de 150 exposições, individuais e coletivas, no Brasil e no exterior.

Mais artigos

Siga-me