Marguerite Yourcenar – A ordem das coisas


Reflexão na noite
A Ordem das CoisasMarguerite Yourcenar,Literatura,Blog do Mesquita

Natura deficit, fortuna mutatur, deus omnia cernit. A natureza trai-nos, a sorte muda, um deus vê do alto todas estas coisas. Apertava ao dedo a mesa de um anel onde, num dia de amargura, mandava gravar estas palavras tristes; ia mais longe no desengano, talvez na blasfêmia; acabava por achar natural, senão justo, que devíamos perecer.

As nossas letras esgotam-se; as nossas artes adormecem; Pâncrates não é Homero; Arriano não é Xenofonte; quando tentei imortalizar na pedra a forma de Antínoo não encontrei Praxíteles. Depois de Aristóteles e de Arquimedes, as nossas ciências não progridem; os nossos progressos técnicos não resistiriam ao desgaste de uma longa guerra; mesmo os nossos voluptuosos desgostam-se da felicidade.

O abrandamento dos costumes, o avanço das ideias no decorrer do último século é obra de uma ínfima minoria de bons espíritos; a massa continua ignara, feroz, quando pode, de qualquer forma egoísta e limitada, e há razões para apostar que ficará sempre assim. Procuradores a mais, publicanos ávidos, demasiados senadores desconfiados, demasiados centuriões brutais comprometeram adiantadamente a nossa obra; e os impérios, como os homens, já não têm tempo para se instruírem à custa das suas faltas.

Onde quer que um tecelão remendar o seu pano, onde um calculador hábil corrigir os seus erros, onde o artista retocar a sua obra-prima ainda imperfeita ou apenas danificada, a natureza prefere repartir sem intermediário a argila e o caos, e esse esbanjamento é o que se chama a ordem das coisas.


Você pode se interessar também sobre: Lya Luft – Poesia


Marguerite Yourcenar, in ‘Memórias de Adriano’

Postado na categoria: Literatura - Palavras chave:

Leia também:

Ricardo Reis - Versos na tarde - 025/05/2018

Mestre, são plácidas Ricardo Reis Mestre, são plácidas Todas as horas Que nós perdemos, Se no perdê-las, Qual numa jarra, Nós pomos flores. Não há tristezas Nem alegrias Na nossa...

May 2, 2018, 9:00 pm
Maria do Rosário Pedreira - Versos na tarde - 18/12/2017

Devagar Maria do Rosário Nada entre nós tem o nome da pressa. Conhecemo-nos assim, devagar, o cuidado traçou os seus próprios labirintos. Sobre a pele é sempre a primeira vez...

December 18, 2017, 9:00 pm
Miguel Esteves Cardoso - Frase do dia - 17/04/2014

"Sem um amor não vive ninguém. Pode ser um amor sem razão, sem morada, sem nome sequer.Apenas tem de ser verdadeiro." Miguel Esteves Cardoso

April 17, 2014, 10:02 am
Sophia de Mello Breyner Andresen - Porque os outros se mascaram mas tu não
Sophia de Mello Breyner Andresen - Porque os outros se mascaram mas tu não

Porque os outros se mascaram mas tu não Sophia de Mello Breyner Andresen Porque os outros se mascaram mas tu não Porque os outros usam a virtude Para comprar o...

April 12, 2019, 8:06 pm
Virginia Wolf - Frase do dia - 13/08/2016

"Não precisa ter pressa. Não há necessidade de brilhar. Não precisa ser ninguém além de si mesmo" Virgínia Wolf 

August 13, 2016, 10:00 am
Philidel - Versos na tarde - 03/09/2016

Desabafo - Desapego Queria escrever um poema que não falasse de amor para terminar com dor no meio do corredor queria escrever um poema sem herois gregos sem métrica e...

September 3, 2016, 9:00 pm