Manuel Fernando Gonçalves – Versos na tarde


Poema
Manuel Fernando Gonçalves ¹

Às vezes é absurda a distância, outras
é desejada e fria como um colar de contas,
raras contas, endurecidas, de restos
de letras, palavras não pronunciadas.

Às vezes é cruel mastigar o teu nome
curto, morder o beijo que sempre querias
dar-me, outras sabe a mel a memória densa,
o peso absorto da mão que se despede.

Resumo, bem sabes, o amor e a vida
mas soube de onde vinha quando te vi
de cabelo curto e cara desenhada: eu
no teu olhar é que morri, mesmo a sorrir.

¹ Manuel Fernando Gonçalves
* Lisboa, Portugal


Você leu?: Alice Ruiz – Se por acaso a gente se cruzasse



[ad#Retangulo – Anuncios – Duplo]

Postado na categoria: Literatura - Palavras chave: , , ,

Leia também:

Raynaldo Valinho Alvarez - Poesia
Raynaldo Valinho Alvarez - Poesia

A Essência não se Perde

August 8, 2019, 8:05 pm
Vergílio Ferreira - Um Mundo de Vidas
Vergílio Ferreira - Um Mundo de Vidas

A zona incomensurável dos possíveis

August 7, 2019, 8:00 pm
Carl Sandburg - Poesia
Carl Sandburg - Poesia

Poema Carl Sandburg Quero-te como as raízes secas desejam a chuva no verão como o vento deseja as folhas do chão e perdoa dizer tudo isto tão depressa.

August 3, 2019, 3:39 pm
Hannah Arendt - O valor da obra de arte
Hannah Arendt - O valor da obra de arte

O Valor da Obra de Arte A fonte imediata da obra de arte é a capacidade humana de pensar, da mesma forma que a «propensão para a troca e o...

August 10, 2019, 6:15 pm
John Donne - Constância Feminina
John Donne - Constância Feminina

Constância Feminina John Donne Agora já me amaste por um dia inteiro. Amanhã, quando partires, o que dirás? Irás antedatar algum voto mais recente? Ou dizer que, agora, Já não...

July 31, 2019, 9:46 pm
Cesare Pavese - A nossa arte
Cesare Pavese - A nossa arte

A arte de mergulhar fulminante e profundamente na dor

August 17, 2019, 6:34 pm