Fatos & Fotos – 26/07/2021

A realidade, questão de tempo e lugar, haverá de esgarçar seus sonhos.

Arthur Hacker. 1858-1919. Portrait of a Girl. 1896.


Beth Hart, blueswoman de categoria indiscutível, numa performance arrasadora nesta noite de seginda-feira 


Boa noite.
O Amor Limitado
John DonneLiteratura,Poesia,Cultura,Filosofia,Frases,Blog do Mesquita 00 B

Algum homem indigno de ser possuidor
De amor velho ou novo, sendo ele próprio falso ou fraco,
Pensou que a sua dor e vergonha seriam menores
Se a sua ira sobre as mulheres descarregasse.
E então uma lei nasceu:
Que cada uma um só homem conhecesse.
Mas são assim as outras criaturas?

São o sol, a lua, as estrelas proibidos por lei
De sorrir para onde lhes apetece, ou de esbanjar a sua luz?
Divorciam-se os pássaros, ou são censurados
Se abandonam o seu par, ou dormem fora uma noite?
Os animais não perdem as suas pensões
Ainda que escolham novos amantes,
Mas nós fizémo-nos piores do que eles.

Quem já armou belos navios para ancorar nos portos,
Em vez de buscar novas terras, ou negociar com todos?
Ou construiu belas casas, plantou árvores e arbustos,
Apenas para as trancar, ou então deixá-los cair?
O Bom não é bom, a não ser
Que mil coisas possua,
Mas arruína-se com a avidez.

Tradução de Helena Barbas
Arte Digital – José Mesquita


Dominika Hoffman – st sd


Louis Tresseras st sd


Kerry faz crítica velada ao Brasil em discurso em Londres
Enviado de Biden para o clima elogia Índia, China e África do Sul e diz que “outros países” estão “removendo os pulmões do mundo”

O enviado especial para o clima do governo americano, John Kerry, afirmou nesta terça-feira (20) em Londres que alguns países estão aumentando o desmatamento e “continuando a cortar ilegalmente a floresta tropical”. Segundo o americano, esses países estão “removendo os pulmões do mundo, destruindo uma biodiversidade insubstituível e desestabilizando o clima, tudo ao mesmo tempo”.

Os tais países não foram nomeados, mas o sujeito oculto da frase tem nome e sobrenome: Jair Messias Bolsonaro. Numa fala que não poupou elogios a grandes emissores do mundo em desenvolvimento, como China, Índia e África do Sul – e que mencionou de forma positiva até mesmo aos vilões clássicos do clima Arábia Saudita e Rússia –, o Brasil apareceu apenas de forma velada, e mal na fita.

O que não deixa de ser irônico, considerando que Kerry e Biden estiveram, três meses atrás, a um passo de dar um cheque gordo ao governo brasileiro a título de “cooperação em clima” para “salvar a Amazônia” – incorretamente chamada de “pulmão do mundo”.

Foi preciso uma campanha internacional movida por ativistas, indígenas, artistas e intelectuais no Brasil e nos Estados Unidos para demover o governo americano da ideia de premiar Bolsonaro por seu mau comportamento ambiental. O então ministro do Meio Ambiente Ricardo Salles encarregou-se de fazer outro tanto, pegando um avião para o Pará para melar uma operação da Polícia Federal contra madeira ilegal na mesma semana em que se reuniu com a equipe de Kerry para pedir dinheiro. O serviço foi finalizado pelos alertas de desmatamento na Amazônia, que cresceram nos últimos meses e podem revelar uma taxa de devastação na casa dos 10 mil quilômetros quadrados pelo terceiro ano seguido.

Kerry comparou a situação do mundo na 2a Guerra Mundial, quando a ameaça existencial do nazismo juntou os renitentes EUA ao Reino Unido e aos inimigos soviéticos, à atual crise climática, que igualmente demanda respostas globais.

“A crise do clima é o teste do nosso tempo, e enquanto alguns ainda podem acreditar que ela está se desenrolando em câmera lenta, esse teste é tão agudo e existencial quando qualquer outro que o antecedeu”, afirmou.

Numa metáfora utilizada há anos pelos cientistas e ambientalistas e largamente ignoradas pelos governos, o americano comparou o combate à crise climática ao esforço de guerra, quando as fábricas dos EUA tiveram sua produção toda direcionada a tanques e aviões militares. “É precisamente o que precisamos fazer agora: tratar a mudança climática como a crise que ela virou e montar uma resposta comparável à mobilização de guerra, uma oportunidade maciça de reconstruir nossas economias na esteira de uma pandemia histórica.”

Para isso, prosseguiu, os EUA e a China já se mostraram dispostos a cooperar. “Obviamente não é um mistério que a China e os EUA têm muitas diferenças. Mas, no clima, a cooperação é a única maneira de nos libertarmos do pacto suicida atualmente em curso no mundo.”


William Henri Margetson st sd


Na trilha sonora desta tarde de segunda-feira – Autumn Leaves – O Contrabaixo de Choi Jun-hyeok improvisando com músicos de rua durante uma viagem pela Itália



Foto do dia – Fotografia de Andrzej

Royalty free. A imagem é liberada livre de copyrights PixaBaby


Rio Tietê, na região de Salto, interior de São Paulo, ficou coberto por uma espuma tóxica.

Gasto com desassoreamento e limpeza do Rio Tietê caiu pela metade no ano passado.
Com o nível do rio mais baixo que o normal por causa da estiagem, a movimentação e as quedas d’água são maiores, o que provoca uma agitação maior e o surgimento de mais espuma.

Com informações do G1.


Fauci reconsidera volta do uso da máscara por vacinados nos EUA

Os Estados Unidos estão “na direção errada” no combate à pandemia de coronavírus e, na visão do assessor médico da Casa Branca Anthony Fauci, o país vê uma “situação desnecessária” de alta dos casos.

Fauci – considerado o principal especialista norte-americano em doenças infecciosas – afirmou que o recente crescimento de casos se deve à variante delta do vírus e a uma parcela da população que não se vacinou. Quase 163 milhões de pessoas, ou 49% da população americana apta a vacinar, já foram imunizadas nos Estados Unidos, segundo dados do Centro de Controle e Prevenção de Doenças (CDC).

Enquanto existem locais que estão solicitando à população retomar o uso de máscaras em público, independentemente de estarem vacinados ou não, Fauci afirmou que os especialistas estão revisando dados e avaliam a recomendação de doses de reforço para quem já se vacinou. 


Henri De Toulouse Lautrec
retrato de Vincent van Gogh


Ossos de boi, arroz e feijão quebrado formam cardápio de um Brasil que empobrece.

Com esses restos de desossa do boi, ficam resquícios de carne, proteína principal na casa de cuiabanos que vivem em situação precária. Fotografia de Rafaela Lima

A pandemia aprofundou ainda mais a situação precária vivida por milhões de brasileiros. A insegurança alimentar leva centenas de pessoas ao açougue Atacadão da Carne, em Cuiabá, em busca de doação.

Na periferia de Cuiabá, dezenas de pessoas se enfileiram em frente a um açougue, três vezes por semana, para conseguir pedaços de ossos doados pelo estabelecimento. A informação é do Uol.

Com esses restos de desossa do boi, ficam resquícios de carne, proteína principal na casa de cuiabanos que vivem em situação de vulnerabilidade financeira e social.

De acordo com funcionários do Atacadão da Carne, há mais de 10 anos o local faz essas ações. No entanto, segundo eles, a fila aumentou nos últimos tempos. Por dia, são quase 500 kg distribuídos. Pelos mesmos pedaços de ossos, outros açougues da região chegam a cobrar até R$ 10 reais por quilo.

À publicação, Maurício Munhoz, professor de economia da Universidade Federal de Mato Grosso, reforça que a fila escancara a contradição de um estado que é referência no agronegócio e na criação de gado.

“Mato Grosso tem o maior rebanho bovino do país, com cerca de 32 milhões de cabeças de gado. São aproximadamente dez cabeças de boi por habitante. Seria lógico que pelo menos o preço da carne fosse barato aqui, mas acontece o contrário”, explicou. Segundo ele, com as consequentes altas do dólar, os frigoríficos preferem exportar a carne a vender no mercado interno, visando o lucro.


Boris Grigoriev,Masked woman, 1920


André Mendonça não tem ‘reputação ilibada’ para ser ministro do STF, diz jurista

“Um conjunto de ações tomadas nos últimos anos deixa patente que André Mendonça não tem reputação ilibada para ser indicado ao STF”, afirma o jurista Rogério Dultra dos Santos

De acordo com o professor da Faculdade de Direito da Universidade Federal Fluminense (UFF), integrante da Associação Brasileira de Juristas pela Democracia (ABJD), Rogério Dultra dos Santos, o atual advogado-geral da União (AGU) André Mendonça não cumpre os requisitos básicos para ocupar uma cadeira de ministro do Supremo Tribunal Federal (STF). Mendonça foi indicado pelo presidente Jair Bolsonaro na semana passada para a vaga do ministro Marco Aurélio Mello, que se aposentou. Além de atuar como AGU, Mendonça também substituiu Sergio Moro no Ministério da Justiça.

Em ambas as funções, ele se destacou por sua fidelidade pessoal ao presidente, ultrapassando os limites constitucionais. Ele defendeu, por exemplo, a aplicação da Lei de Segurança Nacional (LSN) contra opositores de Bolsonaro. Apontado pelo presidente como “terrivelmente evangélico”, Mendonça guia a sua atuação pela bíblia, em detrimento da Constituição.

“Um conjunto de ações tomadas nos últimos anos deixa patente que André Mendonça não tem reputação ilibada para ser indicado ao STF”, afirmou Dultra em entrevista a Glauco Faria, para o Jornal Brasil Atual.


Jean André Rixens
(1846, Saint-Gaudens 1925, París)
Jovencita desnuda peinándose,1887


John White Alexander (1856-1915),Green


John White Alexander (1856-1915),Red

Mais artigos

Meio Ambiente

O Brasil é um exemplo aberrante de tudo o que se pode fazer conta o meio ambiente. Se a ONU não reagir, agora na ida