Lei de Moore e O futuro da informática


A era do progresso previsível do setor de tecnologia chegou ao seu limite. Como será sua evolução futura?

O futuro da informática
Os chips têm se aperfeiçoado de acordo com a previsão de Gordon Moore, um dos fundadores da Intel (Foto: Wikimedia)
Em 1971 o carro mais rápido do mundo era o Ferrari Daytona, que atingia a velocidade de 280 km/h. As torres gêmeas do World Trade Center, em Nova York, com 415 metros de altura eram os prédios mais altos do mundo. Nesse mesmo ano a Intel lançou o 4004, o primeiro microprocessador comercial. O chip continha 2,3 mil minúsculos transistores, cada um deles do tamanho de um glóbulo vermelho.[ad name=”Retangulo – Anuncios – Direita”]

Desde então os chips têm se aperfeiçoado de acordo com a previsão de Gordon Moore, um dos fundadores da Intel. Em 1965, em um artigo publicado em uma revista científica, Moore escreveu que a capacidade de processamento dobraria, em média, a cada dois anos, com o aumento do número de transistores menores que poderiam ser colocados nos circuitos eletrônicos, o que melhoraria o desempenho e reduziria os custos. Esse aumento exponencial ficou conhecido como a lei de Moore.

O processador atual Intel Skylake contém cerca de 1,75 bilhão de transistores e meio milhão deles caberiam em um transistor do microprocessador 4004. Juntos eles aumentam a capacidade de processamento em mais de 400 milvezes.

Esse progresso exponencial é difícil de relacionar ao mundo físico. Se os automóveis e arranha-céus tivessem se aperfeiçoado nesse ritmo a partir de 1971, o carro mais rápido do mundo atingiria um décimo da velocidade da luz; o prédio mais alto do mundo chegaria à metade da distância da Lua.

O impacto da lei de Moore é visível na vida cotidiana. Hoje, 3 bilhões de pessoas carregam seus smartphones nos bolsos; cada um deles é mais potente do que os computadores de grande porte, que ocupavam uma sala de umedifício na década de 1980. Inúmeros setores foram afetados pela revolução digital.

A capacidade de processamento dos computadores diminuiu a frequência dos testes nucleares, porque as armas atômicas são testadas com mais facilidade com o uso de explosões simuladas, em vez de reais. A lei de Moore é um conceito válido até hoje. As pessoas dentro e fora do Vale do Silício acreditam que a tecnologia irá melhorar a cada ano.


Você leu?: A natureza já não pode mais sustentar os humanos


Mas agora, depois de 50 anos, o fim da lei de Moore se aproxima (ver Technology Quarterly). O fato de fabricar transistores menores não mais garante que serão mais baratos ou mais rápidos. Isso não significa que o progresso no setor de tecnologia sofrerá uma súbita estagnação, e sim que a natureza desse progresso está em processo de mudança.

Os chips continuarão a se aperfeiçoar, porém em um ritmo mais lento; agora, segundo a Intel, o número de transistores em um chip tende a dobrar só a cada dois anos e meio.

O que isso significará na prática? A lei de Moore não é uma lei física, mas sim uma profecia autorrealizável, uma vitória do planejamento central no qual o setor de tecnologia coordenou e sincronizou suas ações.

Com seu desaparecimento, o ritmo do progresso tecnológico será menos previsível; é possível que surjam obstáculos em seu caminho à medida que as novas tecnologias com melhor desempenho sejam lançadas no mercado.

No entanto, como a maioria das pessoas avalia seus computadores e dispositivos eletrônicos em termos de suas funções, design e versatilidade de recursos, em vez de velocidade, é possível que os consumidores não percebam essa evolução mais lenta.
Fontes:The Economist-The future of computing

Postado na categoria: Padrão - Palavras chave: , , , ,

Leia também:

Anne Sophie Gilloen - Cerâmicas
Anne Sophie Gilloen - Cerâmicas

October 21, 2019, 11:28 am
Ballet - Svetlana Zakharova - Bolshoi
Ballet - Svetlana Zakharova - Bolshoi

Um dia sem dançar é um dia perdido

October 24, 2019, 11:25 am
Itzmalli Coca - Arte - Pinturas
Itzmalli Coca - Arte - Pinturas

Encaustica sobre madeira

November 7, 2019, 2:53 pm
Marianne Joubert. E basta!
Marianne Joubert. E basta!

Uma bela mulher faz a imaginação ficar estática

November 7, 2019, 7:30 pm
Emma Vance. E basta!
Emma Vance. E basta!

A beleza está no sorriso, no olhar, no gesto

November 13, 2019, 6:57 pm
A natureza já não pode mais sustentar os humanos
A natureza já não pode mais sustentar os humanos

Metade da população mundial sofrerá com a redução de benefícios naturais como a polinização e a limpeza da água nos próximos trinta anos

November 14, 2019, 11:00 am