Kim McMillen – Quando me amei de verdade – Poesia


Quando me amei de verdade
Kim McMillen¹Literatura,Poesia,Kim McMillen

Quando me amei de verdade
pude compreender
que em qualquer circunstância,
eu estava no lugar certo, na hora certa.
Então pude relaxar.

Quando me amei de verdade
pude perceber que o sofrimento
emocional é um sinal de que estou indo
contra a minha verdade.

Quando me amei de verdade
parei de desejar que a minha vida
fosse diferente e comecei a ver
que tudo o que acontece contribui
para o meu crescimento.

Quando me amei de verdade
comecei a perceber como
é ofensivo tentar forçar
alguma coisa ou alguém
que ainda não está preparado.
– inclusive eu mesma.


Você leu?: Joaquim Pessoa – É provável que ainda a ame


Quando me amei de verdade
comecei a me livrar de tudo
que não fosse saudável.
Isso quer dizer: pessoas, tarefas,
crenças e – qualquer coisa que
me pusesse pra baixo.
Minha razão chamou isso de egoísmo.
Mas hoje eu sei que é amor-próprio.

Quando me amei de verdade
deixei de temer meu tempo livre
e desisti de fazer planos.
Hoje faço o que acho certo
e no meu próprio ritmo.
Como isso é bom!

Quando me amei de verdade
desisti de querer ter sempre razão,
e com isso errei muito menos vezes.

Quando me amei de verdade
desisti de ficar revivendo o passado
e de me preocupar com o futuro.
Isso me mantém no presente,
que é onde a vida acontece.

Quando me amei de verdade
percebi que a minha mente
pode me atormentar e me decepcionar.
Mas quando eu a coloco
a serviço do meu coração,
ela se torna uma grande e valiosa aliada.

¹Kim McMillen & Alison McMillen, do livro “Quando me amei de verdade”. [tradução Iva Sofia Gonçalves Lima]. Rio de Janeiro: Sextante, 2003.

Postado na categoria: Literatura, Poesia - Palavras chave: , ,

Leia também:

Pe. Antônio Vieira - O que sabemos e o que ignoramos
Pe. Antônio Vieira - O que sabemos e o que ignoramos

A maior parte do que sabemos é a menor do que ignoramos

August 25, 2019, 7:14 pm
Clarice Lispector - A imaginação é a base do homem
Clarice Lispector - A imaginação é a base do homem

O determinismo não é um determinismo de fins

August 30, 2019, 5:52 pm
Alexander Pushkin - A minha biblioteca é o meu harém
Alexander Pushkin - A minha biblioteca é o meu harém

Os livros dão-me confiança pela sua disponibilidade

August 24, 2019, 7:25 pm
Artur da Távola - Soneto inascido
Artur da Távola - Soneto inascido

O poema viceja no oculto

September 18, 2019, 7:45 pm
O que esperar da continuação de "O Conto da Aia"
O que esperar da continuação de "O Conto da Aia"

"The Testaments", de Margaret Atwood, chega a livrarias na próxima semana

September 8, 2019, 12:40 pm
Ezpinoza - A finalidade do Estado é a liberdade
Ezpinoza - A finalidade do Estado é a liberdade

Num Estado democrático, o que menos se tem a temer é o absurdo

September 7, 2019, 7:12 pm