Poesia – Judith Teixeira – 27/07/2021

Mas por que vim eu escrever-te ainda?

Boa noite
Adeus
Judith Teixeira

Sim, vou partir.
E não levo saudade
De ninguém
Nem em ti penso agora!
Julgavas que a tristeza desta hora
Fosse maior que a firme vontade
Que eu pus em destruir
O luminoso fio de ternura
Que me prendia ao teu olhar?
Julgaste mal:
Eu sei amar,
Mas meu amor
O que eu não sei
É ser banal!

Mas por que vim eu escrever-te ainda?
Nem eu sei!
Talvez somente
O hábito cortês da despedida
– e o hábito faz lei!

Choro?! Oh, sim , perdidamente!
Mas sabes tu, por que este pranto
Assim amargo e soluçado vem?
É que na hora da partida
Eu nunca pude sem chorar
Dizer adeus a ninguém!

Mais artigos

Meio Ambiente

O Brasil é um exemplo aberrante de tudo o que se pode fazer conta o meio ambiente. Se a ONU não reagir, agora na ida