J.G de Araujo Jorge – Pressentimento


Pressentimento
J.G de Araujo JorgeBlog do Mesquita,Literatura,Poesia,Sonetos

O fim do nosso amor pressenti – na agonia
das tuas próprias cartas, rápidas, pequenas…
– se nem tantas, com carinho imenso te escrevia
tão poucas me chegavam por reposta apenas…

Nas cartas que a sofrer, te escrevia, às dezenas
adiava a realidade sempre, dia a dia,
procurando iludir em vão as minhas penas
muito embora eu soubesse o quanto me iludia!

Hoje… já não foi mais surpresa para mim,
dizes (como quem tem piedade), que é melhor
não continuarmos mais… e tens razão: é o fim…

Há muito eu o esperava e o pressentia no ar…
Chegou… que hei de fazer?… Foi bom… Seria Pior
se ele não viesse nunca… e eu ficasse a esperar…


Você leu?: Thiago de Mello – A fruta aberta – Poesia


Postado na categoria: Literatura, Poesia - Palavras chave: ,

Leia também:

Schopenhauer - Boa e má literatura
Schopenhauer - Boa e má literatura

O que acontece na literatura não é diferente do que acontece na vida

September 20, 2019, 7:24 pm
Thiago de Mello - A fruta aberta - Poesia
Thiago de Mello - A fruta aberta - Poesia

Aprendi contigo, amada. Aprendi com a tua beleza

September 21, 2019, 7:15 pm
Clarice Lispector - A imaginação é a base do homem
Clarice Lispector - A imaginação é a base do homem

O determinismo não é um determinismo de fins

August 30, 2019, 5:52 pm
Carlos Drummond de Andrade - Viver
Carlos Drummond de Andrade - Viver

Isso, ou menos que isso...

September 4, 2019, 1:07 pm
Vinicius de Moraes - A medida do abismo - Poesia
Vinicius de Moraes - A medida do abismo - Poesia

Que grito inútil! Que imenso nada!

September 22, 2019, 8:00 pm
Voltaire - Amor comparado
Voltaire - Amor comparado

Queres ter uma ideia do amor, vê os pardais...

September 18, 2019, 8:00 pm