Internet e jornalismo. Sem inovação a economia para


Imprensa online Blog do MesquitaO caos criativo na internet e as opções do jornalismo

Esta discussão se o Twitter é ou não é jornalismo tem todas as características de um debate bizantino. Na verdade a questão central não está no microbolg que virou mania mundial, mas nos valores e percepções da realidade de quem se posiciona contra ou a favor.

Os críticos do Twitter afirmam que o microblog não favorece o desenvolvimento de enfoques e reflexões “sérias” sobre os fatos, fenômenos e percepções que são objeto de postagens pelos  usuários do programa criado em 2006, nos Estados Unidos.

O sistema que permite textos de no máximo 140 caracteres começou como uma ferramenta onde adolescentes diziam o que estavam fazendo. Obviamente isto levou os mais céticos a qualificar a nova ferramenta de comunicação como promotora da futilidade e superficialidade, coincidentemente, adjetivos que já haviam sido usados para caracterizar os conteúdos do início da Web nos anos 90 e dos blogs no começo do século atual.

A preocupação com a seriedade jornalística parte de uma visão defasada da atividade informativa, já que a internet e avalancha noticiosa mudaram radicalmente a conjuntura informativa contemporânea. Até agora a notícia era o produto da atividade de profissionais especializados que podiam decidir o que era válido ou inválido como informação, dada escassez de canais de comunicação.


Você pode se interessar também sobre: PC x TV – Ministro quer menos internet e mais TV


A internet revolucionou tudo isto ao disponibilizar anualmente um volume de informações equivalente a 18,5 exabytes o que equivale, a aproximadamente 70 mil novas bibliotecas do Congresso dos Estados Unidos, cujo acervo, em 2007, era de 32 milhões de livros. Isto significa que o volume de livros daria mais ou menos 2,2 trilhões de livros novos por ano disponíveis para consulta na Web.[ad name=”Retangulo – Anuncios – Direita”]

São número aproximados porque as proporções se tornaram tão gigantescas que a precisão se tornou altamente relativa. Mas o que ninguém pode negar é que é um volume de informações inédito na história da humanidade.

Nestas circunstâncias não é difícil entender porque o volume de informações sobrepassou a capacidade processadora dos jornalistas. Isto tornou ainda mais longínqua a idéia de que alguém achar que é o dono da verdade. Se nós não conhecemos tudo, isto significa que alguém pode saber o que não sabemos. Portanto, para ampliar nossos conhecimentos a única saída é trocar informações.

Isto implica um diálogo que é onde os dados, fatos e informações são recombinadas (remixados no dicionário contemporâneo) para produzir conhecimentos, que necessariamente acontecem em redes. Antes as redes estavam limitadas a espaços físicos, agora elas acontecem no ambiente virtual, por meio de ferramentas como as páginas web, os blogs, os fóruns online e o twitter.

Antes o conhecimento era produzido nos recintos acadêmicos, nos centros de estudo, parlamentos e redações, só para dar alguns exemplos. Hoje, estes ambientes já não conseguem mais dar conta da avalancha informativa e a usina do conhecimento transferiu-se para o espaço cibernético, onde as regras ainda estão sendo escritas e reescritas.

Além disso, o jornalismo dos próximos anos não vai mais ser caracterizado pelas redações estilo fordista onde a notícia era processada como numa linha de montagem industrial, mas por sua imersão em ambientes marcados pelo caos criativo. O profissional não poderá mais limitar-se a um circulo restrito de fontes e um público que ele só conhecia de forma indireta e geralmente distante.

Ele não terá outra alternativa senão mergulhar no grande ágora informativo, do qual o Twitter é um componente. Acostumar-se com o caos, incerteza, insegurança e instabilidade, ou como disse o sociólogo polonês Zygmunt Bauman “viver numa sociedade líquida”. E principalmente saber que terá que conversar e ouvir, o que significa que a relação com o público deverá mudar e muito.

Voltando ao Twitter, é claro que, da mesma forma que o Youtube e os blogs, ele não é um repositório organizado de dados, fatos, informações e percepções individuais. E nem é realista que algum dia ele chegue a tanto, porque a recombinação criativa é inevitavelmente complexa.

Mas apesar de tudo isto, o jornalismo do futuro não poderá prescindir do Twitter e outras ferramentas da chamada mídia social, como os blogs, bem como de personagens polêmicos como o jornalista cidadão, porque todos eles fazem parte da grande conversa informativa. Sem esta conversa não há troca, sem troca não há recombinação e nem inovação. E sem inovação, a economia pára.
Carlos Castilho/Observatório da Imprensa

Postado na categoria: Comportamento, Internet, Mídia - Palavras chave: , , , , , , , ,

Leia também:

Celulares podem acabar com um dos símbolos de Londres
Celulares podem acabar com um dos símbolos de Londres

As cabines telefônicas de Londres, assim como os táxis pretos de design clássico e os ônibus de dois andares, são, sem sombra de dúvida, os símbolos mais conhecidos de Londres....

December 21, 2013, 10:20 am
Aposentadoria não é humilhação
Aposentadoria não é humilhação

Aposentadoria: dinheiro arrecadado deve ser investido em desenvolvimento e depois retornando para garantir a velhice com dignidade, sem humilhação. Não exagero ao dizer que o modelo capitalista. ou que nome...

January 17, 2012, 11:36 am
Por que na Finlândia bebês dormem em caixas de papelão?
Por que na Finlândia bebês dormem em caixas de papelão?

Bebês de todas as classes sociais dormem em caixas de papelão na Finlândia. País que já foi pobre na década de 30 hoje é símbolo de igualdade e apresenta as...

June 6, 2013, 10:43 am
José Roberto Arruda: Tratado geral sobre o cinismo
José Roberto Arruda: Tratado geral sobre o cinismo

Para o exercício do logro, o governador José Roberto Arruda possui instrumental completo: não conhece limites, menospreza o discernimento alheio, confia na eficácia de seus truques e acha que suas...

January 10, 2010, 11:50 am
130 anos da abolição: Projeto escola Sem Partido impede professor de condenar a escravidão
130 anos da abolição: Projeto escola Sem Partido impede professor de condenar a escravidão

Hoje completam 130 anos as dezessete palavras que, ordenadas em dois artigos, mudaram a história: “É declarada extinta, desde a data desta lei, a escravidão no Brasil. Revogam-se as disposições em...

May 13, 2018, 11:05 am
Terrorismo na tríplice fronteira Brasil,Paraguai e Argentina
Terrorismo na tríplice fronteira Brasil,Paraguai e Argentina

Homem da Inteligência do governo Obama diz que terror está presente na Trípice Fronteira Em sua primeira audiência no Senado americano, o novo diretor nacional de Inteligência dos EUA, o...

February 15, 2009, 10:05 am