• mqt_for@hotmail.com
  • Brasil

“Você queimará no inferno!”: O caso do professor condenado por ensinar a teoria de Darwin

Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin
John Thomas Scopes era um professor de biologia de 24 anos que queria ensinar aos alunos a teoria de Darwin em 1925

Há 95 anos, o professor de biologia John Thomas Scopes foi preso e acusado de ter ensinado “uma teoria que nega a história da Criação Divina do Homem, conforme explicado na Bíblia”.

O processo foi um escândalo e eles chamaram de “The Monkey Trial“. Foi uma batalha entre fé e ciência, quatro séculos após os incêndios da Inquisição e quase três séculos após a punição de Galileu Galilei.

John Thomas Scopes era um professor de biologia de 24 anos que queria ensinar aos alunos a teoria de Darwin em 1925 (Wikipedia: Smithsonian Institute)

“Quem cria perturbações em sua casa herdará o vento, e o tolo se tornará servo dos sábios de coração” (Livro de Provérbios 11:29, palavras do rei Tiago)

Como todos os dias em junho, Dayton, Tennessee, duas mil almas, acordaram naquela segunda-feira em 1925, envoltas em um vapor de chumbo derretido.

Às dez da manhã, o professor John Thomas Scopes, de 24 anos, professor de biologia, álgebra, química e física, exibiu uma imagem mostrando a evolução no quadro de sua sala de aula na Rhea Country Central High School, do homem de um pequeno macaco que se arrastava em seus quatro membros para um espécime maior, ereto e errante, de semelhança evidente e indiscutível com um ser humano.

Mesmo assim, semelhante a qualquer um dos habitantes de Dayton, embora muitos deles, a partir daquele dia, parecessem duvidosamente homo sapiens. Especialmente para a segunda palavra …

Quase sete décadas antes, em 1859, o cientista e naturalista inglês Charles Robert Darwin (1802–1889) sacudiu a colméia humana com seu livro A Origem das Espécies, que postulava evolução e seleção natural – adaptação ao ambiente, sobrevivência da natureza. mais forte – como uma chave para o quanto o ser vivo nasceu, cresceu, se reproduziu e morreu no planeta Terra.

Inconscientemente, os inocentes escopos naquela manhã violaram a Lei Butler, que considerava “ilegal em qualquer estabelecimento educacional no estado do Tennessee qualquer teoria que negasse a história da Criação Divina do Homem, conforme explicado na Bíblia, e a substituísse pela ensinando que o homem descende de uma ordem inferior de animais “.

Três dias depois, Scopes estava na prisão e o banco do acusado estava esperando por ele. Mas ninguém, no desconhecido Dayton e no mundo, imaginou que essa classe e aquela imagem eram o começo de um furacão.

O julgamento colocou dois advogados importantes: William Jannings Bryan, três vezes candidato à presidência – e um fanático religioso – na acusação, e uma estrela do seu tempo, Clarence Darrow, na defesa, notória por suas vitórias sobre casos perdidos anteriormente. Quase um mito do fórum.

O julgamento começou em 10 de julho de 1925 sem que o verão brutal desse trégua. Já em tribunal, e contra os rígidos costumes da época, os dois advogados obtiveram permissão do juiz do caso, John Raulston, para remover seus casacos e receber, do preguiçoso e antigo ventilador de teto, uma lâmina de ar …

O Juiz que enfrentou outro problema inicial e não um problema menor. Apoiado, como quase todas as pessoas, William Bryan, concedeu a ele o título de coronel honorário da milícia local. O que menos para o cavaleiro cruzado que defenderia a Palavra Sagrada contra o ateísmo diabólico semeado por Scope na sala de aula e nas almas de seus alunos?

É claro que Darrow protestou:

–Por que esse privilégio? Para o júri e o público, o “coronel” Bryan é alguém superior ao seu rival. Aumenta, ao mesmo tempo que diminui minha figura.

O juiz hesitou por alguns minutos antes da discussão irrefutável e retirou da galeria a lenda do rei Salomão e das duas mulheres que alegavam ser criança:

-Bem. Então, à minha direita, também nomeio Coronel Honorário da milícia local … Advogado Darrow!

E reinou (embora por pouco tempo), a paz …

Lá fora, enquanto isso, as ruas e praças se tornaram um circo. Os gritos dos vendedores de sorvete e limonada foram confundidos com as hosannas e aleluias dos místicos, os insultos contra Scopes e Darrow … “enviados do diabo!”, Os cânticos religiosos em coro e a agitação de pôsteres com macacos pintados de forma grosseira. e a lenda “Este não é meu pai”. Alguém até se atreveu a andar enjaulado, um pobre macaco açoitado pelos gritos e pelo calor …

Dadas as notícias incomuns – não havia esse antecedente na história do país -, um jornal de Nova York nomeou um enviado especial para escrever sobre o caso e transmitir por telefone cada instância do processo, que do outro lado do país. e conectada a um alto-falante, alcançou o público – cada vez mais numeroso – reunido na rua.

Até então, o caso Scopes, já batizado e entrando na história como “O Julgamento do Macaco”, era uma guerra sem um possível armistício entre aqueles que acreditavam serem filhos da evolução e os criacionistas, que se recusavam a admitir que haviam partido ” de um lago imundo, um caldo fedorento de insetos e vermes, e não das mãos doces de Deus, nosso senhor ”, como uma das testemunhas se ouviu dizer.

Em 10 de julho de 1925, o julgamento começou com o advogado William Bryan – sentado no centro atrás dos microfones – e com o réu John Thomas Scopes.

Na realidade, o julgamento foi uma farsa, uma armadilha armada para derrotar Darrow, “o maior ateu do país” (um novo título adquirido durante os debates) e demonizar o mestre com faixas furiosas: “Escopos, você queimará no inferno!” .

O juiz foi um cúmplice absoluto dos criacionistas. Proibiu a aparência de cientistas, biólogos, geólogos e todos os especialistas apresentados pela defesa, enquanto a multidão – trezentos por dentro, mais de mil por fora – aplaudia o nome de Deus.

Mas Darrow, também um defensor dos pobres, trabalhadores, homossexuais, vítimas do poder, levou seu último ás na manga:

–”Muito bem, Bryan.” Então vamos jogar em seu campo.

E, para surpresa de todos, ela o chamou para o stand.

–Você é especialista na Bíblia?

–Absolutamente. Eu conheço cada uma de suas palavras.

–Em caso de dúvida, o que você faz?

–Pergunto ao Senhor, e ele me responde.

–Senhores … Deus fala com Bryan! Eu apresento a você o profeta de Nebraska!

Houve algumas risadas …

– Tudo o que diz que a Bíblia deve ser interpretado literalmente?

-Assim é.

–(Mostrando lhe un objeto) Quantos anos tem essa pedra? A ciência diz que alguns milhões de anos …

–Não estou interessado na idade das rochas, mas na Rocha das Eras. Mas é impossível. Tem menos de seis mil anos, porque o bom bispo James Usher marcou a data da criação: 23 de outubro de 4004 aC às nove da manhã.

“Hora leste ou oeste?”

Mais risadas na sala.

– Aquele primeiro dia teve 24 horas?

–A Bíblia diz que foi um dia.

–Mas era impossível medir o tempo. Um dia de vinte e quatro horas, trinta, um mês ou milhões de anos?

-Não sei. Foram períodos.

– Eles poderiam durar muito tempo?

-Talvez…

Darrow viu a luz do triunfo. Ele perguntou a seu rival se era possível, de acordo com a Bíblia, que o sol tivesse parado.

–Se o Senhor queria que ele parasse, Ele parou.

“Mas, se o fizesse, os mares teriam enlouquecido e até as montanhas teriam colidido.” Como essa catástrofe escapou de você? Por que a Bíblia não menciona isso?

O duelo entre os dois advogados – amigos por muitos anos – continuou a favor de Darrow com perguntas sobre a lenda de Jonah e a baleia, o dilúvio universal e outros mistérios de resposta impossível. Em uma sala provisória, Bryan deixou o posto. Ele era diabético, comia com a fome de um náufrago e, já que para os criacionistas ele era o campeão de Deus na Terra, eles o convidavam para festas constantes e festas que agravavam sua condição.

O julgamento foi um escândalo e nas ruas as pessoas gritaram “Você queimará no inferno!”
Na terça-feira, 25 de julho de 1925, Scopes foi considerado culpado por um júri de maioria absoluta criacionista. Mas, na ausência de um registro – foi o primeiro caso desse teor – ele não foi para a prisão. Ele foi punido com uma multa de cem dólares, depois reduzido … para apenas um dólar. Com um final triste. Cinco dias depois, domingo, Bryan foi dormir e dormiu até a morte.

O caso era grande demais e atravessava fronteiras: nos últimos estágios do julgamento havia jornalistas europeus e norte-americanos. Era difícil entender uma luta semelhante entre fé e ciência … 472 anos após as primeiras fogueiras da Inquisição contra “hereges, feiticeiros, feiticeiros”, 292 do julgamento contra Galileu Galilei por apoiar a teoria de Copérnico (“A Terra gira em torno do Sol” ) e 242 dos vinte enforcados em Salem, Massachusetts, por “bruxaria e relações com Lúcifer”.

Scopes continuou a ensinar até sua morte em 1970. Ele foi enterrado na Louisiana com o rito católico à vontade de sua esposa e dois filhos. Porque esse era o paradoxo. Em Dayton, aquela pequena cidade do sul, nunca houve um conflito entre crentes e ateus antes. Todos, quase sem exceção, eram devotos do Senhor, além das nuances entre mórmons, testemunhas de Jeová, episcopalianos, adventistas etc. O próprio Scopes, o pelourinho de bode expiatório por exibir uma imagem da evolução, era cristão, assim como o grupo de estudantes que o defendiam e era marginalizado pelo fanatismo cego dos demais.

O que foi apenas um mal-entendido em uma cidade pequena, terminou em um grande grotesco, mesmo com episódios de violência: paus, pedras e punhos dos inimigos de Darwin – mesmo que oitenta por cento das almas de Dayton desconheciam sua existência – contra os “demônios” evolutivos.

José Mesquita

José Mesquita

Pintor, escultor, gravador e "designer". Bacharel em administração e bacharel em Direito. Pós-graduado em Direito Constitucional. Participou de mais de 150 exposições, individuais e coletivas, no Brasil e no exterior. Criador e primeiro curador do Prêmio CDL de Artes Plásticas da Câmara de Dirigentes Lojista de Fortaleza e do Parque das Esculturas em Fortaleza. Foi membro da comissão de seleção e premiação do Salão Norman Rockwell de Desenho e Gravura do Ibeu Art Gallery em Fortaleza, membro da comissão de seleção e premiação do Salão Zé Pinto de Esculturas da Fundação Cultural de Fortaleza, membro da comissão e seleção do Salão de Abril em Fortaleza. É verbete no Dicionário Brasileiro de Artes Plásticas e no Dicionário Oboé de Artes Plásticas do Ceará. Possui obras em coleções particulares e espaços públicos no Brasil e no exterior. É diretor de criação da Creativemida, empresa cearense desenvolvedora de portais para a internet e computação gráfica multimídia. Foi piloto comercial, diretor técnico e instrutor de vôo do Aero Clube do Ceará. É membro da National American Photoshop Professional Association, Usa. É membro honorário da Academia Fortalezense de Letras.

Gostou? Deixe um comentário