Impeachment: o jogo é deixar Dilma “sangrar”


Elite esquece impeachment de Dilma, vão deixá-la sangrando até o fim.

Dilma Rousseff,Política,Impeachment,Blog do Mesquita

E de repente, não mais que de repente, Globo, Bradesco, Firjan, Fiesp, Alckmins, Boechats e tutti quanti emitem sinais de que ou não embarcaram ou desembarcaram da aventura do impeachment. Na versão cada dia mais surrealista dos governistas, essas forças agora vão neutralizar o golpe da “direita”.

Não vai haver golpe porque o golpe já houve com o estelionato eleitoral, quando Dilma ganhou e Levy levou. E continua havendo, a conta-gotas, como demonstra a agenda de arrocho e repressão que o Congresso examina e a própria presidenta não se nos poupa de impulsionar, agora com o PL 2.016.

Ao que tudo indica, os setores do grande capital hoje dedicados ao “deixa disso” não querem marola porque já conseguiram o que queriam antes mesmo da posse: a escolha de um Levy qualquer para gerir a economia à moda dos derrotados, ficando o ônus da impopularidade das medidas para Dilma e “seu” partido.[ad name=”Retangulo – Anuncios – Direita”]

Podem se dar ao luxo de tolerar Dilma desde que ela mantenha a política econômica conservadora, os subsídios “estratégicos” e os juros altos. Não serão os “movimentos sociais”, que seu projeto ameaça criminalizar, que garantirão o cumprimento do mandato de Dilma, nem o “seu” partido em frangalhos, mas o próprio Capital. Que, como de hábito, saberá exigir exclusividade nos bônus.


Você leu?: Etanol americano pode adiar (de novo) triunfo do biocombustível brasileiro


No andar de cima, a disposição de desestabilizar parece estar agora restrita a Cunha e sua tropa, de um lado, e aos desvarios de Aécio e sua banda de música parlamentar, de outro. Mas não se sabe o que o futuro imediato lhes reserva.

Com a recondução de Janot, as denúncias decorrentes da Lava Jato chegarão aos membros do Congresso, e aí muitas surpresas podem acontecer. Na remota hipótese de Dilma ser atingida pelas investigações, Temer continuará sendo o “plano B” de muitas forças, coisa que sempre pode credenciar alguém a se tornar o “plano A”.

Aconteça o que acontecer com a luta pelo poder, hoje no nível de um “Cães de Aluguel” encenado num “Tomara que Caia” feito só por canastrões, podemos ter algumas certezas: os trabalhadores, materiais e imateriais, pagarão sozinhos a conta do “ajuste”; a matança de pobres pelo Estado prosseguirá; as remoções de famílias pobres continuarão em todo lugar; os indígenas continuarão perdendo suas terras; os movimentos de contestação continuarão sendo tratados como inimigos do Estado.

As surpresas tendem a ficar reservadas ao que a Operação Lava Jato ainda pode produzir. Sobre isso, há um ponto que, talvez intencionalmente, vem sendo silenciado por “vermelhos” e “azuis”: em reiteradas manifestações processuais, o juiz Moro sempre repele a versão de que teria havido extorsão contra as mega-empreiteiras cujos altos dirigentes vem prendendo e condenando.

Rejeita a versão imoral de que as empreiteiras foram “vítimas” dos partidos. Sempre reitera que elas entraram em conluio, formaram um cartel, uma associação para delinquir – o que chegou a provocar críticas apopléticas por parte de notórios escribas do Capital.

Diante disso, duas perguntas ficam por responder.

A primeira é: dado que as empresas envolvidas também compartilham outras grandes obras públicas, estaduais e municipais, especialmente no Rio dos mega-eventos, é crível que tal associação criminosa entre elas se restringisse ao plano federal? Aqui no Rio era tudo certinho? Em São Paulo também? E em Minas, etc? Com as mesmíssimas empresas?

A segunda pergunta é: chegarão as investigações até aí? As atuais ou as que resultarem delas?

Jânio de Freitas noticiou ontem na Folha que o tal Fernando Baiano, “operador” do PMDB, teria mandado a família para o exterior, sinal de que estaria mesmo disposto a colaborar. Nessa hipótese, abre-se uma avenida para averiguar a reprodução do esquema dos gangsters no Rio.

E muitas verdades enunciadas nas ruas em 2013 serão comprovadas judicialmente. Sem mandato, o ex-governador fluminense, por exemplo, estaria na jurisdição de Moro nos casos em pauta… Ainda tem muita água pra rolar, mas cresce entre “vermelhos”, “azuis” e “furta-cores” o desejo de deter o tsunami curitibano. Conseguirão?
Por Adriano Pilatti/Tribuna da Imprensa

Postado na categoria: Brasil, Economia, Política - Palavras chave: , , , ,

Leia também:

Etanol americano pode adiar (de novo) triunfo do biocombustível brasileiro
Etanol americano pode adiar (de novo) triunfo do biocombustível brasileiro

Produtores brasileiros temem que proposta de zerar tarifa

August 23, 2019, 11:50 am
Queimadas no Brasil aumentam 82% em relação a 2018
Queimadas no Brasil aumentam 82% em relação a 2018

O mês de agosto vem batendo o recorde dos últimos sete anos

August 20, 2019, 12:18 pm
Brasil da série
Brasil da série "Só dói quando eu rio"

Questão só de peso e medida

August 12, 2019, 11:02 am
Brasil da série
Brasil da série "Só dói quando eu rio"

Desmatamento

August 19, 2019, 11:22 am
Amazônia; Esse é o alvo. Petrobrás é despiste.
Amazônia; Esse é o alvo. Petrobrás é despiste.

Garimpo se destaca como vetor do desmatamento

August 16, 2019, 11:00 am
Mudança climática ameaça produção de alimentos, alerta ONU
Mudança climática ameaça produção de alimentos, alerta ONU

Mudança climática ameaça produção de alimentos

August 8, 2019, 12:34 pm