O fascismo por ele mesmo: Benito Mussolini


Em entrevista concedida em 1932, questionado sobre se um ditador poderia ser amado, Mussolini disse: ‘Pode. Desde que as massas também o temam. O povo adora homens fortes. O povo é como uma mulher.’

Benito Mussolini (1883-1945), o ditador italiano, nasceu na província de Romagna. Cedo, tornou-se jornalista e responsável por uma publicação socialista, o Avanti. Depois de servir na Primeira Guerra Mundial, fundou um semanário de direita, o Popolo d’Italia, e passou a dirigir o agrupamento dos Fascisti. Em 1921, foi eleito para o Parlamento e fundou o Partido Nacional Fascista. No ano seguinte, liderou os chamados camisas-negras na grande Marcha sobre Roma, que levou o rei Vittorio Emmanuel III a convidá-lo para formar o governo italiano. Em 1928, “II Duce”, como era conhecido, aboliu o Parlamento e, em 1929, decretou o Vaticano um Estado independente da Itália.

Em 1940, a Itália do Duce alinhou-se à Alemanha nazista na Segunda Guerra Mundial. Teria início aí sua decadência política. As tropas italianas foram derrotadas na Grécia e no norte da África. Sua popularidade despencava à medida que perdia as batalhas. O rei o depôs e mandou aprisioná-lo. Liberado pelos alemães, Mussolini foi capturado pelos partisans, morto a tiros e exposto em praça pública nas cidades de Como e Milão.

Emil Ludwig (1881-1948), biógrafo e jornalista alemão, era filho de Hermann Cohn, professor de oftalmologia. Formado em direito pela Universidade de Heildelberg, depois da Primeira Guerra tornou-se representante de diversos periódicos dos países aliados à República de Weimar.

A entrevista “teve lugar no Palazzo di Venezia, em Roma, entre 23 de março e 4 de abril de 1932, com encontros diários de quase uma hora”. Os dois homens falaram em italiano. Ludwig traduziu a conversa para o alemão e Mussolini checou os originais nessa língua. “Não havia secretário dele na sala tomando notas, ele não pediu revisão dos originais. Tratava-se apenas de uma questão de confiança mútua”, disse o jornalista.

Alguém havia me presenteado com a édition de luxe de Maquiavel, que a organização editorial do Estado fascista dedicou, com excesso de lisonjas, ao Duce. Mesmo assim, é sem dúvida melhor que um governo ditatorial reconheça as próprias dívidas para com o instrutor dos ditadores do que agir secretamente de acordo com suas teorias, utilizando, entretanto, o termo maquiavélico como abusivo. Quando Frederico, o Grande, ainda era príncipe, escreveu o moralizante O anti-Maquiavel. Mais tarde, ele se tornou mais direto, governando abertamente de acordo com os princípios de Maquiavel.

“O senhor se familiarizou desde cedo com O Príncipe de Maquiavel?”, perguntei a Mussolini. “Meu pai costumava ler o livro em voz alta à noite, enquanto nos aquecíamos perto do fogo da ferraria e bebíamos o vin ordinaire produzido no nosso próprio vinhedo. O livro me impressionou muito. Quando, aos 40 anos, li Maquiavel outra vez, o efeito foi reforçado.”

“É estranho”, eu disse, “como um homem como Maquiavel teve seu trabalho reconhecido em uma certa época, depois foi esquecido e agora é ressuscitado. Parece existir uma variação periódica.”

“O que o senhor disse é, com toda certeza, verdadeiro em se tratando de nações. Elas têm primaveras e invernos. Com o tempo, elas passam.”

“Como as estações na vida nacional se repetem, nunca fiquei muito alarmado com o inverno que domina a Alemanha no momento”, eu disse. “Há mais de cem anos, quando a Alemanha passou por maus momentos, Goethe ridicularizou aqueles que falaram da nossa decadência. O senhor já estudou qualquer um dos personagens importantes da nossa vida política?”

“Bismarck”, respondeu de imediato. “Do ponto de vista dos acontecimentos políticos, ele foi o homem mais importante do seu século. Nunca pensei nele meramente como a figura cômica com três fios de cabelos na cabeça e passos pesados. O livro escrito pelo senhor confirmou a minha impressão do quanto ele era versátil e complexo. Na Alemanha, as pessoas estão bem informadas sobre Cavour?”

“Não muito”, respondi. “Elas sabem muito mais sobre Mazzini. Há pouco tempo, li uma carta de Mazzini para Carlo Alberto, escrita, acho eu, em 1831 ou 1832; a súplica de um poeta a um príncipe. O senhor concorda com o fato de Carlo Alberto ter dado ordens para a prisão de Mazzini caso este cruzasse a fronteira?”

“A carta”, disse Mussolini, “é um dos documentos mais esplêndidos já escritos. A personalidade de Carlo Alberto ainda não se tornou muito clara para nós italianos. Seu diário foi publicado há pouco tempo e é bastante esclarecedor sobre a sua psicologia. É claro que, no início, ele inclinou-se para o lado dos liberais. Quando em 1832 – não, em 1833 –, o governo sardo sentenciou Mazzini à morte in contumaciam, tal fato ocorreu em uma situação política peculiar.”

A resposta pareceu-me tão cautelosa que, na minha determinação persistente, mas inconfessa, de comparar o presente ao passado, achei necessário falar com maior clareza.

“Naqueles dias, A Jovem Itália era publicado ilegalmente. O senhor não acha que esses periódicos surgem sob qualquer censura? O senhor teria prendido Mazzini?”

“Claro que não”, respondeu. “Se um homem tem ideias, que venha a mim e nós vamos discuti-las. Mas, quando Mazzini escreveu aquela carta, ele estava mais tomado pelos sentimentos do que pela razão. Naquela época, o Piemonte tinha apenas quatro milhões de habitantes e era impossível que formasse uma frente contra a poderosa Áustria com seus trinta milhões.”

“Bem, Mazzini foi preso”, recomecei. “Logo depois, Garibaldi foi sentenciado à morte. Duas gerações depois, o senhor foi preso. Não deveríamos concluir que um governante deve pensar duas vezes antes de punir seus adversários políticos?”

“O senhor quer dizer que nós não pensamos duas vezes aqui na Itália?”, perguntou com certa veemência.

“O senhor reintroduziu a pena de morte.”

“Há pena de morte em todos os países civilizados; na Alemanha, assim como na França e na Inglaterra.”

“Ainda assim, foi na Itália”, insisti, “na mente de Beccaria, que a ideia da abolição da pena de morte surgiu. Por que o senhor a reviveu?”

“Porque li Beccaria”, respondeu Mussolini sem ironia. Continuou com a maior seriedade: “O que Beccaria escreveu é o oposto do que a maioria das pessoas acredita. Além disso, depois que a pena de morte foi abolida na Itália, houve um terrível aumento no número de crimes graves. Se comparado à Inglaterra, o total na Itália era de cinco para um. Nesse assunto, leve em consideração apenas a questão social. Não foi Santo Tomás que disse que seria melhor decepar um braço gangrenado para que o resto do corpo pudesse ser salvo?

De qualquer forma, procedo com a maior cautela. Apenas os casos de assassinato excepcionalmente brutal e confesso são punidos com a pena de morte. Há pouco tempo, dois malandros violentaram e assassinaram um jovem. Os dois foram condenados à morte. Acompanhei o julgamento com muita atenção. No último momento, a dúvida tornou-se persistente. Um dos acusados era um criminoso comum que havia confessado seu crime; o outro, um homem bem mais jovem, havia se declarado inocente, e não havia nenhuma acusação anterior contra ele. Seis horas antes da execução, suspendi a sentença do mais novo.”

“O senhor poderia colocar esse fato no capítulo Vantagens de uma ditadura”, disse. A resposta dele foi rápida e feita em tom de zombaria:

“A alternativa é uma máquina estatal que funcione sem que ninguém tenha o poder de pará-la.”

“O senhor gostaria de abandonar esse assunto controvertido e falar sobre Napoleão?”

“Continue.”

“Apesar da nossa conversa anterior, não sei se o senhor o considera um modelo ou um aviso.”

Ele reclinou-se na cadeira sombrio e disse em tom comedido:

“Um aviso. Nunca tive em Napoleão um exemplo, já que não posso ser comparado a ele em nenhum aspecto. As atividades dele diferiam muito das minhas. Ele acabou com uma revolução enquanto eu comecei uma. A história da vida de Napoleão me fez perceber erros que não são fáceis de evitar.” Mussolini enumerou-os com os dedos: “O nepotismo. Uma disputa com o papado. A falta de compreensão da vida financeira e econômica. Ele não via nada além do aumento dos títulos públicos após as suas vitórias.”

“O que determinou o seu fracasso? Os especialistas dizem que ele naufragou ao chocar-se contra os ingleses.”

“Isso é bobagem”, respondeu Mussolini. “Napoleão fracassou, como o senhor mesmo disse, por causa das contradições da sua personalidade. No final, isso é o que leva um homem à ruína. Ele queria usar a coroa imperial! Queria fundar uma dinastia! Como primeiro-cônsul, estava no auge da própria grandeza. O declínio teve início com o estabelecimento do império. Beethoven estava certo quando retirou a dedicatória da Eroica. Foi o uso da coroa que envolveu o corso em contínuas guerras. Compare-o a Cromwell. Este teve uma ideia esplêndida: poder supremo sobre o Estado sem guerra!”

Tinha levado Mussolini a um tema de importância extraordinária. “Pode então haver imperialismo sem império?”

“Há meia dúzia de tipos diferentes de império. Não há necessidade dos brasões do império. Na verdade, eles são perigosos. Quanto mais vasto for o império, mais ele perderá sua energia orgânica. Apesar de tudo, a tendência ao imperialismo é uma das inclinações básicas da natureza humana, uma expressão do desejo de poder. Hoje, vemos o imperialismo do dólar. Há também o imperialismo religioso e o artístico. De qualquer forma, eles são indícios da energia vital humana. Enquanto um homem viver, ele será um imperialista. Quando morrer, o imperialismo estará terminado para ele.”

Nesse momento, Mussolini pareceu extraordinariamente napoleônico, lembrando-me a gravura de Lefèvre de 1815. Então a tensão de seus traços foi relaxada e, em tom mais tranquilo, ele continuou: “É claro que todo império tem seu apogeu. Como ele é sempre a criação de um homem excepcional, carrega dentro de si a semente da própria decadência. Como tudo que é excepcional, ele tem elementos efêmeros. Pode durar um ou dois séculos, ou menos de dez anos. O desejo de poder.”

“Ele só pode ser levado adiante por meio da guerra?”, perguntei.

“Não”, respondeu. “Não há dúvidas sobre isso.” Ele se tornou um tanto didático. “Os tronos precisam de guerras para se manter, mas as ditaduras às vezes podem sobreviver sem elas. O poder sobre uma nação é o resultado de inúmeros elementos, e eles não são apenas militares. Ainda assim, devo admitir que, até agora, na opinião geral, a posição de uma nação dependeu da sua força militar. As pessoas consideram a capacidade para a guerra como a síntese de todas as energias nacionais.”

“Até o momento”, interrompi. “Mas e de agora em diante?”

“De agora em diante?”, reiterou com ceticismo. “É verdade que a capacidade para a guerra não é mais um critério seguro de poder. Em relação ao futuro, portanto, existe a necessidade de algum tipo de autoridade internacional. Pelo menos, da unificação de um continente. Agora que a unidade dos Estados foi atingida, será feita uma tentativa de unificação do continente. Mas no que se refere à Europa, isso será muito difícil, já que cada nação tem suas próprias características, costumes, símbolos e língua. Para cada nação, uma certa porcentagem dessas características (digamos, x por cento) permanece imutável, e isso induz à resistência a qualquer tipo de fusão. Nos Estados Unidos, sem dúvida, as coisas são mais fáceis. Há 48 Estados, de mesma língua e história muito breve, que podem manter a união.”

“Mas, com certeza”, interrompi, “cada nação possui y por cento de características que são puramente europeias.”

“Essas características ficam de fora do poder de cada nação. Napoleão queria estabelecer a unidade na Europa. A unificação da Europa era sua principal ambição. Hoje em dia, essa unificação talvez tenha se tornado possível, mas mesmo naquela época, ela só era possível no plano ideal, como Carlos Magno ou Charles V tentaram fazer do oceano Atlântico aos Urais.”

“Ou, talvez, só até o Vístula?” “É, talvez, só até o Vístula.”

“A sua ideia é que essa Europa poderia ficar sob a liderança fascista?”

“O que é liderança?”, objetou. “Aqui na Itália, o nosso fascismo é o que é. Talvez ele tenha alguns elementos que outros países possam adotar.”

“Sempre acho o senhor mais moderado do que a maioria dos fascistas”, eu disse. “O senhor ficaria surpreso se soubesse o que um estrangeiro é obrigado a ouvir em Roma. Talvez tenha ocorrido a mesma coisa no auge da carreira de Napoleão. A propósito, o senhor poderia me explicar por que o imperador nunca se uniu à sua própria capital, Paris, por que se limitou ao noivado, sem com ela contrair casamento?”

Mussolini sorriu e começou a responder em francês:

“Ses manières n’étaient pas très parisiennes. Talvez houvesse uma violenta tensão sobre ele. Além disso, ele tinha muitos adversários. Os jacobinos se colocaram contra ele porque ele esmagou a revolução, aqueles que eram voltados para a religião, por causa de sua disputa com o papado. Só as pessoas comuns gostavam dele. Eles tinham muita comida durante o governo de Napoleão e se impressionam mais com a fama do que aqueles que pertencem às classes educadas. O senhor não deve esquecer que a fama não é uma questão de lógica, mas de sentimento.”

“O senhor fala de Napoleão com simpatia! Parece que o seu respeito por ele não diminuiu durante o seu próprio controle do poder, o que o tornou capaz de compreender a situação dele a partir da experiência pessoal.”

“Pelo contrário, meu respeito por ele aumentou.”

“Quando ainda era um jovem general, ele disse que sempre se sentia tentado a ocupar um trono vazio. O que o senhor acha disso?”

Mussolini arregalou os olhos, como sempre faz quando se torna irônico, mas, ao mesmo tempo, sorriu.

“Desde o tempo em que Napoleão era imperador”, disse, “os tronos se tornaram bem menos tentadores.”

“É verdade”, respondi. “Ninguém quer ser rei hoje em dia. Quando, há algum tempo, disse ao rei Fuad do Egito: ‘Os reis devem ser amados, mas os ditadores, temidos’, ele exclamou: ‘Como eu queria ser um ditador!’ A história tem registros de algum usurpador que tenha sido amado?”

Mussolini, cujas mudanças de expressão sempre são um prenúncio das respostas (a não ser que ele queira esconder seus pensamentos), ficou sério mais uma vez. A expressão de energia constante foi relaxada, o que fez com que ele parecesse mais jovem do que costuma aparentar. Após uma pausa, e mesmo assim com hesitação, ele continuou:

“Talvez Júlio César. O assassinato de César foi uma desgraça para a humanidade”, e acrescentou em voz baixa: “Adoro César. Ele era único na maneira de combinar a força de vontade de um guerreiro com a genialidade de um filósofo. No fundo, ele era um filósofo que via tudo sub specie eternitatis. É verdade que ele tinha paixão pela fama, mas a ambição não o isolou da humanidade.”

“Então, apesar de tudo, um ditador pode ser amado?”

“Pode”, respondeu Mussolini com determinação renovada. “Desde que as massas também o temam. O povo adora homens fortes. O povo é como uma mulher.”

“Nos meus estudos sobre as grandes carreiras”, comecei, “sempre me preocupei em anotar um aspecto em particular do comportamento dos homens que deixaram o círculo em que cresceram: como se comportaram, por um lado, nas relações com os velhos amigos e, por outro, na solidão que a nova posição impôs aos mesmos. É aí que se revela a personalidade, ou parte dela. O que o homem faz em um conflito como esse entre a bondade humana e a autoridade? Não é natural que ele vá de um extremo a outro? Diga o que acontece quando um dos seus camaradas entra nessa sala! Como o senhor muda sem retomar uma das velhas discussões? Uma vez, o senhor escreveu (e essa é uma boa frase): ‘Somos fortes porque não temos amigos’.”

Quando se sentou à minha frente, Mussolini não fez nenhum gesto ou movimento, mas havia algo incomum, quase infantil, na expressão dele que me revelou que o assunto que eu havia abordado causara-lhe profunda agitação. Quando, por fim, ele respondeu, ficou claro que as suas palavras eram mais frias do que os seus sentimentos, e que ele não estava revelando todas as suas emoções e pensamentos.

“Não posso ter amigos. Não tenho amigos. Primeiro, por causa do meu temperamento, segundo, por causa da minha visão dos seres humanos. É por isso que evito tanto a intimidade quanto as discussões. Se um velho amigo me procura, o encontro é constrangedor para ambos e não dura muito. Só à distância acompanho as carreiras dos meus antigos camaradas.”

“O que acontece quando aqueles que foram amigos tornam-se adversários e o caluniam?”, perguntei, relembrando minhas experiências pessoais. “Qual dos seus velhos amigos permaneceu mais fiel ao senhor? Há algum antigo amigo cujo ataque violento ainda constrange o senhor?”

Ele permaneceu imóvel.

“Se aqueles que um dia foram meus amigos tornaram-se inimigos, o que me interessa saber é se são inimigos na vida pública. Se forem, eu os combato. Se não forem, eles não me interessam. Quando alguns antigos colaboradores me atacaram na imprensa, declarando que eu havia me apropriado de dinheiro pertencente a Fiume, isso, é claro, aumentou minha misantropia. Os meus amigos mais fiéis, eu guardo no fundo do coração, mas, em geral, eles mantêm distância. Justamente porque são leais! São pessoas que não buscam lucro ou ascensão e que, apenas em raras ocasiões, me fazem rápidas visitas.”

“O senhor confiaria a sua vida a eles ou a qualquer outro?”, perguntei. “O senhor tornou alguns deles membros do Gran Consiglio?”

“Três, e apenas por três anos”, disse ele secamente.

“Sendo essa a sua posição, sou levado a perguntar quando o senhor sentiu-se mais solitário. Foi na juventude, como no caso de D’Annunzio, quando estava fora em contato direto com os camaradas de partido, ou hoje em dia?”

“Hoje em dia”, respondeu sem um momento de hesitação. “Mas”, continuou após uma pausa, “mesmo no início, ninguém exercia qualquer influência sobre mim. Basicamente, eu sempre fui sozinho. Além disso, agora, embora não esteja preso, sou um prisioneiro de qualquer forma.”

“Como o senhor pode dizer isso?”, perguntei com considerável agitação. “Ninguém no mundo tem menos razões para fazer uma declaração dessas!”

“Por quê?”, perguntou, tendo a atenção concentrada na minha agitação.

“Porque ninguém no mundo pode agir com tanta liberdade quanto o senhor!”, continuei. Ele fez um gesto conciliatório e respondeu:

“Por favor, não pense que eu estou inclinando a lutar contra o meu destino. Ainda assim, até certo ponto, defendo o que acabo de dizer. O contato com assuntos comuns, uma vida espontânea no meio da multidão – para mim, na minha posição, essas coisas são proibidas.”

“O senhor só precisa sair para um passeio!”

“Eu teria que usar uma máscara”, respondeu. “Uma vez, quando, sem máscara seguia pela via Tritone, fui rapidamente cercado por uma multidão de trezentas pessoas, por isso não consegui dar um passo. Mas não acho minha solidão maçante.”

“Se a solidão lhe agrada”, eu disse, “como o senhor pode suportar os vários rostos que tem que ver aqui todo dia?”

“Percebendo apenas o que eles me dizem. Não deixo que entrem em contato com o meu interior. Não me emociono mais com eles do que com esta mesa e os papéis que estão sobre ela. No meio deles, conservo minha solidão intocada.”

“Nesse caso”, eu disse, “o senhor não tem medo de perder o equilíbrio mental? O senhor lembra como César, quando retornava de uma vitória no Fórum, trazia com ele na biga um escravo, cuja função era lembrá-lo continuamente da nulidade de todas as coisas?”

“Claro que lembro. O rapaz tinha de lembrar o imperador do fato de que ele era um homem e não um deus. Mas, hoje em dia, esse tipo de coisa é desnecessário. Da minha parte, de qual- quer maneira, nunca tive nenhuma inclinação para imaginar-me um deus, sempre tive profunda consciência de que sou apenas um mortal, com todas as fraquezas e paixões da mortalidade.”

Ele falou com óbvia emoção e depois continuou em tom mais calmo:

“O senhor está sempre preocupado com o perigo que pode resultar da falta de oposição. Esse perigo seria real se vivêssemos tempos tranquilos. Mas, hoje em dia, a oposição é representada pelos problemas que têm de ser resolvidos, pelos problemas econômicos e morais que sempre pedem uma solução. Isso é o suficiente para não permitir que um governante durma! Além disso, criei uma oposição dentro de mim mesmo!”

“Parece que estou ouvindo Lord Byron”, eu disse.

“Com frequência eu leio tanto Byron quanto Leopardi. E quando me canso dos seres humanos, eu viajo. Se pudesse fazer tudo o que quisesse, eu estaria sempre no mar. Quando isso é impossível, contento-me com os animais. A atividade mental deles se aproxima da humana, e, mesmo assim, eles não querem nada de nós: os cavalos, os cães e o meu favorito, o gato. Ou, então, eu observo os animais selvagens. Eles personificam as forças básicas da natureza!”

Essa confissão me pareceu tão misantrópica que perguntei a Mussolini se ele achava que um governante precisava se inspirar no desprezo pela humanidade e não nos sentimentos generosos.

“Pelo contrário”, disse enfático. “Uma pessoa precisa de 99% de generosidade e apenas 1% de desprezo.”

Partindo dele, a declaração me surpreendeu e, para certificar-me de ter entendido bem, perguntei-lhe mais uma vez: “O senhor realmente acha, então, que os seres humanos merecem mais compreensão do que desprezo?”

Ele olhou-me com sua habitual expressão inescrutável e disse em voz baixa: “Mais compreensão e compaixão, muito mais compaixão.”

Essa declaração lembrou-me que, quando lia os discursos de Mussolini, fui surpreendido várias vezes pelo que parecia ser uma exibição de altruísmo. Por que ele, o condottiere, se referia com tanta insistência aos interesses da comunidade? Fui levado a perguntar-lhe:

“Repetidas vezes, em frases excessivamente graciosas, o senhor declarou que um aperfeiçoamento da sua própria personalidade era a meta da sua vida, dizendo: ‘Quero fazer da minha vida uma obra-prima’, ou ‘Quero tornar minha vida muito eficiente’. Algumas vezes, o senhor citou a máxima de Nietzsche: ‘Viva perigosamente!’ Como pode então um homem de natureza tão orgulhosa escrever: ‘Minha principal meta é a promoção do interesse público’? Não existe, aí, uma contradição?”

Ele ficou impassível.

“Não vejo nenhuma contradição”, respondeu. “É perfeitamente lógico. O interesse da comunidade é um assunto comovente. Estando a serviço dele, enriqueço minha própria vida.”

Fui pego de surpresa e não pude encontrar uma resposta efetiva, mas citei as próprias palavras do ditador: “Sempre tive uma perspectiva altruísta da vida.”

“Sem dúvida”, disse ele. “Ninguém pode isolar-se da humanidade. Aí temos algo de concreto – a humanidade da raça a qual pertenço.”

“A raça latina”, interrompi, “nela incluem-se os franceses.”

“Já declarei, ao longo de uma destas conversas, que não existe uma raça pura! A crença de que ela existe é uma ilusão da mente, um sentimento. Mas essa crença deixa de existir só por ser uma ilusão?”

“Sendo assim”, eu disse, “um homem pode escolher a raça a que deseja pertencer.” “Claro.”

“Bem, escolhi ser mediterrâneo e, nesse ponto, tenho um aliado formidável em Nietzsche.” O nome despertou na mente de Mussolini uma associação e, em alemão ele citou uma das declarações mais orgulhosas de Nietzsche: “Pareço esforçar-me para ser feliz? Eu me esforço no interesse do meu trabalho!”

Chamei a atenção para o fato de que aquela ideia, na verdade, se originara de Goethe e perguntei se ele concordava com a opinião de Goethe de que o caráter é moldado pelos revezes do destino.

Ele concordou com a cabeça: “Devo o que sou às crises que tive que superar e às dificuldades que tive que vencer. Portanto, todos devem correr riscos.”

“Por isso o senhor põe em jogo o seu trabalho e a si, correndo riscos desnecessários.”

“A vida tem seu preço”, respondeu. “Não se pode viver sem correr riscos. Hoje mesmo participei de uma luta mais uma vez.”

“Se a sua visão fosse coerente, o senhor não tentaria se proteger”, eu disse. “Eu não tento”, respondeu.

“O quê!”, exclamei. “O senhor não reconhece que várias vezes algum dos seus inimigos arrisca a própria vida na esperança de privá-lo da sua?”

“Eu entendo aonde o senhor está querendo chegar. Também sei dos rumores que correm. Dizem que sou vigiado por mil policiais e que toda noite durmo em um lugar diferente. Na realidade, durmo toda noite na Villa Torlonia e dirijo ou ando a cavalo quando e para onde quiser. Se tivesse de pensar constantemente na minha própria segurança, me sentiria humilhado.”

“Diga-me”, falei para concluir, “qual a importância da fama na sua vida? Não é essa a motivação mais forte para um governante? A fama não é a única maneira de escapar da morte? Ela não é a sua principal meta desde que o senhor era um menino? Todo o seu trabalho não é movido pelo desejo de se tornar famoso?”

Mussolini permaneceu imperturbável.

“A fama não me atraía quando eu era menino”, disse, “e não concordo que o desejo de se tornar famoso seja a mais forte das motivações. No que se refere à morte, o senhor tem razão; existe um certo consolo em saber que não se está completamente morto quando se é famoso. Mas meu trabalho nunca foi exclusivamente direcionado pelo desejo da fama. A imortalidade é garantida pela fama.” Ele fez um gesto largo em direção a um futuro remoto e incontrolável e acrescentou:

“Mas ela vem – mais tarde.”

(*) Esta entrevista foi publicada no livro ‘A Arte da entrevista’ (Editora Boitempo, 2004), organizado por Fábio Altman e com ilustrações de Cássio Loredano. As traduções são de Inês Antonia Lohbauer, Maria dos Anjos Santos Rouch e Rosanne Pousada. O texto se encontra entre as páginas 135 e 143.
OperaMundi

Postado na categoria: Ditadura, Ideologias, Política Internacional, Racismo - Palavras chave: , , , , ,

Leia também:

Chile decide enterrar a Constituição herdada da ditadura de Pinochet
Chile decide enterrar a Constituição herdada da ditadura de Pinochet

Empurrado pela crise social e política, o conservador Sebastián Piñera se abre à possibilidade de um Congresso constituinte

November 12, 2019, 12:43 pm
Yuval Noah Harari contra o ultranacionalismo
Yuval Noah Harari contra o ultranacionalismo

Harari passa nesta semana pelo Brasil Leia trecho do livro '21 lições para o século 21' em que o historiador israelense reflete sobre os atuais riscos do nacionalismo.

November 11, 2019, 11:21 am
Brasil vive um clima de pré-nazismo enquanto a oposição emudece
Brasil vive um clima de pré-nazismo enquanto a oposição emudece

O silêncio dos que deveriam defender a democracia pode acabar deixando o caminho aberto aos autoritários, que se sentem ainda mais fortes diante de tais silêncios

November 25, 2019, 12:49 pm