Hilda Hilst – Ama-me

Aos amantes é lícito a voz desvanecida


Ama-me
Hilda Hilst

Aos amantes é lícito a voz desvanecida.
Quando acordares, um só murmúrio sobre o teu ouvido:
Ama-me. Alguém dentro de mim dirá: não é tempo, senhora,
Recolhe tuas papoulas, teus narcisos. Não vês
Que sobre o muro dos mortos a garganta do mundo
Ronda escurecida?

Não é tempo, senhora. Ave, moinho e vento
Num vórtice de sombra. Podes cantar de amor
Quando tudo anoitece? Antes lamenta
Essa teia de seda que a garganta tece.

Ama-me. Desvaneço e suplico. Aos amantes é lícito
Vertigens e pedidos. E é tão grande a minha fome
Tão intenso meu canto, tão flamante meu preclaro tecido
Que o mundo inteiro, amor, há de cantar comigo.


Você leu?: Joaquim Pessoa – É provável que ainda a ame


Postado na categoria: Literatura, Poesia - Palavras chave: ,

Leia também:

O Deus de Ezpinoza - O que é a filosofia
O Deus de Ezpinoza - O que é a filosofia

Já em seu Tratado Teológico Político, anterior à Ética

September 9, 2019, 11:55 am
Luiza Jorge Neto - O poema ensina a cair
Luiza Jorge Neto - O poema ensina a cair

...da lenta volúpia de cair

August 22, 2019, 2:33 pm
Fernando Pessoa - A Espantosa Realidade das Cousas
Fernando Pessoa - A Espantosa Realidade das Cousas

Basta existir para se ser completo

August 24, 2019, 7:00 pm
Gabriel Garcia Marques - Do amor e outros fracos
Gabriel Garcia Marques - Do amor e outros fracos

...enquanto isso, toque música, encha a casa de flores.

September 17, 2019, 9:00 pm
Pe. Antônio Vieira - O que sabemos e o que ignoramos
Pe. Antônio Vieira - O que sabemos e o que ignoramos

A maior parte do que sabemos é a menor do que ignoramos

August 25, 2019, 7:14 pm
Clarice Lispector - A imaginação é a base do homem
Clarice Lispector - A imaginação é a base do homem

O determinismo não é um determinismo de fins

August 30, 2019, 5:52 pm