Henriqueta Lisboa – Versos na tarde


Serena
Henriqueta Lisboa ¹

Essa ternura grave
que me ensina a sofrer
em silêncio, na suavidade do entardecer,
menos que pluma de ave
pesa sobre meu ser.

E só assim, na levitação da hora alta e fria,
porque a noite me leve,
sorvo, pura, a alegria,
que outrora, por mais breve,
de emoção me feria.

¹ Henriqueta Lisboa
* Lambari, MG. – 15 de Julho de 1904 d.C
+ Belo Horizonte, MG. – 9 de Outubro de 1985 d.C


[ad#Retangulo – Anuncios – Duplo]


Você leu?: Luciano Trigo – Dialética


Postado na categoria: Literatura - Palavras chave: , , ,

Leia também:

Marcel Proust - Mentimos para proteger o nosso prazer
Marcel Proust - Mentimos para proteger o nosso prazer

Mentimos para Proteger o nosso Prazer A mentira é essencial à humanidade. Nela desempenha porventura um papel tão importante como a procura do prazer, e de resto é comandada por...

August 16, 2019, 11:00 am
John Donne - Constância Feminina
John Donne - Constância Feminina

Constância Feminina John Donne Agora já me amaste por um dia inteiro. Amanhã, quando partires, o que dirás? Irás antedatar algum voto mais recente? Ou dizer que, agora, Já não...

July 31, 2019, 9:46 pm
Vergílio Ferreira - Dizer não
Vergílio Ferreira - Dizer não

Diz NÃO à liberdade que te oferecem...

August 6, 2019, 8:00 pm
Sá de Miranda - Comigo me desavim
Sá de Miranda - Comigo me desavim

Não posso viver comigo

August 6, 2019, 8:00 pm
Alberto Caeiro - Ontem à tarde um homem das cidades
Alberto Caeiro - Ontem à tarde um homem das cidades

Heterônimo de Fernando pessoa

August 7, 2019, 8:00 pm
J.G de Araujo Jorge - Pressentimento
J.G de Araujo Jorge - Pressentimento

Pressentimento J.G de Araujo Jorge O fim do nosso amor pressenti – na agonia das tuas próprias cartas, rápidas, pequenas… – se nem tantas, com carinho imenso te escrevia tão...

August 1, 2019, 5:00 pm